Recicla Net

Óticas Olhar Brasil

Supermercado

Seg Vida

 

Pensando com calma: rainha do Cordão da Bola Preta e da bateria da Grande Rio, Paolla considera o adiamento do carnaval de 2021 'a decisão mais prudente neste momento de pandemia'© Raquel Cunha/Divulgação Pensando com calma: rainha do Cordão da Bola Preta e da bateria da Grande Rio, Paolla considera o adiamento do carnaval de 2021 ‘a decisão mais prudente neste momento de pandemia’

Caso raro de dupla majestade no mundo do samba — ela é rainha do Cordão da Bola Preta e também reina à frente da bateria da Grande Rio —, Paolla conta que ficou arrasada, mas entende: “É o mais prudente a fazer neste momento”. Conformar-se tem a ver com outra descoberta dela nestes tempos difíceis, a importância de canalizar e controlar sua impulsividade. “Sinto raiva e explodo de vez em quando, o que é normal. Mas usar essa potência com foco me ajuda a construir a mulher que busco ser”, explica.

msn.

Isabeli Fontana (Foto: Pablo Saborido)

Isabeli Fontana não passa despercebida com seus 1,77 metros de altura, olhos azuis e ar de mulher decidida e sedutora. A beleza lhe proporcionou, ainda na adolescência, mudar por completo a vida modesta que levava com a família no Paraná, dando-lhe a oportunidade de conhecer o mundo ao desfilar para as principais grifes de moda, ser fotografada por renomados profissionais e liderar o ranking de modelos mais bem pagas. 

Divido, logo no início de nosso papo, que fiquei intimidada em entrevistá-la pela primeira vez nos bastidores de um desfile, dez anos atrás. Julguei que uma pessoa tão bonita e poderosa poderia ser arrogante. Sem se surpreender com meu comentário, Isabeli me explica que sua beleza já a afastou de muitas pessoas, que a julgavam apenas pela aparência.

Isabeli Fontana (Foto: Pablo Saborido)
Isabeli Fontana usa vestido e anel Christian Dior | Algemas curve Nuasis | Laço de crinol Graciella Starling (Foto: Pablo Saborido)

“Provoco esse distanciamento em pessoas que me julgam por minha beleza sem me conhecer. Algumas pessoas pré-julgam que, por eu estar linda em uma foto, deveria ser um entojo. A vida inteira ouvi isso. Uma vez, em uma das viagens que fiz, o motorista que me buscou no aeroporto olhou para mim e disse: ‘Vai logo’. Foi arrastando sem cuidado a minha mala. Eu perguntei se tinha acontecido alguma coisa. Ele foi bem grosso e ainda disse que eu deveria estar acostumada a ser elogiada o tempo todo. Eu respondi que, pelo contrário, sempre era tratada com grosseria. As pessoas têm que entender que eu visto aquela roupa de grife para uma foto e é só isso. O interior da pessoa é muito mais interessante. Eu prezo e vivo a vida pensando no amor ao próximo”, explica.

“Algumas pessoas pré-julgam que, por eu estar linda em uma foto, deveria ser um entojo

Isabeli Fontana (Foto: Pablo Saborido)
Isabeli Fontana usa vestido Alexander McQueem em Trash Chic | Sapato Christian Dior (Foto: Pablo Saborido)

A verdade é que não é preciso cinco minutos com ela para se dar conta disso. Isabeli parece aquela amiga de infância, que no passado vestia várias camadas de roupa para aparentar ser mais curvilínea e hoje se controla para evitar a tentação de comer as amadas frituras. “Tive que trabalhar muito a minha autoestima e não foi fácil. Fiz terapia. As pessoas achavam que tudo era fácil por eu ter uma beleza. E eu me sentia o patinho feio, magra demais… Odiava o meu corpo. Colocava umas três camadas de roupa para me sentir mais cheinha. Não me sentia nada sexy. A verdade é que aprendi a gostar do meu corpo há pouco tempo, quando aprendi que a gente tem que se amar.

Isabeli Fontana (Foto: Pablo Saborido)

Isabeli Fontana com vestido Zen | Cinto Nuasis (Foto: Pablo Saborido)

“A verdade é que aprendi a gostar do meu corpo há pouco tempo”

Atualmente, ela tem tido a oportunidade de mostrar um pouco mais essa sensibilidade no quadro Dança dos Famosos, do Domingão do Faustão. Isabeli assume que está toda dolorida com os intensos treinos para a competição. “Estou aprendendo a estar mais presente ao momento e a ter mais força. Sinto dor no corpo todo e em músculos que eu nem conhecia. E eu me achava forte porque sempre fiz pilates e corrida. Notei uma fragilidade que não tinha antes. Mas, ao mesmo tempo, tem sido muito prazeroso”, conta.

Isabeli Fontana (Foto: Pablo Saborido)

Isabeli Fontana veste vestido de seda e tule Dolce & Gabbana | Sapato Christian Dior (Foto: Pablo Saborido)

Aos 37 anos, ela lida de forma muito bem-resolvida com o passar dos anos. “É uma aceitação diária. O tempo cronológico está mais curto. Minha cara está mudando, meu corpo está mudando. Ao mesmo tempo, não quero ser refém disso. Vejo pessoas mudando o rosto completamente. Faço botox, que por sinal venceu, desde os 20. Mas acho que as pessoas estão perdendo a noção com essa onda de harmonização (facial). Todos estão ficando com o mesmo bocão e nariz fino. Vamos cultivar o amor próprio! Olhar para a gente com carinho. Carregamos o DNA da nossa família, dos nossos antepassados. Minha boca, meus olhos e outros trações são heranças. Tudo isso é tão bonito”, avalia. Mesmo assim, Isabeli admite que, às vezes, se espanta ao se dar conta que pode se tornar avó em breve. Ela é mãe de dois meninos, Zion, de 17 anos, do relacionamento com o primeiro namorado, Álvaro Jacomossi, e Lucas, de 13 anos, do casamento com o ator Henri Castelli“Não consigo pensar que daqui a pouco posso ser avó! Tive meu filho com 19 e ele está perto de fazer 18 anos. Se ele tem um filho, vou ser avó e daí que envelhecei mesmo (risos)”, diz ela, que ainda tem o desejo de ser mãe novamente, apesar de não ter chegado a um consenso com o marido, o músico Di Ferrero, sobre o assunto.

Isabeli Fontana (Foto: Pablo Saborido)

Isabeli Fontana veste corsete e saia Madame Sher | Top de tricô Fendi | Loafer Louis Vuitton | (Foto: Pablo Saborido)

Com esse espírito de eterna moleca, Isabeli nem pensa em se aposentar como modelo e tem expandido suas áreas de atuação. Recentemente, ela assinou a coleção de uma marca de joias e planeja retomar os estudos em Nutrição. “Não quero me aposentar porque amo meu trabalho. A modelo sempre vai estar ali. Talvez no futuro, deixe de estar em primeiro plano. Existem milhares de outras coisas que quero fazer, como faculdade para entender melhor essa área de Nutrição. Gosto muito de alimentação saudável e me imagino agregando valores na vida dos outros. Ainda tenho o sonho de ajudar as pessoas a ficarem de bem consigo mesmas.”

“Não quero me aposentar porque amo meu trabalho”

Sua carreira começou muito cedo. Com 13 anos você já estava posando para editorias de moda e logo depois mudou-se para Milão. Como foi esse começo?
Passei por muitos perrengues. Visitava de 10 a 15 clientes por dia. Tinha que caminhar demais e ainda ia de salto alto. Precisei de muitas bolhas nos pés para entender que tinha que ir de tênis e levar o sapato na bolsa para colocá-lo apenas quando chegasse no cliente. Recebia muitos “nãos”. Comecei a me sentir mal, achava que tinha algo errado, que tinha escolhido a profissão errada.

Como foi passar essa fase de transformações e amadurecimento da adolescência em meio a tudo isso?
Tive que crescer rápido. Não tive tempo de ser adolescente. Esse crescimento me fez uma pessoa bem forte. Aprendi sobre autoconfiança e a me enxergar em meio ao julgamento de profissionais da alta moda. Tive que trabalhar ali, uma barreira e ser uma pessoa mais forte do que a maturidade da minha idade me proporcionava naquele momento. Não foi fácil ouvir “nãos” e ouvir que eu não era boa ou perguntarem o que eu estava fazendo ali. No começo pensava que era porque eu era muito ruim, que não era boa o suficiente. Com o tempo isso foi me deixando calejada. Também passei a entender que quando não pegava um trabalho, não era culpa minha. Às vezes, era porque eles queriam uma loira ao invés de uma morena. Foi bom ter passado por tudo isso para aprender sobre autoestima.

Isabeli Fontana (Foto: Pablo Saborido)

Isabeli Fontana (Foto: Pablo Saborido)

“Não foi fácil ouvir ‘nãos’ e ouvir que eu não era boa”

No mundo da moda, quanto mais magra, melhor. Fez muitas loucuras para permanecer magérrima?
Fiz dietas malucas que me deixaram com os parafusos meio soltos (risos). Uma época fiz aquela de comer apenas proteína. Fiz três meses a dieta. Não conseguia nem pensar direito, meus neurônios não estavam funcionando mais. Demorou para voltar ao normal.

Muitas mulheres que iniciaram a carreira bem jovens também tiveram que lidar com o assédio sexual. Com você foi assim também?
Nunca fui assediada. Era muito fechada e reservada. Acho que isso e a cara de bravinha faziam uma certa barreira. Também sempre me posicionei. Fui criada como uma moleca no meio de muitos homens e aprendi a me defender sozinha. Quando queriam fazer fotos mostrando os seios, eu dizia que não ia fazer. Mas vi muitas garotas novinhas fazendo isso iludidas que assim teriam uma carreira melhor. Entraram em uma cilada.

Isabeli Fontana (Foto: Pablo Saborido)

Isabeli Fontana (Foto: Pablo Saborido)

E tudo isso acontece em meio a uma competição entre as modelos. Sentiu muito isso?
É normal a competição das modelos, mas nunca levei isso a sério. Sempre acreditei que cada pessoa tem uma essência, é única e tem seu espaço. Tinha umas americanas que faziam caras feias para mim. Ao mesmo tempo, tinha pessoas amigas como a Gisele (Bündchen) que fazia todos os desfiles que eu abria. Ela sempre foi muito legal. Quando nos conhecemos, em Nova York, eu era muito quietinha e ela quem foi se apresentar para mim. Ela me perguntou se eu precisava de alguma ajuda e falou que se eu precisasse de ajuda para traduzir algo em inglês, era só perguntar. Isso é raro.

“Gisele (Bündchen) sempre foi muito legal. Quando nos conhecemos, ela quem foi se apresentar para mim e perguntar se eu precisava de ajuda. Isso é raro”

Você foi por anos uma das modelos mais bem pagas do mundo. Nunca te vi ostentando nada. No que investiu seu dinheiro?
Eu realmente sempre mantive minha cabeça no lugar porque sei como é a pobreza. Minha família já passou fome. Eu tive uma infância melhor, mas modesta. Mistura só de fim de semana. Então, tinha que ser inteligente com o dinheiro que estava conquistando. Comprei terra, nunca quis investir em coisas superficiais como comprar roupas de marca. Quando comecei a trabalhar como modelo, uma agência me sugeriu que eu investisse 20 mil dólares em novas roupas. Eu respondi: “Vocês estão loucos? Nem a pau”. Acabei nem entrando para essa agência por causa disso. Amo as marcas que desfilo, mas apenas as represento no meu trabalho. Prefiro gastar meu dinheiro com comida, alimentação saudável e investimentos.

Essa posição de tanto poder financeiro e beleza afastou pretendentes?
Com certeza afastava pretendentes (risos). Muitos queriam mostrar o que tinham para se sentirem valorizados. Vinham com, “Olha meu barco, olha o meu avião”. Esse tipo de coisa não me compra. Me interesso pela pessoa e não pelo que ela tem.

Você foi mãe aos 19 anos. Como foi essa experiência no seu auge das passarelas?
Estava no auge da minha carreira, ganhando dinheiro, comprando apartamento… Engravidei do meu primeiro namorado, não foi planejado, apesar de eu sempre ter sonhado em ser mãe. Tinha acabado de fechar um contrato com a Victoria’s Secret (marca de lingerie americana) e outras tantas campanhas. Meu agente achava que eu não deveria ter o filho, sugeriu que eu abortasse. Mas sentia já uma conexão com ele e decidi que ia ser mãe. Tive um pouco de medo, mas pensei que se tudo aquilo acabasse ali, eu estaria feliz porque já tinha comprado um apartamento e teria o meu filho comigo. Trabalhei até o sexto mês porque a barriga não aparecia e depois minha carreira deu uma pausa. Fiquei meio ano parada e comecei a trabalhar novamente quando ele estava com três meses. Voltei magra e com a carreira no topo, fechando um editorial bem legal para a Vogue America. Fui a primeira top a ter um filho jovem. Depois disso, várias modelos viram que era possível manter a carreira e ser mãe e começaram a engravidar.

Isabeli Fontana (Foto: Pablo Saborido)

Isabeli Fontana (Foto: Pablo Saborido)

E depois veio o Lucas…
Sempre quis ser mãe. Quando era criança, escolhia a Barbie grávida para brincar. Nasci para ser mãe, mas nenhuma gravidez foi planejada. Fui vivendo conforme ia acontecendo as coisas, sem planejamento. Quando engravidei do Lucas, estava me separando do Henri. A gente voltou por um período, resolveu tentar, mas não deu e a gente se separou. Mas tudo ótimo.

“Quando era criança, escolhia a Barbie grávida para brincar. Nasci para ser mãe, mas nenhuma gravidez foi planejada”

E como foi criar esse elo forte que você tem com os filhos em meio a um dia a dia tão sem rotina, cheio de viagens?
No começo foi muito difícil. Decidi fazer a minha base no Brasil, sendo que a base das tops geralmente é nos Estados Unidos ou Europa, porque os clientes estão lá e muitos não querem pagar passagem para a modelo. Tive muita sorte de ter podido manter minha base no Brasil e dos clientes fazerem questão de me ter no projeto deles e pagarem as minhas passagens. Hoje está mais complicado porque os clientes não estão querendo investir tanto… Poderia ter sido mais lucrativo para mim, se não tivesse feito minha base no Brasil, mas sempre pensei nos meus filhos. Queria que eles tivessem a minha família e os pais por perto, queria que eles falassem o português correto e não com sotaque. Sempre prezei muito por isso. Agora que os meus filhos estão crescendo, estou tirando minha cidadania italiana. Mas mais para ter uma opção de poder morar em outro lugar se precisar. Nunca se sabe o dia de amanhã.

Isabeli Fontana (Foto: Pablo Saborido)

Isabeli Fontana (Foto: Pablo Saborido)

Que tipo de mãe você é?

Continue lendo

Marco Aurélio, qual é a sua? MAIS – Marcelo Tas: “O ‘CQC’ não criou o Bolsonaro”. A base radical bolsonarista está decepcionada com Bolsonaro. Presidente fez opção “consciente que colocava vidas em risco”, diz Mandetta. Balanço do coronavírus etc.

<b>Google Imagens (Brasil247)</b> Marco Aurélio - Traficante internacional do PCC - Fux
Google Imagens (Brasil247) Marco Aurélio – Traficante internacional do PCC – Fux
Por Folha de S. Paulo – O Estado de S. Paulo – O Globo – UOL – Veja – Exame – Crusoé – Poder360 – Correio da Manhã – iG

Prevaleceu a divergência aberta por Alexandre de Moraes.

Segundo o ministro, “o exaurimento da instância recorrida é, como regra, pressuposto para ensejar a competência do Supremo Tribunal Federal, conforme vem sendo reiteradamente proclamado por esta corte”. A “instância recorrida”, naquele caso, era o STJ (Superior Tribunal de Justiça), que já havia negado o pedido de liberdade para o integrante do PCC. A decisão foi do ministro Rogério Schietti.

Marco Aurélio mandou soltar quase 80 presos usando o mesmo critério do caso André do Rap

Decisões apontam falta de revisão das prisões preventivas; regra vale desde janeiro, como trecho do pacote anticrime. Fux suspendeu decisão sobre André do Rap, que agora está foragido, escreve Rosanne D’Agostino. O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu neste ano pelo menos 79 pedidos de soltura com base no trecho do pacote anticrime que trata das prisões preventivas. O entendimento usado foi o mesmo que beneficiou o traficante André Oliveira Macedo, conhecido como André do Rap. O levantamento exclusivo feito pelo G1 leva em conta apenas decisões publicadas pelo STF, o que exclui processos em segredo de justiça. O número de pessoas beneficiadas pode ser ainda maior, já que um mesmo habeas corpus pode beneficiar mais de um preso. Em todas essas decisões, Marco Aurélio Mello se baseou no artigo 316 do Código de Processo Penal, que foi alterado em janeiro a partir da lei do pacote anticrime. O texto prevê que, quando uma prisão preventiva (definida por precaução) não é reanalisada a cada 90 dias pelo juízo responsável, ela se torna ilegal. (…) (G1)

Soltura de André do Rap não é a 1ª decisão controversa de Marco Aurélio

Outros membros do PCC estão na lista. Especialistas divergem sobre decisões, reporta Raquel Lopes.

O habeas corpus concedido pelo ministro Marco Aurélio, do STF (Supremo Tribunal Federal) a André Oliveira Macedo, o André do Rap, foi alvo de contestações durante os últimos dias. O presidente do STF, ministro Luiz Fux, suspendeu a liminar no sábado (11.out.2020) após o traficante já ter saído da prisão. Ele não foi encontrado para retornar à detenção. O traficante é considerado pela Justiça 1 dos principais membros da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital). Outros traficantes já conseguiram habeas corpus junto ao ministro. Especialistas divergem das decisões de Marco Aurélio. O ministro baseou-se no artigo 316 do Código do Processo Penal para decidir sobre André do Rap. O texto estabelece que as prisões preventivas devem ser revisadas a cada 90 dias. Ele foi inserido no CPP após o Pacote Anticrime ser sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro em dezembro de 2019. Outro membro do PCC, Ricardo Rissato Henrique, preso pela Polícia Civil paulista em 2013, também teve habeas corpus concedido pelo ministro em dezembro de 2015. A liminar foi suspensa em abril de 2016.Por conta de uma investigação que envolvia o traficante, a Justiça determinou que as operadoras de telecomunicações bloqueassem, em dezembro de 2015, os serviços do aplicativo de mensagens WhatsApp por 48 horas em todo o Brasil.Em dezembro de 2014 o ministro expediu alvará de soltura em favor de Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue, considerado o número 3 do PCC. (…) (Poder360)

Decisão final

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, vai a levar ao plenário da corte a análise do caso que resultou na soltura do traficante André do Rap. No sábado, 10, Fux suspendeu a decisão proferida pelo ministro do STF Marco Aurélio Mello, que ordenou a libertação de André do Rap, do PCC, alegando que não foram reiteradas as fundamentações para manter a sua prisão preventiva. Nesta segunda-feira, 12, a advogada Ronilce Martins, que defende o traficante Gilcimar de Abreu, o Poocker, pediu nesta segunda, 12, a Marco Aurélio Mello que liberte o seu cliente. Abreu foi condenado em segunda instância, mas ele ainda é considerado em prisão preventiva, uma vez que ainda não se deu o trânsito em julgado. Ele estaria, assim, na mesma situação de André do Rap, o líder do PCC que foi condenado no mesmo processo e acabou sendo libertado por Marco Aurélio. Para soltar André do Rap, o ministro se baseou em uma medida incluída no pacote anticrime, segundo a qual é preciso reiterar a fundamentação da prisão preventiva a cada 90 dias. No domingo, 11, Crusoé revelou que o pedido que resultou na decisão de Marco Aurélio Mello foi apresentado pelo escritório de um advogado que até o início deste ano era assessor do gabinete do ministro no Supremo. (…) (Crusoé)

Marco Aurélio, qual é a sua?

Juízes e ministros do STF não são robôs, que juntam o caso X com o artigo Y e apertam um botão, escreve Eliane Cantanhêde. Em 27 de julho do ano 2000, escrevi artigo sobre a decisão monocrática do Supremo que mandou soltar o então banqueiro Salvatore Cacciola, apesar da obviedade da culpa e das evidências de que, assim que deixasse a prisão, ele fugiria do País. O ministro deu a liminar, Cacciola voou para a Itália, via Paraguai e Argentina, e só foi preso de novo seis anos depois, ao cometer um erro primário. Título do artigo: “Marco Aurélio, qual é a sua?” Vinte anos e muitas decisões polêmicas depois, Marco Aurélio Mello assume a partir de hoje a solene condição de decano, no lugar do ministro Celso de Mello, já empurrando a Corte para o centro do debate nacional – ou melhor, da ira nacional. Qual o sentido de soltar André do Rap, o chefe do PCC que a polícia demorou anos e gastou fortunas para capturar? Dono de helicóptero, lancha, mansões e carrões, o facínora tem duas condenações em segunda instância, somando 26 anos, mas entrou com recurso e estava ainda em prisão provisória desde setembro de 2019. Ao acatar o habeas corpus, Marco Aurélio justificou que sua prisão não fora renovada de 90 em 90 dias, como manda o novo Código Penal, aprovado no Congresso e sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro – contra a posição de Sérgio Moro. Pode? Não pode. Bastava o relator pedir explicações e ganhar tempo até cumprir-se a burocracia. Mas esse não seria Marco Aurélio. (…) (O Estado de S. Paulo)

Ponto de equilíbrio

Aposentadoria de Celso de Mello favorece atritos no STF como os dos últimos dias.

A aposentadoria do ministro Celso de Mello afasta do Supremo Tribunal Federal não apenas seu mais antigo integrante, o decano, mas aquele que soube defender com mais vigor a instituição e os poderes que a Carta de 1988 lhe conferiu. A ordem jurídica edificada após a redemocratização do país não teria levado tão longe os direitos assegurados pela nova Constituição sem sua contribuição para fortalecer o STF como seu guardião e intérprete. Quando o presidente Jair Bolsonaro e seus seguidores desafiaram a autoridade do tribunal, coube ao ministro responder com a firmeza necessária para lembrá-los dos obstáculos impostos pela lei aos desmandos do chefe do Executivo.

Celso de Mello não fazia conchavo, não manipulava a pauta de julgamentos e evitava falar fora dos autos, usando o tempo para estudar os processos com afinco e elaborar seus votos caudalosos, que se impunham pela força da razão. Com sua saída, o lugar do decano passará a ser ocupado pelo ministro Marco Aurélio Mello, mas por pouco tempo. Ele completará 75 anos de idade em julho e também terá de se aposentar, sendo substituído então por Gilmar Mendes. Nenhum dos dois goza do mesmo respeito que Celso de Mello mereceu de seus pares. Num prenúncio das tempestades que se avizinham, ambos se estranharam nos últimos dias com o recém-empossado presidente da corte, Luiz Fux. Gilmar o admoestou publicamente na semana passada, surpreendido pela resolução que transferiu para o plenário o julgamento de casos criminais que vinham sendo discutidos nas turmas em que os integrantes do STF se dividem. No fim de semana, após determinar a soltura de um traficante de drogas ligado a uma facção criminosa, Marco Aurélio viu a medida ser revogada por Fux e protestou, classificando a decisão do presidente do tribunal como um horror. A formação de maiorias no plenário expressa unidade e dá solidez às decisões do Supremo. As desavenças o enfraquecem, alimentando a insegurança jurídica. É por isso que o decano (Celso de Melllo) fará tanta falta. (…) (Editorial-Folha de S. Paulo)

Adeus de Celso de Mello

O ministro Celso de Mello, decano do Supremo Tribunal Federal (STF), aposenta-se oficialmente nesta terça-feira. Aos 75 anos, foi indicado ao STF em 1989 pelo ex-presidente José Sarney. Seu substituto caminha para ser o desembargador Kassio Nunes Marques, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), indicado pelo presidente Jair Bolsonaro e que deverá ser sabatinado pelo Senado no próximo dia 21. A indicação de Nunes não agradou aos apoiadores evangélicos do presidente, mas conta com a aprovação de nomes do Centrão e do senador Flávio Bolsonaro. Celso de Mello também era relator do caso sobre suposta interferência do presidente Bolsonaro na PF e os novos ritos do processo agora precisarão ser decididos. (…) (Exame)

“Salvar a Lava Jato”

O arcebispo de Aparecida, Dom Orlando Brandes, criticou a corrupção no Brasil e convocou a sociedade para vencer o “dragão bravo” da impunidade, em missa do Dia da Padroeira no Santuário Nacional, em São Paulo. “Há dragões bravos que querem matar a vida. Mas Maria fez-se com a força da palavra, e nós também iremos vencer esses dragões. Um que está voltando, muito feio, chama-se impunidade. Com isso, a corrupção vai continuar. E aí não teremos vida econômica suficiente”, disse o arcebispo durante a missa. Em uma entrevista coletiva logo após a celebração, Brandes desenvolveu a mensagem: “Quanto à impunidade, aqui, com tudo o que aconteceu na Lava Jato, está claríssimo que a impunidade está voltando e que deveríamos salvar muito a Lava Lato porque ali então nós estamos vencendo o dragão da corrupção, que não deve voltar. Não somos dignos de sermos escravizados pela corrupção”. (…) (Crusoé)

Marcelo Tas: “O ‘CQC’ não criou o Bolsonaro”

Trazemos uma saborosa entrevista com o apresentador Marcelo Tas, um dos ícones da televisão brasileira, cujas opiniões —segundo ele mesmo— desagradam a “amigos de esquerda, direita e de centro”. Ao repórter Breiller Pires o apresentador refletiu sobre o seu papel e o do CQC na eleição de Jair Bolsonaro à presidência, desferiu críticas aos Governos atuais e de Lula e FHC, defendeu o legado de Paulo Freire na educação brasileira e criticou o que chamou de “ejaculação precoce” dos jovens que querem opinar sobre tudo sem pensar no que vão dizer antes. “Eu saí do CQC em 2014, e o Bolsonaro foi eleito em 2018. É surreal alguém achar que nós contribuímos para o Bolsonaro ser presidente, e não os 60 milhões de brasileiros que votaram nele.” (…) (El País)

Bolsonarismo sem Bolsonaro

Continue lendo

A filha da atriz Flávia Alessandra confessou que tem problemas de autoestima

A filha da atriz Flávia Alessandra confessou que tem problemas de autoestima
Giulia Costa faz desabafo sobre padrões estéticos 

Giulia Costa usou suas redes sociais nesta quinta-feira, 15, para fazer um desabafo. A atriz revelou que tem dificuldades em se aceitar e por causa disso acabou se acostumando a usar os filtros nas redes sociais para melhorar sua aparência. “Isso de se aceitar e amar é um processo longo. Quando falo para vocês, falo para mim também. Claramente eu ainda tenho problemas de autoestima e aceitação. Tanto que hoje só apareci aqui com filtro”, explicou ela através do Stories do Instagram.

filha de Flávia Alessandra confessou que foi ficando viciada em colocar filtros nas fotos. “Eu estava tirando filtro, porque sempre gosto de evitar. Acaba que eu abria a câmera sem filtro e falava: ‘meu Deus, eu estou feia!’. Comecei a me viciar com filtro. Não, não era isso que eu queria”, completou. Giulia seguiu o desabafo contando que muitas vezes fica preocupada com a estética, mas afirmou que tenta evitar ficar fazendo cobranças sobre sua própria aparência. “Querendo ou não a gente se deixa levar por essas pressões. Hoje mesmo foi um dia que me senti horrível. Vi todo mundo fazendo um monte de procedimento e fiquei bem mal”, ressaltou.

caras

Crédito: Geraldo Magela/Agência Senado

LASTRO O senador Chico Rodrigues inaugurou um novo modelo de transportar dinheiro vivo: R$ 30 mil nas nádegas (Crédito: Geraldo Magela/Agência Senado)

Ah, a cueca. Como virou moda, a Polícia Federal (PF) já sabe rastrear dinheiro sujo. Parte dos recursos — R$ 30 mil em espécie — que o vice-líder do governo no Senado, Chico Rodrigues (DEM-RR), desviou do combate à Covid-19 foi facilmente encontrado: a polícia mandou ele mostrar a cueca. O dinheiro, literalmente sujo, foi encontrado entre as nádegas. No total, a polícia encontrou na casa do senador R$ 100 mil. A operação da PF aconteceu na cidade de Boa Vista, quarta-feira, 14. O episódio enfraquece de uma vez o discurso do presidente Jair Bolsonaro de que a corrupção no Brasil acabou. Ele fez questão de frisar depois do ocorrido que a ação da PF comprova a isenção do governo. “Se um vereador faz algo de errado, não tenho nada a ver com isso”, disse o presidente no Palácio da Alvorada. Mas não há nenhum motivo para acreditar que o presidente não conhecesse bem o amigo que nomeou como vice-líder do governo.

A ligação entre o senador e o presidente Bolsonaro é digna de ambiente matrimonial. O presidente já afirmou, em vídeo, que vive “quase uma união estável” com o senador. Amigos de longa data, os dois atuaram juntos como deputados federais entre 1991 e 2011. Nos bastidores, os parlamentares lembram que em 2019 o senador esteve no grupo que acompanhou a viagem do presidente a Israel. Com o objetivo de diminuir os danos à imagem da Presidência, o entorno de Bolsonaro aconselhou o presidente a pressionar Léo Índio, sobrinho do mandatário e que trabalha como assessor do senador a se demitir. Índio é primo dos filhos de Bolsonaro e, portanto, intimamente ligado ao clã Bolsonaro. Ele recebe pouco mais de R$ 14 mil de salário. O assessor é mais um familiar que se instala em um cargo comissionado na esfera governamental.

Emendas parlamentares

Autorizada pelo ministro Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), a operação Desvid-19 da PF investiga recursos recebidos pela Secretaria de Saúde de Roraima. Há indícios de desvios milionários de emendas parlamentares que destinavam dinheiro público exclusivamente para o combate à Covid-19, de cerca de R$ 20 milhões. Na sua defesa, o senador declarou, em nota, inocência e clamor “pela justiça divina”. “Tenho um passado limpo e uma vida decente. Nunca me envolvi em escândalo de nenhum porte”. O caradurismo de uma figura dessas é deplorável. Ainda posa de inocente como virgem imaculada. É patológico o cinismo de alguns políticos. E o que é pior: tem seguidores que acreditam nas suas versões. As evidências encontradas em espécie contrariam qualquer artifício demagógico do político.

“É quase uma união estável, hein, Chico!”
Jair Bolsonaro, quando era deputado federal, falando sobre sua amizade
com o então deputado Chico Rodrigues, hoje senador pelo DEM-RR

O presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire, se posicionou no Twitter sobre o caso, lembrando do dinheiro na cueca encontrado na época do mensalão petista: “Muda-se o populista, mas uma roubalheira continua. Os lulistas já tinham passado um vexame histórico com o caso do dinheiro na cueca. Agora os bolsonaristas inovam: é grana de corrupção na bunda mesmo, reforçando a correção anal que marca o clã Bolsonaro e apoiadores”. A situação neste caso é muito mais escatológica. O senador já foi alvo de investigação em 2006. A acusação na época era que o Rodrigues superfaturava os gastos com combustíveis no seu gabinete de deputado federal. A corregedoria da Câmara apurou um gasto excessivo de cerca de R$ 170 mil. Rodrigues justificou a manobra alegando que os gastos eram feitos, também, com outros fornecedores e terminou absolvido. Ele admitiu que não estava certo, “mas é a maneira que tenho para justificar o gasto”, explicou Rodrigues. A crueldade de desviar o dinheiro que seria utilizado para o combate à pandemia expõe a mais alta desumanidade. O crime não é, mas deveria ser hediondo. Pessoas morrem de fome e falta de remédios. Não fica apenas na prateleira das questões legais. È o abuso da boa vontade de todo um País que se mobiliza para diminuir a miséria. O caso do dinheiro na cueca, já popularizado no meio político, precisa ser combatido: outras cuecas aconteceram e outras não deveriam se repetir.

O sobrinho

FAMÍLIA Léo Índio (à esq.), sobrinho de Bolsonaro, acompanha o senador Chico Rodrigues (DEM-RR) (Crédito:Divulgação)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O senador Chico Rodrigues (DEM-RR) tem vínculos de amizade com o presidente Jair Bolsonaro desde os tempos em que foram deputados federais, em um convívio de 20 anos na Câmara. O mandatário chegou a dizer em um vídeo que circula na Internet que o relacionamento de ambos “é quase uma união estável.” O compadrio aumentou, contudo, quando Bolsonaro assumiu o cargo de presidente em janeiro de 2019 e nomeou Chico como vice-líder do governo no Senado. Logo, o senador contratou o sobrinho do presidente Leonardo Rodrigues de Jesus, o Léo Índio, para assessorá-lo. Além de parente, Índio é amigo íntimo do filho do presidente, Carlos Bolsonaro, e recebe um salário de R$ 14 mil mensais — em um ano e meio, ele já recebeu R$ 436 mil do Senado.

Crédito: Gabriel Reis

(Crédito: Gabriel Reis)

Consolidou-se o descalabro. Mais cedo ou mais tarde aconteceria. Levado ao pé da letra, o penduricalho na legislação anticorrupção, aprovada recentemente, acabou por provocar uma inominável injustiça e, em consequência, revolta social. O movimento de ataque à Suprema Corte, por conta do ocorrido, é sem precedentes. Ninguém se conforma. E com razão. Sentimentos de perplexidade e indignação tomaram a maioria. O código contrabandeado para dentro do pacote anticrime que abriu a cela do narcotraficante André do Rap, chefão do PCC, a maior facção organizada de drogas no País, é de uma desfaçatez e operacionalidade inconcebíveis.

Para um sistema penal e legal caótico como o brasileiro, anotar a obrigação de se revisar prisões preventivas a cada 90 dias equivale a multiplicar o problema das ações por mil. Com processos abarrotados de recursos de habeas corpus, o Judiciário simplesmente travaria diante da missão hercúlea, caso seguida à risca. Pois o ministro Marco Aurélio Mello achou por bem se apegar a literalidade do texto, sem olhar a “capa” do processo (como disse), ou mesmo o histórico do criminoso e a sua capacidade de delinquir, para colocar nas ruas um marginal com duas condenações em segunda instância, que havia ficado foragido por seis anos, responsável por operações que, de uma só sentada, teria enviado mais de quatro toneladas de cocaína à Europa.

Marco Aurélio fez isso, basicamente, por que havia vencido o prazo de 90 dias para a renovação da preventiva. Burocracia pura. Ou seja, por mero decurso de tempo, uma figura do calibre delituoso de Andre do Rap ganhou a oportunidade de voltar a agir serelepe na vida da bandidagem em alta voltagem. O poder togado falhou, fragorosamente, na opção voluntariosa do ministro Mello. Registre-se que esse era um caso que cabia a sua colega de Corte Rosa Weber, e não a ele. Aponte-se, também, como alegam inúmeros juristas, que um condenado em segunda instância não possui mais o benefício da dúvida, sujeito a julgamentos que o livrem do xilindró. Mas o magistrado Marco Aurélio ignorou detalhes processuais e foi adiante na decisão.

Em qualquer lugar do planeta, alguém com tamanha folha corrida, que exibia quando preso, na mansão onde foi encontrado, dois helicópteros, iate, lancha, carros de luxo, dignos de um capo di tutti capi, conquistados à base de sangue, contrabando de drogas e toda sorte de ilegalidades, é tido como mega marginal, sendo trancafiado em cadeias de segurança máxima, sem chance de perdão ou atenuante. Por aqui, “do Rap” conseguiu sair sereno e candidamente pela porta da frente em uma cena que retrata à perfeição o desmanche do arcabouço legal anticrime no País. É de um surrealismo jurídico sem tamanho.

Continue lendo

WhatsApp, Facebook, Instagram, YouTube, Google e Twitter anunciaram medidas para conter circulação de desinformação em suas plataformas. — Foto: Alessandro Feitosa Jr/G1

WhatsApp, Facebook, Instagram, YouTube, Google e Twitter anunciaram medidas para conter circulação de desinformação em suas plataformas. — Foto: Alessandro Feitosa Jr/G1

WhatsApp

  • Limitação do compartilhamento de conteúdo. Mensagens no WhatsApp que foram encaminhadas mais de cinco vezes só podem ser direcionadas para uma única conversa por vez;
  • mensagens frequentemente encaminhadas possuem um ícone de lupa, que leva a uma busca no Google;
  • chatbot (software automatizado de respostas) em parceria com o TSE tira dúvidas sobre a votação. O eleitor deve adicionar o número: +55 61 9637-1078 na lista de contatos ou acessar o serviço pelo link: wa.me/556196371078;
  • stickers/figurinhas sobre a temática eleitoral para utilização no aplicativo;
  • mensagens enviadas em massa e utilização de robôs para automatizar disparos são proibidos no aplicativo (há um formulário para realizar denúncias de disparos em massa).

Facebook e Instagram

  • Publicidade sobre política ou eleições no Brasil deve ser identificada com o aviso “Pago por” ou “Propaganda Eleitoral”;
  • qualquer pessoa ou organização que queira fazer anúncios relacionados a esses temas precisa passar por um processo de verificação, confirmando identidade e que tem residência no país;
  • todos os anúncios políticos e eleitorais ficam armazenados por 7 anos na Biblioteca de Anúncios;
  • o relatório de transparência mostra o total de anúncios e de gastos com publicidade sobre política e eleições no Facebook e no Instagram;
  • ferramenta “Megafone” divulga mensagens no feed de notícias do Facebook com informações sobre organização das eleições, e sobre medidas de segurança e sanitárias no dia da votação;
  • centro de operações para eleições no Brasil terá especialistas que irão acompanhar em tempo real potenciais violações de políticas do Facebook, Instagram e WhatsApp nos dias próximos às eleições e durante os dias de votação.

Google

  • Buscas por termos relacionados às eleições, incluindo “Como votar” ou “cadastro eleitoral”, mostram painéis destacados com informações oficiais fornecidas pelo TSE;
  • anúncios eleitorais devem ter a frase “propaganda eleitoral”, CPF ou CNPJ do anunciante, identificação clara do candidato ou do partido;
  • há um selo de verificação de fatos para notícias que foram desmentidas na Busca, no Google Notícias e no Google Imagens.

YouTube

  • Notícias urgentes ou sobre temas muito populares aparecem em uma caixa específica nas buscas, reunindo canais de veículos jornalísticos;
  • são exibidas caixas de checagem de fatos em vídeos que abordam temas verificados por fontes parceiras;
  • caixas de contexto mostram se um canal faz parte de organizações governamentais, como a TV Senado.

Twitter

  • Buscas por termos relacionados às eleições mostram link para página do TSE com dados úteis sobre o processo eleitoral e as medidas sanitárias para a prevenção de Covid-19 no dia da votação;
  • há uma página especial para as eleições 2020 e listas de perfis relacionadas às eleições, que são sugeridas pelo Twitter na página inicial das pessoas e também nos Moments;
  • apoio à transmissão de eventos ao vivo realizados pelo Tribunal nos momentos-chave do período eleitoral;
  • perfil @TwitterBrasil compartilha conteúdos produzidos pela conta do TSE que forem direcionados para eleitores;
  • a propaganda eleitoral paga é proibida na plataforma.

TikTok

  • Perfil @tsejus compartilha conteúdos produzidos pelo tribunal;
  • há um canal direto com o TSE para receber denúncias de conteúdos que ofereçam risco à integridade das eleições;
  • a propaganda eleitoral paga é proibida na plataforma.

Nos últimos anos, as redes sociais se envolveram em polêmicas relacionadas com eleições ao redor do mundo, o que levou especialistas a pressionarem as plataformas para criarem regras e mecanismos que restringissem a circulação de informações falsas. Em 2018, por exemplo, o Facebook se viu no centro de um escândalo nos EUA. Na ocasião, foi revelado que dados de mais de 80 milhões de usuários vazaram e foram utilizados pela Cambridge Analytica, uma empresa de assessoria política que prestou serviços para a candidatura de Donald Trump em 2016. O uso das redes sociais em campanha também gerou reações no Brasil: no ano passado, foi instaurada a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das Fake News, para apurar suposta criação de perfis falsos e disparos de mensagens em massa para influenciar eleições de 2018.

g1.

Se você deseja construir ou renovar o projeto luminotécnico do seu imóvel, saiba que essa tarefa deverá ser feita com atenção e cuidado, visto que a iluminação além de agregar valor estético ao espaço, tem a função de garantir conforto aos usuários do cômodo. Logo, não há dúvidas de que a partir de ótimas ideias com arandelas, spots de luz, LED e claro, os modelos de plafon de embutir o ambiente poderá ficar ainda mais lindo e funcional. Afinal, o segredo está na escolha certa dos itens de iluminação e lâmpadas decorativas que irão fazer parte do seu projeto. Nesse contexto, iremos dar ênfase no uso dos modelos plafon de embutir. Confira!

O plafon de embutir sobre o sofá oferece uma luz indireta para o ambiente© Viva Decora O plafon de embutir sobre o sofá oferece uma luz indireta para o ambiente

O que é e quais as vantagens de usar o plafon de embutir? 

O plafon de embutir é uma luminária instalada dentro do teto e na maioria das peças possui apenas 1 centímetro de espessura. Sua estrutura normalmente vem acompanhada de presilhas para fixação em teto de fundo falso (forro de gesso, pvc e madeira). Logo, ao ser instalada o plafon de embutir acaba ficando bem rente ao teto, proporcionando o mínimo de interferência na estética do cômodo. Dentre as diversas vantagens de usar o plafon de embutir na decoração podemos destacar .O plafon de embutir oferece iluminação focal: reforça a claridade de determinados pontos do ambiente; . O plafon de embutir realçam a presença de objetos de decoração: quadros de parede ou apoiados em canaletas, porta retratos, esculturas e mesas laterais podem ganhar destaque quando iluminadas pelo plafon de embutir.

O plafon de embutir em formato retangular oferece maior dissipação de luz no ambiente© Viva Decora O plafon de embutir em formato retangular oferece maior dissipação de luz no ambiente

Como escolher e onde usar o plafon de embutir na decoração?

No mercado existem inúmeros modelos de plafon de embutir. Por isso, nada de comprar o primeiro plafon de embutir em promoção que encontrar pela frente, ok? Antes de mais nada procure considerar o formato, o tamanho, as cores e acabamentos da peça. Quanto ao formato é possível encontrar modelos de plafon de embutir retangular, plafon de embutir redondo e plafon de embutir quadrado. Os modelos mais arredondados conferem mais sofisticação ao espaço, os modelos quadrados são mais clássicos, já as versões retangulares oferecem maior dissipação de luz pelo ambiente.

Dependendo do tamanho do cômodo é necessário comprar mais de um plafon de embutir© Viva Decora Dependendo do tamanho do cômodo é necessário comprar mais de um plafon de embutir

Para avaliar o tamanho do plafon de embutir você precisa considerar a metragem do cômodo onde ele será instalado. Sendo assim, para ajudar no cálculo procure assumir que o plafons de embutir, por exemplo, tenha uma proporção de um centímetro para cada metro quadrado do ambientes escolhido. Por fim, avalie as cores e acabamentos dos plafons. Isso porque, a peça deve se conectar com o restante do espaço. No banheiro, por exemplo, esses plafons podem ser fixados ao redor do espelho e sobre o gabinete para banheiro, conferindo maior aconchego para aqueles que usam o espaço.  E aí, gostou das dicas? Então, venha conferir os diferentes modelos de plafon de embutir aqui na Viva Decora que certamente irão transformar sua decoração!

msn

Kaíque Batista, auxiliar de produção, está processando a TV Globo e a jornalista Majú Coutinho por danos morais, de acordo com publicação feita nesta sexta-feira, 16, pela coluna de Fábia Oliveira no portal O Dia.

© Reprodução/Instagram

Em março de 2020, ele foi  foi absolvido do crime de racismo por falta de provas contra a apresentadora. Kaíque, na época, tinha sido levado para depor no Fórum Criminal da Barra Funda por por policiais e funcionários do Ministério Público de São Paulo e na ocasião, ele teve o seu computador apreendido também.

O rapaz que conseguiu responder em liberdade, estava sendo denunciado por falsidade ideológica, injúria, corrupção de menores na internet e associação criminosa na internet.“A minha vida mudou. Eu tinha emprego há quatro anos, tinha uma casa e tinha a minha dignidade. Perdi tudo mesmo falando que era inocente e não tendo uma prova concreta contra mim. A única coisa que me envolvia na postagem de racismo foram os comentários de duas pessoas ‘O Kaíque que nos mandou vir aqui’. Eu não publiquei nada! Fui julgado, hostilizado e acusado em todas as mídias. Agora que eu fui inocentando, ninguém me procurou”, disse Kaíque à coluna. Kaíque está pedindo R$ 800 mil de indenização. “Até hoje eu sou apontado nas ruas. Adquiri síndrome do pânico e depressão. Acabaram com a minha vida e eu quero Justiça”, explicou ao O Dia. Angelo Carbone é o advogado que defende Kaíque Batista no processo e disse que o juiz já ordenou a citação dos réus, mas que ainda não foi realizada. “É um processo só, mas eu coloco os dois, a emissora e a jornalista, na ação porque houve a tentativa de incriminar um inocente. Ele conhecia as pessoas, mas não fez nada e, na verdade, ele que teria que ter praticado o ato racial, a intenção, o dolo, para ser acusado e não foi o que aconteceu. Destruíram a vida do rapaz e é justo que o Kaíque seja reparado”, falou Carbone à coluna.

Entenda o caso

Continue lendo

(Foto: Marcos Corrêa/PR)

(FOTO: MARCOS CORRÊA/PR)

Chico Rodrigues é vice-líder do governo no Senado Federal

O presidente Jair Bolsonaro comentou pela primeira vez, nesta quinta-feira 15, a operação da Polícia Federal que encontrou dinheiro dentro da cueca do vice-líder do governo, o senador Chico Rodrigues (DEM-RR). “A operação de ontem é fator de orgulho para o meu governo, para o meu ministro Wagner Rosário e para a minha Polícia Federal, e não isso que a imprensa está falando agora, que tenho a ver com essa corrupção”, justificou o presidente. Nas redes sociais, a notícia reacendeu a relação de Bolsonaro com Rodrigues, que emprega como assessor parlamentar um dos primos dos filhos de Bolsonaro, o “Leo Índio”. Também voltou a circular um vídeo no qual o presidente diz que tem “quase uma união estável” com o senador. O presidente afirmou que atribuir ao seu governo os fatos da investigação da Operação Desvid-19, que encontrou o dinheiro com Rodrigues, é uma “mentira da imprensa”. Na quarta-feira 14, o presidente havia afirmado que iria dar “uma voadora” em quem cometesse corrupção em seu governo. Já que a operação também foi feita em parceria com a Controladoria-Geral da União, Bolsonaro justifica que pode ser feito mal uso do dinheiro público. “Alguns acham que toda a corrupção tem a ver com o governo. Não. Nós destinamos dezenas de bilhões de reais para estados e municípios, tem as emendas parlamentares também, e, de vez em quanto, não é muito raro, a pessoa faz uma mal vereação desse recurso. Agora, a CGU ‘tá’ de olho, a nossa Polícia Federal ‘tá’ de olho”, disse. “Esse caso aí é mais uma mentira da imprensa que quer desqualificar meu governo a todo tempo.”

cartacapital
Crédito: Reprodução/Instagram

Andressa Suita está ganhando seguidores em uma velocidade espantosa após o casamento com Gusttavo Lima chegar ao fim. O casal anunciou o fim do relacionamento na sexta-feira (9) e, desde então, a modelo já ganhou 2.120.138 seguidores em sua página no Instagram. No domingo, dia 4 de outubro, antes de toda a confusão acontecer, Andressa tinha 10.417.878 seguidores, segundo o site IG Blade. Nesta quarta-feira (14), a ex-mulher de Gusttavo Lima já soma 12.538.016 seguidores. O sertanejo também ganhou novos seguidores, mas em uma escala bem menor. Na quinta-feira antes do anúncio do divórcio, Gusttavo tinha 35.400.345 seguidores em seu Instagram. Atualmente, ele conta com 368 mil seguidores a mais.
istoe
Crédito: Reprodução/Instagram
Nem Nathalia Dill foi poupada do golpe do WhatsApp. A atriz usou o Instagram para alertar os seguidores que um número de telefone está usando o nome dela para pedir dinheiro. Nathalia está grávida de sete meses do relacionamento com Pedro Curvello, e compartilhou até o número de quem está tentando se passar por ela. “Estão entrando em contato por WhatsApp se passando por mim para pedir dinheiro e clonar [o número do celular]. Não sou eu! É golpe! O número que estão usando é o 021 97228 5032”, escreveu a atriz na publicação. Os fãs compartilharam o alerta e comentaram na foto, para dar engajamento. “Nem os famosos escapam”, disse uma. “Bandidos disfarçados. Se cuida”, pediu outro.
istoe

O período prolongado da quarentena em casa teve um aspecto positivo e inesperado para as famílias brasileiras: o público infanto-juvenil está lendo mais

Crédito: Rachel da Rocha / Gabriel Reis

MAIS LIVROS A carioca Luiza e o paulista Benício: crianças que não tinham o hábito de ler desenvolveram o gosto pela leitura (Crédito: Rachel da Rocha / Gabriel Reis)

Há pelo menos um aspecto positivo nesses tempos de quarentena pelo qual as famílias estão passando: o período prolongado em casa levou as crianças a ler mais. No início da pandemia, passaram mais tempo em frente às telas, celular, videogame e computador. De um tempo para cá, porém, houve um aumento nas vendas de livros infantis em todo o País. Na casa de Benício, de seis anos, a leitura passou a fazer parte do cotidiano. “À noite, antes de dormir, ele nos pede para contar uma história”, conta o designer Murilo Blasich, pai do menino. Essa família paulistana não tinha o hábito da leitura, mas percebeu a importância de incentivar a prática e dar bom exemplo ao filho. Nos últimos meses Benício já leu dois exemplares: o bem-humorado “O livro do corpo para lá de repugnante”, de Emma Dodson e Sarah Horne, e “Amoras”, do rapper Emicida. Para Dayana da Silva Bueno, da Fundação Abrinq, a leitura faz as crianças conhecerem melhor as palavras e desenvolve a capacidade de interpretação. “A leitura é um meio de entretenimento, mas também de conhecimento e prazer”, diz.

Crescimento

No último levantamento realizado pela Nielsen Bookscan, em parceria com o Sindicato Nacional dos Editores de Livros, o mercado dos livros infantojuvenis cresceu cerca de 20% em julho e agosto, na comparação com abril e maio. O fato também foi percebido pela escritora Janine Rodrigues, proprietária da EdTech Piraporiando, que fornece material literário a escolas do Brasil e do exterior. “Tivemos um aumento de 40% nas vendas durante a quarentena”, disse. Ela defende que a leitura na infância é essencial. “Além de fortalecer o vínculo familiar, a criança aprende a questionar as coisas”, diz. Para a família da fotógrafa carioca Rachel Cruz dos Santos, o livro foi um remédio, uma vez que sua filha Luiza, de seis anos, desenvolveu ansiedade durante a quarentena. Rachel conta que o pediatra chegou a prescrever medicamentos para a menina em julho. “Percebemos que ela ficava agitada ao passar muito tempo na frente das telas”, conta. Em vez de remédios, a mãe comprou livros. “Ela está lendo as ‘Reinações de Narizinho’, de Monteiro Lobato, e adora a Emília”, conta. A leitura reduziu os sintomas de ansiedade de Luiza. Em um País onde a média por habitante é de dois exemplares por ano e 30% da população nunca comprou um livro, a notícia de que as crianças brasileiras estão lendo mais é uma boa surpresa em meio a um ano complicado para todo o mundo.

istoe

 (Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil)

A Caixa Econômica Federal libera hoje (15) os saques e transferências de parcelas do auxílio emergencial para 4 milhões de pessoas nascidas em setembro. Esses beneficiários, que não fazem parte do Bolsa Família, tiveram o dinheiro creditado na poupança social digital no dia 25 de setembro. Foram pagos, na ocasião, R$ 2,6 bilhões para esse público, no ciclo 2 de pagamentos do programa. Os saques em dinheiro podem ser feitos nas lotéricas, correspondentes Caixa Aqui ou mesmo nas agências. A Caixa reforça que não é preciso madrugar nas filas à espera de atendimento. Todas as pessoas que comparecerem, de segunda a sexta, das 8h às 13h, serão atendidas no mesmo dia.
Além disso, ainda é possível movimentar os recursos pelo aplicativo Caixa Tem. Com ele é possível fazer compras na internet e nas maquininhas em diversos estabelecimentos comerciais, por meio do cartão de débito virtual e QR Code. O beneficiário também pode pagar boletos e contas, como água e telefone, pelo próprio aplicativo ou nas casas lotéricas. Para o saque em espécie, é preciso fazer o login no aplicativo Caixa Tem, selecionar a opção “saque sem cartão” e “gerar código de saque”. Depois, o trabalhador deve inserir a senha para visualizar o código de saque na tela do celular, com validade de uma hora. Esse código deve ser utilizado para a retirada do dinheiro.
Calendário de pagamentos
O calendário de pagamentos do auxílio emergencial é organizado em ciclos de crédito em conta poupança social digital e de saque em espécie. Os beneficiários recebem a parcela a que têm direito no período, de acordo com o mês de nascimento. Para os beneficiários nascidos em outubro, os saques e transferências serão liberados a partir da próxima terça-feira (20). No Ciclo 2 do auxílio emergencial, mais três públicos foram incluídos: trabalhadores que fizeram o cadastro nas agências dos Correios entre 2 de junho e 8 de julho; trabalhadores que fizeram a contestação pelo site da Caixa ou App Caixa Auxílio Emergencial de 3 de julho a 16 de agosto e foram considerados elegíveis; beneficiários que tenham recebido a primeira parcela em meses anteriores, mas que tiveram o benefício reavaliado em agosto. Aqueles que tiveram os pagamentos retidos vão receber todas as parcelas a que têm direito de uma só vez, dentro do ciclo 2. Já os trabalhadores que optaram por realizar o cadastro nos Correios e aqueles que contestaram vão receber a primeira parcela dentro do ciclo 2. As parcelas P2 e P3 serão pagas no ciclo 3 e as parcelas P4 e P5, no ciclo 4.
diariodepernambuco

Por Guilherme Mazui, G1 — Brasília

O “Diário Oficial da União” (DOU) publicou em edição extra nesta quinta-feira (15) mensagem do presidente Jair Bolsonaro ao Senado informando a saída do senador Chico Rodrigues (DEM-RR) da vice-liderança do governo na Casa.

Rodrigues foi alvo de operação da Polícia Federal deflagrada na quarta-feira (14) em Roraima e foi flagrado com dinheiro na cueca. A ação buscou desmantelar um esquema milionário de desvio de recursos públicos que deveriam ter ido para o combate ao coronavírus. O despacho do presidente pede a adoção de providências para a saída de Rodrigues do posto. Segundo o ato, o parlamentar pediu para sair da vice-liderança do governo no Senado. O senador ocupava a liderança desde 14 de março de 2019, quando a indicação pela Presidência foi publicada no DOU. O senador tentou esconder dinheiro na cueca quando policiais federais foram cumprir mandados de busca na sua casa, em Boa Vista. A quantia, ainda não informada, foi apreendida. A tentativa de esconder dinheiro dentro da roupa foi revelada pela revista “Crusoé”. Em nota divulgada nesta quarta (14), Rodrigues afirmou que não tem envolvimento com qualquer ato ilícito. O pedido de Rodrigues para deixar a função de vice-líder foi anunciada mais cedo pelo líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), em entrevista ao blog do jornalista Valdo Cruz, colunista do G1 e da GloboNews.

Chico Rodrigues pede afastamento da vice-liderança do governo

Chico Rodrigues pede afastamento da vice-liderança do governo

A permanência de Rodrigues na função era vista como um desgaste para Bolsonaro, que tem repetido nos últimos dias que não há corrupção em seu governo. Recentemente, o presidente disse que “acabou” com a Operação Lava Jato pois não há casos de corrupção na sua gestão. Bolsonaro é amigo de Rodrigues e aparece em vídeo, que voltou a circular pelas redes sociais, no qual disse ter “quase uma união estável” com o parlamentar. O senador também emprega em seu gabinete no Senado Leonardo de Jesus, conhecido por Leo Índio, primo dos filhos de Bolsonaro.

Vídeo mostra Bolsonaro elogiando senador Chico Rodrigues
Vídeo mostra Bolsonaro elogiando senador Chico Rodrigues

“A Polícia Federal cumpriu sua parte em fazer buscas em uma investigação na qual meu nome foi citado. No entanto, tive meu lar invadido por apenas ter feito meu trabalho como parlamentar, trazendo recursos para o combate à Covid-19 na saúde do estado”, disse.

O Brasil tinha pelo menos 150.689 mortes por covid-19 até as 17h30 desta 2ª feira (12.out.2020). São 201 vítimas a mais que no dia anterior. Os dados são do Ministério da Saúde.

Centro de Testagem para covid-19 em Pernambuco

© Américo Santos/SEI Centro de Testagem para covid-19 em Pernambuco© Fornecido por Poder360

A pasta também identificou 5.103.408 casos da covid-19, acréscimo de 8.429 em 24 horas. O Brasil é o 2º país do mundo com mais mortes por covid-19. Só os Estados Unidos têm mais vítimas: 219.916. O número de mortos no Brasil também é elevado quando feita a comparação proporcional. São 711 vítimas a cada milhão de habitantes –segundo cruzamento de dados do Ministério da Saúde com a última estimativa populacional divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A taxa coloca o Brasil na 3ª posição do ranking mundial. O Peru é o país onde a covid-19 mais mata em relação ao número de habitantes. São 1.006 vítimas a cada milhão de pessoas. Distrito Federal, Rio de Janeiro, Roraima, Mato Grosso e Amazonas têm taxas mais altas.

msn

                                                       

Ary Fontoura postou um vídeo se divertindo em um parque de diversões e mandou um recado fofo na data especial
Alegria! Ary Fontoura brinca em parque no Dia das Crianças

Momento de alegria! 

Ary Fontoura mostrou que se divertiu na tarde desta segunda-feira, 12, Dia das Crianças. O ator surgiu feliz e sorridente em um parquinho de diversões e brincou em um balanço e no escorregador. Na legenda, ele disse que jamais poderia deixar o dia passar em branco: “Eu não podia deixar passar batido o dia das crianças né? Mil beijos a todas a crianças. Eu também me sinto uma criança”, escreveu na publicação.  Através dos comentários, os seguidores elogiaram o carisma do ator: “Feliz dia do Ary!!”, “Seu lindo”, “Lindo de maravilhoso!”, “Isso mesmo! Não podemos deixar morrer essa criança que existe dentro de nós”, foram algumas das mensagens. 

caras

     Venho por meio deste agradecer ao amigo Eduardo Oliveira, Gestor do Colégio Nova Conquista e a amiga Geisa, gestora da Escola Municipal José Paulino de Siqueira.
   Pelas informações prestadas ao blogdozefreias.com.br, no que diz respeito ao posicionamento das escolas no enfrentamento e atividades realizadas, neste período de pandemia causada pelo novo coronavírus (Covid-19).
      Agradeço pela receptividade e informações prestadas ao blog, que é um veículo de informação, a bem da comunidade e com principal função, que é informar com transparência, imparcialidade e responsabilidade.
     “Que o Senhor Jesus nos ajude a sair desta pandemia e voltar às atividades normais. Este é o meu desejo em nome do nosso blog, sempre social”.
Escola Municipal José Paulino de Siqueira
As fotos acima são da Assembleia de Deus ST PE.
As fotos são da Igreja católica

Como se proteger do Coronavírus?

  • Lave com frequência as mãos até a altura dos punhos, com água e sabão ou então higienize com álcool em gel 70%.
  • Ao tossir ou espirrar, cubra nariz e boca com lenço ou com o braço, e não com as mãos.
  • Evite tocar olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas. Ao tocar, lave sempre as mãos como já indicado.
  • Mantenha uma distância mínima cerca de 2 metros de qualquer pessoa tossindo ou espirrando.
  • Evite abraços, beijos e apertos de mãos. Adote uma onda amigável sem contato físico, mas sempre com sorriso no rosto.
  • Higienize com frequência o celular e brinquedos das crianças.
  • Não compartilhe objetos de uso pessoal, como talheres, toalhas, pratos e copos.
  • Evite aglomerações e mantenha os ambientes limpos e bem ventilados.
  • Se estiver doente, evite contato físico com outras pessoas, principalmente, idosos e doentes crônicos e fique em casa até melhorar.
  • Durma bem, tenha uma alimentação saudável e faça atividade física.
A COVID-19 afeta diferentes pessoas de diferentes maneiras. A maioria das pessoas infectadas apresentará sintomas leves a moderados da doença e não precisarão ser hospitalizadas.
Sintomas mais comuns:
febre
tosse seca
cansaço
Sintomas menos comuns:
dores e desconfortos
dor de garganta
diarreia
conjuntivite
dor de cabeça
perda de paladar ou olfato
erupção cutânea na pele ou descoloração dos dedos das mãos ou dos pés
Sintomas graves:
dificuldade de respirar ou falta de ar
dor ou pressão no peito
perda de fala ou movimento
Procure atendimento médico imediato se tiver sintomas graves. Sempre ligue antes de ir ao médico ou posto de saúde, clínicas ou hospitais.
Pessoas saudáveis que apresentarem os sintomas leves devem acompanhar seus sintomas em casa.
Em média, os sintomas aparecem após 5 ou 6 dias depois de ser infectado com o vírus. Porém, isso pode levar até 14 dias.

Faça Sua Pesquisa no Google Aqui!

 
bove=""

 

Visitas

contador de visitas

Redes Sociais

Click e acesse

Zé Freitas no Facebook

Clínica Climed / Plano Assistencial

Clínica Climed.

Av: Vereador Horácio José de s/n de frente o Banco do Brasil.

Contato (87) 9.9161-1779

Santa Terezinha PE

Lições Bíblicas

Portal Correio-PB

 
CLIQUE E ACESSE!

Parceiros