Lojas Surya

Óticas Olhar Brasil

Farias Calçados

Supermercado

Seg Vida

 
    A CLIMED – Clínica Médica, localizada à rua Ver. Horácio José de Souza, que amplia cada dia mais seu atendimento, para melhoria da saúde da população terezinhense e região. Nesta terça feira dia 07/04 estará atendendo a partir das 8 hs da manhã,recebendo a doutora Catharina (Ginecologista), que atenderá na referida clínica. O Dr. Marcelo também atenderá a partir das 7:30. Venham conhecer as nossas ampliações e o ótimo atendimento, com profissionais renomados e compromissados com sua saúde.
Dra. Catharina (Ginecologista)

Desde que a atual nova doença, o coronavírus, ou Covid-19, começou na China e logo se alastrou por todo o mundo, os noticiários relatam diariamente novos casos de contaminação no mundo inteiro e, muito pior, de pessoas perdendo suas vidas. Os governos de diversos países tiveram que tomar decisões drásticas, como o fechamento de suas fronteiras, escolas, bares, restaurantes, proibindo eventos públicos etc.

A finalidade é de que o vírus não se alastre rapidamente, evitando assim o colapso de hospitais e centros de saúde. Os cientistas e a indústria farmacêutica trabalham incessantemente na busca de uma vacina contra este mal que foi denominado de pandemia. Como esta doença pode levar à morte, o homem tem medo e se sente inseguro, fazendo de tudo para não ser atingido, ou seja, ele toma providências para se livrar do perigo e não sofrer as consequências da contaminação.

Mas há algo muito pior nesta terra do que o coronavírus! Algo que desde o começo da humanidade vem sendo transmitido de ser humano para ser humano. Algo que nasce com a pessoa e já se manifesta nos primeiros meses de vida. Este algo é o pecado e ele tem consequências muito piores do que qualquer vírus. A Bíblia nos diz, em Romanos 6.23: “Pois o salário do pecado é a morte…”. Esta morte não é somente a morte física, mas a morte espiritual, que separou o homem de Deus. E diariamente vemos os seus efeitos nos seres humanos – mesmo agora nesta crise, onde deveríamos ser solidários, observamos pessoas comprando certos produtos em quantidades exorbitantes – não se preocupando se o outro terá acesso a estes produtos; a violência e a criminalidade aumentam. O feminicídio se alastra assustadoramente e o aborto de milhões de bebês se torna algo totalmente normal. A estrutura familiar conforme Deus planejou é atacada e sistematicamente destruída, fazendo com que crianças e jovens percam a referência e fiquem abandonados. Milhões de pessoas morrem de fome anualmente ao redor do globo! Mas isso está tão longe de nós, a quem interessa? Busca-se o melhor para si em detrimento do próximo. O egoísmo aumenta em nossa sociedade.

                                                                         Claramente Deus nos mostra que há uma saída.

Qual é a saída? Será que o ser humano tem como se livrar do pecado e suas consequências? Há alguma força dentro do ser humano que pode mudar essa situação? Não. O homem já provou através dos séculos que não é capaz de vencer com suas próprias forças o pecado. Assim, Deus, em seu grande amor, nos apresenta o caminho para a verdadeira solução através de seu filho, Jesus Cristo. E ele afirma em João 3.16: “Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna”. Claramente Deus nos mostra que há uma saída. Sim, há a possibilidade de não sermos dominados pelo pecado. Através de sua morte na cruz, Jesus venceu o pecado. O problema consiste em que nós não aceitamos a solução que Deus nos apresenta. Agimos como uma pessoa que, aconselhada pelo médico a tomar certo remédio para ser curada, ignora o conselho e por fim chega a morrer!

Hoje, não perca este convite, aceite a saída que Deus te propõe, pois “o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Romanos 6.23). Reconheça que você lutou para mudar essa situação (da presença do pecado em sua vida), mas que não consegue vencer. Se está nesta situação, Jesus quer transformar a sua vida. Ele quer lhe dar uma nova vida. Uma vida de esperança da qual não se arrependerás!

chamada

Selena Gomez (Foto: Reprodução Instagram)

Selena Gomez

A atriz Olivia Wilde já interpretou uma médica na série House, por isso, lavar as mãos para ela é uma rotina quase ensaiada. Suas etapas envolvem três plumps de sabonete líquido, muito papo e, Wilde chega a esquecer completamente de remover os anéis antes da lavagem das mãos, o que não é recomendado, mas, ei, todos cometemos erros

Se você está se sentindo um pouco louco, confira o enérgico tutorial de lavagem das mãos da atriz Margaret Qualley, que foi filmado e dirigido por Cara Delevingne. O vídeo envolve dançar, alongar, bater palmas e lavar os antebraços inteiros para acabar com a monotonia.Gostou da nossa matéria? Clique aqui para assinar a nossa newsletter e receba mais conteúdos.

Depois de se curar do novo coronavírus, Fernanda Paes Leme se emociona com ida ao mercadoDepois de se curar do novo coronavírus, Fê Paes leme se emociona com ida ao mercado 

Os dias não têm sido fáceis para Fernanda Paes LemeA atriz que ficou completamente isolado por 23 dias, após ter contraído o novo coronavírus, usou as redes sociais para compartilhar um relato emocionado sobre ter sido autorizada a ir ao mercado.

Fui ao mercado. Dei bom dia pra todo mundo que cruzou meu caminho. Queria sair abraçando as pessoas. Mas não pode. A gente se olhou no olho. Se percebeu. Encontrei uma conhecida. E ela teve paciência de me ouvir Afinal são 23 dias que eu não conversava olhando no olho de alguém. Botei o fone e cantei alto, alto mesmo. Olhei pro céu sem ser da janela. Entrei no mercado, comprei só o que realmente precisava. Voltei, antes de entrar de novo, olhei pro céu, agradeci e pedi por todos nós. Vai passar”, escreveu a gata, expressando toda sua gratidãoSeus fãs não deixaram de declarar todo o seu apoio. ”Muito bom te ver forte!”, afirmou uma seguidora. ”Nossa…fiquei emocionada!!Como as coisas simples são maravilhosas hein?!”, declarou outra.Confira:

Depois de se curar do novo coronavírus, Fê Paes leme se emociona com ida ao mercado

marmitas MST pernambuco
              Projeto começou com 300 refeições e já vem ultrapassando a marca das 1000 marmitas/dia –                                                                                                                                                        MST/PE

Desde o fim do mês de março o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em parceria com outros movimentos populares, organizações não governamentais, sindicatos e outras entidades ligadas à Frente Brasil Popular vêm distribuindo marmitas para a população em situação de rua no Recife (PE).

A iniciativa já distribuiu mais de seis mil refeições no Armazém do Campo, que tem funcionando como um polo de produção e distribuição das marmitas e de outras iniciativas do projeto Mãos Solidárias, como a confecção e distribuição de máscaras descartáveis e de cestas básicas para acampados e famílias em situação de vulnerabilidade na Região Metropolitana do Recife.  Na noite da última quinta-feira (2), o projeto recebeu mais uma demonstração de solidariedade de famílias que vivem em acampamentos do MST em Goiana, na Região Metropolitana do Recife. Cerca de 1.500 quilos de alimentos como macaxeira, inhame, milho, feijão e batata doce foram enviados pelas famílias de três áreas onde o movimento ainda não conseguiu a titularidade das terras, mas já produz para consumo próprio e comercialização. 

Para Afonso de Souza, dirigente estadual do MST, a ação contribui para fornecer uma alimentação saudável e de qualidade aos que mais necessitam neste momento. “Uma das preocupações do movimento é garantir uma alimentação de qualidade para a população. Nossa produção já é em grande parte agroecológica, para que seja saudável tanto para o consumo próprio, quanto para comercialização. Nesse caso da doação para o projeto, isso é motivo de orgulho e satisfação de garantir a alimentação dos que já estão nessa situação vulnerável.” A proposta é que as famílias acampadas e assentadas na Região Metropolitana do Recife continuem doando com frequência, inclusive considerando o aumento no número de refeições distribuídas, que começou com 300 refeições e já vem ultrapassando a marca das 1000 marmitas/dia. Para quem quiser contribuir, é possível doar qualquer quantia em dinheiro, que será utilizado para estruturar as diversas iniciativas do projeto. Interessados podem contribuir na seguinte conta bancária:

Associação da Juventude Camponesa
Nordestina – Terra livre
Banco do Brasil
Agência : 0697-1   RECIFE
Conta corrente :58892-X
Cnpj: 09.423.270/0001-80

Crédito:  Pedro Ladeira

COMANDO Em reação à morosidade de Bolsonaro, o presidente da Câmara,

Rodrigo Maia, faz a interlocução entre ministros e parlamentares

(Crédito: Pedro Ladeira)

Enquanto o governo Bolsonaro demora a tomar decisões emergenciais em socorro aos trabalhadores informais e desassistidos durante a mais grave crise sanitária e econômica da história, o Congresso trabalha em ritmo acelerado para aprovar as medidas que mitiguem os efeitos devastadores do coronavírus. Nessa luta contra o tempo, deputados e senadores usam o plenário virtual para dar respostas rápidas à sociedade. Em duas semanas, o Congresso aprovou quinze projetos e a agenda do Senado já tem outros 100 na fila. O presidente Jair Bolsonaro e seus ministros na área econômica, pelo contrário, não trabalham com a mesma urgência. O projeto de Renda Básica Emergencial (RBE), o auxílio financeiro de R$ 600 a ser pago por três meses a 54 milhões de trabalhadores informais e pessoas de baixíssima renda, como as cadastradas no Bolsa-Família, é o caso mais contundente de como o parlamento continua seu protagonismo, sempre à frente da inércia do governo federal. Aprovado em três dias no Congresso, entre 27 e 30 de março, o plano, que prevê gastos de R$ 98 bilhões, só foi sancionado pelo presidente na quarta-feira 1, depois que lideranças do Congresso, como o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, cobraram rapidez do governo na implementação das medidas. Mesmo assim, Bolsonaro reeditou a MP do projeto com cortes, deixando de fora do socorro emergencial a pelo menos 11 milhões de pessoas incluídas no Benefício de Prestação Continuada (BPC). Para entrar em vigor e permitir a liberação dos recursos, porém, ainda há a necessidade da publicação da sanção no Diário Oficial da União, o que não havia acontecido até quinta-feira 2. O ministro Onyx Lorenzoni (Cidadania) estima que o pagamento só começará a partir do dia 16. Uma demora lamentável, pois os desamparados pelo coronavírus já estão passando fome e muitos se aglomeram em filas intermináveis na Caixa, atrás de um dinheiro que tarda a ser disponibilizado.

CONFIÁVEL O plenário virtual tem sido essencial para garantir as votações no Senado
(Crédito:Waldemir Barreto/Agência Senado
)

“Já realizamos uma dezena de sessões no plenário virtual, como a votação que reconheceu o estado de calamidade pública e a que estabeleceu a ajuda emergencial de R$ 600 para 54 milhões de pessoas carentes enfrentarem a pandemia” Antônio Anastásia, senador

Se dependesse só do governo, inclusive, nem essa ajuda estaria chegando da forma que chegará aos desamparados. O governo previa pagar R$ 200 a cada trabalhador informal que não está conseguindo trabalhar nestes tempos bicudos de coronavírus, projetando um desembolso de apenas R$ 15 bilhões de recursos da União. Depois que o Congresso tomou as rédeas do processo e pressionou o governo a liberar mais dinheiro para o programa, o volume de recursos cresceu seis vezes, alcançando os R$ 98 bilhões agora fixados — no total, todos os projetos para socorrer também pequenos, médios e microempresários devem atingir R$ 800 bilhões. Por pressão dos parlamentares, também, as mulheres e homens que cuidem sozinhos de seus filhos terão direito a R$ 1.200 por mês.

Mas não parou aí. O governo anunciou na quarta-feira 1 que enviará ao Congresso outras três MPs para o enfrentamento da crise, o que já está mobilizando os parlamentares. Uma trata da flexibilização de leis trabalhistas, permitindo a redução de jornada e salários de até 70% num período de três meses. Outra destina R$ 40 bilhões às empresas que não demitirem seus funcionários: elas poderão obter linhas de crédito subsidiado para garantir a folha de pagamento. E a terceira transferirá R$ 16 bilhões a estados e municípios.

Continue lendo

O economista Naercio Menezes Filho, coordenador do Centro de Politicas Públicas do Insper Foto: Adriana Lorete / Agência O Globo
O economista Naercio Menezes Filho, coordenador do Centro de Politicas Públicas do Insper
Foto: Adriana Lorete / Agência O Globo

O economista Naercio Menezes Filho, coordenador do Centro de Politicas Públicas do Insper, especializado em mercado de trabalho, educação, pobreza e desigualdade, afirma que o desemprego deve atingir um quarto dos trabalhadores em menos de um mês, o que vai se configurar uma tragédia social se as transferências e as medidas para minimizar a recessão não chegarem logo. Serão mais de 26 milhões de desempregados. Atualmente são 12,3 milhões. 

“Não sabe por quanto tempo a economia vai ficar paralisada. Para quem trabalha no setor informal, a pobreza e miséria vão aumentar de forma dramática, se não houver medidas paliativas. Cada dia que passa, à medida que o desemprego começa a aumentar, vai gerando intranquilidade nas pessoas, insegurança que pode ter consequências graves a curto prazo, como saques. As pessoas não vão deixar suas famílias com fome”, disse. 

O senhor alerta para o aumento do desemprego. Essas medidas de redução de jornada e salário são eficientes? Vão segurar os empregos, há críticas que a perda salarial será alta.

Acredito que a medida anunciada de redução da jornada ou suspensão temporária do contrato de trabalho vai na direção correta. É necessário encontrar formas para preservar o vínculo entre os trabalhadores e suas empresas. A perda salarial será alta para os que ganham mais, mas a maioria dos trabalhadores brasileiros ganha entre um e dois salários-mínimos atualmente. E quem ganha um salário mínimo não terá perda salarial, pois terá o salário pago pelo governo. Além disso, a medida garante estabilidade do emprego pelo mesmo período da suspensão do contrato ou redução da jornada. E aumenta os custos de demissão.  

Quantos podem ser atingidos pelo desemprego?

 Em pouco tempo pode atingir um quarto da força de trabalho. São cerca de 26 milhões de pessoas (em fevereiro eram 12,3 milhões). Será um impacto tremendo se não houver medidas para aliviar a sofrimento dessas pessoas. Vai ser uma tragédia social, mas não há alternativas, pois temos que manter as regras de distanciamento social, caso contrário as consequências seriam ainda piores. Mas, se não houver implementação urgente do programa de renda básica anunciado, as  pessoas não vão ter como comprar alimentos nem produtos de higiene. Não se sabe o que vai acontecer. Hoje estão trabalhando na informalidade.Não têm recursos para se manter durante o desemprego, ao contrário do trabalhador formal que tem seguro-desemprego, e também não têm poupança, não tem renda guardada para usar em períodos de crise.  A economia está parando, não há pessoas circulando nas ruas, não estão comprando de ambulantes. Muitas empresas não vão ter para quem vender e vão demitir seus empregados. É um fenômeno em cadeia, atingindo fornecedores. O desemprego pode atingir 25% rapidamente (em fevereiro estava em 11,6%).   

Como chegar a essas pessoas?   

Tem de aumentar o valor do Bolsa Família. O governo está perdendo tempo, já poderia estar ajudando essas famílias. Essas medidas atenuam os efeitos da recessão, além de ser uma medida humanitária. Temos que pensar como vai ser o desenvolvimento das crianças nesses lares, evitar que a recessão se aprofunde mais. A população que recebe o Bolsa Família está no setor informal. Tem que ter complementação para que essas crianças que estão nascendo e crescendo tenham o mínimo de segurança. Elas já têm o cartão, é só uma medida administrativa, e tem de zerar a fila do Bolsa Família urgentemente.   

O que mais pode ser feito?   

Dar crédito para as pequenas empresas que não têm colchão de liquidez para sobreviver com as vendas paradas, não têm serviço de delivery ou venda on-line e estão fechadas pela quarentena. Milhares de pequenas e médias empresas, onde houve investimento, são criativas, os novos negócios vão ter que fechar. Portanto, vão precisar de ajuda para sobreviver durante esse período. Mas, são empresas que têm conta em banco, CNPJ, os bancos têm acesso a elas. Basta liberar os recursos, e os bancos efetivamente emprestarem, sem aumentar a taxa de juros, como já está acontecendo. Já nas empresas informais, o dono do bar que está fechando agora, não têm acesso rápido ao crédito. Não tem gerente de banco. Tem que ser criativo para o dinheiro chegar a essas pessoas. Importante ressaltar que é urgente, se elas não puderem se sustentar, vão para as ruas. Não vão deixar seus familiares com fome.   

Como atender a essa população?  

Continue lendo

Com a publicação da lei que garante o pagamento de um auxílio emergencial de R$ 600, por três meses, a 54 milhões de trabalhadores autônomos e informais, o governo já prepara a operação de pagamento do voucher. Entre as categorias a serem contempladas durante a pandemia do novo coronavírus estão as diaristas. A liberação do dinheiro, segundo o presidente Jair Bolsonaro, poderia começar no dia 10 deste mês, mas as datas e os grupos beneficiados de acordo com o calendário ainda não foram divulgados. As pessoas que trabalham em casas de família apenas alguns dias na semana, sem vínculo empregatício, não estavam incluídas na proposta original, mas foram inseridas no rol de beneficiários durante uma votação no Senado, na quarta-feira, dia 1º. Na verdade, os parlamentares aprovaram a inclusão de mais 19 categorias, como diaristas, manicures, baianas de acarajé, pescadores, caminhoneiros, taxistas e entregadores e motoristas de aplicativos, entre outros. A dúvida das diaristas e de outros profissionais, no entanto, é sobre como receber o auxílio emergencial criado em razão da pandemia do coronavírus, se eles não têm carteira assinada. Muitos também não contribuem para o INSS por conta própria, como contribuintes individuais. Portanto, não têm vínculo previdenciário. O governo, porém, já anunciou que vai considerar os inscritos no CadÚnico (cadastro de pessoas de baixa renda usado pelo governo federal para a concessão de benefícios sociais) para encontrar os beneficiários. Quem recebe Bolsa família, por exemplo, está cadastrado neste banco de dados. Quem não está inscrito no CadÚnico, entretanto, não ficará de fora. Bastará ao trabalhador preencher uma autodeclaração, cujo modelo ainda será divulgado. É preciso aguardar.Para esclarecer essas e outras dúvidas, o GLOBO publica abaixo perguntas e respostas comuns aos trabalhadores.

Quem pode receber o auxílio emergencial?

  • Terão direito ao voucher trabalhadores por conta própria com renda mensal de até meio salário mínimo (R$ 522,50) ou renda mensal familiar total de até três salários (R$ 3.135).
  • O auxílio poderá ser pago a até duas pessoas da mesma família, desde que seja obedecido o critério da renda.
  • Famílias em que há pessoas com deficiência ou idosas com renda mensal per capita igual ou inferior a meio salário mínimo.
  • Mães menores de idade.
  • Aqueles que recebam Bolsa Família, limitado a cada grupo familiar o recebimento de até duas cotas do auxílio ou de uma cota e de um benefício do Bolsa Família, podendo o beneficiário optar pelo mais vantajoso.
  • Trabalhadores informais de qualquer natureza, inclusive o trabalhador intermitente inativo, desde que inscrito no CadÚnico até 20 de março passado, entre eles pescadores, caminhoneiros, motoristas e entregadores de aplicativos, taxistas, mototaxistas, manicures, baianas de acarajé, ministros de culto, camelôs, feirantes e barraqueiros de praia.
  • Aqueles que, nos termos de autodeclaração, tiverem renda familiar per capita de até meio salário mínimo ou renda familiar mensal de até três salários mínimos
  • Mulheres e homens que sejam chefes de família terão direito a duas cotas do voucher (R$ 1.200).
  • Aqueles que, mesmo tendo tido outros rendimentos tributáveis em 2020, em valor superior ao da primeira faixa da tabela progressiva do IR, apresentem o auxílio recebido na declaração de renda de 2021.

Como será feita a distribuição do auxílio de R$ 600?

Continue lendo

Os chefes da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Fundo Monetário Internacional (FMI) insistiram nesta sexta-feira que salvar vidas é um “pré-requisito” para salvar os meios de subsistência, chamando a pandemia de “uma das horas mais sombrias da humanidade”.O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, e a diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, disseram que a covid-19 precisa ser controlado primeiro antes de reativar a economia, apesar de admitirem que é difícil encontrar o equilíbrio certo.A economia mundial foi atingida pelo vírus e paralisações associadas, já que mais da metade da população do planeta vive sob alguma forma de confinamento para retardar a propagação da pandemia de coronavírus.A covid-19, que surgiu em dezembro na China, matou mais de 53.000 pessoas e mais de um milhão deu positivo para o vírus.“Todos os países enfrentam a necessidade de conter a propagação do vírus à custa de paralisar sua sociedade e sua economia”, escreveram Tedros e Georgieva em um artigo conjunto no jornal britânico The Daily Telegraph.“Salvar vidas ou salvar meios de subsistência? Controlar o vírus é, em qualquer caso, um pré-requisito para salvar meios de subsistência”.

O presidente Jair Bolsonaro e seu ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (Foto: Marcos Corrêa/PR)

O PRESIDENTE JAIR BOLSONARO E SEU MINISTRO DA SAÚDE, LUIZ HENRIQUE MANDETTA (FOTO

: MARCOS CORRÊA/PR)

Nordeste é a região com mais entrevistados que acreditam na afirmação. Mandetta, da Saúde, ganha destaque em combate ao vírus

As recentes investidas de Jair Bolsonaro contra seus próprios ministros, contra as recomendações sanitárias mundiais e à favor do retorno ao trabalho fizeram com que 51% dos entrevistados da última pesquisa Datafolha, divulgada neste sábado 04, acreditem que o presidente do Brasil mais atrapalha do que ajuda no enfrentamento da pandemia.Outros 40% discordam da afirmação, mas ainda não são o suficiente para combater a escalada de desaprovação do presidente, que tem sido mal avaliado, segundo os dados divulgados pela mesma pesquisa.Só na região Nordeste, 57% dos eleitores acreditam que o presidente atrapalha a gestão de crise de saúde. Lá, ele é avaliado como ruim ou péssimo por 42% dos entrevistados. O levantamento ouviu 1.511 pessoas por telefone, para evitar contato pessoal, e tem margem de erro de três pontos percentuais para mais ou menos.Segundo o Datafolha, a popularidade do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disparou nas últimas semanas e atingiu uma porcentagem maior que o dobro da aprovação do presidente. No começo da crise, o Datafolha verificou, entre 18 a 20 de março, que as ações do Ministério da Saúde eram aprovada por 55%. Agora, o número saltou para 76%, enquanto a reprovação caiu de 12% para 5%.No mesmo tempo em que seu ministro se destaca, o presidente Jair Bolsonaro viu sua reprovação aumentar  de 33% para 39%. Foi a maior reprovação já alcançada por Bolsonaro desde que assumiu o cargo. A aprovação segue estável (33% ante 35%), assim como a avaliação regular (26% para 25%), considerando a margem de erro. Além disso, a pesquisa mostrou que Bolsonaro é mais mal avaliado por mulheres (43%), pessoas com curso superior (50%) e mais ricos (acima de 10 salários mínimos mensais, 46%).

Continue lendo

Ver imagem no Twitter

Eles estão na linha de frente do combate ao coronavírus, em hospitais, postos de atendimento e consultórios de todo o País. São médicos, enfermeiros, motoristas de ambulância, equipes de apoio e limpeza, empenhados no dia a dia do combate à pandemia. E alguns dos primeiros a ter sua rotina de trabalho e sua vida familiar alteradas pela covid-19. É para destacar o esforço diário desses profissionais que o Estado lançou a campanha #AbracoNaSaude, no Twitter. Essa é a primeira de uma série de iniciativas para mostrar quem são as pessoas que estamos vendo cotidianamente cobertos por máscaras e de aventais de proteção. O que mudou no cotidiano delas? Como lidam com o risco de infecção? Como atendem pacientes e consolam suas famílias? O projeto Abraço na Saúde também é um acréscimo à ampla cobertura sobre coronavírus produzida pelo Estado. Conteúdo desenvolvido por um núcleo especial, incluindo reportagens com as principais orientações de saúde, dadas por órgãos nacionais e internacionais, além de especiais que ajudam a lidar melhor com a vida na quarentena. O tuíte sobre a campanha #AbracoNaSaude no Twitter do Estadão já reúne mensagens de apoio e de gratidão aos profissionais da saúde. Vários leitores estão marcando amigos e parentes que fazem parte desse grupo. Confira alguns desses posts. E participe da iniciativa. Mais do que aplausos, eles merecem abraços. Virtuais, enquanto a pandemia não tiver sido vencida.

Estamos lançando hoje uma campanha virtual em apoio aos profissionais da Saúde que estão na luta contra a . Vem com a gente?

Isis Valverde e André Resente (Foto: Reprodução/Instagram)

Isis Valverde e André Resente 

Isis Valverde e o filho, Rael (Foto: Reprodução/Instagram)

André Resende, marido de Isis Valverde, publicou uma série de fotos com a atriz de Amor de Mãe no Instagram nesta quarta-feira (1) para se declarar. Os dois se casaram em junho de 2018 e têm Rael.

“Pra minha eterna namorada com quem tenho o prazer de aprender, amar e viver”, escreveu o modelo. A família está em quarentena devido à pandemia do novo coronavírus e Isis já mostrou sua rotina em casaRecentemente, Isis sofreu com uma perda na família. A atriz compartilhou fotos em que aparece abraçada a avó paterna e fez texto emocionante em sua homenagem, depois falou sobre as dificuldades de 2020. “Só pancada este ano. Com ela foram três de uma vez só. Meu pai, uma das minhas melhores amigas e agora minha avó”, lamentou.

revistaquem

O final de semana em casa pode ser um bom momento para reservar aquele tempinho para nós mesmas. Cuidar dos cabelos é uma das formas de fazer um agrado ao seu corpo e ainda fazer um verdadeiro spa em casa.

Para falar da melhor forma de cuidar dos cabelos, nada melhor do que o hairstylist Rodrigo Cintra, idealizador do The Art Salon e também o responsável por levantar a autoestima de tantas leitoras de CLAUDIA no nosso Desafio da Leitora. Cabelos sem brilho, ressecados e quebradiços são comuns em quem mantém uma rotina de secador, babyliss e chapinha  práticas que fazem com que os fios percam água e nutrientes. O exposição ao sol e a poluição também contribuem para fios opacos, assim como a coloração e descoloração. Confira as dicas de Rodrigo para fazer uma hidratação de salão em casa:

TRUQUES DURANTE A LAVAGEM

Segundo o hairstylist, os cuidados começam ainda no banho. “Use um xampu para o seu tipo de cabelo e coloque a água em temperatura mais baixa (entre fria e morna). A água quente estimula a oleosidade do couro cabeludo, dilata as escamas, retira o brilho e desbota a cor”, explica. O especialista também chama a atenção para quem tem raiz oleosa e ponta seca. Segundo ele, pessoas com cabelo desse tipo devem usar um produto para higienizar o couro cabeludo e, em seguida, aplicar outro para lavar o restante dos fios. Rodrigo explica que o correto é retirar com uma espátula a quantidade de produto de tratamento que vai usar. Em seguida, aplicar do meio dos cabelos até as pontas. “Nunca aplique na raiz, a não ser que o produto seja para essa finalidade”, afirma.

HIDRATAÇÃO X NUTRIÇÃO X RECONSTRUÇÃO

Conforme explica Rodrigo, máscara de hidratação vai repor água e nutrientes, pode ser indicada para todo tipo de cabelo, principalmente aquele não possui processo químico. Já a de nutrição é indicada para cabelos com colorações e para os cacheados, já que oleosidade raramente chega até as pontas. E a de reconstrução é indicada quando os fios passaram por um processo químico, como alisamento ou descoloração, para tratar as camadas externas e devolver o brilho e a saúde dos fios.

“Após a lavagem coloque algumas gotas de óleo de reparação na máscara hidratante. Separe os fios em mechas e aplique o creme, deixando espaço de dois dedos da raiz. Deixe agir pelo tempo que está na embalagem e enxágue”, explica. Ele afirma também sobre a importância de evitar água quente. “Se conseguir lavar com água fria, melhor, pois ela ajuda a fechar as cutículas”, garante.

POTENCIALIZANDO A HIDRATAÇÃO APÓS O BANHO

O especialista indica umedecer uma toalha quente, torcer e colocar nos cabelos. “Se a hidratação tiver um aquecimento, nada muito forte, será bom para dilatar as escamas e penetrar o produto. Quando você coloca a touca de banho na hora da hidratação com uma toalha quente por cima, ela ajuda a abrir essas escamas. Só a toalha quente também funciona”, indica. Rodrigo alerta para tomar cuidado com a touca térmica elétrica sem o aviso de temperatura, pois ela pode atingir altas temperaturas e ao invés de beneficiar os fios, pode acabar agredindo ainda mais.

FAZER COM QUAL FREQUÊNCIA?

Rodrigo enfatiza que não basta apenas uma hidratação para resolver o problema dos cabelos sem vida. As sessões precisam ser constantes e com produtos potentes. Em casa, ela pode ser realizada de uma a duas vezes por semana.

Maeve Jinkings
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Atriz foi uma das convidadas da sétima edição do programa BdF em Casa, que foi ao at nesta terça-feira, 31 –
AFP/ANNE-CHRISTINE POUJOULAT

“Vivemos dois fatores de extrema violência: essa pandemia e a maneira como o governo federal lida com ela”, afirma a atriz Maeve Jinkings. Ela foi uma das convidadas da sétima edição do programa BdF em Casa, que vai ao ar no Youtube e no Facebook do Brasil de Fato, todos os dias, às 17h. Para Jinkings, “Bolsonaro é um inimigo institucional. É um governo que não preza pelas pessoas que mais precisam, mas sim pelo poder econômico, pelas elites”. O programa também conversou com Adriana Marcolino, do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), que ajudou na elaboração da plataforma das Frentes Brasil Popular e Povo sem Medo, que traz medidas para ajudar o Brasil a enfrentar a crise da pandemia de coronavírus. Na ultima parte do programa, Luiza Mançano, editora de Internacional do Brasil de Fato, trouxe a dica cultural do dia. Ela apresentou aos internautas a edição de Amora, da escritora Natalia Borges Polesso, que reúne contos sobre relacionamentos lésbicos. O livro foi vencedor do Prêmio Jabuti de 2016.

brasildefato

Termina nesta terça-feira (31) o prazo para saques imediatos do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) de até R$ 998 por conta. A partir de amanhã (01), o dinheiro que não for sacado retorna à conta original com correção monetária e juros referentes ao período em que estava disponível para retirada.

Desde setembro de 2019, a Caixa Econômica Federal está liberando o valor de contas ativas e inativas do FGTS com o objetivo de aumentar o dinheiro em circulação na economia. Seguindo um calendário de data de nascimento do trabalhador, os saques foram autorizados aos poucos até dezembro. O que determina o valor a ser sacado é a quantidade de dinheiro que havia em cada conta no dia em que a medida provisória que liberou a retirada dos valores entrou em vigor. Assim, quem tinha até R$ 998 em uma conta no dia 24 de julho de 2019 pode sacar todo o valor. Quem tinha mais de R$ 998 na mesma data poderá sacar até R$ 500Por exemplo: Uma trabalhadora que possui duas contas associadas ao seu fundo de garantia, uma com R$ 2000 e outra com R$ 1500, poderá sacar R$ 500 de cada uma delas. Agora, se ela tiver R$ 100 na conta, poderá sacar o valor integral. Se o trabalhador não fizer a retirada do dinheiro, o valor volta para a conta do fundo de garantia. E, então, só poderá ser retirado em algumas circunstâncias, como aposentadoria e compra da casa própria. De acordo com o último balanço divulgado pela Caixa, até o dia 24 de março, dos 96 milhões de trabalhadores que tinham recursos a serem sacados, apenas 60 milhões haviam retirado os valores. No total, dos R$ 42,6 bilhões liberados pela medida provisória, R$ 28 bilhões foram pagos. Portanto, 63% dos trabalhadores sacaram 66% dos recursos disponíveis.

Saque online

Seguinto a orientação de permanecer em casa, a Caixa passou a permitir o saque através do aplicativo do FGTS. O sistema é gratuito e está disponível para iOS e Android. Ao solicitar o saque pela plataforma, o trabalhador deverá informar uma conta bancária de sua titularidade em qualquer instituição financeira para transferir o valor. A transferência não terá custo adicional. A ideia é evitar o deslocamento das pessoas até uma agência da Caixa Econômica Federal.

Em último caso

Mas, caso não possa optar pelo acesso virtual, existem outras alternativas:

  • Lotéricas: Para fazer saques de até R$ 100, é preciso levar um documento de identidade e Carteira de Trabalho. Para valores até R$ 998, é necessário documento de identidade, Carteira de Trabalho e senha do Cartão Cidadão.
  • Caixas Eletrônicos: até R$ 998 é preciso a senha do Cartão Cidadão e Carteira de Trabalho.
  • Agências da Caixa: até R$ 998 é necessário documento de identidade e Carteira de Trabalho.
  • Correspondentes Caixa Aqui: até R$ 998 é necessário documento de identidade, Carteira de Trabalho, Cartão Cidadão e senha do cartão.

Para correntistas da Caixa é diferente

Continue lendo

Thais Fersoza compartilha linda reflexão ao comemorar a chegada do mês de abril

Thais Fersoza compartilha linda reflexão ao comemorar a chegada do mês de abril
Thais Fersoza compartilha linda reflexão ao comemorar a chegada do mês de abril 

Thais Fersoza não esconde o quando sabe valorizar as pequenas coisas da vida.

Nesta quarta-feira, 1, a amada de Michel Teló utilizou sua conta do Instagram para compartilhar uma linda reflexão em comemoração à chegada do mês de abril.”E chegou ABRIL… meu mês, mês da Páscoa que eu amo! Um dos meus meses preferidos! Mas confesso que hoje me deu um apertinho no coração.. chegou e chegou tããão diferente do que eu imaginava/esperava que me leva a refletir ainda mais sobre tudo.. que loucura né?”, apontou a atriz que aproveitou a oportunidade para compartilhar um lindo clique em que surge com a feição tranquila

”E a vida é isso.. o inesperado.. o surpreendente.. o incerto.. o HOJE! Mas com Deus no coração a gente consegue superar tudo! Então creio Nele, espero Nele e peço a Ele saúde e proteção pros meus e pros seus. FELIZ ABRIL! Na esperança que nele tudo isso acabe, que nós possamos nos abraçar novamente e que se encerrem as perdas.. Vem Abril da esperança! Seja leve..”, escreveu a mamãe de Melinda e Teodoro, passando uma verdadeira mensagem de esperança aos seus seguidores. 

Confira:

Thais Fersoza compartilha linda reflexão ao comemorar a chegada do mês de abril

Cara

NICHOLAS KAMM/AFP
Governo do Estado busca adquirir materiais para ajudar na luta contra o coronavírus
FOTO: NICHOLAS KAMM/AFP

A Secretaria de Saúde de Pernambuco publicou no Diário Oficial do Estado, desta quarta-feira (1º), um aviso de chamamento público de Saúde convocando empresas interessadas em fornecer, via contratação direta (emergencial), insumos e materiais necessários para a luta contra o novo coronavírus (covid-19).

A secretaria pretende adquirir:

Ventilador pulmonar mecânico para uso em terapia intensiva em pacientes adulto e pediátrico de alta complexidade (85 unidades);

Monitor multiparamétrico com ecg, pni, spo2, temp, 2 canais de pi, capnografia (10 unidades);

Ventilador pulmonar mecânico para transporte de pacientes adulto e pediátrico (10 unidades);

Colchão pneumático com compressor (200 unidades);

Ventilador pulmonar para insuficiência respiratória (100 unidades);

Ventilador pulmonar de suporte à vida de uso contínuo (12 unidades).

Álcool em gel

Além destes materiais, a Secretaria de Saúde também busca empresas interessadas em fornecer, também via contratação direta (emergencial), 800 unidades de álcool em gel (70%), de 1000 ML. A secretaria ainda destacou que, caso a empresa interessada não possua a totalidade, é possível apresentar propostas com o que dispõe.

De acordo com a publicação no Diário Oficial, o prazo para apresentação das propostas é imediato e as cotações/propostas deverão ser realizadas através do endereço eletrônico: farma.ceasp@gmail.com

Máscaras

Por meio da publicação desta quarta-feira, a Secretaria também ratificou a contratação, via dispensa de licitação emergencial, para aquisição duas mil máscaras de proteção para atender as necessidades da pasta. A empresa contratada foi a BDP – Brasil Distribuidora de Produtos OPME EIRELI num total para o item de R$ 37.980,00. Também foi ratificada a aquisição de 15.168 unidades de óculos cirúrgico de proteção – em material acrílico ou similar sem rebarbas, atoxico, antialérgico. A empresa contratada foi a JJMR EMPREENDIMENTOS EIRELI EPP, num valor de R$ 113.760,00.O Ministério da Saúde divulgou no último dia 30 um balanço dos equipamentos de proteção individual (EPIs) destinados aos profissionais de saúde enviados aos Estados. No total, foram direcionadas 14,2 milhões de máscaras cirúrgicas, recurso fundamental para evitar o contágio de profissionais por pacientes infectados. Além disso, o Executivo Federal encaminhou 24 milhões de luvas para procedimento não cirúrgico, 742 mil aventais, 290 mil toucas hospitalares, 168 mil frascos de álcool etílico 100 mil sapatilhas e 60 mil óculos de proteção.

O ministério também afirmou que está adquirindo mais 200 milhões de máscaras cirúrgicas, 120 milhões de toucas, 80 milhões de aventais impermeáveis, 40 milhões de aventais, 40 milhões de máscaras N95, 2 milhões de frascos de álcool, 1 milhão de óculos de proteção e 1 milhão de sapatilhas.

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa. A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

Continue lendo

BRUNOSILVEIRA/DIVULGAÇÃO
Novo centro médico fará parte da estrutura da UPAE de Goiana (PE) e será entregue até a metade deste mês de abril – FOTO: BRUNOSILVEIRA/DIVULGAÇÃO

A construção de um hospital de campanha, que depois se tornará uma estrutura permanente, em Goiana (PE), com capacidade para 100 leitos foi a principal medida anunciada nesta terça-feira (31) pelo presidente do grupo FCA para a América Latina, Antonio Filosa. A iniciativa faz parte de uma série de ações do grupo para combater a pandemia do coronavírus nas localidades onde o grupo FCA mantém fábricas: Betim (MG), Goiana (PE) e Córdoba (Argentina). Em Pernambuco, a Fiat Chrysler ainda irá fazer o empréstimo de viaturas às equipes de saúde, doar roupas e equipamentos de segurança para o SAMU, doar 30 mil máscaras, 50 quilos de álcool em gel e recuperar junto com o SENAI cerca de 270 respiradores pulmonares que estão fora de uso na rede pública de saúde. A FCA ainda vai utilizar as impressoras 3D da fábrica da Jeep, em Goiana, para produzir “face shields”, espécie de escudo de segurança para o rosto, utilizado por profissionais no atendimento a casos contagiosos.“Nosso programa está baseado em uma estratégia coordenada e multidisciplinar, que abrange desde doações às autoridades da saúde até o aproveitamento dos conhecimentos e habilidades de nossos profissionais em áreas como engenharia, manufatura, design, finanças, compras, logística e direito para auxiliar em diversas frentes no combate aos efeitos da pandemia no Brasil”, afirmou Antonio Filosa, presidente da FCA para a América Latina.O grupo FCA não divulgou quanto está investindo nas ações de combate ao Coronavírus. “Estamos trabalhando em cooperação estreita e altamente positiva com todas as esferas governamentais, tendo como prioridade contribuir de forma efetiva nas áreas onde há maior necessidade. O momento pede união de esforços, e a FCA faz questão de se fazer presente e atuante”, disse Filosa.

HOSPITAL

A FCA já iniciou a montagem de um hospital de campanha totalmente equipado para o atendimento de casos da Covid-19 registrados em Goiana e região, na Zona da Mata Norte. O prédio, construído pela FCA para a instalação de uma Unidade Pernambucana de Atenção Especializada (UPAE), está em fase de adequação para abrigar 100 leitos, sendo três do tipo sala vermelha (para abrigar casos mais graves, que precisem de estabilização até o deslocamento para uma UTI) e outros 97 em enfermaria. A estrutura vai oferecer ainda dez consultórios, uma sala de triagem, posto de enfermagem, sala de inalação, sala de administração, banheiros e vestiários, central de material e esterilização e sala de espera.

“Todos os espaços serão entregues equipados e prontos para operação na segunda quinzena deste mês de abril. O hospital será entregue ao governo de Pernambuco, que se encarregará de sua operação e manutenção. Após a crise da Covid-19, o hospital continuará a serviço da população, sob operação do Governo, funcionando como uma UPAE”, afirmou Fernão Siveira, diretor de comunicação e sustentabilidade da FCA.

VENTILADORES PULMONARES

A FCA divulgou ainda que fará o reparo imediato de ventiladores pulmonares quebrados da rede de saúde. Estima-se que estejam fora de operação no Brasil mais de 3,6 mil desses aparelhos. Em Pernambuco e na Paraíba, o grupo FCA estima que sejam cerca de 275 aparelhos inoperantes. A fábrica da Jeep servirá como ponto de manutenção desses ventiladores que são essências no tratamento da insuficiência respiratória provocada pelo Coronavaírus.

jc.ne10.uol

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), encaminhou à Procuradoria Geral da República (PGR), uma notícia-crime apresentada por um deputado do PT contra o presidente Jair Bolsonaro. Na peça, o parlamentar lista ações do presidente que colocariam a sociedade em risco durante a pandemia de covid-19.
O parlamentar pede que Bolsonaro seja denunciado por sua conduta “irresponsável e tenebrosa” que coloca em risco “a saúde pública de todos os brasileiros”. No peça, o deputado Reginaldo Lopes diz que “Bolsonaro não está à altura do cargo. A necessidade de sua saída não é uma necessidade política, é de saúde pública”, afirmou o deputado.
Para que a ação tenha andamento, é necessário que a PGR dê parecer favorável a denúncia, caso contrário, é arquivada. Em seguida, a denúncia segue para a Câmara dos Deputados, que envia para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Em seguida, o presidente tem prazo para se manifestar e em última etapa, a solicitação de afastamento é analisada pelo plenário. 
DP
ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
Muitas pessoas demonstraram insatisfação com a postura do presidente diante da crise – FOTO: ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM

Com Agência Brasil

No Grande Recife, houve protesto em bairros como Piedade e Candeias, em Jaboatão dos Guararapes, e Jardim Atlântico, em Olinda.

   No Twitter, #panelacocontrabolsonaro chegou ao segundo lugar da lista de assuntos mais comentados no Brasil.

Pronunciamento do presidente Bolsonaro

O presidente afirmou que a pandemia é o “maior desafio da nossa geração”. Bolsonaro voltou a enfatizar a necessidade de se implementar medidas para a preservação de empregos. “O efeito colateral das medidas de combate ao coronavírus não pode ser pior do que a própria doença. A minha obrigação como presidente vai para além dos próximos meses. Preparar o Brasil para a sua retomada, reorganizar nossa economia e mobilizar todos os nossos recursos e energia para tornar o Brasil ainda mais forte após a pandemia.”

Bolsonaro disse que as medidas de proteção à população estão sendo implementadas de forma coordenada, racional e responsável. Segundo Bolsonaro, o Brasil avançou muito nos últimos 15 meses, desde que tomou posse em janeiro de 2019, e sua preocupação sempre foi salvar vidas. “Tanto as que perderemos pela pandemia quanto aquelas que serão atingidas pelo desemprego, violência e fome.”

Ele destacou políticas em defesa do emprego e da renda como a ajuda financeira aos estados e municípios (com adiamento de pagamento das dívidas), linhas de crédito para empresas, auxílio mensal de R$ 600 aos trabalhadores informais e vulneráveis e entrada de cerca de 1,2 milhão de famílias no programa Bolsa Família. “Temos uma missão: salvar vidas, sem deixar para trás os empregos. Por um lado, temos que ter cautela e precaução com todos, principalmente junto aos mais idosos e portadores de doenças preexistentes. Por outro, temos que combater o desemprego, que cresce rapidamente, em especial entre os mais pobres. Vamos cumprir essa missão ao mesmo tempo em que cuidamos da saúde das pessoas.”

OMS

Bolsonaro citou a fala do diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, que disse ontem (30) que há muitas muitas pessoas que têm que trabalhar todos os dias e que essa população precisa ser levada em conta pelo governo. “[O diretor-geral] continua ainda: ‘Se fecharmos ou limitarmos movimentações, o que acontecerá com estas pessoas, que têm que trabalhar todos os dias e que têm que ganhar o pão de cada dia todos os dias?’ Ele prossegue: ‘Então, cada país, baseado em sua situação, deveria responder a esta questão’”, disse o presidente em referência à fala de Tedros Adhanom.“Não me valho dessas palavras para negar a importância das medidas de prevenção e controle da pandemia, mas para mostrar que da mesma forma precisamos pensar nos mais vulneráveis. Esta tem sido a minha preocupação desde o princípio”, acrescentou o presidente, ao citar trabalhadores informais e autônomos.Nesta terça-feira, pelas redes sociais, o diretor-presidente da organização, sem citar o presidente brasileiro, se manifestou e afirmou que pessoas sem renda merecem ter a dignidade garantida e convocou os países a desenvolverem políticas que forneçam proteção econômica a essas pessoas. “Eu cresci pobre e entendo essa realidade. Convoco os países a desenvolverem políticas que forneçam proteção econômica às pessoas que não possam receber ou trabalhar devido à pandemia da covid-19. Solidariedade”, disse em mensagem retuitada pela OMS.

Saúde

Continue lendo

Faça Sua Pesquisa no Google Aqui!

 
bove=""

 

Visitas

contador de visitas

Redes Sociais

Click e acesse

Zé Freitas no Facebook

Clínica Climed / Plano Assistencial

Clínica Climed.

Av: Vereador Horácio José de s/n de frente o Banco do Brasil.

Contato (87) 9.9161-1779

Santa Terezinha PE

Lições Bíblicas

Portal Correio-PB

 
CLIQUE E ACESSE!

Parceiros