Lojas Surya
Óticas Olhar Brasil
Farias Calçados

Lojas Surya
Supermercado
Natália Calçados

Seg Vida
 

Para visualizar este conteúdo corretamente, é necessário ter o Flash Player instalado.

REFLEXÕES DO PASSADO E PRESENTE: PERSPECTIVA DE MELHORA PARA O FUTURO


 

Monthly Archives: abril 2020

A Reciclanet, empresa de internet já consolidada no mercado, migra seus serviços para a Agility Telecom.

Agility Telecom assina contrato com Reciclanet. Da esquerda para direita: João Paulo, Leni, Márcio, Izidro, Jordão e Noezio — Foto: Acervo

Agility Telecom assina contrato com Reciclanet. Da esquerda para direita: João Paulo, Leni, Márcio, Izidro, Jordão e Noezio — Foto: Acervo

A Agility Telecom, empresa do grupo Brisanet, vive um momento de grande expansão e traz um novo aliado ao grupo, a empresa Reciclanet Telecom, para somar a sólida parceria as já existentes como: Populine Telecom (Marcelino Vieira-RN), Topenet Telecom (Viçosa do Ceará-CE), Inforarts (Solonópole/CE) entre outras. O Sócio e Diretor Comercial do grupo Brisanet, Jordão Estevam, sempre com um olhar sensível ao potencial tecnológico de cada empresa, busca desenvolver novas soluções em inovação para pequenos e médios provedores, através do modelo de Franquia Agility Telecom, no qual é referência em fornecimento de internet banda larga e outros serviços na região Nordeste do Brasil.

Equipe Reciclanet Telecom — Foto: Rauã Higo

Equipe Reciclanet Telecom — Foto: Rauã Higo

Completando 17 anos no mercado, os empresários da Reciclanet Telecom, decidiram juntamente com o grupo Brisanet, investir em novas soluções tecnológicas através do modelo de Franquia Agility Telecom. Sem medir esforços, prezam totalmente pela satisfação para oferecer novos serviços aos seus clientes, e com isso entregar a melhor experiência em navegação de internet e seus serviços agregados. Para se tornar viável, o projeto Agility Telecom, tem como propósito acelerar a transição tecnológica. Esse cenário possibilita levar inovação e inclusão digital, desenvolvimento social, fomentando o crescimento econômico através da geração de emprego e renda nessas regiões.”O nosso projeto Agility Telecom foi idealizado para levar aos pequenos e médios provedores um portfólio rico em produtos, soluções inovadoras, expertise em gestão que atenda as crescentes necessidades do mercado. Com o foco centrado no bom relacionamento, acreditamos no potencial transformador elevando ainda mais os limites da tecnologia e da inovação, para que todos tenham acesso a nova era digital. Enfim, estamos trabalhando incansavelmente para revolucionar o setor de telecomunicações e expandir nossas ofertas com comprometimento para conduzir o futuro digital igualmente para pessoas e empresas, assim como a Reciclanet”. Disse Geneci, Gerente Geral da Agility Telecom.

Izidro Vasconcelos (Sócio Proprietário da Reciclanet) ao lado dos apresentadores de uma premiação local de Melhor Provedor de Internet do ano de 2019 — Foto: Mateus Fonseca

Izidro Vasconcelos (Sócio Proprietário da Reciclanet) ao lado dos apresentadores de uma premiação local de Melhor Provedor de Internet do ano de 2019 — Foto: Mateus Fonseca

Segundo a ANATEL 60% dos municípios nordestinos possuem estrutura de fibra óptica, com isso, a Agility Telecom tem trabalhado para fazer esse número crescer, levando tecnologia aos municípios que ainda estão mais isolados e que ainda não tem acesso à conexão através da banda larga. Inovar, crescer e multiplicar. Esse é o objetivo da Agility Telecom, um jeito novo de conectar pessoas.

g1.globo

A minuta de projeto de auxílio financeiro federal a Estados e municípios em discussão no Senado prevê um limite para essa ajuda de 60 bilhões de reais, sendo 10 bilhões de reais destinados para o enfrentamento do coronavírus, e critérios mistos para a distribuição dos recursos.

Apresentado nesta quinta-feira, parecer elaborado pelo presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), difere do texto produzido pela Câmara dos Deputados ao prever um teto e um leque de critérios mistos para a distribuição dos recursos. O substitutivo oferecido por Alcolumbre –que deve ir a voto no sábado– cria o Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus e altera a Lei de Responsabilidade Fiscal, além de tratar da destinação dos recursos, da suspensão de pagamentos de dívidas entre Estados, municípios e União, e da reestruturação de operações de crédito interno e externo junto a instituições financeiras e instituições multilaterais de crédito em meio ao estado de calamidade por conta da crise do coronavírus.

“Nesse cenário, o auxílio da União é fundamental. Afinal, ao contrário dos Estados e municípios, a União tem amplo acesso ao mercado de crédito”, argumenta o presidente do Senado, no parecer. “Entendemos que é necessário impor um limite ao montante do auxílio. Por mais que concordemos que a Covid-19 impôs restrições financeiras graves aos Estados e municípios, não podemos ignorar que as contas da União também sofreram impacto da pandemia”, explicou o senador, que manteve conversas tanto com a equipe econômica, quanto com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), sobre o tema.  Ao reconhecer que o momento exige dos entes uma ampliação não planejada dos gastos para conter o avanço e os efeitos da nova doença, ao mesmo tempo em que se registra queda de arrecadação, Alcolumbre diz não concordar com as regras sugeridas pela Câmara para a repartição dos recursos. Texto produzido pelos deputados estabelece um “seguro-receita” em que a União compensaria os Estados e municípios pelas perdas na arrecadação do ICMS e do ISS. Apelidado de bomba-fiscal pela equipe econômica, o projeto corria o risco de ser vetado, segundo alerta do Ministério da Economia.

“Não concordamos com a queda do ICMS e do ISS como critério de rateio porque, além de problemas operacionais e de fiscalização, tende a favorecer demasiadamente os Estados e municípios mais ricos”, diz Alcolumbre no relatório.

Munido de dados preliminares do Conselho Nacional de Política Fazendária, que apontam uma queda de arrecadação de ICMS de mais de 30% em relação ao ano passado, o texto destina 10 bilhões de reais para o sistema de saúde e de assistência social, e ainda 50 bilhões de reais a serem repartidos pela metade entre Estados e municípios.

Dentre os 10 bi de reais, Estados e Distrito Federal terão direito a 7 bi, levando-se em conta a taxa de incidência da Covid-19 e o tamanho da população. Os 3 bi reservados aos municípios serão distribuídos sob o critério do tamanho da população.

Metade dos 50 bi destinados aos Estados será repartida em “função de variáveis como arrecadação do ICMS, população, cota-parte do Fundo de Participação dos Estados (FPE) e valores recebidos a título contrapartida pelo não recebimento de tributos sobre bens e serviços exportados”.

Os 25 bi dos municípios serão divididos levando-se em conta cálculo semelhante ao dos Estados, segundo o parecer.

“Mais uma vez, a composição entre vários critérios teve o objetivo de atenuar as grandes perdas que os maiores Estados e municípios tiveram, mas também o de garantir que o recurso chegue até o menor dos municípios, amenizando o sofrimento de cada brasileira e cada brasileiro deste nosso imenso e desigual país”, argumenta o senador.

Suzanna Freitas, filha de Kelly Key e Latino - Reprodução/Instagram

Suzanna Freitas, filha de Kelly Key e LatinoImagem: Reprodução/Instagram

A influenciadora digital Suzanna Freitas, 19 anos, filha dos cantores Kelly Key e Latino, arrancou elogios de seus seguidores ao postar hoje, no Instagram, uma foto de toalha, mostrando uma tatuagem floral no braço. “Modelo mais linda essa”, escreveu uma menina. “Não tenho estruturas para essa foto”, comentou outra. “Sempre linda, adoro seu jeito de ser, tão verdadeira, tão você e tão humilde”, postou uma terceira. Recentemente, Suzanna respondeu à crítica de uma seguidora por expor o corpo no Instagram. “Tão nova já se expondo assim”, escreveu a pessoa, nos comentários de uma foto em que ela usa um body. “Engraçado que ela está se baseando em algo sobre mim por apenas um post, sendo que nem fotos de biquíni, nem nada eu geralmente posto aqui. E sobre a idade, eu já tenho 19 anos. Não sou nenhuma menor de idade”

tvefamosos

O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) está de olho no comportamento das escolas privadas durante a pandemia do novo coronavírus. Em nota técnica aos órgãos internos de execução, o MPPE orienta a criação de recomendações às instituições para que elas reduzam o valor da mensalidade (no caso dos ensinos fundamental e médio) ou suspendam os contratos (no caso do ensino infantil) durante enquanto durar a situação. A validade seria para as mensalidades de maio em diante.
No caso das escolas de ensino fundamental e médio, a nota técnica 02/2020 cobra que seja apresentada aos pais e responsáveis uma planilha, que detalhe de forma transparente quais gastos que a instituição realmente teve durante o período de suspensão das aulas presenciais. E a partir disso, em consenso com os pais, delimitado um desconto equivalente na mensalidade, uma vez que gastos com água, energia e materiais de ensino e limpeza deverão diminuir. Já para as instituições infantis, o pedido é que os contratos sejam suspensos até o fim do isolamento social, tendo em vista que não há como adotar um regime de aulas online pela natureza das atividades executadas. Ainda, cobranças extras – referentes a aulas de natação, futebol, ou alimentação de alunos de ensino integral, por exemplo – em todas as três modalidades de ensino devem ser restituídas ou virar crédito para futuras cobranças. A nota técnica é assinada pela promotora Liliane da Fonseca Lima, coordenadora do Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Defesa do Consumidor (CAOP Consumidor) do MPPE. Ela foi feita após duas discussões com setores ligados à educação, como sindicato de escolas e professores, Procons, Ministério Público Federal e pais de alunos. Desses encontros, só chegou-se ao consenso de se criar canais para tirar dúvidas sobre questões pedagógicas e assuntos administrativos/financeiros.
Já as mensalidades, nenhum entendimento efetivo. Tendo em vista que as férias de julho, antecipadas para abril, estão terminando, o tema volta à discussão. “As famílias perderam muita renda. E É um novo cenário em que não existem aulas presenciais e implica em uma redução de despesas das instituições. Essa redução tem que ficar clara para o consumidor”, discorre a promotora, que defende também a suspensão de penalidades como juros e multa: “Tem pai que por conta desse imprevisto não consegue realizar o pagamento no dia”.
Para a concessão do desconto nas mensalidades, as instituições educacionais não poderão exigir a comprovação de perda de renda pelo responsável financeiro. “O fato de um integrante da família não ter tido salário reduzido, por exemplo, não significa que a renda familiar continua intacta. Outros integrantes podem estar sem trabalhar. E aí o salário de um tem que dar conta de todos. E como um consumidor pode ser obrigado a mostrar seu rendimento se a própria escola não mostra as planilhas de custos? É uma questão de transparência, direito à informação”, defende Liliane.

Continue lendo

A Defensoria Pública do Estado de Pernambuco conseguiu, por meio da 2ª Vara Cível da Comarca de São José do Egito, em Ação Civil Pública, o fornecimento de merenda escolar para os alunos da rede pública de ensino do município. A medida vale mesmo no período de suspensão das aulas, devido à pandemia da Covid-19. A decisão foi proferida pelo juiz Carlos Henrique Rossi. A Ação Civil Pública contou com a atuação do defensor público Rafael Queiroz, lotado no Núcleo de São José do Egito. O objetivo é garantir às crianças e aos adolescentes em situação de vulnerabilidade o direito à alimentação “pois, infelizmente, muitas delas, com a suspensão das aulas nas escolas públicas, perderam sua única refeição do dia, que era a merenda escolar”.

Foto: Divulgação

 

A informação é do Diário de Pernambuco.

O presidente reclama da falta de diálogo com a atriz, que chegou ao posto há menos de dois meses

Foto: Reprodução

Menos de dois meses após assumir a Secretaria Nacional de Cultura, a atriz Regina Duarte vem sofrendo pressão para se demitir por parte do próprio governo. O presidente Jair Bolsonaro já teria autorizado um processo de fritura contra ela. Segundo reportagem de Gustavo Uribe e Talita Fernandes, da Folha de S. Paulo, o presidente está insatisfeito com a atuação da atriz na pasta e tem reclamado com interlocutores da falta de diálogo com Duarte. Além do presidente, integrantes da própria secretaria estariam trabalhando para que ela se demita do governo menos de dois meses após assumir a pasta. Duarte chegou à Esplanada após a polêmica envolvendo o ex-secretário Roberto Alvim, que publicou um vídeo com estética e discurso nazista ao comentar sobre um programa cultural lançado pela secretaria.

revistaforum

 Agencia Senado

Uma comissão mista, formada por seis deputados e seis senadores, irá analisar os gastos do governo federal – que incluem repasses para Municípios e Estados – durante a pandemia do novo coronavírus. A Confederação Nacional de Municípios (CNM), que reconhece a importância da articulação entre os dois Poderes neste momento, acompanhará os trabalhos e espera contribuir com os debates. Inclusive reconhece a oportunidade de o Parlamento definir os critérios dos repasses que estão sendo realizados para os Entes.

Na sexta-feira, 24 de abril, a comissão aprovou plano de trabalho, em que estão previstas audiências públicas com especialistas e representantes do Executivo, além de reuniões mensais com o ministro da Economia, Paulo Guedes. O objetivo é avaliar a situação fiscal do país e a execução orçamentária e financeira das ações governamentais. A exigência de interlocução com a pasta está prevista no Decreto Legislativo 6/2020, que criou a comissão mista e reconheceu o estado de calamidade pública no Brasil. Ao listar as atividades que os parlamentares terão nas próximas semanas, o relator, deputado Francisco Jr. (PSD-GO), destacou que, a partir das reuniões com Guedes, serão produzidos periodicamente informes sobre a evolução dos gastos públicos. Como resultado final, o colegiado divulgará relatório documentando aspectos orçamentários e financeiros da atuação do governo federal no combate à Covid-19. Para isso, as audiências públicas contarão com a presença de outros ministros, como os da Saúde e da Cidadania, de técnicos do governo e de especialistas de diversas áreas. A última audiência está prevista para 24 de julho.

apucarana divulgacaoEntre os temas abordados estão: dificuldades encontradas por Estados e Municípios; impactos da Covid-19 na seguridade social, no emprego e no endividamento público; testes diagnósticos, tratamentos, imunologia, prognóstico da evolução da doença; riscos macroeconômicos; e impactos no setor produtivo.

Informações

Continue lendo

O prefeito interino de Patos, Ivanes Lacerda, participou de reunião na noite dessa segunda-feira (27), no auditório da Associação Comercial e Industrial de Patos, com representantes do comércio e da indústria para discutir medidas de flexibilização do decreto municipal que adotou restrições para ambos os setores, tendo em vista as recomendações para a prevenção contra o novo coronavírus. Ivanes Lacerda ouviu atentamente as colocações do comércio e indústria, ao mesmo tempo concordou com a ideia de flexibilizar o decreto mediantea colaboração dos empresários, que deverão adotar critérios de controle de clientes, e ainda a disponibilidade de máscaras de proteção e álcool em gel para clientes e funcionários. Os comerciantes e frequentadores da feira livre e do mercado central também serão obrigados a seguir regras de segurança, evitando principalmente aglomerações. Os restaurantes deverão funcionar com 30% da capacidade e sem a venda de bebidas alcoólicas. Outros critérios também serão adotados no novo decreto que será elaborado e publicado ainda esta semana. A ideia é que as novas determinações passem a vigorar a partir da próxima segunda-feira (04), conforme destacou o prefeito Ivanes Lacerda. Ivanes ainda frisou que entrará em contato com o Ministério Público para informar sobre o novo decreto e a flexibilização prevista no mesmo. O gestor disse que a solicitação dos empresários é legítima, mas que tudo precisa ser feito com responsabilidade. O presidente da Associação Comercial de Patos, Iramiltor de Assis Medeiros, considerou que a reunião foi proveitosa e afirmou que mesmo tendo consciência do risco da pandemia, os empresários presentes na reunião se mostraram dispostos a seguir as normas de segurança apontadas pelo prefeito. (Patos Online/ Foto: Oi Menu)

A doação foi feita ao projeto Mães da Favela, criado pela CUFA (Central Única de Favelas), que beneficia 120 mil brasileiras durante a pandemia

Preocupada com os impactos da pandemia do novo coronavírus, Taís Araújo declarou em uma live no Instagram que, além de fazer suas colaborações como pessoa física, também vem articulando maneiras de conseguir ainda mais doações por meio de grandes empresas. A partir dessa postura, a atriz participou de uma campanha do Banco Votorantim, em que seu cachê foi doado integralmente para a ação social Mães da Favela, da CUFA (Central Única de Favelas), organização fundada por MV Bill e Celso Athayde que promove atividades nas áreas da educação, lazer, esportes, cultura e cidadania e literatura em todo o Brasil. O banco dobrou o valor do cachê e fez mais um investimento para atingir a doação de R$ 1 milhão, que será revertida em 4.161 cartões alimentação de R$ 240, o que ajudará aproximadamente 17 mil pessoas. “O momento requer ajuda a quem mais precisa. É uma campanha sobre solidariedade e união entre as pessoas”, disse Taís ao Jornal Extra.  Segundo o presidente da CUFA, Celso Athayde, o projeto surgiu da necessidade de dar mais autonomia às famílias. “Primeiro decidimos focar nas mães, porque elas são as principais gestoras das famílias e nós entendemos que têm um maior grau de responsabilidade. Quando nós dávamos cestas básicas, percebíamos às vezes que não era exatamente comida o que faltava naquela casa. Poderia ser o gás para cozinhar, remédio para tratar doenças… assim, percebemos que doar as cestas tirava a autonomia da mulher. Por isso, foi criado o Mães da Favela, que busca ajudar a família com as “bolsas-mãe”, permitindo que elas usem o dinheiro do jeito que acharem melhor ou comprem o que preferirem no mercado”, explica. Celso conta que a iniciativa Mães da Favela conta com o apoio de empresas, que doaram mais de 40 mil bolsas, dando suporte para 120 mil mães. Outros famosos, como o ator Bruno Gagliasso, também doaram para o projeto. “Semanalmente vamos abrir novos cadastros, conforme recebermos mais recursos. Nós pagamos as mães através do aplicativo PicPay no celular, mas no caso de mães que não têm o aparelho ou estão sem crédito, fizemos uma parceria com a Ticket Alimentação, então elas recebem o dinheiro no cartão”, conta o presidente. A propaganda gravada por Taís Araújo será veiculada em canais de TV e plataformas digitais, visando arrecadar doações para a iniciativa do BV. Para doar, basta entrar neste site. A cada R$ 1 doado, o banco doará a mesma quantia.

claudia

veja

O germe do golpe não existe mais no Brasil’, diz Luís Roberto Barroso. O ministro afirma que a democracia é forte o suficiente para se defender de ataques e admite que as eleições deste ano talvez tenham de ser adiadas

Cristiano Mariz/

O ministro afirma que a democracia é forte o suficiente para se defender de ataques e admite que as eleições deste ano talvez tenham de ser adiadas. Assim como vem ocorrendo com uma parcela significativa dos brasileiros, a rotina do ministroLuís Roberto Barroso, 62 anos, mudou radicalmente nas últimas semanas. Cioso de sua saúde, ele segue à risca as orientações das autoridades sanitárias e tem trabalhado de casa, entre sessões virtuais do Supremo Tribunal Federal (STF), a leitura de processos e videoconferências. Em meio a sua quarentena, porém, observou atentamente as manifestações da semana passada de grupos que defendem a volta da ditadura militar. Cenas que merecem repúdio, segundo ele, mas que não representam risco à solidez do regime democrático. Na opinião de Barroso, o Congresso, o Judiciário e a imprensa estão suficientemente maduros para servir como travas contra eventuais arroubos autoritários. Nesta entrevista a VEJA, Barroso admite que o adiamento das eleições municipais é uma possibilidade real (ele acaba de ser eleito presidente do Tribunal Superior Eleitoral), fala sobre críticas que alguns grupos fazem ao STF e sobre a situação do médium João de Deus, acusado de abusar de dezenas de mulheres e de quem recebeu um tratamento espiritual contra um câncer.

” alt=”” aria-hidden=”true” />Ministro, diante da presença do presidente Jair Bolsonaro em uma manifestação pró-AI-5 e pela volta da ditadura, existe alguma ameaça à democracia brasileira?Acho que não. As instituições estão funcionando bem. Apesar de alguns protestos e reações contrárias aqui e ali, o Legislativo e o Judiciário funcionam com independência e altivez. A imprensa também é livre e tem sido duramente crítica. Não vejo nenhum sinal preocupante em relação à democracia. Mais do que isso, vejo nas Forças Armadas o desempenho de um papel exemplar. Nos últimos trinta anos, se existe um lugar de onde não veio notícia ruim foi das Forças Armadas. O germe do golpe não existe mais no Brasil. Não se deve então dar importância a essas manifestações?Esse episódio acendeu uma luz amarela no coração e na mente de todos os democratas — e a reação foi imediata e vigorosa. Eu mesmo, que tenho por princípio não me pronunciar sobre o fato político do dia, nessa situação achei que era necessário um gesto de defesa das instituições, da Constituição e da democracia. Mas o que esse episódio revelou, como outros de invocação do AI-5, foi uma sociedade muito vigorosa na defesa da democracia. Vieram protestos da Câmara, do Senado, do Supremo, da mídia, dos partidos políticos, num espectro que vai da esquerda à direita.

O presidente da República ultrapassa limites legais ao participar de atos assim?Neste momento, esse tipo de indagação deve ser mais bem respondida por comentaristas políticos. É importante sermos capazes de separar varejo e retórica política do que seja verdadeiramente uma ameaça institucional. O STF não participa desse varejo. Não é órgão de consulta nem de debates. Continua após a publicidade“Embora eu seja totalmente contra agressões e insultos, a verdade é que a cada dia fica mais difícil para um vigarista sair à rua. Estamos derrotando a naturalização das coisas erradas”Essas manifestações, aliás, também são contra o Supremo. Por que o tribunal vem sendo tão criticado nos últimos tempos?

” alt=”” aria-hidden=”true” />Quem quer que exerça poder em uma democracia vira vidraça em alguma medida, e é bom que seja assim. Na questão do enfrentamento da corrupção, houve uma demanda da sociedade por integridade. Esperava-se por uma reação mais vigorosa do Supremo nos casos da Lava-Jato, como se esboçou no mensalão. O exercício da competência criminal trouxe um desgaste para o STF, como as idas e vindas quanto à execução da pena depois da condenação em segundo grau. Não obstante isso, o Brasil mudou. Acabamos com o fetiche do corrupto rico, poderoso e intocável. A sociedade brasileira deixou de aceitar o inaceitável. Embora eu seja totalmente contra agressões e insultos, a verdade é que a cada dia fica mais difícil para um vigarista sair à rua. Estamos derrotando a naturalização das coisas erradas. Isso é um grande avanço. Além das idas e vindas, os ministros são criticados por falar muito fora dos autos e pela insegurança jurídica que algumas decisões provisórias provocam.Acho que o tribunal tem um problema de monocratização. O STF tem onze pessoas com trajetórias, ideias e visões próprias. Minha proposta é que todas as decisões individuais sejam colocadas no plenário virtual para a ratificação ou não pelos demais ministros. Isso evitaria idas e vindas. Outro problema importante é o volume de ações. Com 70 000 processos por ano não é possível julgar colegiadamente. Juiz também não tem de falar fora dos autos sobre processos em curso. Ninguém faz a menor ideia das minhas preferências políticas. Ninguém precisa nem vai saber se eu votei em A, se votei em B ou se votei em branco. Agora, sobre questões institucionais acerca do funcionamento do Supremo ou que envolvam reforma política ou prorrogação de mandatos, por serem debates institucionais, acho que os ministros podem e devem participar.

Como o senhor se classificaria politicamente?Um juiz não é nem de esquerda nem de direita. A lógica de um juiz é o certo ou o errado, o legítimo ou o ilegítimo. Venho de uma geração que acreditava no Estado como protagonista das transformações sociais. Acho que o Estado deve ser um regulador eficiente e seu grande papel é redistribuir riquezas e oportunidades com tributação justa, educação básica de alta qualidade e um sistema de saúde capaz de atender às necessidades essenciais da população. Eu me consideraria hoje um liberal progressista. É claro que é perfeitamente legítimo as pessoas serem conservadoras. Sou contrário é à prática da intolerância e do ódio.

headto

A advogada Rosângela Moro, mulher do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, se manifestou pela primeira vez sobre a saída do ex-juiz da Lava Jato do governo Jair Bolsonaro neste domingo, 26. “Eu não poderia esperar outra atitude do meu marido. Deixar o governo era a única eticamente aceitável”, afirmou Rosângela Moro, em sua conta no Instagram, na qual detalhou seus “dias de reflexão”.

“Eu lamento que, em meio a uma gigante pandemia, o foco tenha sido desvirtuado, porque acredito que a vida precisa estar acima de tudo. Sou cidadã e, ao mesmo tempo, esposa de uma pessoa que lutou fortemente contra a corrupção sob a máxima: a lei é para todos, em defesa do estado de direito”. “A Lava Jato é uma conquista da sociedade brasileira. Também somos uma família que sempre, com muita fé em Deus, defendeu valores de ética e verdade. Nunca ofendi qualquer autoridade do país, mesmo quando discordava. Nunca insultei ou ofendi qualquer condenado quando meu marido era juiz. Atos têm consequências e cada um responde pelos seus”, diz Rosângela. Assim como fez Moro nesta manhã, no Twitter, Rosângela disse estar sendo alvo de fake news. “Viveremos tempos difíceis, certamente, com a propagação de ofensas e inverdades, sejam por parte de robôs ou de pessoas que discordam dos nossos valores. Mas sigo confiante de que fazer a coisa certa é sempre o caminho necessário”.

Texto postado por Rosângela Moro no Instagram

No início do ano, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Rosângela elogiou a sintonia entre o presidente e o então ministro da Justiça. “Sou pró-governo federal. Eu não vejo o Bolsonaro, o Sergio Moro. Eu vejo o Sergio Moro no governo do presidente Jair Bolsonaro, eu vejo uma coisa só”. A demissão de Maurício Valeixo da direção da Polícia Federal foi a gota d’água para Sergio Moro. Na visão de Moro, símbolo da Operação Lava-Jato e um dos ministros mais populares do Governo Bolsonaro, a troca de Valeixo por Alexandre Ramagem, atual diretor da Associação Brasileira de Inteligência (Abin) reforçaria as seguidas tentativas de Bolsonaro interferir politicamente na Polícia Federal. Por causa do embate, Moro pediu demissão na última sexta, 24, sendo a segunda baixa do governo em oito dias — no dia 16 de abril, Luiz Henrique Mandetta foi substituído por Nelson Teich no comando do Ministério da Saúde. Neste domingo, Bolsonaro voltou a negar as acusações de Moro via Twitter. “Lamentavelmente o ex-ministro mentiu sobre interferência na PF. Nenhum superintendente foi trocado por mim. Todos foram indicados pelo próprio ministro ou diretor geral. Para mim os bons Policiais estão em todo o Brasil e não apenas em Curitiba, onde trabalhava o então juiz”, escreveu o presidente.

veja

Foto ilustrativa: Pixabay
Além de notificar, o Facebook também vai direcionar as pessoas para informações checadas pela Organização Mundial da Saúde
(OMS) – FOTO: Foto ilustrativa: Pixabay

O Facebook divulgou que trará novidades para as suas transmissões de streaming. Entre essas está a possibilidade que aqueles que estão realizando a live possam cobrar de quem se deseje se tornar um espectador da mesma. Dentre poucas semanas, será possível algumas transmissões estejam disponíveis apenas em tempo real. Sendo assim muita utilidade para diversos tipos de usuários que criam determinado conteúdo e cobram por isso.

Também será possível que as lives ainda que gratuitas estejam aptas para receberem doações. Outra novidade o retorno da ferramenta que possibilita que um outro usuário seja convidado para fazer parte da live. Os usuários que optarem apenas por escutar o áudio das lives poderão, com essa atualização das ferramentas, poderão fazê-lo. Bem como aqueles que não possuem uma conta no Facebook poderão assistir a determinadas lives que se enquadram na categoria pública. Além disso, certas lives poderão ter um número. Esse que, ao ser ligado, transmite o áudio do vídeo em questão, assim será possível acompanhar a transmissão sem que o pacote de dados do celular seja consumido de forma tão severa.

Situação propícia

Essas novidades surgem em um momento muito específico, pois é necessário apontar que durante esse período de quarentena as lives estão ganhando muito mais força. A grande demonstração disso é o fato de que os cantores, sobretudo os sertanejos, estão organizando transmissões online para arrecadar fundo às famílias afetadas pela pandemia do novo coronavírus.

Assim, da mesma forma como as demais redes sociais, como o Instagram, qual pertence ao grupo Facebook, está recebendo melhorias de modo a favorecer uma maior disponibilidade aos anseios dos usuários nesse período tão delicado, o Facebook em sua atualização às lives faz o seu papel. Vale dizer também criminosos virtuais vêm se aproveitando dessas lives organizadas pelos famosos para desviar os recursos que poderiam ser destinados às famílias, para o seu próprio bolso.

tecnonoticias
Foto: Reprodução/YouTube
  REGINA DUARTE É COBRADA POR AUSÊNCIAS E SILÊNCIOS
– FOTO: Foto: Reprodução/YouTube

Aberta por Luiz Henrique Mandetta e ampliada por Sergio Moro, a fila da potenciais baixas no governo, por vontade própria ou não, pode ganhar outro nome ilustre: a atriz Regina Duarte.A secretária de Cultura vem, aos poucos, percebendo que caiu em uma armadilha ao deixar uma carreira artística de sucesso e aceitar o convite de Bolsonaro para entrar no governo.Como o Radar mostrou, a secretária foi isolada numa espécie de limbo administrativo desde que entrou no governo. Não tem força para convencer ministros a destravar sua agenda cultural e também não conta com apoio do Planalto para sequer escolher a própria equipe.Isolada e com medo, Regina deu sinais de que pode abandonar o barco. “Quando me desapego do que tenho, recebo o que necessito. É tudo que preciso aprender… desapego. Tá em tempo ainda”, escreveu Regina num post na rede no fim de semana. “Seja o que Deus quiser”, registrou em outro.Saiba logo no início da manhã as notícias mais importantes sobre a pandemia do coronavirus e seus desdobramentos. A frase foi encarada por aliados de Regina como uma perigosa mensagem de que ela pensa em sair do governo. A conferir.

” Neste ritmo só vai ficar Bolsa”

veja

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

TEXTO ÁUREO

Para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos dê em seu conhecimento o espírito de sabedoria e de revelação (Ef 1.17)

VERDADE PRÁTICA

A vocação do crente inclui a herança de preciosas riquezas conferidas aos eleitos pela grandeza do poder de Deus

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Efésios 1.15-23

INTRODUÇÃO

 Ainda no primeiro capítulo, o apóstolo Paulo inicia uma longa sentença assim dividida: ação de graças (1.15,16), oração intercessora (1.17-19) e confissão de louvor e exaltação (1.20-23). Nessa sentença somos exortados a louvar ao Senhor pela nossa eleição, buscar a iluminação do Espírito para compreender a dimensão de nossa chamada e herança divina, bem como entender a grandeza do poder de nosso Deus.

– No trecho da Carta aos Efésios que vamos estudar hoje (Ef 1.15-23), Paulo nos mostra que a igreja de Deus, é o povo mais poderoso do mundo. “Nesses versículos, Paulo, com coração devoto, lembrando-se de seus leitores, orando e agradecendo a Deus por eles, numa demonstração do seu espírito altruísta e intercessório, ensina-nos uma grande lição. Nos versos 3 a 14 do mesmo capítulo, nossa posição em Cristo é assegurada pelas três bênçãos principais que emanam de Deus: fomos eleitos em Cristo para sermos santos e irrepreensíveis; fomos remidos pelo seu sangue; e fo¬mos selados com o Espírito Santo até o dia em que corpo, alma e espírito sejam plenamente livres para o gozo eternoA oração do “apóstolo das gentes” teve três pedidos especiais para os crentes da igreja em Éfeso. Ele começa com as palavras [que Ele] vos dê” (v. 17) e apresenta a seguir os três pedidos. Primeiro, “o espírito de sabedoria”. Segundo, “[o espírito] de revelação”. Terceiro, que lhes fossem “iluminados os olhos do… entendimento””. (bibliotecabiblica). É com essa oração de Paulo que o convido a pensar maduramente a nossa fé cristã!

I – A ESPERANÇA DA VOCAÇÃO E AS

RIQUEZAS DA GLÓRIA

O apóstolo ensina que os salvos precisam ser iluminados para compreenderem quais são a esperança da vocação e as riquezas da glória da sua herança.

  1. Ação de graças e intercessão.O apóstolo se alegra em dar graças a Deus pela vida dos eleitos (1.16) e por todas as bênçãos espirituais recebidas, tais como: a eleição, a predestinação, a filiação e o dom do Espírito Santo (1.3-14). Ele intercede para que seja concedido aos seus leitores “o espírito de sabedoria e de revelação” (1.17). Paulo estava ciente de quão maravilhoso é o Evangelho, mas ao mesmo, de quão impossível é alguém perceber a glória dessas boas novas sem ser ensinado por Deus (1 Co 2.14,15). Por isso, ele rogava para que os crentes recebessem a capacidade de compreenderem, por meio do Espírito Santo, a esperança da chamada, as riquezas da herança e a grandeza do poder de Deus (1.18,19)  .[Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 2º Trimestre 2020. Lição 4, 26 Abril, 2020]

– “Em Efésios 1.1-14, Paulo mostra-nos que somos o povo mais rico do mundo. Mas, agora, ele pede para Deus abrir o nosso entendimento a fim de que saibamos que somos o povo mais poderoso do mundo. Ele começa com uma grande bênção (1.1-14) e continua com uma grande intercessão (1.15-23)” (Stott, John. A mensagem dc Efcsios, p. 29.). O apóstolo pede que Deus abra os olhos do nosso coração para sabermos o que já temos.

– Em Efésios 1.17-18, “espírito de sabedoria… coração”, Paulo estava orando para que os cristãos tivessem a disposição do conhecimento piedoso e a percepção do que uma mente santificada é capaz, e assim, entender a grandeza da esperança (Rm 8.29; 1 Jo 3.2) e da herança que eles têm em Cristo. O único meio do verdadeiro entendimento e apreciação da esperança e da herança em Cristo e de viver de maneira obediente a ele é somente através de uma mente iluminada espiritualmente, como assevera o versículo 8.

– “O conhecimento é a escada através da qual a fé sobe mais alto, é o trampolim de onde pula mais longe”. A palavra grega usada por Paulo, epignosis, “conhecimento”, deve ser distinguida degnosis, cuja tradução também é “conhecimento”. A palavra composta epignosis é uma amplitude de gnosis, denotando um conhecimento mais amplo e mais completo. Esse conhecimento pleno é aquele que advém de intimidade experimental. E mais do que conhecimento acadêmico e teórico. E pessoal” (Lopes, Hernandes Dias Efésios: igreja, a noiva gloriosa de Cristo / Hernandes Dias Lopes. — São Paulo: Hagnos, 2009. P. 37).

2. A esperança da vocação. Em sua petição a Deus, Paulo intercede para que o Espírito Santo ilumine os crentes a fim de saberem “qual seja a esperança da sua vocação” (1.18). Assim, eles seriam capazes de experimentar e conhecer profunda e espiritualmente os privilégios de serem vocacionados. Podemos dizer que tal esperança divide-se em pelo menos três aspectos: a) Deus chamou pessoas no passado (2 Tm 1.9), ou seja, uma chamada em que Ele teve a iniciativa por meio da eleição em Cristo, da qual fazemos parte (1.3-14); b) a chamada abrange serviço e santificação no presente (Fp 3.14), isto é, achar-se irrepreensível, viver em comunhão e andar de modo digno (1.4; 2.11-18; 4.1); c) a participação gloriosa no futuro (5.27), que compreende a vida eterna e a esperança de conhecer Deus face a face (1 Co 13.12)”

– Paulo ora para que a igreja venha a conhecer e a experimentar essa gloriosa esperança. Paulo está falando que Deus é a nossa herança. Salmo 16.5 diz que Deus é a nossa herança. “Paulo expressa, aqui, o desejo de que os crentes compreendam quão preciosos eles são para Deus. Eles são o troféu da graça de Deus. O tesouro deles está em Deus, e, num sentido bem verdadeiro, o tesouro de Deus está nos santos”. (Vaughan, Curtis. Efésios, p. 42.) – “Nós somos a riqueza de Deus, o presente de Deus, o tesouro de Deus, a menina dos olhos de Deus. Somos filhos, herdeiros, coerdeiros, santuários, ovelhas e a delícia de Deus.” (HERNANDES, p. 42). – Aqueles que vivem afastados da iluminação do Evangelho estão cegados por satanás para a verdade espiritual (2Co 4.4; 6.14; Mt 15.14). Por este fato, os descrentes estarem nas trevas de sua cegueira espiritual, a Bíblia muitas vezes usa a luz para retratar a salvação (At 13.47; 26.23; Mt 4.16; Jo 1.4-5,7-9:3.19-21; 8.12; 9.5; 12.36).

II – A SOBRE-EXCELENTE GRANDEZA

E FORÇA DO PODER DIVINO

 O poder divino é imensurável e nada pode detê-lo. Em sua Carta, Paulo se esmera no esforço de traduzir a grandiosidade e a eficácia desse poder que opera em favor dos crentes.

  1. A sobre-excelente grandeza do seu poder.O apóstolo orou para que os salvos pudessem entender a “sobre-excelente grandeza do poder de Deus” (1.19). Perceba que a palavra “sobre-excelente” é traduzida do grego uperballõ, que na forma adjetivada significa “extraordinário” (2 Co 4.7). Já a expressão seguinte, megethos (grandeza), objetiva enaltecer a magnitude do poder de Deus que a tudo sobrepuja (Mt 26.64). O termo dunamis, aqui traduzido por “poder”, indica feitos miraculosos que requerem força “fora de medida” (At 8.13). Logo, a repetição desses termos indica que apenas o maior de todos os poderes é capaz de realizar a transformação e a salvação do homem (2 Pe 1.4); e que somente um poder tão grande assim pode operar e concretizar as bênçãos inclusas na “esperança da vocação” e nas “riquezas da herança” (1.18)

– O grande poder de Deus, esse mesmo poder que ressuscitou Jesus da morte e o elevou de volta pela ascensão para a glória a fim de fazê-lo sentar-se à direita de Deus, é dado a todo cristão no momento da salvação e está sempre disponível (At 1.8; Cl 1.29). Paulo, portanto, não ora para que o poder de Deus seja dado aos cristãos, mas para que eles se conscientizem do poder que já possuem em Cristo e façam uso dele (Ef 3.20). Paulo enfatiza o poder de Deus usando quatro palavras distintas para a palavra poder no versículo 19:

1) dunamis — traz a ideia de uma dinamite, um poder irresistível;

2) energeia — o poder que trabalha como uma energia;

3) kratos — poder ou força exercida;

4) ischus — poder, grande força inerente.

– Paulo faz uso dessas quatro palavras para enfatizar a plenitude e a certeza desse poder. Esse poder é tão tremendo que é o mesmo que Deus exerceu para ressuscitar seu Filho.

2. A força do poder divino. Na sentença “segundo a operação da força do seu poder” (Ef 1.19), o apóstolo faz uso de três vocábulos gregos concordes entre si. Primeiro, a palavra “operação”, que é a tradução de energeia, e também significa “eficácia”, sinalizando a ideia de “poder em atividade” (Cl 1.29). Segundo, a expressão “força” vem do termo kratos, que traz a ideia de “intensidade”. E, finalmente, ischus, que indica o “poder inerente” de Deus (Jo 1.12; 2 Pe 2.11). A associação desses conceitos revela o poder potencial de Deus que, inerente à sua natureza divina, opera em favor dos que creem. Para aprofundar essa impressionante descrição, Paulo apresenta três exemplos irrefutáveis da força desse poder: (1) A ressurreição de Cristo; (2) sua ascensão à direita de Deus nos céus (1.20); e (3) sua elevação acima de todo o domínio (1.21,22).

– “O poder que atua nos crentes é o poder da ressurreição. E o poder que ressuscitou a Cristo dentre os mortos, assentou-o à direita de Deus e lhe deu a soberania sobre o Universo inteiro. Esse poder é como um caudal impetuoso que arrasta com sua força os obstáculos que encontra pelo caminho. F. F. Bruce afirma que a morte de Cristo é a principal demonstração do amor de Deus, mas a ressurreição de Cristo é a principal demonstração do poder de Deus.[…] À luz do que Paulo pediu, como você avalia a sua vida espiritual? Você tem usufruído as riquezas que tem em Cristo? Você tem crescido no relacionamento íntimo com Deus? Você conhece mais a Deus? Você tem fome de Deus? Você compreende a esperança do seu chamado: de onde Deus o chamou, para que Deus o chamou e para onde Deus o chamou? Você compreende o quão valioso você é para Deus? Você tem experimentado de forma prática o poder da ressurreição em sua vida?” (HERNANDES, p. 42 e 45)

III – CRISTO: NOSSO EXEMPLO DE

EXALTAÇÃO

Nesse ponto veremos três aspectos da exaltação de Cristo que atestam a grandiosidade do Poder de Deus disponível também aos crentes.

  1. Cristo: As primícias dos que dormem.Paulo enfatiza que o poder de Deus se “manifestou em Cristo, ressuscitando-o dos mortos” (1.20). De fato, o Novo Testamento descreve a ressurreição de Cristo como obra do poder de Deus Pai (At 2.24; 3.26; 17.31). Ao ressurgir dentre os mortos, Cristo foi feito as primícias dos que dormem (1 Co 15.20-22). Assim sendo, a ressurreição de Jesus é a garantia de que seremos ressuscitados (1 Ts 4.14). O mesmo poder que ressuscitou a Cristo está disponível também aos salvos (2.6). Desse modo, os crentes vencerão a morte e se erguerão gloriosamente de seus sepulcros para reinarem com Cristo eternamente (Jo 5.28,29; Fp 3.20,21)

– Por causa do seu poder divino (Jo 11.25; Hb 2.14), da promessa e do propósito de Deus (Lc 24.46; jo 2.18-22; 1 Co 15.16-26), a morte não podia reter Jesus na sepultura. A ressurreição autenticou o ministério do Senhor, selou sua obra de redenção, marcou o começo de sua glorificação e foi a confirmação pública de que o Pai aceitou seu sacrifício.

– Mas não apenas numa ação futura, Deus já nos resgatou da sepultura espiritual em que o pecado nos havia posto. Deus realizou uma poderosa ressurreição espiritual em nós por meio do poder do Espírito Santo. Quando cremos em Cristo, passamos da morte para a vida (Jo 5.24). Recebemos vida nova: a vida de Deus em nós.

2. Cristo elevado à direita de Deus. Paulo reforça o poder de Deus quando da elevação de Cristo ao trono: “Pondo-o à sua direita nos céus” (1.20). Aqui está em foco à ascensão de Cristo em referência a promessa messiânica (Sl 110; At 1.6). O grau de exaltação para uma posição de honra e autoridade indica o completo triunfo de Cristo sobre o pecado e as forças do mal (Fp 2.9-11; Cl 2.15). Esse triunfo também está assegurado aos salvos (1 Co 15.56,57) e endossa nossa participação na vida celestial, conforme indica a expressão “nos fez assentar nos lugares celestiais” (2.6). Assim, tanto a ressurreição como à ascensão de Cristo são obras do poder do Pai .

– Depois de haver ressuscitado a Cristo dentre os mortos, Deus manifestou seu poder fazendo-o assentar-se “à sua direita” (1.20,21). A “direita” de Deus é uma figura de linguagem indicando o lugar de supremo privilégio e autoridade. A mais alta honra e autoridade no Universo foi tributada a Cristo (Mt 28.18). – “ressuscitou” e “fez” indica serem esses os resultados imediatos e diretos da salvação. O cristão não só está morto para o pecado e vivo para a justiça por meio da ressurreição de Cristo, mas ele também desfruta da exaltação do Senhor e compartilha de sua glória preeminente. A esfera sobrenatural onde Deus reina é o lugar onde Cristo nos fez assentar! “Nos Lugares Celestiais” é a esfera espiritual onde as bênçãos dos cristãos estão (Ef 1.3), onde está a herança deles (1 Pe 1.4), onde os sentimentos deles devem estar (Cl 3.3) e onde eles desfrutam da comunhão com o Senhor. É a esfera de onde toda revelação divina provém e para onde vão todo o louvo e todas as petições.

3. Cristo exaltado sobremaneira. Nesse ponto, Paulo ensina que o poder de Deus exaltou Cristo “acima de todo o principado, e poder, e potestade, e domínio, e de todo o nome que se nomeia” (1.21). Significa que Ele foi exaltado acima de toda eminência do bem e do mal e de todo título que se possa conferir nessa era e também no porvir. O resultado desse triunfo traz duplo benefício para a Igreja: primeiro, que Deus fez Cristo o cabeça da Igreja (1.22); e, segundo, que Deus designou a Igreja para ser a expressão plena de Cristo (1.23). Isso significa que nenhum poder pode prevalecer contra a Igreja do Senhor (Mt 16.18) .[Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 2º Trimestre 2020. Lição 4, 26 Abril, 2020] – Paulo queria que os crentes entendessem a grandeza de Deus comparada a outros seres celestiais. “Principado, potestade, poder e domínio” eram os termos tradicionais judaicos para designar seres angelicais que tinham unia alta posição no exército de Deus. Deus está acima deles todos (Ap 20.10-15). – No versículo 22 Paulo cita o SaImo 8.6, indicando que Deus exaltou a Cristo sobre todas as coisas (Hb 2.8), incluindo a sua igreja (Cl 1.18). Cristo é, claramente, o cabeça dominante porque todas as coisas foram colocadas sob seus pés. No versículo 23, Paulo usa uma metáfora para o povo redimido de Deus, chamando-o de ‘Corpo’, metáfora essa que é usada exclusivamente no Novo Testamento para falar da igreja (Ef 4.12-16; 1 Co 12.12-27). Isso nos esclarece que, a Igreja é o único meio que o mundo pode enxergar a Cristo, é através da Igreja que Cristo pode ser conhecido pelo mundo entenebrecido. “A igreja é a plenitude de Cristo. A igreja está cheia da sua presença, animada pela sua vida, cheia com os seus dons, poder e graça.93 A igreja é o prolongamento da encarnação de Cristo. A igreja é o seu corpo em ação na terra. A igreja está cheia da própria Trindade: Filho (1.23), Pai (3.19) e Espírito Santo (5.18).” (HERNANDES, p. 44).

– Ainda, esclarecendo o ponto “Isso significa que nenhum poder pode prevalecer contra a Igreja do Senhor (Mt 16.18)”, em Mateus 16.18, “as portas do inferno“, são literalmente “as portas do Hades“. O inferno é o local de punição do espírito dos descrentes que morrem. O ponto de entrada para tal é a morte. Essa, então, é uma expressão judaica que se refere à morte. Até mesmo a morte, a derradeira arma de Satanás (Hb 2.14-15), não tem poder para obstruir a igreja. O sangue dos mártires, de fato, acelerou o crescimento da igreja em tamanho e em poder espiritual! Esse foi o principal propósito da encarnação: Jesus veio à terra para morrer. Ao morrer, ele pôde vencer a morte em sua ressurreição (Jo 14.19). Ao vencer a morte, ele tornou ineficaz o poder de Satanás contra todos os que são salvos. Para o cristão, “tragada foi a morte pela vitória” (1Co 15.54). Portanto, o pavor da morte e sua escravidão espiritual foram destruídos por meio da obra de Cristo!

CONCLUSÃO

Embevecido com as bênçãos espirituais, Paulo mantém adoração contínua ao Eterno Deus, atitude que deve ser seguida por todos os salvos. A compreensão das dádivas da salvação demonstra o excelso valor daquilo que Deus fez por nós. Seus atos poderosos viabilizam a transformação e a glorificação dos que creem. Aleluia!

– Cristo é a fonte da herança divina do cristão, a qual é tão certa que é mencionada como se já tivesse sido recebida (nele, digo, no qual fomos também feitos Herança…), Assim, em Efésios 1.1-14, Paulo mostra-nos que somos o povo mais rico da terra, e agora, ele pede para Deus abrir o nosso entendimento a fim de que saibamos que somos o povo mais poderoso da terra. Todas essas riquezas vêm pela graça de Deus e são para a glória de Deus. Toda a obra do Pai (1.6), do Filho (1.12) e do Espírito Santo (1.13,14) tem uma fonte (a graça) e um propósito (a glória de Deus). O nosso fim principal é glorificar a Deus, e o fim principal de Deus é glorificar a si mesmo

Juliana Paes (Foto: Instagram Juliana Paes/ Reprodução)

Juliana Paes 

Passar por este período de quarentena sem compromenter seu bem-estar (físico e mental) requer otimismo e bons truques de beleza ou estilo que distraem a cabeça e transformam o momento em uma chance ímpar de autocuidado.Para Juliana Paes, a chance é perfeita para dar um . A atriz vem, desde o início da quarentena, exibindo seus fios naturais no Instagram, super cacheados e volumosos, sem qualquer sinal de escova.”Eu nunca deixei de usar meus cachos, mas uso eles mais quando estou em casa e em eventos familiares. Nunca consegui emplacar minha cabeleira natural em uma novela. O cabelo cacheado selvagem que nem o meu não dá continuidade, um dia está para cá e outro para lá, é difícil dar continuidade. Mas juro que vou tentar emplacar meu cabelo natural em uma novela“, ela contou na rede social. “Meu cabelo acorda amassado e totalmente sem forma. A única maneira de voltar a forma é umidificar. Tem um monte de gente me perguntando o que eu faço pra finalizar os meus cachos. Ultimamente eu tenho aparecido assim, é o meu cabelo natural de casa”, contou, em uma Live.

Ariana Grande (Foto: Instagram Ariana Grande/ Reprodução)
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ariana Grande (Foto: Instagram Ariana Grande/ Reprodução)

Quem também vem aproveitando o momento para deixar os fios respirarem ao natural é Ariana Grande. A cantora compartilhou ontem no Twitter uma selfie em que aparece cacheada e sem seus apliques de sempre: “Ora, dá uma olhada nisso!”, ela escreveu, na legenda. Sua mãe, Joan, foi a primeira a aplaudir: “Seus cachos naturais são um mundo a parte”, escreveu. “Uma beleza magnífica você é, por dentro e por fora, montada ou natural… Eu te amo.” Quer seguir os passos da dupla? Nosso time de beleza já desvendou os melhores produtos para ativar os cachos e o melhor babyliss para ajudar no resultado. Para acertar o caminho, deixe de lado a escova e apenas seque os fios, com a ajuda de uma mousse: “Separe o cabelo em mechas pequenas e enrolando. Quanto menor a mecha, mais enrolado fica o cabelo e maior a durabilidade dos cachos”, já ensinou Claudio Belizario, frisando que o diâmetro da ferramenta deve ser sempre pequeno quando a ideia é encaracolar as madeixas.

vogue

Em princípio, houve certa relutância de minha parte. Não porque recuso a formulação e escrita de Krenak. Pelo contrário, a curiosidade diante daqueles outros e novos escritos era imensa. O que sentia estava intimamente ligado ao quão verdadeiras e profundas vejo as palavras proferidas pelos encantados. Também me nego a uma ideia romantizada sobre isso. Mas, no último período, mais especificamente há cerca de 10 meses, venho me conectando mais a uma outra perspectiva sobre o planeta, sobre o que é o humano e sobre como pretendo me relacionar e me compreender no cosmos. Esse processo tem impactos diversos e mais intensos a cada nova leitura e palestra que assisto.

A curiosidade e a certeza de que aquela leitura seria uma boa jornada venceram. E isso se conectou ao fato de hoje ser 22 de abril, quando, há 50 anos, se fala em Dia da Terra. A partir de várias mobilizações, que envolveram milhões de pessoas, falamos neste dia que ganha uma importância tremenda nestes tempos de pandemia. Por que chegamos até aqui, nesta situação? Quando sairemos dessa crise? Mas a pergunta mais importante: como sairemos dessa crise?

Continue lendo

Quando o casal Viviane Santos, de 26 anos, e Adriano da Silva, de 39, soube do auxílio emergencial de R$ 600 para informais e autônomos de baixa renda por conta da pandemia do novo coronavírus, a sensação foi de alívio. “Mas, quando vimos a burocracia para conseguir o recurso, foi como se o fim do túnel ficasse mais longe”, diz Viviane.

“O trabalho desde a pandemia está reduzido a zero”, conta Adriano, que é pedreiro. Sem emprego fixo e morando em uma ocupação na periferia de São Paulo, eles nunca contaram com o poder público para o básico: água, luz ou saneamento. O acesso à internet, que Viviane usaria para marcar faxinas, também é raro. “É como se a gente fosse invisível”, resumem. Entre os economistas, é quase um consenso que o benefício de R$ 600 para desempregados, autônomos e informais de baixa renda é fundamental para evitar o colapso de milhões de famílias, que ficaram sem rendimento durante o isolamento social. Mas fazer o recurso chegar a quem não fazia parte de programas como o Bolsa Família ou estava inscrita no Cadastro Único (um instrumento do governo que identifica as famílias de baixa renda) é mais difícil do que parece. O primeiro desafio era inscrever 11 milhões que não estavam no Cadastro Único do governo, mas têm direito ao benefício, segundo cálculo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O segundo é fazer o pagamento. Para quem não tem conta em banco, a Caixa Econômica Federal prometeu criar 30 milhões de poupanças digitais, movimentadas via aplicativo. Só que mais de 5,5 milhões de brasileiros com renda de até meio salário mínimo, elegíveis para receber o benefício, não têm conta em banco ou acesso regular à internet, mostra pesquisa do Instituto Locomotiva, feita a pedido do Estado. Parcela quase invisível da população, são eles que correm o maior risco de não receber o auxílio. “A crise do coronavírus tirou renda e jogou para a pobreza muita gente que tinha pouco, mas não era alvo de programas sociais. O vírus joga luz a problemas que já existiam, como a baixa renda dos informais, e acentua uma desigualdade histórica”, diz Renato Meirelles, que é presidente do Instituto Locomotiva.

Vida real

Continue lendo

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) começa hoje  a pagar hoje (24) o 13º de aposentados e pensionistas. O depósito da primeira parte desse abono anual será realizado no período de 24 de abril a 8 de maio.Para aqueles que recebem um salário mínimo, o depósito da antecipação será feito entre os dias 24 de abril e 8 de maio, de acordo com o número final do benefício, sem levar em conta o dígito verificador. Segurados com renda mensal acima do piso nacional terão seus pagamentos creditados entre 4 e 8 de maio. Em todo o país, 35,6 milhões de pessoas receberão o benefício de abril. O INSS injetará na economia R$ 71,7 bilhões. E 30,7 milhões de beneficiários receberão a primeira parcela do 13º, o equivalente a R$ 23,7 bilhões. Por lei, pode receber direito ao 13º quem, durante o ano, recebeu benefício previdenciário de aposentadoria, pensão por morte, auxílio-doença, auxílio-acidente ou auxílio-reclusão. Na hipótese de cessação programada do benefício, prevista antes de 31 de dezembro de 2020, será pago o valor proporcional do abono anual ao beneficiário. Aqueles que recebem benefícios assistenciais – Benefício de Prestação Continuada (BPC) e Renda Mensal Vitalícia (RMV) – não têm direito ao abono anual.

exame

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Foto: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados

O PRESIDENTE DA CÂMARA, RODRIGO MAIA (DEM-RJ).

FOTO: MARYANNA OLIVEIRA/CÂMARA DOS DEPUTADOS

Presidente da Câmara tem dez dias para prestar informações sobre pedido de impedimento que chegou em março no Congresso

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), dê informações sobre um pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro, feito no fim de março por um grupo de advogados. Segundo a decisão, o prazo é de dez dias.O pedido de impeachment em questão chegou à Câmara em 31 de março. Em 19 de abril, foi levado ao STF um mandado de segurança que pede que Maia seja obrigado a decidir sobre o pedido de cassação.O mandado é de dois dos quatro advogados que propõem a abertura do processo de impedimento: José Rossini Campos do Couto Correa, ex-integrante da cúpula da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), e Thiago Santos Aguiar de Pádua, ex-assessor da ministra Rosa Weber.

Segundo os autores do pedido, Bolsonaro cometeu crimes de responsabilidade e quebras de decoro em série, como atacar profissionais da imprensa e sabotar o Ministério da Saúde no combate à pandemia do novo coronavírus.Conforme mostrou CartaCapital, ex-assessores de Celso de Mello comentam que, neste fim de carreira, o magistrado tem tomado decisões de olho na História. Ele tem mais seis meses de duração no STF, antes de se aposentar.Na decisão, Celso de Mello reporta que o mandado de segurança em questão atribui “comportamento omissivo” a Maia. Por lei, é o presidente da Câmara que decide sobre a abertura do processo de impeachment.

“Entendo prudente solicitar, no caso, prévias informações ao senhor presidente da Câmara dos Deputados, autoridade apontada como coatora, que deverá manifestar-se, inclusive, sobre a questão pertinente à cognoscibilidade da presente ação de mandado de segurança”, escreveu o magistrado. “Impõe-se, ainda, no presente caso, a citação do senhor presidente da República, Jair Bolsonaro, na condição de litisconsorte passivo necessário.”

cartacapita

A pandemia do coronavírus. Foto: AFP

A PANDEMIA DO CORONAVÍRUS.

FOTO: AFP

A pandemia acelerou uma crise anunciada: a sociedade mercadológica nunca deu conta das necessidades humanas mais essenciais.

A covid-19 apresentou a todos os que habitam este pequeno planeta azul uma importante convocação: do dia para noite, a vida passou a ser “o foco” de atenção da espécie humana. Negros, brancos, homens, mulheres, homossexuais, heterossexuais, transgêneros, cristãos, judeus, muçulmanos, abonados e desfavorecidos. Todos atentos aos noticiários, às redes sociais, de olho nas estatísticas epidemiológicas do novo coronavírus.O medo da morte, seja pela contaminação ou seja pela fome, parece ter deixado para segundo ou terceiro plano as diferenças decorrentes das diversidades… Será? Onde estão as tenebrosas notícias sobre feminicídio? O homicídio monstruoso de transgêneros? Não lhes roubam mais a vida? Onde estão os que lhes condenam à morte? Em isolamento social ou atuam ainda mais livremente sob o lusco-fusco desses dias que amanhecem para o pesadelo? Provavelmente só saberemos ao certo mais à frente, mas enquanto isso talvez valha a pena aproveitarmos o tempo presente, esse tempo com o qual não contávamos, para nos provocarmos e exercitarmos a bem-aventurada faculdade humana de refletir sobre as grandes e profundas mudanças que as contingências atuais impõem. Em um piscar de olhos, tivemos que mudar a forma como nos relacionamos com o tempo e o espaço, dimensões nas quais nos inscrevemos existencialmente. Muitas urgências de prazo desapareceram como por encanto; a casa onde habitamos, por mais simples que seja, transformou-se no lugar ideal, porque não há pedaço de chão no mundo que controlemos melhor. E assim instalou-se, na mais própria de nossas realidades, a maior de todas as novidades: a necessidade de aprender a viver uma vida completamente diferente. Sim, porque o futuro ainda é incerto! Quando findará esse tempo de isolamento social? Alguém sabe? A despeito da disponibilidade de leitos de UTI das últimas semanas, os óbitos no Brasil – e em vários países do mundo – têm subido obstinadamente compondo gráficos eloquentes. Os caminhões frigoríficos que começam a aparecer na cena hospitalar brasileira são contundentes!

COM A PANDEMIA DO CORONAVÍRUS, DO DIA PARA NOITE, A VIDA PASSOU A SER “O FOCO” DE ATENÇÃO DA ESPÉCIE HUMANA (FOTO: GUILHERME GANDOLFI/FOTOSPÚBLICAS)

Até que surja uma vacina ou tratamento efetivo, teremos que buscar, com o melhor de nossos esforços, não nos contaminarmos para, inclusive, não contaminarmos o próximo. É exatamente nessa perspectiva sanitária e moral que se instaura a necessidade de aprendermos uma nova maneira de nos relacionarmos com o “outro”, em todos os sentidos. Nesse terreno certamente desconhecido para todos, há caminhos já percorridos pela população LGBT. Para começar, é provável que a palavra “diferente” assuste menos. Desde a mais tenra idade, muitos tiveram que aprender a lidar com o fato de não serem iguais à maioria. É possível que transgêneros intimados pela vida a transcender o próprio corpo, na expressão do amor, possam agora nos ensinar a mantermo-nos afetivamente conectados, apesar da ausência física; LGBTs que são HIV positivo talvez possam nos ensinar como é suportar a dor de ser visto como um vetor de contaminação. É bastante razoável supor que pessoas que, pela falta de configurações familiares modelares, e que tiveram que enfrentar o medo da solidão, tenham agora maior sensibilidade e conhecimento para ajudar aqueles que, apesar de terem família, encontram-se absolutamente sozinhos. É que foram e são muitos os casamentos engendrados pelas conveniências, pavimentados pelos reforçadores sociais. Deram origem a verdadeiras prisões domiciliares: as pessoas sofrem porque não tiveram tempo e nem oportunidade de aprender sobre si mesmas, de identificar suas reais necessidades; pouco sabem de si e quase nada do outro. Acreditaram nas promessas de felicidade da sociedade de consumo, operam segundo essa lógica e esperam de suas relações conforto, prazer e status.

Continue lendo

Faça Sua Pesquisa no Google Aqui!
 
bove=""

 

Visitas
contador de visitas
Redes Sociais
Click e acesse
Zé Freitas no Facebook

Clínica Climed / Plano Assistencial

Clínica Climed.

Av: Vereador Horácio José de s/n de frente o Banco do Brasil.

Contato (87) 9.9161-1779

Santa Terezinha PE

Lições Bíblicas
Zé Freitas no Twitter
Portal Correio-PB

 
CLIQUE E ACESSE!
Parceiros