Dr. Antônio Segundo Neto

CLIQUE AQUI PARA AMPLIAR!

Dr. Antônio Segundo Neto Urologista. CRM 4891 MEDICAL CENTER Rua: Fenelon Bonvavides S/N – Andar Sala 306 Bairro: Brasília – Patos- PB. (83) 34213865 -98724.654-9993865 Tim Email agcsegundoneto@ig.com.br

Grupo Pronto

Clique Aqui para Acessar o Site!

Fale Conosco

(87) 3844.2105  9 9903.7573

Ateliê Geilson
Natura
Supermercado
Infor Master

Para visualizar este conteúdo corretamente, é necessário ter o Flash Player instalado.

Contabilize

Contatos

(87) 988420973 - (87)38591228

Portal Correio-PB

 
CLIQUE E ACESSE!

 

Para visualizar este conteúdo corretamente, é necessário ter o Flash Player instalado.

REFLEXÕES DO PASSADO E PRESENTE: PERSPECTIVA DE MELHORA PARA O FUTURO


 

Bahia 247 – A senadora baiana Lídice da Mata (PSB) disse nesta terça-feira (11) que os parlamentares governistas estão “promovendo o enterro dos direitos trabalhistas” ao votarem a reforma proposta por Michel Temer. Segundo a socialista, o texto enviado pelo Planalto, que não foi mudado pelos relatores do projeto no Congresso, “enfraquece a Justiça Trabalhista e precariza as relações entre empregados e empregadores”. 

Lídice atacou pontos como o trabalho intermitente, a possível extinção da licença maternidade e redução do horário de almoço, e disse que o texto impede a regularidade da amamentação e dificulta o acesso dos trabalhadores à Justiça, entre outros artigos que ela classifica como “extremamente prejudiciais aos brasileiros”. A senadora também criticou o esvaziamento das galerias do parlamento para a votação “de um projeto que gera grandes impactos negativos para a nação”. “Assisti a um seriado de TV e vi as galerias do Congresso cheias na campanha das Diretas Já dos anos 1980 e agora vejo uma casa de debate completamente distante do povo”, afirmou Lídice da Mata. Segundo a senadora baiana, os parlamentares favoráveis à reforma trabalhista “se ajoelham para o mercado como se ele fosse um deus”. Ela aconselhou: “Pensem no povo, que trouxe cada um dos 81 senadores e que repudiam essa atrocidade. Não é possível impor isso à nação”. Lídice ainda criticou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que afirmou não haver necessidade da existência da Justiça do Trabalho, e que a casa que lidera funciona para votar os interesses do mercado. “Aqui os senadores votam a favor dessa reforma com a consciência tranquila, como se estivesse fazendo algo positivo, confiando no veto do presidente para seis itens. Quem garante que esse presidente vai fazer alguma coisa, quando ele tem o próprio mandato ameaçado?”, questionou a senadora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Faça Sua Pesquisa no Google Aqui!
 
bove=""

 

Visitas
contador de visitas
Redes Sociais
Click e acesse
Zé Freitas no Facebook

Zé Freitas no Twitter
Parceiros