Dr. Antônio Segundo Neto

CLIQUE AQUI PARA AMPLIAR!

Dr. Antônio Segundo Neto Urologista. CRM 4891 MEDICAL CENTER Rua: Fenelon Bonvavides S/N – Andar Sala 306 Bairro: Brasília – Patos- PB. (83) 34213865 -98724.654-9993865 Tim Email agcsegundoneto@ig.com.br

Ateliê Geilson
Natura
Natália Calçados

CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

  • 28
  • 22
  • 24
  • 20
  • 11
  • 09
  • 11
  • 01
  • 29
  • 03
  • 04
  • 05
  • 07
  • 02

Supermercado
Portal Correio-PB

 
CLIQUE E ACESSE!
 

 Para visualizar este conteúdo corretamente, é necessário ter oFlash Player instalado. 

REFLEXÕES DO PASSADO E PRESENTE: PERSPECTIVA DE MELHORA PARA O FUTURO


 

Educação

FNDE repassa R$ 961 milhões do salário-educação
Foto: João Bittar/MEC

Recursos estão disponíveis a partir desta quarta-feira, dia 13

Estados, municípios e o Distrito Federal já podem utilizar a parcela de maio do salário-educação. Responsável pelo repasse dos recursos, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) transferiu na última segunda-feira, dia 11, R$ 961,9 milhões para entes federativos de todo o Brasil.

Nesta parcela, foram destinados R$ 532,86 milhões para as redes municipais e R$ 429,04 milhões para as redes estaduais e distrital. O montante repassado a cada ente federativo pode ser conferido no portal do FNDE (www.fnde.gov.br), em Liberação de recursos.

Ao lado do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), o salário-educação é uma das principais fontes de recursos para a manutenção e o desenvolvimento do ensino. Trata-se de uma contribuição social recolhida de todas as empresas e entidades vinculadas ao Regime Geral da Previdência Social. A alíquota é de 2,5% sobre a folha de pagamento.

Após a arrecadação, feita pela Receita Federal, cabe ao FNDE repartir os recursos, sendo 90% em quotas estadual/municipal (2/3) e quota federal (1/3), e 10% para serem utilizados pela autarquia em programas e ações voltados à educação básica. Distribuída com base no número de matrículas no ensino básico, a quota estadual/municipal é depositada mensalmente nas contas correntes das secretarias de educação. Já a quota federal é destinada ao FNDE, para reforçar o financiamento da educação básica, com o intuito de reduzir os desníveis socioeducacionais entre municípios e estados.

 

As aulas nas Unidades Municipais de Educação Infantil (Umeis) voltam nesta sexta-feira. É que os professores decidiram, na tarde desta quinta-feira, aceitar a proposta feita pela Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) em reunião feita entre o prefeito Alexandre Kalil (PHS), o secretariado e representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sind-Rede). O chefe do Executivo publicou no Twitter que “a carreira está valorizada de um jeito que a Prefeitura pode pagar”.

Conforme o Sind-Rede, os profissionais que queriam, a princípio, carreira única para os educadores da rede municipal, aceitaram a proposição feita pela PBH e devem subir oito níveis na carreira e atingir um reajuste de 80% até 2020. Trata-se de um escalonamento, rumo à equiparação dos salários dos professores da educação infantil com os educadores do ensino fundamental.

A proposta é fruto de um movimento de 51 dias por algo muito além de aumento salarial. Em jogo, estava a valorização da carreira da educação infantil, prevista no Plano Nacional de Educação (PNE). Os salários não serão igualados em 100%, conforme queriam as professoras e exige o PNE, mas o quadro avança e deixa Belo Horizonte bem perto de cumprir as metas.

Atualmente, o salário bruto da educação infantil é de R$ 1.451,93 e o do nível fundamental, de R$ 2,2 mil. Para o ensino infantil, o concurso da PBH exige formação de nível médio, enquanto para as crianças a partir de 6 anos é exigida a graduação. A reivindicação é amparada pelo PNE, aprovado em 2014. 

Apesar de aceitos nesta quinta-feira, todos os pontos do acordo deverão ser incorporados em forma de emenda ao Projeto de Lei 442, que será retomado na Câmara Municipal e trata das alterações na carreira das servidoras da educação infantil. O ofício deve ser encaminhado na semana que vem para a Casa.

POSICIONAMENTO O prefeito de Belo Horizonte Alexandre Kalil, em uma publicação logo após o término da assembleia dos professores, afirmou que recebia a notícia do fim da greve “com alegria e humildade”. “A carreira está valorizada, de um jeito que a Prefeitura pode pagar”, afirmou Kalil. Segundo ele, todos sofreram com o período em que os professores cruzaram os braços e que essa é uma “vitória da categoria”. “Bola pra frente.”

FNDE repassa R$ 963 milhões da complementação da União ao Fundeb

Estados e municípios podem investir os recursos a partir desta terça-feira, 29

Os recursos referentes à parcela de maio da complementação da União ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) estarão disponíveis a partir desta terça-feira, 29, nas contas correntes de estados e municípios beneficiários. Responsável pela transferência dos valores, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) repassou R$ 963,9 milhões aos entes federativos na última sexta-feira, 25, sendo que R$ 96,3 milhões referem-se à complementação para o pagamento do piso do magistério.

Conforme a lei que instituiu o Fundeb, a União repassa a complementação aos estados e respectivos municípios que não alcançam com a própria arrecadação o valor mínimo nacional por aluno estabelecido a cada ano. Em 2018, esse valor é de R$ 3.016,67 e os estados que recebem a complementação são: Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco e Piauí.

Principal fonte de financiamento da educação básica pública, o Fundeb é formado por percentuais de diversos impostos e transferências constitucionais, a exemplo do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA).

Pelo menos 60% dos recursos do Fundeb devem ser usados na remuneração de profissionais do magistério em efetivo exercício, como professores, diretores e orientadores educacionais. O restante serve para despesas de manutenção e desenvolvimento do ensino, compreendendo, entre outras ações, o pagamento de outros profissionais ligados à educação, bem como a aquisição de equipamentos e a construção de escolas.

Cartão PDDE chega a todo o Brasil

Mais de 40 mil escolas já podem utilizar o cartão

O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) estendeu o alcance do Cartão PDDE, neste semestre, para todos os estados brasileiros. “Mais de 40 mil escolas de todo o Brasil já receberam a primeira parcela do PDDE, este ano, por meio do cartão”, afirma Silvio Pinheiro, presidente do FNDE.

“Além de facilitar as transações comerciais, o Cartão PDDE traz um maior controle sobre a utilização dos recursos, já que grande parte dos pagamentos é feito por meio eletrônico, com identificação de fornecedores e prestadores de serviço”, enumera Pinheiro. Numa primeira etapa, o cartão de débito do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) havia sido implementado apenas em Unidades Executoras Próprias (UEx) de escolas públicas do Distrito Federal e Espírito Santo, em 2017. Em seguida, foi expandido para Ceará e Goiás. E agora alcança todo o território nacional.

Por meio do cartão, as UEx podem realizar pagamentos, transferências eletrônicas, emitir ordens de pagamento, fazer saques e retirar extratos nos terminais de autoatendimento do Banco do Brasil. Os recursos do programa ficam automaticamente aplicados em fundo de investimento de curto prazo, com resgate automático. Não é permitido utilizar o cartão para efetuar compras por telefone, na internet ou no exterior. O limite para saques, transferências e ordens de pagamento é de R$ 800 por dia, R$ 2 mil por mês e R$ 8 mil por ano.

Continue reading

Crédito: Reprodução/Facebook

 

“Isso não é justo”, disse o professor emocionado com a surpresa

(Crédito: Reprodução/Facebook)

Um vídeo postado por um professor da rede pública do Ceará, Bruno Rafael Paiva, viralizou nas redes sociais e emocionou internautas por um gesto de solidariedade. Sabendo de suas dificuldades financeiras, dezenas de alunos fizeram uma rifa para arrecadar dinheiro ao educador. “Esse mês, quando vi que não ia receber depois de um mês e meio de trabalho, vi tudo ficar preto. Afundei na depressão preocupado e perdido, sem saber como ia pagar as contas e ajudar minha família, que está de mudança. Esses alunos ficaram sabendo da minha situação financeira, minha dificuldade para continuar na escola e, sem me contar nada, fizeram uma rifa”, escreveu Bruno em seu Facebook. Os estudantes promoveram a rifa de uma cesta de chocolates, vendendo todas as cotas em menos de cinco dias. Na hora de entregar o valor arrecadado, cerca de R$ 400,00, os jovens escreveram um bilhete na porta: “Entre e leia as mensagens”, 23, ao todo, espalhadas em bilhetes pelas carteiras da sala. “Às vezes agimos por impulso. Porém não sabemos fazer apenas bagunças: somos e fazemos mais que isso. Resolvemos nos unir. Ser solidário é sempre bom. Uma sala numerosa às vezes machuca, mas às vezes emociona. Preparamos isso para você. Para você que sabe ser amigo. Para você que sabe ser divertido. Para você que é tão carismático – às vezes chato, com tantas reclamações. Mas sabemos que é sempre para nosso bem, para no futuro sermos melhores. Por isso, gostamos tanto de você, e esse é o nosso presente. Esperamos que você goste, pois foi de coração. Obrigado por tudo”, dizia a mensagem escrita pelos estudantes. Ao abrir a caixa contendo o ‘presente’, Bruno ficou paralisado: “É sério que vocês fizeram isso?” Os alunos promoveram uma salva de palmas ao educador, visivelmente emocionado. “Vocês não podiam ter feito isso. Não é justo, isso é covardia”, disse, antes de receber um abraço coletivo por parte dos adolescentes. “Quando eu recebi esse dinheiro, que acabou o dia e cheguei no meu quarto, fui contar direito quanto era, só pensei em uma coisa: esse é o dinheiro mais valioso que já recebi em minha vida”, afirmou o professor em entrevista ao Encontro com Fátima Bernardes desta segunda-feira, 21. Bruno, que é formado em música e dá aulas de artes, foi contratado para substituir uma professora por um mês, e acabou ficando mais tempo. Por motivos burocráticos, ainda não pôde receber o dinheiro. A quantia referente ao mês de março, por exemplo, deve ser paga somente a partir de junho. “Pela lei, não existe atraso. Sou consciente, sabia que ia ter essa demora. Infelizmente isso acontece com todo professor temporário, seja licença ou não. A questão é: eu não me considero mais digno nem menos digno que ninguém. A questão é: porque eu sou professor, é justo, aceitável, que eu precise passar dois meses pra receber o primeiro salário? Eu tenho contas!”, esclareceu.

A Escola Municipal José Paulino de Siqueira realizou nesta sexta feira dia 11/05, à noite, na referida escola uma grande comemoração alusiva ao dia das mães. Tudo muito bem organizado, com uma excelente receptividade, para todas as mães presentes, professores, gestores e demais funcionários.

  A acolhida foi realizada pela gestora Lucineia, Geiza e Nilvânia. A gestora deu abertura ao evento e a vice-gestora Geisa Lira também saudou a todos, estava presente também a secretária municipal de educação Mariza Lima e o ex-secretário Uilson.

       A primeira apresentação foi organizada pela professora Janaina, com uma aluna do 9º ano cantando ao som do violão uma música em homenagem as mães,  em seguida a professora as alunas do fundamental II apresentaram uma dança, organizada pela professora Tamires, logo após um poema pela aluna Gláucia Vitória do 8º ano C, em seguida uma dança com os alunos dos 7ºs anos, organizado pela professora Gorete. Exibição do coral de vozes com os alunos do 7º ano B, organizado pela professora Sandra Lustosa, Dinâmica com as mães,organizado pela professora Luciene.

       Durante todo evento, houve sorteio de vários brindes, doados pelos professores e no final um delicioso jantar ao som de músicas.

ACESSEM O VÍDEOS

“Parabéns a todos pela forma agradável e carinhosa que realizaram este evento”

Capez é acusado por corrupção e lavagem de dinheiro

Divulgação/Alesp
Resultado de imagem para MerendaImagem relacionadaResultado de imagem para MERENDA DE MÁ QUALIDADE

O Tribunal de Justiça de São Paulo colocou o deputado Fernando Capez (PSDB) no banco dos réus da Máfia da Merenda.

Por 12 votos a 9, o Órgão Especial da Corte abriu ação penal contra o tucano, acusado pela Procuradoria-Geral de Justiça por corrupção passiva e lavagem de dinheiro na Operação Alba Branca — deflagrada em janeiro de 2016 contra organização criminosa que se instalou em pelo menos 30 prefeituras paulistas e na Secretaria do Estado da Educação para fornecimento de sucos e merendas escolares. Na sessão de 4 de abril, a denúncia foi rejeitada pelo relator, desembargador Sérgio Rui da Fonseca, que alegou não ter encontrado “elemento mínimo” para abertura de ação penal contra o ex-presidente da Assembleia Legislativa.

O julgamento foi interrompido a partir de pedido de vista do desembargador Márcio Bártoli. Nesta quarta-feira (9), Bártoli votou pela abertura do processo.

O colegiado é formado por 25 desembargadores, sob presidência do mandatário do TJ, Manoel Pereira Calças. Votaram 21 magistrados. Na ação, o procurador Gianpaolo Poggio Smanio cobra R$ 2.279.857,00 – o valor equivale ao dobro da propina que teria sido destinada a Capez, a lobistas e a um representante comercial da Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar (COAF), sediada no município de Bebedouro (SP) e apontada como o carro-chefe das fraudes. A denúncia afirma que a propina a Capez, as comissões repassadas a lobistas da Máfia da Merenda e ao representante comercial da COAF “alcançaram ao menos o patamar de 10% do valor dos contratos administrativos — R$ 11.399.285,00 — celebrados entre a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo e a Cooperativa”.

“Os valores pagos a título de propina e comissões chegaram à cifra de R$ 1.139.928,50. Tais valores, evidentemente, foram extraídos daqueles gerados pelo superfaturamento do preço da mercadoria alienada a Secretaria da Educação, como salientado nos apontamentos constantes da auditoria do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, da qual adveio elevado prejuízo patrimonial ao erário público”, aponta Smanio.

Esta denúncia contra Capez aponta exclusivamente para sua suposta incursão junto à Pasta da Educação do Estado. A ofensiva da Máfia da Merenda sobre administrações municipais é alvo de outra investigação, sob competência do TRF3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) porque envolve prefeitos e verbas públicas da União. Na peça de 20 páginas, Smanio também acusa ex-assessores do tucano, Jeter Rodrigues Pereira e José Merivaldo dos Santos, além do ex-chefe de gabinete da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, Fernando Padula Novaes, a então coordenadora de Infraestrutura e Serviços Escolares, Dione Maria Whitehurst Di Pietro, um outro ex-presidente da Assembleia Legislativa, Leonel Julio (1976), seu filho, o lobista Marcel Ferreira Júlio, e os empresários Cássio Chebabi e Cesar Augusto Lopes Bertolino, ligados à Cooperativa. Em memoriais ao Órgão Especial, a Procuradoria revelou um salto nos depósitos e saques em espécie nas contas de antigos aliados e assessores do tucano – Jeter Rodrigues Pereira e José Merivaldo dos Santos.

O rastreamento da Procuradoria aponta movimentações bancárias atípicas nos períodos posteriores aos supostos repasses de um lobista, Marcel Ferreira Júlio, por meio de contratos simulados de consultoria.

Defesas

O criminalista Alberto Zacharias Toron, que Defende Capez, divulgou a seguinte nota: “A decisão teve escassa maioria e com nomes de muita importância no Judiciário paulista como o do corregedor-geral, o vice-presidente e o decano do Tribunal, que foram pela rejeição da denúncia. O placar foi muito apertado e vamos aguardar a publicação do acordão para tomar as medidas cabíveis. O deputado discorda da decisão, mas a recebe com muito respeito. Nós vamos recorrer da decisão”.

noticias.r7.

    A Gestora da GRE Sertão do Pajeú (Afogados da Ingazeira-PE), Cecília Esteves Patriota, pessoa da qual muito receptiva, competente e educada, em entrevista a este blog no dia 23.04.18, esteve falando com muita propriedade do andamento da Educação nesta GRE, bem como em todo estado de Pernambuco, numa perspectiva muito plausível de resultados. veja na íntegra, o vídeo com a entrevista da mesma.

  

EDUCAÇÃO E QUALIDADE

A importância da educação na vida das pessoas ao todo, como se ela interferisse na vida das pessoas e para que essa interferência seja de benefícios posteriormente, a educação necessitaria ser de qualidade, depois da saúde, a educação deveria ser encarada como necessidade primordial. Infelizmente nosso país(Brasil) ainda tem um alto nível de analfabetismo, e a conseqüência disso podemos notar no dia a dia, que é grande parte da população brasileira analfabeta, ignorante e que não podem contribuir para o crescimento e evolução do país.

Para o educador exercer bem sua função é necessário comprometimento e responsabilidade, não somente do educador, mas também do governo, que parece não se importar com esses valores. Isso não esquecendo de destacar que o professor deve ser neutro nas suas opiniões, nunca deve estimular os alunos a pensarem como eles, apenas mostrando os prós e contra.

Todos são diferentes, com distintas leituras de mundo, ou seja, o que pode ser bom para um, pode não ser de interesse para outro. Muitos educando “sonham” tanto com algo que não admitem dos educando pensarem diferentes. O professor deve respeitar os sonhos de cada aluno e incentivá-los a lutarem por esse sonho, por mais distante que ele esteja de ser alcançado.

O professor gostando do que faz ele terá maior comprometimento com a educação, com a formação de cidadãos que estejam preparados para viver nesse mundo, que requer muito esforço para sobreviver. E sem uma educação de qualidade as coisas andam somente para trás, impedindo-nos de progredir e crescer

 

FNDE repassa R$ 935 milhões do salário-educação

Estados, municípios e DF podem investir os recursos a partir

desta sexta-feira

A parcela de março do salário-educação está disponível a partir desta sexta-feira, dia 13, nas contas correntes de estados, municípios e do Distrito Federal. Responsável pelo repasse dos recursos, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) transferiu, durante a semana, R$ 935,3 milhões para entes federativos de todo o Brasil. Nesta parcela, foram destinados R$ 505,29 milhões para as redes municipais e R$ 430,04 milhões para as redes estaduais e distrital. O montante repassado a cada ente federativo pode ser conferido no portal do FNDE (www.fnde.gov.br), em Liberação de recursos.

Ao lado do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), o salário-educação é uma das principais fontes de recursos para a manutenção e o desenvolvimento do ensino. Trata-se de uma contribuição social recolhida de todas as empresas e entidades vinculadas ao Regime Geral da Previdência Social. A alíquota é de 2,5% sobre a folha de pagamento.Após a arrecadação, feita pela Receita Federal, cabe ao FNDE repartir os recursos, sendo 90% em quotas estadual/municipal (2/3) e quota federal (1/3), e 10% para serem utilizados pela autarquia em programas e ações voltados à educação básica. Distribuída com base no número de matrículas no ensino básico, a quota estadual/municipal é depositada mensalmente nas contas correntes das secretarias de educação. Já a quota federal é destinada ao FNDE, para reforçar o financiamento da educação básica, com o intuito de reduzir os desníveis socioeducacionais entre municípios e estados.

Sistema PDDEweb segue aberto para recadastramento

Mais de 80% das Unidades Executoras (UEx) já atualizaram os dados e devem receber os valores já nos primeiros lotes de pagamento

A partir deste ano, para receber os recursos do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), estados, municípios e as Unidades Executoras Próprias – UEx (Caixas Escolares, Associações de Pais e Mestres, Colegiados Escolares) devem atualizar seus cadastros no sistema PDDEweb (clique para acessar).Quem atualizar o cadastro mais cedo  tem grande chance de receber os recursos da primeira parcela já nos primeiros lotes de pagamento, que devem sair no final do mês de abril, desde que também esteja com a prestação de contas regularizada.  Além de garantir dados cadastrais atualizados de todas as entidades envolvidas na execução do programa, a medida é importante para melhorar a interlocução do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), responsável pelo repasse de recursos do PDDE, com as entidades que executam o programa. Desde o início da nova regra, que começou a valer em 1º de março, o sistema tem recebido cerca de 5 mil atualizações diárias. Até agora, 56% das UEx fizeram o recadastramento. Para atualizar o cadastro, é necessário possuir senha do PDDEweb.  A entidade que esqueceu sua senha ou que ainda não a possui deverá solicitá-la no próprio sistema, lembrando que o PDDEweb abre apenas no navegador Internet Explorer.

Novas regras A exigência da atualização cadastral para recebimento de recursos do PDDE está prevista na Resolução do Conselho Deliberativo do FNDE nº 6/2018, publicada no Diário Oficial da União (DOU) do dia 1º de março. Mesmo se a entidade já tiver atualizado seus dados em 2017, deverá confirmá-los agora em 2018.

Para auxiliar as entidades a realizarem o recadastramento, o FNDE publicou no site do PDDE um passo a passo (http://www.fnde.gov.br/programas/pdde/area-para-gestores/atualizacao-cadastral) e “Perguntas e Respostas” com as questões mais comuns que foram enviadas ao FNDE por meio do e-mail pdde@fnde.gov.br ou pelo 0800 61 6161. Na página de login do PDDEweb também está disponível link para o passo a passo.

No processo de recadastramento, o sistema irá pedir dados da UEx e de identificação de seus dirigentes. É importante preencher todos os campos de informação corretamente para que a entidade não fique sem receber os recursos do programa. O cadastro estará concluído quando o sistema apresentar a mensagem “Operação realizada com sucesso” e emitir formulário com as informações cadastrais da UEx. O sistema gravará a data de atualização, não sendo necessário enviar o formulário ou qualquer outro aviso ao FNDE.

 

Diretores e gestores, secretarias de educação estaduais e municipais, assim como o Ministério da Educação, monitoram o desempenho dos estudantes das escolas que aderiram ao Mais Alfabetização. O monitoramento é feito pela plataforma digital do programa, lançado no fim de março. A ferramenta é um apoio técnico para as unidades escolares no processo de alfabetização dos alunos regularmente matriculados nos dois primeiros anos do ensino fundamental.“A plataforma digital tem funcionalidade de cadastro dos professores, dos assistentes de alfabetização e das crianças, além do lançamento dos resultados da avaliação diagnóstica e a devolutiva desses resultados”, explica o diretor de currículos e educação integral do MEC, Raph Gomes Alves. O apoio técnico é realizado por meio da seleção de um assistente de alfabetização, a cargo das secretarias de educação, por um período de cinco ou dez horas semanais, para cada turma de primeiro e segundo anos. O assistente deve auxiliar o trabalho do professor alfabetizador, conforme seu planejamento, para fins de aquisição de competências de leitura, escrita e matemática por parte dos estudantes.

Avaliações – Os profissionais contam, ainda, com avaliações diagnósticas e formativas, disponíveis no sistema de monitoramento, a serem aplicadas aos estudantes em períodos específicos, com o objetivo de monitorar o desenvolvimento da aprendizagem nos dois primeiros anos do ensino fundamental.

Os candidatos a assistente de alfabetização vão passar por um processo de seleção elaborado pelos municípios. Os que forem selecionados devem se dedicar exclusivamente às atividades de alfabetização, sob a supervisão do professor alfabetizador.

Já o apoio financeiro às escolas se dá por meio da cobertura de despesas de custeio via Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE). Para o MEC efetivar a liberação dos valores, é necessário que as escolas que fizeram a adesão estejam com os dados cadastrais completos e atualizados no Sistema Integrado de Monitoramento, Execução e Controle do Ministério da Educação (Simec) e sem pendências em prestações de contas anteriores.

Monitoramento – O MEC firmou uma parceria com o Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (CAEd/UFJF) para a construção do sistema de monitoramento do programa. A ferramenta permite o acompanhamento do Mais Alfabetização em cada escola e rede de ensino em tempo real, além de subsidiar a tomada de decisão pelos gestores da educação.

Continue reading

NOTA: No dia (09.03.18), o governo do Estado de Pernambuco, através da assessoria do secretário de educação, responsável pela obra da construção da quadra, na Escola de Referência em Ensino Médio Santa Terezinha, na cidade de Santa Terezinha-PE, informou que obra seria concluída até o final do mês de abril.

  Esta notícia deixou os alunos e demais pessoas da comunidade na expectativa e cheios de esperança de que desta vez a quadra seria concluída. 

   Mas quanto a quadra poliesportiva, que estava com a obra parada em situação caótica, piorou, estando praticamente abandonada. Por conta das recentes chuvas, o mato cresceu e até o momento não foi reiniciada a obra, como estava previsto para finalizar no final de abril, sendo hoje já 16/04.

   Sendo assim, solicitamos de V.Sª , em nome de toda sociedade terezinhense, providências cabíveis e urgentes, na medida do possível. Esta quadra estava na planta da reforma da escola, que ha alguns anos foi concluída. Sendo assim, os estudantes e o esporte da EREM Santa Terezinha vêm sendo penalizados, bem como toda comunidade escolar.

   Este blog é imparcial e social, com a finalidade de sempre lutar pelo bem estar social, sendo assim, mais uma vez solicitamos em nome da comunidade terezinhense, para finalizar a obra da quadra da referida escola, que com certeza trará resultado positivos.

O direito social ao lazer

O lazer figura na ordem constitucional de 1988 como um direito social (art. 6.º, Capítulo II). Tal direito vem regulado no Título II, “Dos Direitos e Garantias Fundamentais”, da Constituição Federal e deve, pois, ser elevado à categoria de direito e garantia fundamental. A promoção do lazer se figura como um dever da família, da sociedade e principalmente do Estado (art. 227, Capítulo VII), em que o Poder Público “incentivará o lazer, como forma de promoção social” (art. 217, § 3.º, Capítulo III).

 

ACESSEM O VÍDEO

As fotos acima e o vídeo são recente, foi neste período chuvoso

Estas fotos foram quando não estava neste período chuvoso

Secretários Municipais de Saúde de todo o Estado estão em Afogados para debater o aperfeiçoamento do SUS. Logo no primeiro dia, eles puderam conferir uma mostra com experiências exitosas de 21 municípios, dentre eles Afogados, selecionadas pelo comitê técnico do Conselho Estadual de Secretários Municipais de Saúde – COSEMS. Os vencedores serão premiados ao final do evento, que ocorrerá amanhã. Nesta quinta (12), foi realizada a assembleia dos secretários de saúde. Em seguida eles debateram, em uma mesa redonda, os espaços de governança e a regionalização do SUS. O debate contou com a participação do Presidente do COSEMS, Orlando Jorge; Secretário Estadual de Saúde, Iran Costa; e representantes do Ministério da Saúde e do Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde. No intervalo dos debates, a Prefeitura de Afogados promoveu uma apresentação cultural enaltecendo a tradição dos tabaqueiros. Máscaras foram confeccionadas para serem entregues aos participantes. À noite haverá apresentações de músicos afogadenses, poetas e declamadores, para que todos possam conhecer a força da poesia do Pajeú. O último dia do encontro, nesta sexta (13), os secretários debaterão “Sistemas de informação para o desenvolvimento do SUS nos municípios” e“Novas perspectivas da política nacional de atenção básica”.

MEC E FNDE autorizam a retomada de obras inacabadas

Com a decisão, cerca de cem mil estudantes podem ser beneficiados.

Com o intuito de auxiliar estados e municípios a garantir mais vagas nas salas de aula e finalizar obras inacabadas, o Ministério da Educação e o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) publicaram a Resolução nº3, de 23 de fevereiro de 2018, que autoriza o FNDE a pactuar novos termos de compromisso com gestores que queiram retomar as obras de creches, escolas e quadras poliesportivas que tiveram sua execução interrompida em decorrência do término da vigência do instrumento anterior firmado com a autarquia. A medida pode injetar mais de R$ 450 milhões na economia de estados e municípios, beneficiando cerca de cem mil estudantes.

“Esta Resolução é fruto de um grande esforço do Ministro Mendonça Filho, junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) e a Confederação Nacional de Municípios (CNM), para retomar cerca de 860 obras que se encontram nessa situação em todo o país. Após muita conversa e entendimento, podemos hoje celebrar esta conquista que, não é só do FNDE, mas de todo o povo Brasileiro. Estamos, com essa decisão, dando prioridade aos jovens estudantes que precisam ter condições de acesso ao ensino público. Queremos vê-los nas salas de aula e é nosso dever ajudar os governos locais nesse grande desafio”, afirma o presidente do FNDE, Silvio Pinheiro, destacando que é necessário que os gestores mostrem-se interessados na retomada das obras e cumpram alguns requisitos.

De acordo com a Resolução, o primeiro passo é encaminhar ao FNDE, via Sistema Integrado de Monitoramento, Execução e Controle (SIMEC), ofício contendo manifestação expressa de interesse em firmar novo termo de compromisso; declaração de possibilidade de consecução da obra (anexo I da resolução); cronograma de trabalho ou plano de ação para o cumprimento do novo ajuste e laudo técnico atestando o estado atual da obra. As obras que utilizaram a Metodologia Construtiva Inovadora (MI) poderão ser reformuladas para a Metodologia Convencional, desde que seja apresentado laudo técnico atestando a viabilidade da alteração do projeto.

Após avaliação dos documentos e cumpridas todas as etapas dos processos constantes da resolução, o FNDE procederá à assinatura dos novos termos de compromisso para que as obras sejam retomadas. É importante destacar que só poderão assinar novos documentos os entes que apresentarem as prestações de contas dos convênios ou termos de compromisso das obras em questão. É importante lembrar que gestores municipais e estaduais têm até 31 de dezembro de 2018 para retomar obras de creches, escolas e quadras poliesportivas.

Para auxiliar os gestores interessados, o FNDE disponibilizou uma cartilha que explica o passo a passo da resolução.


As atribuições do Conselho Escolar são definidas em função das condições reais da Unidade Educativa, da organicidade do próprio Conselho e das competências dos profissionais em exercício na Unidade Educativa. Dentre estas atribuições destaca-se:

Livro relacionado:

– Estabelecer e acompanhar o projeto político-pedagógico da Unidade Educativa;

– Analisar e aprovar o Plano Anual da Unidade Educativa, com base no projeto político pedagógico da mesma;

– Acompanhar e avaliar o desempenho da Direção e da Unidade Educativa face às diretrizes, prioridades e metas estabelecidas no seu Plano Anual, redirecionando as ações quando necessário;

– Definir critérios para a cessão do prédio escolar para outras atividades que não as de ensino,  observando os dispositivos legais emanados da mantenedora, garantindo o fluxo de comunicação permanente, de modo que as informações sejam divulgadas a todos em tempo hábil;

Analisar projetos elaborados e/ou em execução por quaisquer dos segmentos que compõem a comunidade escolar, no sentido de avaliar a importância dos mesmos, no processo ensino aprendizagem;

– Arbitrar sobre o impasse de natureza administrativa e/ou pedagógica, esgotadas as possibilidades de solução pela equipe escolar;

– Propor alternativas de solução dos problemas de natureza administrativa e/ou pedagógica, tanto daqueles detectados pelo próprio órgão, como dos que forem a ele encaminhados por escrito pelos diferentes participantes da comunidade escolar;

– Fazer cumprir as normas disciplinares relativas a direitos e deveres de todos os elementos da comunidade educativa, dentro dos parâmetros do Regimento Escolar e da legislação em vigor;

– Articular ações com segmentos da sociedade que possam contribuir para a melhoria da qualidade do processo ensino-aprendizagem;

– Tomar ciência, visando acompanhamento, de medidas adotadas pelo Diretor nos casos de doenças contagiosas, irregularidades graves e soluções emergenciais ocorridas na Escola;

– Acompanhar a atuação das instituições auxiliares visando ao desenvolvimento de um trabalho integrado e coerente com o projeto político-pedagógico da Unidade Educativa, propondo, se necessário, alterações nos seus Estatutos, ouvindo o segmento a que diz respeito;

– Discutir sobre a proposta curricular da Unidade Educativa, visando ao aperfeiçoamento e enriquecimento desta, respeitadas as diretrizes emanadas da Secretaria Municipal de Educação;

– Assessorar, apoiar e colaborar com o Diretor em matéria de sua competência e em todas as suas atribuições.

Na atualidade, muitas escolas brasileiras, acentuam de forma positiva que a presença dos Conselhos Escolares em muito tem contribuído para aprimorar a gestão democrática como espaço de decisão e deliberação das questões pedagógicas, administrativas, financeiras e políticas da escola. Dessa forma, o Conselho Escolar se torna um aliado na luta pelo fortalecimento da unidade escolar e na democratização das relações de ensino.

Compete ao Conselho Escolar debater e tornar claros suas atribuições, objetivos e valores que devem ser coletivamente assumidos, definindo prioridades e ajudando o cotidiano escolar; suas  reuniões devem ser de estudos e reflexões contínuas, que incluam, principalmente, a avaliação do trabalho escolar.

A democratização da gestão por meio do fortalecimento dos mecanismos de participação na escola, em especial do Conselho Escolar, pode-se apresentar como uma alternativa criativa para envolver os diferentes segmentos das comunidades locais e escolares nas questões e problemas vivenciados pelas duas escolas. Esse processo, certamente, possibilitará um aprendizado coletivo, cujo resultado poderá ser o fortalecimento da Gestão Democrática na escola e a consolidação desse processo por meio do Conselho Escolar.

Os Conselhos Escolares, ao assumirem a função de estimular e desencadear uma contínua realização e a avaliação do Projeto Político-Pedagógico das unidades de ensino, acompanhando e interferindo nas estratégias de ação, contribuem decisivamente para a criação de um novo cotidiano escolar onde a comunidade se identifica no enfrentamento, não só nos desafios imediatos, mas, dos graves problemas sociais vividos na realidade brasileira.

Dentro do Projeto Político Pedagógico é necessário que o Conselho Escolar seja um componente que se prima em três setores: cidadania, participação e democracia. Para SILVA (1998)  a cidadania expressa: Um conjunto de direitos que dá à pessoa a possibilidade de participar ativamente da vida e do governo de seu povo. Quem não tem cidadania está marginalizado ou excluído da vida social e da tomada de decisões, ficando numa posição de inferioridade dentro do grupo social.

Continue reading

Um amplo trabalho de conscientização sobre direitos e deveres do cidadão tomou forma em um projeto que, além de envolver os 380 alunos de uma escola, conquistou a comunidade local. Este é o tema desenvolvido nesta sexta, 6, pelo programa Trilhas da Educação, transmitido pela Rádio MEC. A ação se deu em Bayeux, na Paraíba, onde a Escola Cidadã Integral Técnica Erenice Cavalcante Fidelis (Ecit) ganhou projeção com um projeto sobre educação fiscal que ganhou, em 2017, um prêmio instituído pela Associação dos Fiscais de Renda e dos Agentes Fiscais do Estado da Paraíba (Afrafep).

Tudo começou com os professores Jeimes Ferreira Campos, de física, e José Augusto Neto, de filosofia. Durante três meses, eles se dedicaram ao projeto “Impostos – nosso dever pagar, nosso direito cobrar”, que trabalhou com os alunos a questão de que a gestão adequada dos gastos públicos depende não só dos governantes, mas também dos cidadãos.

O aprendizado focou em educação, segurança e moradia, direitos que também pressupõem, em contrapartida, uma série de obrigações. O desafio foi despertar os alunos para a importância de pedir a nota fiscal num ato de compra e fazer com o que estabelecimento também respeitasse esse direito do consumidor.

 “Foi uma junção de várias disciplinas: física, filosofia, sociologia, português, geografia”, conta Jeimes Campos. “E qual foi o problema que detectamos? Que vários postos de combustíveis aqui da cidade de Bayeux não emitiam o cupom fiscal por falta também da não solicitação do próprio contribuinte. O dono do veículo ia abastecer e não solicitava lá o cupom fiscal. Começamos a pensar a maneira de incentivar a população, os estudantes, a pedir esse cupom fiscal”.

Metodologia – Foram organizadas ações dentro da escola e também entre a comunidade local. Como incentivo aos alunos, houve bonificações em sala de aula para as turmas que melhor desempenhassem as tarefas propostas. Criaram-se campanhas na mídia, como Facebook e whatsapp, além de divulgação por meio de teatro, música, produção textual, debates e discussões.

“Uma das atividades da metodologia era arrecadar o maior número de cupons fiscais no município”, explica o professor. ”A turma que conseguisse o maior número de cupons fiscais válidos teria uma bonificação em todas as disciplinas, prioritariamente na disciplina de física, que era a que estava mais envolvida nesse projeto, além da filosofia”.

Na disciplina de física, os alunos construíram uma maquete que representava a cidade, com estabelecimentos comerciais e postos de combustíveis. Representaram o deslocamento dos veículos por esses pontos, registrando informações como velocidade, distância, tempo. Já a filosofia ingressou como a ciência voltada a reflexão, a construção do pensamento e do senso crítico por parte desses jovens, por meio das atividades acompanhadas pelo professor José Augusto Neto.

 “Acredito que a filosofia ofereceu essa contribuição de despertar nos alunos o interesse pelo conhecimento de seus direitos, de seus deveres, por cobrarem a aplicação dos impostos, por fiscalizarem de que forma os impostos estão sendo aplicados, e também de conscientizar os moradores da cidade na cobrança da emissão do cupom fiscal, a principal garantia que nós temos de que os impostos estão sendo repassados para os cofres públicos”, resume José Augusto.

Conscientização – “A gente sempre fazia mutirões para comprar coisas, pedir aqueles cupons que os consumidores não pedem”, conta o aluno André Lucas, de 17 anos. “Muitas pessoas acreditam que esses impostos são apenas dinheiro que é revertido para o governo e mais nada. Mas é o contrário: ele vem como benefício para a sociedade. ”

Continue reading

A UFPE recebeu pelo menos 17 denúncias de fraudes nas cotas raciais do Sisu 2018 / Foto: Reprodução

A UFPE recebeu pelo menos 17 denúncias de fraudes nas cotas
raciais do Sisu 2018
Foto: Reprodução
JC Online

A Pró-Reitoria para Assuntos Acadêmicos (Proacad) da UFPE instituiu nesta terça-feira (3) uma comissão de sindicância para apurar possíveis fraudes no sistema de cotas raciais e econômicas para ingresso na Universidade. O indicativo de instalação da comissão foi dado após período de verificação das denúncias recebidas pela UFPE sobre as cotas raciais no ingresso pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu) de 2018.

“A UFPE tomará todas as medidas necessárias para que sejam cumpridas as ações afirmativas e de inclusão para ingresso na Universidade, sejam elas econômicas ou étnico-raciais”, afirmou o pró-reitor para Assuntos Acadêmicos, professor Paulo Goes.

De acordo com a Universidade, a comissão será composta por um representante da Proacad, um representante da Câmara de Graduação e um assistente social da Pró-Reitoria para Assuntos Estudantis (Proaes). O grupo iniciará os trabalhos logo após os trâmites legais de instalação da comissão.

Denúncias

A UFPE recebeu pelo menos 17 denúncias de fraudes nas cotas raciais do Sisu 2018. A Coordenação do Corpo Discente da Proacad confirmou a existência de vínculo de matrícula de estudantes em 11 casos, que serão averiguados pela comissão de sindicância.

A Lei nº 12.711/2012 garante a reserva de 50% das vagas em instituições de ensino superior federais brasileiras para alunos que estudaram o ensino médio na rede pública. A distribuição das cotas segue requisitos econômicos (renda familiar) e raciais (destinadas para negros, pardos e indígenas). Conforme a lei, o critério da raça é autodeclaratório.

Ainda segundo a UFPE, está sendo avaliada a implantação de uma comissão de verificação de cotas para o Sisu 2019. Essa questão está sob a análise da Procuradoria Regional Federal junto à UFPE. Além disso, a universidade afirma estar estimulado, junto à Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), a criação de procedimentos padronizados referentes às cotas a serem adotados por todas as instituições federais do país.

Debate

No dia 28 de março, a Proacad debateu o assunto com movimentos negros na Biblioteca Central (BC) do Campus Recife. Participaram da reunião representantes da Proacad, do Coletivo Afronte, do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (Neab) da UFPE, da Universidade de Brasília (UnB) e do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Inclusão no Ensino e na Pesquisa (INCTI), além de estudantes da comunidade negra da Universidade.

ensino_medio_reforma.jpg

Reforma deve precarizar formação geral de estudantes e orientá-los a a carreiras de baixa complexidade no mercado de serviços

A possibilidade de o ensino médio ser oferecido a distância voltou a preocupar os movimentos por uma educação pública de qualidade. Na semana passada veio à tona a intenção do governo de permitir que até 40% da carga horária da etapa seja ministrada na modalidade ensino a distância. Isso faria com que os estudantes deixassem de frequentar as escolas por ao menos dois dias na semana.

A flexibilização estaria alicerçada em uma resolução que atualiza as Diretrizes Nacionais Curriculares do Ensino Médio, no contexto de uma reforma mais ampla, e prevê a regulamentação da carga horária. A proposta foi apresentada ao Conselho Nacional de Educação no último dia 6 pelo relator Rafael Lucchesi, presidente do Senai, e por Eduardo Deschamps, presidente do conselho. O texto ainda prevê que a Educação de Jovens e Adultos seja ofertada 100% a distância.

Quando o documento se tornou público, o Ministério da Educação negou a existência do projeto. O ministro Mendonça Filho alegou que a informação é “absolutamente inverídica” e que se trata de um debate muito pontual do conselho, órgão independente e autônomo. Mendonça Filho, que deve deixar a pasta em abril para concorrer nas eleições, garantiu ainda que a proposta será vetada caso chegue ao MEC.

Continue reading

Se você não tem conseguido descansar bem, que tal ingerir os alimentos a seguir algumas horas antes de se deitar? Suas propriedades ajudam a promover um sono tranquilo.

1. Mel

Adicione um fiozinho de mel ao seu leite ou chá algumas horas antes de se deitar. A pequena quantidade de glicose reduzirá os níveis de orexina, um neurotransmissor que aumenta seu nível de alerta.

2. Grãos integrais

Se você está se sentindo um pouco inquieta antes de deitar, coma um pedaço de pão ou torrada integral. Os grãos integrais incentivam a produção de insulina, o que ajuda as vias neurais a obter triptofano – um aminoácido que funciona como um sedativo para o cérebro.

3. Banana

fruta é rica em potássio, um mineral que é essencial para ter uma noite profunda de sono. Bananas também contêm triptofano e magnésio, fazendo com que essa fruta funcione como um sedativo natural.

4. Feijão

Vitaminas do complexo B têm sido muito utilizadas para tratar a insônia e ajudar a aliviar o stress e a ansiedade. Se você está procurando uma fonte natural, tente o feijão – ele contém um bom punhado de diferentes vitaminas do complexo B, como B6, niacina e ácido fólico.

Leite

                                                   (BOA FORMA)

5. Laticínios

Laticínios são uma fonte natural de sono – induzindo triptofano – e o teor de cálcio de produtos lácteos tem um efeito positivo na produção dos aminoácidos.

6. Nozes

Um punhado do fruto é um ótimo lanche antes de dormir. As nozes ajudam a aumentar os níveis de serotonina no cérebro e são uma excelente fonte de magnésio e triptofano. Sementes de linhaça, sementes de abóbora e sementes de girassol também carregam altos níveis do sedativo natural.

7. Aveia

aveia é uma fonte natural de melatonina, hormônio que ajuda a controlar o ciclo do sono. Aposte em uma pequena tigela de mingau de aveia ou um biscoito de aveia.

8. Aves

Antes de deitar, se estiver com fome, inclua um pedaço de frango ou peru fatiado em seu sanduíche de pão integral. Ambos são grandes parceiros do bom sono!

Veja também

9. Grão-de-bico

Ele é rico em vitamina B6, que desempenha um papel importante na produção de serotonina – hormônio da felicidade, que aumenta sua saúde mental e ajuda a ficar tranquila.

10. Iogurte

Uma pequena tigela de iogurte com alguns de seus ingredientes favoritos (frutas picadas, granola…) pode ser o que você precisa para adormecer. Isso porque o alimento contém cálcio, que é necessário para o processamento de hormônios indutores do sono – o triptofano e a melatonina.

11. Suco de cereja

A fruta é rica em melatonina e um estudo recente revelou que beber o suco da fruta regularmente (ou comer cerejas) pode ajudar a regular seus ciclos de sono.

Veja também

12. Folhas verdes

As hortaliças, além de saudáveis, contêm altos níveis de cálcio, importantes para a produção do hormônios do sono.

13. Chá de camomila

A erva tem efeito calmante. Beber uma xícara de chá antes de dormir pode ser a rotina de que você precisa para cair no sono.

14. Uva

Um estudo comprou que a fruta contém alto nível de melatonina. Apesar de a investigação ter testado a uva em si, os pesquisadores dizem que é possível que a substância seja encontrada no vinho. Mas tome cuidado: o álcool pode atrapalhar o sono de longa duração.

15. Ovo

Boa fonte de triptofano, o ovo também é um aliado das noites tranquilas. Se você servir com uma xícara de chá ou com pão integral, melhor ainda. Será seu companheiro favorito para a indução ao sono!

O deputado estadual André Ferreira (PSC) apresentou na Assembleia Legislativa de Pernambuco um Projeto de Lei que vai premiar as escolas da rede privada que executarem ações voltadas para atender crianças com necessidades especiais. A proposta cria o selo Escola Amiga da Educação Inclusiva, que será conferido às instituições de ensino que adotarem medidas para a implantação do sistema educacional inclusivo de pessoas com deficiência.

A ideia é que a criação do selo estimule as escolas, entre outras coisas, a elaborar currículos e adotar técnicas, recursos educativos e de organização específicos para atender às necessidades de estudantes com deficiência. “Com o projeto, nós procuramos incentivar as escolas a promoverem ações de real integração e inclusão para alunos com necessidades especiais”, destacou André Ferreira.  O parlamentar destaca, ainda, que no ambiente escolar, incluir vai muito além do simples fato de aceitar o aluno na instituição, que é o que prevê a Lei Brasileira de Acessibilidade.

Continue reading

Faça Sua Pesquisa no Google Aqui!
 
bove=""

 

Visitas
contador de visitas
Redes Sociais
Click e acesse
CLIQUE AQUI e fale com os ministros, fiquem de OLHO bem aberto alguma informação entre em contato com os ministros.

CLIQUE AQUI e veja receita e despesa do seu municípios.

Aqui você encontra informações sobre a aplicação do dinheiro público nos municípios e no estado de Pernambuco.

Zé Freitas no Facebook

Zé Freitas no Twitter
Parceiros