Lojas Surya
Óticas Olhar Brasil
Farias Calçados

Lojas Surya
Supermercado
Natália Calçados

Seg Vida
 

Para visualizar este conteúdo corretamente, é necessário ter o Flash Player instalado.

REFLEXÕES DO PASSADO E PRESENTE: PERSPECTIVA DE MELHORA PARA O FUTURO


 

Notícias

A imagem pode conter: noite e atividades ao ar livreA imagem pode conter: pessoas em pé, céu, noite e atividades ao ar livre

A imagem pode conter: noite e atividades ao ar livre

O Governo Municipal de Itapetim, através da Secretaria de Cultura, finalizou a ornamentação de fim de ano da cidade. Fizemos uma linda decoração na cidade, deixando Itapetim ainda mais bonita. “Estive ao lado do secretário de Cultura, Ailson Alves, e da sua esposa, Adriana, acompanhando todo o trabalho e quero parabenizá-los em nome de todos da Secretária que trabalharam para concluir esta ornamentação.”Pontuou Adelmo Moura.

A imagem pode conter: atividades ao ar livreA imagem pode conter: noite e atividades ao ar livreA imagem pode conter: noite e área interna

blogdomarcellopatriota

Copom reduz juros básicos para 4,5% ao ano, o menor nível da história

Fachada do Banco Central do Brasil – AFP

Agência Brasil

Pela quarta vez seguida, o Banco Central (BC) diminuiu os juros básicos da economia. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) reduziu a taxa Selic para 4,5% ao ano, com corte de 0,5 ponto percentual. A decisão era esperada pelos analistas financeirosCom a decisão de hoje (11), a Selic está no menor nível desde o início da série histórica do Banco Central, em 1986. De outubro de 2012 a abril de 2013, a taxa foi mantida em 7,25% ao ano e passou a ser reajustada gradualmente até alcançar 14,25% ao ano em julho de 2015. Em outubro de 2016, o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia até que a taxa chegasse a 6,5% ao ano em março de 2018, só voltando a ser reduzida em julho deste ano. Em comunicado, o Copom indicou que manterá os juros básicos em 4,5% ao ano por um longo período, sempre avaliando as condições da economia. O BC reiterou a necessidade de continuidade nas reformas estruturais da economia brasileira para que os juros permaneçam em níveis baixos por longo tempo.

Inflação

A Selic é o principal instrumento do Banco Central para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Em novembro, o indicador fechou em 0,51%, o maior resultado para o mês desde 2015. A inflação foi impulsionada pela alta do dólar e pelo preço da carne, mas continua abaixo da meta. Em 12 meses, o IPCA acumula 3,27%. Para 2019, o Conselho Monetário Nacional (CMN) estabeleceu meta de inflação de 4,25%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual. O IPCA, portanto, não poderá superar 5,75% neste ano nem ficar abaixo de 2,75%. A meta para 2020 foi fixada em 4%, também com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual. No Relatório de Inflação divulgado no fim de setembro pelo Banco Central, a autoridade monetária estima que o IPCA continuará abaixo de 4% até 2022. De acordo com o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo BC, a inflação oficial deverá fechar o ano em 3,84%.

Crédito mais barato

Continue lendo

Os altos valores atingidos pela carne encareceram o fim de ano dos brasileiros - Créditos: Agência Brasil
Os altos valores atingidos pela carne encareceram o fim de ano dos brasileiros / Agência Brasil

Há 11 anos no comando dos churrasquinhos Juninho Grill, no bairro Luzes, em Belford Roxo, na região metropolitana do Rio de Janeiro, o churrasqueiro Gerson Velame viu seu público cair em 30% nos últimos dias, depois de aumentar o espetinho de carne de R$ 5 para R$ 7. O aumento do espetinho vendido por Gerson não é caso isolado e, sim, acompanha os altos valores atingidos pela carne que encareceram o fim de ano dos brasileiros. “Eu comprava o quilo da alcatra a R$ 17, mas agora ela subiu para R$ 35. Ainda assim, não repassei para o consumidor todo o prejuízo com esse aumento, deveria subir o valor do espeto para R$ 8, mas estou tentando manter os clientes”, conta o churrasqueiro, que ouve reclamações diárias da clientela pelo valor cobrado pelos espetinhos. 

Apesar da alta oficial ser de 8,1%, alguns supermercados vêm praticando valores bem maiores, como atestou Gerson. A inflação de novembro foi a pior a atingir a população em quatro anos, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Enquanto os memes sobre churrasquinho de ovo e pedaços de carne sendo carregados em carro-forte proliferam na internet, o churrasqueiro – assim como grande parte da população – não vê perspectiva de voltar a consumir carne como alguns meses atrás sobretudo no mês das festas de fim de ano. Economista e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), João Sicsú afirma que dificilmente o governo federal fará uma intervenção no preço da carne. Ele explica que a falta de controle do presidente Jair Bolsonaro (PSL) em relação à desvalorização do real, diante do valor do dólar, é um dos principais fatores para a perda do poder de compra da população brasileira.  “Os frigoríficos estão exportando e recebendo mais por isso em função da alta do dólar. Agora, vendem aqui dentro praticando o mesmo preço para o exterior. O dólar não pode ter toda essa volatilidade, de R$ 2,20 para R$ 4,20. E o governo não tem nenhuma política ou ideia para controlar o preço da moeda estadunidense, isso o Banco Central poderia fazer”, avalia Sicsú.

Mais pobres

Levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgado na última terça-feira (10) apontou que as famílias de renda mais baixa, somando até R$ 1.643,78 por mês, são as mais atingidas pela inflação. Além dos alimentos, os gastos com moradia também atingem o bolso dos mais pobres, principalmente, a partir do aumento das tarifas de energia elétrica, com a mudança da bandeira verde para amarela nas contas de luz.

“Esse cenário é extremamente negativo para aqueles que ganham menos. Quanto menor o rendimento, maior o gasto em alimentos. São famílias que comprometem mais seus orçamentos com comida. Isso faz com que a inflação para o pobre seja maior”, acrescenta o economista da UFRJ.

Não é só a carne

Continue lendo

Emissão de carteira de trabalho está entre serviços

O governo federal superou em 20% a meta da transformação digital de serviços públicos neste ano. A Secretaria de Governo Digital do Ministério da Economia, contabilizou 503 serviços com acesso online desde janeiro. Entre os serviços estão a emissão da carteira de trabalho, solicitação de aposentadoria por tempo de contribuição, certificado internacional de vacinação e profilaxia, carteira estudantil e carteira de trânsito. Estes dois últimos, começaram a funcionar via digital mais recentemente.

De acordo com a secretaria, os cidadãos já conseguem retirar no mesmo dia o pedido a carteira de trabalho. Até entçao, o tempo médio de espera para receber o documento era de 17 dias. Já a aposentadoria por tempo de contribuição pode ser obtida agora nos canais do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) em poucas horas. Segundo a secretaria, com os resultados desde janeiro, R$ 1,7 bilhão deixa de ser gasto anualmente pelo governo e pela sociedade. Quem mais poupa é o cidadão — o equivalente a R$ 1,38 bilhão — por não perder mais tempo de trabalho nem pagar pelo deslocamento ou por despachantes para agilizar a prestação do serviço. A redução da burocracia é outro indicador que passou este ano a ser contabilizado pela Secretaria de Governo Digital. A estimativa é de que 146,8 milhões de horas/ano deixam de ser gastas pelas pessoas para obter serviços do governo federal. O tempo é equivalente a mais de um dia inteiro de trabalho de toda a população economicamente ativa na Grande São Paulo. Os serviços transformados este ano representam 19 milhões de demandas anuais.

Acesso pelo celular

O governo federal oferece quase 3,3 mil diferentes serviços à população, incluindo a administração direta, autarquias e fundações. Neste momento, 53% são acessados via online e estão agrupados no portal gov.br.  A aceleração da transformação digital aproveita a cultura de utilização massiva do aparelho celular pela população brasileira. A meta até 2022 é ter 100% dos serviços do governo federal transformados em digitais, o que deve representar uma economia anual de R$ 7 bilhões.

A proposta de emenda à Constituição (PEC 48/2019) que aumenta o poder de deputados e senadores na destinação de verbas para estados e municípios foi aprovada pelo Senado nesta quarta-feira (11). A promulgação será nesta quinta-feira (12).

A proposta foi aprovada por 57 votos a 2 no primeiro turno e 56 a 2 no segundo turno. Os votos contrários foram dos senadores Eduardo Girão (Podemos-CE) e Reguffe (Podemos-DF). O texto aumenta o poder de deputados senadores ao tirar a obrigatoriedade da Caixa Econômica Federal celebrar os contratos para a destinação de verbas. O relator da PEC, senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), fez concessões ao Podemos e ao PSL, e suprimiu toda a parte que altera a fiscalização dos repasses (íntegra).

Com a exclusão desse trecho, ficam mantidas as regras atuais, que delegam ao Tribunal de Contas da União (TCU) a responsabilidade pelo acompanhamento do uso da verba pública. O texto enviado pela Câmara transferia essa competência para os tribunais de contas estaduais (TCEs). Além dos senadores dos dois partidos, a falta de fiscalização do TCU foi amplamente criticada por técnicos do órgão. Como a exclusão dos TCEs e a volta do TCU foi uma supressão, não houve necessidade de votar de novo na Câmara. Junto com outras medidas já aprovadas, a PEC 48 dá protagonismo ao Poder Legislativo em detrimento do Executivo na definição do orçamento. Além dela, foi aprovado em abril deste  ano o chamado orçamento impositivo, ou seja, a possibilidade de deputados e senadores escolherem para quais áreas as verbas serão destinadas. Antes a definição era do governo.O texto ainda provocou descontentamento entre senadores do PSL e do Podemos. Eles queriam retirar o dispositivo que estabelece que o valor pertence ao ente final, ou seja, a estados e municípios, e não à União.

Os senadores contrários a esse trecho afirmam que considerar a quantia propriedade de estados e municípios abre brecha para que a fiscalização seja feitas pelos tribunais de contas estaduais. Acordo construído entre Anastasia e o líder do Podemos no Senado, Àlvaro Dias (PR), prevê a criação no início de 2020 de um projeto de lei para regulamentar de maneira clara o papel do TCU como fiscalizador das emendas. A medida é de autoria da presidente nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), quando era senadora em 2015.

Continue lendo

O Senado aprovou nesta quarta-feira (11/12) o Projeto de Lei 6.341/2019, conhecido como “pacote anticrime”. O pacote reúne parte da proposta apresentada no início deste ano pelo ministro da Justiça, Sergio Moro, e trechos do texto elaborado pela comissão de juristas coordenada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes. Agora, o texto vai à sanção do presidente Jair Bolsonaro.

Pacote foi aprovado nesta quarta (11/12)
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A matéria traz mudanças na legislação penal, como aumento de penas e novas regras para progressão de regime pelos condenados. O texto foi aprovado na Câmara na semana passada, sem pontos considerados mais polêmicos. Dentre esses, estão temas como prisão após condenação em segunda instância, que está em discussão por instrumentos diferentes na Câmara e no Senado; e o plea bargain, dispositivo que prevê a redução de penas de acusados que confessarem ter cometido um determinado crime.

Outro ponto considerado polêmico que também ficou de fora do texto aprovado foi a excludente de ilicitude. Esse dispositivo protegeria de punição agentes de segurança que, por “violenta emoção, escusável medo ou surpresa”, cometessem excessos no exercício da função.

Após a aprovação do texto na Câmara, Moro chegou a dizer que “o Congresso poderia ter ido além”, lamentando a retirada desses pontos. Mas o Senado aprovou integralmente o pacote votado pela Câmara. Com informações da Agência Brasil.

conjur

Sobre outros pagamentos, o TJPE justificou que tratam-se de

Sobre outros pagamentos, o TJPE justificou que tratam-se de “requerimentos relativos a indenização de férias não gozadas por absoluta necessidade do serviço”

Informações divulgadas pela Folha de S.Paulo e confirmadas pela reportagem do JC no portal do órgão, nesta quarta-feira (11), mostram que juízes e desembargadores do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) receberam rendimentos líquidos em novembro que chegam a R$ 853 mil ou R$ 1,2 milhão bruto. O órgão justificou que tratam-se de “requerimentos relativos a indenização de férias não gozadas por absoluta necessidade do serviço”. No caso de uma juíza que teve rendimento bruto de R$ 1.298.550,56, o tribunal explicou que foi feito o pagamento de salários atrasados após a magistrada ter sido reintegrada aos quadros do tribunal. Leia a íntegra da nota do TJPE no final da matéria. Os subsídios no judiciário, tradicionalmente, são acrescidos de gratificações, antecipação de férias, indenizações, auxílios e pagamentos retroativos, entre outros pontos. Em toda a folha de pagamento de novembro analisada, que inclui servidores, juízes e desembargadores, a maior remuneração foi a da juíza Marylusia Pereira Feitosa de Araújo, que atua na 2ª Vara de Violência Doméstica e Familiar Contra Mulher do Recife e cujo rendimento bruto foi de R$ 1.298.550,56. O salário-base é R$ 33.689,11.

No caso da juíza Marylusia, o órgão informou em nota que trata-se de salários atrasados “em face da Reintegração da Magistrada ao TJPE, decorrente do Mandado de Segurança determinado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). O Tribunal de Justiça foi condenado a indenizar a juíza por todo período que a mesma deixou de receber sua remuneração por conta de sua exclusão. Com a reintegração da juíza aos quadros do TJPE, foi determinado o pagamento de todo o período em que a mesma ficou afastada, em duas vezes.”

De acordo com dados do TJPE, a magistrada recebeu R$ 1.251.328,5 de “vantagens eventuais”. Este item engloba “abono constitucional de um terço das férias, indenização de férias, antecipação de férias, gratificação natalina, antecipação de gratificação natalina, serviços extraordinários, substituição, pagamentos retroativos, além de outras desta natureza”. A juíza recebeu pouco mais de R$ 9.000 de “vantagem pessoal”, que contabiliza adicional por tempo de serviço, quintos, décimos e vantagens decorrentes de sentença judicial ou extensão de permanência. Ela também ganhou R$ 3.368,91 de gratificações.

A média das remunerações recebidas por 53 desembargadores na folha de pagamento de novembro, com os descontos obrigatórios, é de R$ 206.411. Os dados analisados indicam que 25 desembargadores, o que corresponde a 47,1%, receberam uma quantia acima de R$ 200 mil. Treze, o que representa 24,5% do efetivo, conforme dados públicos do tribunal, ganharam em novembro mais de R$ 300 mil líquidos. Quatro ganharam mais de R$ 400 mil e um acima de R$ 600 mil. A folha de pagamento indica ainda que 77,3% dos desembargadores receberam acima de R$ 100 mil líquidos. Apenas 12, ou 22,6%, obtiveram rendimento inferior.

O TJPE explicou que as “indenizações por férias não gozadas em face da necessidade do serviço” foram pagas em novembro porque a autorização para o pagamento ocorreu em 11 de setembro, através de decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). “Os valores variam de magistrados para magistrados em face de uns possuírem mais férias acumuladas do que os outros.”

Explicações do TJPE

Continue lendo

A partir de 1º de junho de 2020, basta ter apenas um limite de cheque especial acima de R$ 500 para ser obrigado a pagar a tarifa / Foto: ABr

A partir de 1º de junho de 2020, basta ter apenas um limite de cheque especial acima de R$ 500 para ser obrigado a pagar a tarifaFoto: ABr

Como foi noticiado em novembro, que o Banco Central limitou os juros do cheque especial a um teto de 8% ao mês. Mas tem uma regra que muita gente não percebeu, ou percebeu e ainda não se preocupou. É que os bancos estão autorizados a cobrar uma tarifa mesmo de quem não usa o serviço. Ou seja, mesmo se não utilizar o cheque especial, você vai pagar uma taxa por mês.

A nova regra vale a partir de 1º de junho de 2020. Basta ter apenas um limite de cheque especial acima de R$ 500 para ser obrigado a pagar a tarifa. Só não pagará a taxa quem tem até R$ 500 de limite. Para que você entenda melhor, o Jornal do Commercio preparou uma série de respostas para as perguntas que surgem quando o assunto é a taxa do cheque especial.

Entenda melhor sobre os juros do cheque especial

Como funciona a nova taxa?

Se você tiver um limite de até R$ 500, o banco não poderá cobrar tarifa. Só os juros sobre o que você utilizar será cobrado, claro. Agora, se tiver um limite acima de R$ 500, o banco poderá tarifar você. Por exemplo, se o seu limite for de R$ 1.000,00, a instituição financeira poderá cobrar, todos os meses, R$ 1,25, ou seja, 0,25% sobre o valor que ultrapassou R$ 500.

Se você entrar no cheque especial, a tarifa deve ser descontada dos juros. Ou seja, se uma pessoa passar o mês no cheque especial, com um crédito de R$ 1.000,00, sendo a taxa de juros de 8%, ela irá pagar R$ 80,00 de juros, menos R$ 1,25 que havia sido pago de tarifa.

O banco tem que avisar antes?

Sim. Na regra criada pelo Banco Central, os clientes têm que ser avisados até um mês antes de começar a cobrança da tarifa. Segundo informou o BC, cerca de 80 milhões de clientes de bancos têm um limite acima de R$ 500. Outros 19 milhões de consumidores têm o limite de crédito no cheque especial abaixo dos R$ 500. Com estes dados, consegue-se entender que muitos consumidores precisam ser avisados.

Cheque especial deve virar parte do meu salário?

Não. O cheque especial, como diz o próprio nome, é algo “especial”, que não se usa toda hora. É um serviço que o cliente deve utilizar apenas quando há uma extrema necessidade. “Infelizmente, muitos brasileiros consideram o cheque especial um complemento de renda. Acabam esquecendo de contabilizar os custos dos juros e, quando vão ver, entraram em uma dívida grande”, diz a educadora financeira da Dsop Educação Financeira, Ana Rosa Vilches.

Qual das opções é a mais barata: crédito pessoal ou cheque especial?

Se você precisar de um recurso extra, o mais recomendado é pedir um crédito pessoal. As taxas de juros são inferiores à metade das cobranças no cheque especial. Só para se ter uma ideia, a taxa média cobrada no cheque especial é de 12,4% ao mês. Segundo a regra criada pelo Banco Central, ela vai cair para 8%, a partir de janeiro.No crédito pessoal, a taxa média é de 5,9% ao mês. Agora, se for uma linha de crédito consignado, ou seja, vinculada ao salário, o custo cai para 2,5%, para trabalhadores do setor privado e para 1,4%, no caso do funcionário público.

É melhor pagar multa por atraso ou juros do cheque especial?

Segundo recomendam os consultores, é melhor pagar os juros por atraso. Entre as dicas, está a de reduzir as opções no débito automático. Quando uma fatura pesada cai no dia em que sua conta estiver com pouco saldo, o boleto volta. Com isto, entendemos que o cheque especial é algo opcional.

Devo reduzir o meu limite para R$ 500?

As recomendações são muitas. Alguns consultores sugerem que é melhor o cliente se antecipar e pedir ao banco a retirada do limite, caso a instituição decida cobrar a tarifa sobre o cheque especial. Já outros, dizem que é bom negociar antes. Pode ser que o banco não cobre a tarifa no seu caso, ou cobre menos. O limite pode ser útil em alguma emergência, vale ressaltar.

Se o banco cobrar uma tarifa sem avisar, pode ser alvo de uma ação judicial por parte do cliente. Se este não contratou o serviço e foi cobrado sem a solicitação, fica caracterizada a pratica abusiva, prevista no artigo 39 do Código de Defesa do Consumidor, segundo o Procon-SP.

“Sem dúvida, o cliente tem que se antecipar e pedir o ajuste no limite do cheque especial para até R$ 500, ou negociar para que não haja a cobrança da tarifa. Afinal, existe o risco de o cliente começar a pagar sem sequer a perceber a cobrança da tarifa no meio dos juros”, explica Ana Rosa.

jconline

    Gostaria nesse momento de reflexão, angústia e dor pelo falecimento do meu amigo João Batista Martins (Danda Martins ) ex prefeito de Santa Terezinha PE. transmitir as minhas condolências,  a sua família. Danda Martins como era conhecido fazia parte do meu ciclo de amizade não de um amigo comum, mas de um irmão. Conheci Danda Martins no poço redondo em tabira (1982) tocando sanfona no casamento da filha de Manoel Piranha. Daí surgiu uma amizade de um verdadeiro irmão. Homens como Danda Martins está em extinção. Honrado, correto, honesto e sobretudo um político sem rancores, sem ressentimentos e sem mágoas. Sempre tratou o povo de sua terra como tratou a vida inteira, sua família. Que Deus o receba nessa sua nova morada e tenha a paz que merece.

 A vida tem vários mistérios, e o maior deles é a morte. Nunca poderemos entender o porquê de um ente amado ter que partir. A dor que sentimos é imensurável. Nestas horas não há nenhuma palavra que possa ser dita que seja capaz de confortar os nossos corações. Tudo parece perder o sentido e ficar pequeno diante de tamanho sofrimento.

Não há nada capaz de reparar uma perda como esta, mas em nome da amizade e amor de quem fica, e em honra da memória de quem se foi, é preciso continuar vivendo. É preciso transformar o luto em uma luta pela vida e pela felicidade, e transformar a dor em saudade e serenidade. Os sinceros pêsames e que Deus na sua infinita misericórdia console e conforte os corações dos amigos e familiares.  Meditem em 2 Coríntios 1:4 – Deus que nos consola em toda a nossa tribulação, para que também possamos consolar os que estiverem em alguma tribulação, pela consolação com que nós mesmos somos consolados por Deus.

DE ZÉ FREITAS E FAMÍLIA.

ACESSEM SLIDE E VEJAM SÓ

                                                         

Arte CNMO repasse adicional de 1% em dezembro do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) – no valor total de R$ 4,5 bilhões – será creditado às prefeituras na segunda-feira, 9 de dezembro, até as 18 horas. Na terça, 10, ocorre o repasse do primeiro decêndio do mês. A quantia extra é fruto de conquista da Confederação Nacional de Municípios (CNM) em 2007 por meio da Emenda Constitucional 55.

Os gestores podem conferir o valor que será creditado ao Município na nota técnica da CNM sobre o 1% de dezembro. As informações foram agrupadas por Estados e coeficientes, as tabelas têm os valores brutos do repasse e com o desconto do Pasep.

Tal adicional é referente a 1% do valor da arrecadação do Imposto sobre Produto Industrializado (IPI) e do Imposto de Renda (IR) contabilizado de dezembro do ano passado até o fim de novembro de 2019. Com base em dados do relatório de avaliação fiscal do Ministério da Economia, a Confederação estimou e divulgou o montante previsto em R$ 4,448 bilhões – valor apenas 0,25% abaixo do valor a ser repassado.

O adicional de 1% de dezembro é 8,36% maior do que o repasse de 2018, que somou R$ 4,152 bilhões. Nos últimos 13 anos, ou seja, de 2007 a 2019, os cofres municipais receberam R$ 38,844 bilhões relacionados a repasses extras – consequência de luta constante da CNM em prol dos Municípios. É importante destacar que a quantia ajuda os gestores a pagarem o 13º salário e as folhas de pagamento. Todos os anos, nos meses de julho e dezembro, os Municípios recebem 1% da arrecadação do IPI e IR referente aos 12 meses anteriores ao mês do repasse. O FPM é composto de 22,5% da arrecadação desses tributos – repassados a cada decêndio e distribuídos de forma proporcional de acordo com tabela de faixas populacionais, os chamados coeficientes.

Os políticos corruptos ainda querem enganar o povo falando que a situação estar difícil, que hipocrisia.”

Cabe salientar ainda que, de acordo com a redação da Emenda Constitucional 55/2007, ao 1% adicional do FPM não incide retenção do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). No entanto, por se tratar de uma transferência constitucional, os valores devem incorporar à Receita Corrente Líquida (RCL) do Município e, consequentemente, ser aplicados em ações de Manutenção e Desenvolvimento de Ensino (MDE).

Instagram voltou mesmo a mostrar o número de curtidas de fotos para algumas contas no aplicativo. No Twitter, vários usuários começaram a reportar a mudança a partir de outubro, mas também há relatos de meses anteriores. Desde o dia 24, a busca pelo termo “Instagram voltou a mostrar likes” também aumentou, segundo o Google Trends, indicando que a mudança está atingindo cada vez mais contas. O aplicativo deixou de exibir a quantidades de likes nas publicações em 17 de julho deste ano. De acordo com o Insta, a decisão foi tomada como uma tentativa de descobrir se retirar o número de curtidas poderia, de fato, mudar o comportamento dos usuários da rede, além de alegar preocupação com a saúde mental dos usuários. “Não queremos que as pessoas sintam que estão em uma competição”, alegaram. Desde então, os números só podiam ser vistos pelos autores do conteúdo ou por quem acessasse o app via web. Ao ser procurada pelo MdeMulher, a assessoria da empresa afirmou que o retorno dos likes faz parte de uma nova fase de testes. “Ouvimos da nossa comunidade que o número de curtidas pode ser uma boa fonte para identificar tendências e grandes momentos culturais e, por isso, iniciamos uma nova fase do teste para observar outras maneiras de exibir o número de curtidas e entender como isso afeta a experiência da comunidade do Instagram”, disse o comunicado oficial. Muitos usuários estão reclamando da “volta atrás” do Instagram e até ironizaram a medida. Outros acreditam que a plataforma está passando por algum “bug”, já que não conseguem ver curtidas, comentários e sequer as legendas das fotos.

mdemulher

Com o fim do “Como Será?”, há rumores de que o ex-parceiro de bancada Evaristo Costa está tentando levar Sandra Annenberg para a concorrênci

Nesta semana, a equipe do programa “Como Será” apresentado por Sandra Annenberg foi pega de surpresa ao terem sido demitidos devido ao fim da atração da Globo .

Evaristo Costa e Sandra Annenberg no 'Jornal Hoje'

O fim do programa da Globo não era esperado nem mesmo por Sandra Annenberg , que teve que mais de 20 profissionais serem desligados de suas funções. Agora,  Sandra Annenberg ficará apenas no comando do “Globo Repórter’ ao lado da colega Glória Maria. Mas, já começaram a surgir especulações de Evaristo Costa quer levar a grande amiga para a CNN , que já tem pegado vários profissionais da Globo Band e Record

Fonte:  iG 

Durante a 5ª Cúpula dos Chefes de Estado do Mercosul, o ministro da Saúde, Henrique Mandetta, afirmou que ficou surpreso com a retirada de R$ 500 milhões da pasta para o fundo eleitoral.

– Infelizmente, ontem, nós fomos surpreendidos para a retirada de R$ 500 milhões da saúde, do Orçamento, para poder alocar no fundo eleitoral – declarou Mandetta. O ministro ainda disse que “com esses R$ 500 milhões, podem ter certeza que a gente poderia fazer muito mais e fazer chegar de uma maneira muito mais intensa para que vocês possam entregar as realizações em 2020”.

Uma comissão do Congresso Nacional aprovou o relatório do Projeto de Lei Orçamentária de 2020 na Comissão Mista de Orçamento. Nele, é previsto um aumento do fundo eleitoral, verba que financiará as campanhas em 2020, de R$ 2 bilhões para R$ 3,8 bilhões. A saúde perderá o equivalente a R$ 500 milhões e áreas como a educação, infraestrutura e saneamento básico também serão atingidas.

pleno.news

Deputados da oposição classificaram a votação como “vitória do combate ao crime e derrota simbólica de Moro e Bolsonaro”

  Por 408 votos a favor, 9 contra e 2 abstenções, a Câmara dos Deputados aprovou  nesta quarta-feira (4) o projeto de lei do pacote anticrime (PL 10372/18) com as modificações feitas no Grupo de Trabalho que analisou o texto. A aprovação foi vista como uma vitória pela oposição, que conseguiu aprovar um texto sem pontos vistos como importantes pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro. “Vitória do combate ao crime e derrota simbólica de Moro e Bolsonaro”, foi como avaliou o deputado federal Alexandre Padilha (PT-SP), favorável ao texto aprovado na Casa. “Aprovamos um conjunto de leis construído desde a legislatura anterior e derrotamos as excrecências do juiz Moro e Bolsonaro, como o excludente de ilicitude, alterações nas delações, a prisão em segunda instância”, disse.O projeto que recebeu apoio quase unânime da Câmara foi construído por consenso em GT que retirou pontos polêmicos como o excludente de ilicitude. O tema pode ser apresentado como emenda pela Bancada da Bala. No acordo feito entre líderes partidários, o ponto não voltaria ao projeto.“O eixo principal do projeto enviado era o excludente de ilicitude, a segunda instância, o fim da audiência de custódia, pontos rejeitados que transformariam o Brasil em um estado penal. Tem vitórias e derrotas a todos”, pontuou Marcelo Freixo (PSOL-RJ).Todos os partidos, com exceção do PSOL, orientaram voto favorável ao texto.

Alta da moeda norte-americana ocorre justamente no momento de entressafra do trigo; indústria diz que aumento é inevitável

Alta do dólar deverá ser repassada ao pãozinho

Alta do dólar deverá ser repassada ao pãozinho

O trigo mais caro e o dólar em alta pressionam para cima o preço de alimentos que estão diariamente na mesa do brasileiro. Pães, bolos, massas e biscoitos ficarão mais caros. Nas padarias paulistas, o aumento ainda não chegou ao pãozinho e outros produtos, explica o presidente do Sindicato das Indústrias de Panificação e Confeitaria de São Paulo, Antero José Pereira. “Os moinhos já falam em aumentar, mas esse repasse ainda não chegou. Seria algo em torno de 10% no preço da farinha de trigo. Hoje, 25% do custo do custo do pão é a farinha, ou seja, o aumento seria de 2,5%”, observa. Ele acrescenta que poucos comerciantes têm margem para segurar a alta da matéria-prima e afirma que apenas 1,80% da inflação do ano passado (2,95%) foi repassado para o preço do pão em São Paulo. “Ninguém gosta de fazer repasse dos preços, mas a padaria não está com muita gordura”, diz. Por outro lado, nos produtos feitos pela indústria, esse aumento já chegou, segundo o presidente-executivo da Abimapi (Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados), Claudio Zanão. “O pão industrializado e o macarrão já subiram, em média 20% nos últimos três meses e o biscoito, em torno de 12%. Mas esses aumentos estão sendo diluídos, até agora metade disso foi repassado aos supermercados, que também acabam segurando o repasse por algum tempo para não perder vendas”, afirma. Ele observa que ainda há perspectiva de mais alta no futuro.

Entressafra e dólar

O motivo inicial é a entressafra do trigo e a baixa disponibilidade na Argentina, principal exportador da matéria-prima para o Brasil — cerca de 80%. No país vizinho, o preço do produto atingiu o patamar de US$ 260/tonelada no último dia 18, alta de 44% em relação a janeiro. “O trigo é dolarizado, ou seja, depende do mercado externo e [o preço no Brasil] tem influência do câmbio”, explica o presidente-executivo da Abimapi.

Preço do trigo está em alta no mercado internacional

Elizabeth Ellen/Folhapress

A colheita do trigo no Brasil ocorre entre setembro e dezembro, sendo que o consumo se inicia em março. “A entressafra acontece todo ano e às vezes passa despercebida. Só que neste ano houve a indisponibilidade do trigo argentino e para agravar isso o câmbio, acrescenta Zanão. O dólar no ano já acumula valorização de 12,9% frente ao real. Apenas neste mês, a moeda já subiu 6,8%. Na sexta-feira (18), fechou o dia cotado a R$ 3,74 — a sexta alta consecutiva. Na segunda-feira (21), a moeda americana recuou e fechou cotada a R$ 3,68. Com a economia difícil na Argentina, alguns produtores de trigo estão segurando parte da safra na espera de melhores oportunidades de venda, diante da alta de preços no mercado internacional. O produto lá se valorizou e as indústrias brasileiras tiveram que recorrer a outros mercados, como Estados Unidos e Canadá. O problema é que o frete e a TEC (Tarifa Externa Comum), de 10% — não é aplicada aos países do Mercosul —, tornam ainda mais caro o trigo importado. A queda da produção de trigo na safra brasileira de 2017/2018 foi de 36,6%, diz o analista de produtos agropecuários da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), Rodrigo de Souza. “O consumo brasileiro da safra de agosto de um ano até julho do ano seguinte é de aproximadamente 11 milhões de toneladas, metade disso é produzido no Paraná e cerca de 35% no Rio Grande do Sul. Mas na última safra, tivemos problemas climáticos e colhemos trigo em menor quantidade e de qualidade inferior”. A expectativa para este ano, no entanto, é mais otimista, mas só deverá começar a ser sentida a partir de setembro, quando inicia a colheita no Paraná.

Preço do trigo na Argentina já subiu 44% em relação a janeiro

Preço do trigo na Argentina já subiu 44% em relação a janeiro

Inflação

O cantor e compositor  Raul Seixas em 1980,Já percebi que a situação iria ficar caótica

 A solução pro nosso povo eu vou dá
Negócio bom assim ninguém nunca viu
‘Tá tudo pronto aqui é só vim pegar
A solução é alugar o Brasil

Nós não vamo paga nada
Nós não vamo paga nada
É tudo free
Tá na hora agora é free
Vamo embora
Dá lugar pros gringo entrar
Esse imóvel tá pra alugar ah ah ah ah
Os estrangeiros eu sei que eles vão gostar
Tem o Atlântico tem vista pro mar
A Amazônia é o jardim do quintal
E o dólar dele paga o nosso mingau
Nós não vamo paga nada
Nós não vamo paga nada
É tudo free
‘Tá na hora agora é free”

Continue lendo

Como o pacote anticrime ainda está sem data de votação no Congresso, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, tem aproveitado esse momento de articulações para tentar convencer os deputados a aprovarem a proposta original do governo, sem as alterações que foram propostas pelo grupo de trabalho que analisou o projeto na Câmara. Só nesta terça-feira (3), Moro se reuniu com representantes da Frente Parlamentar da Agropecuária e da bancada do Podemos, que juntas representam mais da metade da Câmara. Os deputados do PSDB e do grupo de trabalho também já receberam a visita do ministro, que quer retomar pontos como a excludente de ilicitude e a o plea bargain na votação em plenário.

Na saída de um desses encontros, Moro admitiu que este é um “momento oportuno para intensificar o diálogo com os parlamentares e convencê-los dos acertos das várias propostas contidas no pacote anticrime”. Afinal, desde a semana passada os aliados do ministro tentam emplacar na pauta do plenário a votação de um requerimento de urgência que permitiria à Câmara votar ainda neste ano o pacote anticrime. E Moro quer usar essa votação para resgatar os pontos que foram retirados do projeto pelo grupo de trabalho que nos últimos meses analisou as suas propostas.

“Tem uma expectativa de votação. Uma expectativa muito positiva. Mas claro que isso vai depender da decisão do Congresso”, afirmou Moro, tentando minimizar os contratempos que têm sido sofridos pelo pacote anticrime na Câmara.

Além de ter tido boa parte das suas propostas rejeitadas pelo grupo de trabalho de deputados, o projeto já teve a votação de urgência adiada por várias sessões. A expectativa era que esse requerimento fosse pautado duas semanas atrás, como havia prometido o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). A votação, porém, ficou para a semana passada, quando Maia revelou no plenário que não havia requerimento para ser votado. Os aliados de Moro se mobilizaram, então, para apresentar e votar esse requerimento nesta semana. Até agora, contudo, o pedido não foi pautado no plenário da Câmara. Relator do projeto, o deputado Capitão Augusto (PL-SP) diz que a esperança é que esse requerimento seja votado nesta quarta-feira (4), pouco depois de Moro ir ao Senado falar sobre outra de suas pautas: a prisão em segunda instância. Segundo ele, caso o pedido seja aprovado nesta quarta, ainda dá tempo de votar o pacote anticrime na próxima semana. Caso contrário, é possível que a principal proposta do governo para a área da segurança pública fique para o ano que vem.

Continue lendo

Arte CNM

O repasse a Estados e Municípios dos recursos da cessão onerosa – 15% da quantia pertencente à União para cada – será feito em 30 de dezembro, segundo informado à Confederação Nacional de Municípios (CNM) pela Secretaria Especial da Fazenda, vinculada ao Ministério da Economia. Após o leilão do excedente, em novembro, o governo federal arrecadou R$ 69,96 bilhões – com o desconto do valor devido à Petrobras de R$ 34,1 bilhões, os Entes estaduais e municipais vão receber, cada, R$ 5,31 bilhões.

Ainda segundo à Secretaria, a União só receberá os recursos do leilão em 27 de dezembro, conforme foi definido contratualmente. Como a data é uma sexta-feira, a transferência aos Estados e Municípios ocorrerá na segunda-feira, ou seja, 30 de dezembro. Por isso, a CNM sugere cautela aos gestores na expectativa pela transferência. A Agência Nacional do Petróleo (ANP) é responsável pelo processo, que será acompanhado pelo Ministério hora a hora. A Confederação elabora nota acerca da contabilização dos recursos para repassar aos gestores municipais, com informações sobre indicação de qual será o registro da rubrica. Para isso, a entidade aguarda mais informações da Secretaria do Tesouro Nacional (STN). Após a conquista de repartição dos recursos da cessão onerosa, áreas técnicas da CNM responderam dúvidas de como as prefeituras poderão aplicar o dinheiro (veja algumas abaixo ou acesse o conteúdo completo de perguntas e respostas sobre a cessão onerosa). A verba não deve, de maneira alguma, ser gasta sem a correta previsão orçamentária, e as despesas não devem fugir da destinação específica definida em lei: investimentos e previdência.

O critério para distribuição da verba é o Fundo de Participação dos Municípios (FPM), condição assegurada com intensa mobilização municipalista. Os valores que cada Município receberá da cessão onerosa também foi organizado pela Confederação e está disponível on-line no portal da CNM.

1. Onde o recurso da cessão onerosa será depositado?
O recurso será depositado diretamente pela Agência Nacional de Petróleo (ANP) em conta bancária específica aberta pelo próprio agente bancário (Banco do Brasil) em nome da prefeitura, a qual deverá conter nomenclatura que indique a origem do recurso proveniente da cessão onerosa.

2. Como a prefeitura terá acesso à conta?
O acesso à conta será automaticamente liberado para livre movimentação pelo gerente da instituição bancária logo o crédito seja feito, sob a responsabilidade do ordenador de despesa municipal (prefeito) que, por delegação, também liberará a movimentação ao servidor tesoureiro do Município por meio do acesso individual utilizando-se da sua assinatura digital (token).

3. De que forma os Municípios poderão usar o recurso da cessão onerosa?
A lei que distribui os recursos da cessão onerosa define a obrigatoriedade de usar a verba com investimentos e previdência. Poderão ser pagas despesas com dívidas previdenciárias tanto do Regime Próprio de Previdência social (RPPS) quanto do Regime Geral de Previdência (RGP), corrente ou decorrente de parcelamentos.

A outra forma de uso da cessão onerosa é com despesas de investimento, entendidas como aqueles gastos com despesa de capital, como as que se relacionam com a aquisição de máquinas ou equipamentos, a realização de obras, a aquisição de participações acionárias de empresas, a aquisição de imóveis ou veículos, ou seja, as que geram um bem de capital que possa ser incorporado pelo Município.

As exportações de carnes bovina, suína e de frango geraram receita 755,8 milhões de dólares de faturamento para o Brasil. O número representa queda de 0,90% se comparado ao mês de outubro. Porém, se comparado com o mesmo período do ano passado, houve uma forte alta: 45% em relação 521,1 milhões de dólares contabilizados em novembro de 2018.

O patamar elevado das exportações ante o ano passado se deve ao aquecimento na demanda externa em geral. A baixa na variação mensal, contudo, é reflexo da dificuldade no fechamento de contratos com compradores importantes, como a China, que aguardam pela redução nos preços dos cortes comercializados pelo Brasil e estão parcialmente abastecidos até janeiro, conforme apurou a reportagem.No registro anual, houve alta 19,23% nos embarques das proteínas bovinas. Se comparados os últimos dois meses, as exportações de carne desaceleraram. As vendas internacionais de carne bovina saíram do recorde de 170,5 mil toneladas em outubro para 155,6 mil toneladas em novembro, queda de 8,74. O preço médio da tonelada alcançou 4.857,60 dólares, ante 4.473,50 dólares do mês de outubro (+8,58%) e 3.993,80 dólares em igual período do ano passado (+21,6%).

Os preços internos da matéria-prima estão altos, como no caso da arroba bovina, que saltou mais de 30% em novembro, e o repasse desses custos pelos frigoríficos encareceu o produto exportado e também para consumo interno. No último sábado, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o governo não vai interferir no preço da carne bovina, mas disse acreditar que o preço do produto vai cair.  No fechamento de novembro, o aumento nos preços da carne bovina desossada no mercado atacadista nacional foi de 22,9% na média de todos os cortes pesquisados, de acordo com a Scot Consultoria.“Quero deixar bem claro que esse negócio da carne é a lei da oferta e da procura. Não posso tabelar, inventar. Isso não vai dar certo”, disse o presidente na chegada ao Palácio do Alvorada, após viagem a Resende (RJ), onde participou da inauguração de uma cascata de ultracentrífugas, na Fábrica de Combustível Nuclear (FCN).

“Tivemos uma pequena crise agora [no preço da carne], mas vai melhorar. A carne aqui, internamente, daqui a algum tempo, acho que vai diminuir o preço”, completou, dirigindo-se a um dos populares que o aguardavam no local.

Já os preços da carne bovina vendida em supermercados e açougues de São Paulo registraram uma alta de 8%, na média de todos os cortes, segundo a consultoria. No Paraná a alta também foi consistente, 3,5%. Já no Rio de Janeiro e em Minas Gerais as variações foram mais tímidas, de 0,2% e 1%, respectivamente.

Porco e frango

Continue lendo

 

   O segvida avisa que hoje a partir das 08:30 da manhã terá atendimento com a ginecologista Drª Dalva e amanhã terça feira a partir das 11 horas da manhã o cardiologista Dr Carlos Vandeilson e as 15:00 da tarde terá atendimento com o Drª Fernando Juca ortopedista marque já sua consulta. Na Nesta Terça Feiras dia 03/12/2019 tem atendimento com Dra. Bárbara dentista as 8:30 as 14 horas tem atendimento com Dr Diego Aragão endocrinologista é clínica metabólica marque agora mesmo sua consulta pelo número 981278795 wasp. Segvida na rua Veriador Horacio Jose de Sousa próximo a Igreja matriz em Santa Terezinha ou pelo telefone (87) 98841-5184 ou watsap (87) 98112-8795. Segvida saúde com segurança.

                                          

Faça Sua Pesquisa no Google Aqui!
 
bove=""

 

Visitas
contador de visitas
Redes Sociais
Click e acesse
Zé Freitas no Facebook

Zé Freitas no Twitter
Portal Correio-PB

 
CLIQUE E ACESSE!
Parceiros