Ateliê Geilson
Natura
Natália Calçados

CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

  • 28
  • 22
  • 24
  • 20
  • 11
  • 09
  • 11
  • 01
  • 29
  • 03
  • 04
  • 05
  • 07
  • 02

Supermercado
Portal Correio-PB

 
CLIQUE E ACESSE!
 

 Para visualizar este conteúdo corretamente, é necessário ter oFlash Player instalado. 

REFLEXÕES DO PASSADO E PRESENTE: PERSPECTIVA DE MELHORA PARA O FUTURO


 

REFLEXÕES DO PASSADO E PRESENTE: PERSPECTIVA DE MELHORA PARA O FUTURO


 

Saúde

1 9 10 11

Os enfermeiros especialistas em saúde materna desempenham uma série

de funções específicas e fazem inclusive os partos ditos normais

A poucos dias da data anunciada pelos enfermeiros especialistas em saúde materna e obstétrica para interromperem as funções atualmente desempenhadas nos blocos de parto, o Ministério da Saúde reafirma a sua posição, considerando essa recusa “ilegítima e ilegal” e informa que decidiu pedir um parecer urgente à Procuradoria Geral da República sobre a matéria.

O Ministério da Saúde entende que a recusa do desempenho das funções inerentes à categoria de enfermeiro é ilegítima e ilegal, podendo acarretar graves consequências, sobretudo se desta resultarem quaisquer irregularidades ao adequado funcionamento dos serviços de urgência e blocos de partos”, afirma fonte oficial do Ministério de Adalberto Campos Fernandes, em comunicado enviado esta tarde às redações.

E continua dizendo que, “não podendo admitir ficar refém de atitudes e posições irregulares e desadequadas, entendeu pedir um parecer urgente ao Conselho Consultivo da Procuradoria Geral da República sobre a responsabilidade e âmbito de atuação dos diversos intervenientes neste processo”.

É que, ao contrário do que, por exemplo a Ordem dos Enfermeiros tem defendido, a tutela entende que “o exercício de funções especializadas integra o conteúdo funcional da categoria de enfermeiro” e que não podem, por isso mesmo, ser recusadas.

Ainda assim, e apesar de considerar que as funções destes enfermeiros especialistas integram o conteúdo da categoria de enfermeiro, devidamente negociada com os sindicatos, o Ministério reconhece “o valor acrescido das intervenções especializadas em enfermagem” e, por isso mesmo, “assumiu no passado mês de março um compromisso no sentido de desenvolver um processo negocial com vista à materialização da diferenciação económica correspondente à complexidade do desempenho de funções especializadas e à responsabilidade associada”.

Esta posição chega a poucos dias da data (3 de julho) estabelecida pelos enfermeiros especialistas em saúde materna e obstétrica para deixarem de exercer as funções que atualmente desempenham, nomeadamente nos blocos de partos, como a assistência ao parto não instrumentado — os ditos “partos normais” –, realização dos CTGs, administração de medicação via vaginal, entre outras.

O motivo da recusa prende-se com uma reivindicação que se arrasta há oito anos e que tem que ver com a falta de compensação financeira pelo desempenho das funções especializadas. Foi em 2009 que a carreira de enfermagem deixou de contemplar o grau de enfermeiro especialista e respetivo salário. A Ordem dos Enfermeiros continuou porém a atribuir esse título de especialista em seis áreas distintas (comunitária; médico-cirúrgica; reabilitação; saúde infantil e pediátrica; materna e obstétrica e mental e psiquiátrica).

Para adquirir este título de especialista os enfermeiros têm de fazer dois a dois anos e meio de formação (teórica e prática) extra-laboral, cujos custos rondam os 6.000 euros, sendo que só o podem fazer quando já tenham dois anos de experiência profissional. Há, segundo a Ordem, 6.000 enfermeiros especialistas a exercerem no Serviço Nacional de Saúde (SNS).

 Bastonária fala em “tentativa de pressão”

Contactada pelo Observador, a bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco disse ver esta posição do Governo como uma “tentativa desesperada de pressão e ameaça sobre os enfermeiros” que “só temos a lamentar”. “Estão no direito de pedirem o parecer à PGR, mas entendemos isso como uma ameaça e afronta.”

Os enfermeiros estão sempre ao lado do País, não aceitamos lições de sentido de Estado de Governo nenhum e espanta-nos muitíssimo que um governo de esquerda esteja a fazer este tipo de pressão porque ilegal é o que eles querem que os enfermeiros continuem a fazer.”

“E não compreendemos. O senhor ministro liga-me por tanta coisa menor e num tema com este nem nos respondeu aos ofícios, nem nos ligou a comunicar a decisão.”

Ana Rita Cavaco reitera assim a posição da Ordem, acrescentando que há “pareceres do nosso conselho de disciplina desde 2011” a dar razão a estes enfermeiros especialistas.

O último parecer sobre a matéria data do início deste ano e nele se conclui que “o enfermeiro, nas organizações de saúde, tem apenas a obrigatoriedade de desempenho de acordo com o conteúdo contratual estabelecido (na carreira de enfermagem e/ou no contrato de trabalho), não pode ser obrigado pela organização à prestação de cuidados de enfermagem especializados quando a sua contratação não é relativa a esse título, independentemente de ser titular de título de enfermeiro especialista reconhecido pela Ordem dos Enfermeiros”.

E mais. O autor do parecer refere que as instituições de saúde “devem vincular os enfermeiros especialistas, com título atribuído pela Ordem dos Enfermeiros, devendo fazer corresponder a categoria profissional e o respetivo reconhecimento salarial, ao seu título”.

“O conteúdo funcional correspondente à categoria de Enfermeiro, integrando funções objetivamente diferentes em natureza e qualidade, e eventualmente quantidade viola o princípio constitucional a trabalho igual salário igual e o princípio da igualdade material.”

“Este bloqueio só vai ceder quando o Ministério se reunir para negociar a carreira”

Mas aquilo a que a bastonária da Ordem dos Enfermeiros qualifica de “pressão” parece contudo não ter surtido efeito. Pelo menos para já. O enfermeiro Jorge Matias, que pertence ao movimento de enfermeiros especialistas em saúde materna e obstétrica, disse que os profissionais vão “manter a postura”. “Este bloqueio só vai ceder quando o Ministério da Saúde se reunir para negociarmos a carreira.”

Continue lendo

Estudo aponta que levar o celular para a cama na hora de dormir é capaz de atrasar seu sono e afetar na qualidade dele; veja porque isso acontece

Luz do celular afeta produção de hormônio que induz o sono
shutterstock/Reprodução

Luz do celular afeta produção de hormônio que induz o sono

Quem nunca ficou mal humorado depois de uma noite de sono mal dormida que atire a primeira pedra. O cansaço e a sonolência do dia seguinte de quem passou a noite em claro ou teve o sono interrompido várias vezes são provas de que não dormir afeta diretamente a saúde mental e física do indivíduo. Mas será que você sabe exatamente o que pode estar provocando tudo isso? É difícil dormir tranquilamente quando se está com níveis de estresse altos ou não consegue adotar uma boa alimentação. Porém, estudos apontam que um outro vilão pode estar na sua mão agora: o celular . O uso do aparelho é capaz de atrasar a sensação do sono e provocar “diminuição do estado de alerta no dia seguinte, além de alteração na secreção hormonal de melatonina”, um dos principais fatores que garantem uma noite tranquila. Com o avanço tecnológico e a correria cotidiana de quem tem uma vida bastante agitada, muitas pessoas encontram nos smartphones praticidade para fazer quase tudo. Por isso, é tão comum pessoas carregarem o objeto para todos os lugares, inclusive, para cama. No entanto, ter esse hábito antes de dormir pode ser a causa mais importante das suas noites em claro.

Para garantir a regulação do sono , cientistas acreditam que devem ser considerados três fatores: a necessidade biológica de dormir, o horário em que se dorme – devido às associações de claro-escuro no ambiente-, e o fator comportamental – que se refere aos hábitos de cada um antes de dormir.

Pesquisa

Continue lendo

projeto de lei do Senado (PLS 103/2017) aumenta a pena para peculato quando o crime ocorrer no setor de saúde. Peculato é a subtração ou desvio, por abuso de confiança, de bens públicos. O projeto aplica-se à subtração de medicamento, de material ou equipamento hospitalar ou de qualquer outro produto para a saúde, independentemente de ser para proveito próprio ou alheio. No Código Penal, o crime de peculato se encaixa na categoria de crimes contra a administração pública. A legislação prevê pena de dois a 12 anos de reclusão e pagamento de multa. De acordo com o projeto, em ocorrências no setor público de saúde, a pena teria aumento de um terço até a metade do que já é previsto em lei.

O senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), autor da proposta, justifica o aumento da pena, afirmando que esse tipo de crime pode prejudicar o atendimento da população, principalmente a mais carente, em hospitais públicos e postos de saúde. O senador argumenta que o desvio de recursos hospitalares atrasa tratamentos e até impossibilita o atendimento médico.

“A subtração de remédios, materiais e equipamentos hospitalares e outros bens da rede pública de saúde, com a participação de funcionários públicos, é situação cada vez mais comum. São esquemas criminosos que envolvem desvios de remédios, seringas, agulhas, soros, lençóis, luvas e máscaras cirúrgicas, placas de raio-x etc. Essas condutas tornam a situação dos hospitais públicos e postos de saúde ainda mais caótica, atingindo, sobretudo, a população mais carente “, afirma o senador na justificativa da proposta. A matéria está em análise na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) e aguarda a designação de um relator.

12.senado

A Prefeitura de Afogados da Ingazeira iniciou nesta terça (23), o calendário de vacinação de cães e gatos no município. A vacinação começou pelo bairro Borges, na unidade básica de saúde do bairro. Este ano o calendário teve que ser adiado por conta da greve dos Correios, que atrasou a chegada das vacinas no município. É importante que os donos dos animais levem a carteira de vacinação de seus bichos de estimação. A vacina é gratuita. Quem, por algum motivo, não puder levar o seu animal para vacinar quando a campanha chegar ao seu bairro poderá leva-lo para vacinar no dia D, na Secretaria de Saúde. Cães e gatos errantes também estão sendo vacinados. Para maiores informações, consultar a sua unidade básica de saúde. Confira o calendário de vacinação em Afogados da Ingazeira:

24 de Maio – Brotas

25 de Maio – Conjunto Residencial Laura Ramos (via de acesso)

26 de Maio – Conjunto Residencial Dom Francisco

27 de Maio (Dia D) – Em frente à Secretaria Municipal de Saúde, na Avenida Rio Branco

29 de Maio – São Sebastião

30 de Maio – São Braz

31 de Maio – Sobreira

01 de Junho – São Cristóvão

02 de Junho – Padre Pedro Pereira

Prefeitura de Afogados da Ingazeira
Núcleo de Comunicação Social

 

No momento em que o País debate reformas nas leis trabalhistas e no regime da previdência social, ganha força também a discussão sobre o rombo no sistema de financiamento da saúde e o que isso significará na vida do brasileiro. Estima-se que, se nada for feito hoje, em menos de vinte anos os gastos na área chegarão a 25% do PIB, o que representará investimento adicional de R$ 10 trilhões. Como tudo isso será custeado é a grande pergunta. “A saúde é um direito colocado na Constituição. O problema é que quem fez isso esqueceu-se de que essa conta deve ser paga por alguém. E nossa sociedade não consegue mais arcar com esses custos”, afirma nesta entrevista à ISTOÉ o médico paulista Claudio Lottenberg, presidente do UnitedHealth Group Brasil, que controla a Amil, e do Instituto Coalizão Saúde. Criada em 2014, a entidade reúne alguns dos principais representantes da cadeia produtiva do segmento e se propõe a apresentar saídas para mais esse desafio nacional.

O que levou a reunião, pela primeira vez, de grandes grupos privados da saúde no Brasil?

Está patente que as questões da saúde transpassam os aspectos do atendimento e da prática assistencial. Elas são a grande oportunidade que a sociedade tem de discutir temas relacionados a um direito social e, ao mesmo tempo, as possibilidades de inovação, geração de conhecimento, de emprego. Quando criamos o grupo, na metade de 2014, imaginamos que poderíamos contribuir para o diálogo com quem viesse a assumir o governo do País. O momento eleitoral passou, mas se trata de um tema tão sensível e estruturante que decidimos criar um grupo que permanentemente pensasse sobre os desafios do futuro.

Qual o tamanho desse mercado no País?

O setor representa 9% do PIB, abre oportunidades imensas de inovação e gera quase cinco milhões de empregos. Se fizermos um retrospecto da crise de 2008 olhando para o que aconteceu na Europa, vemos que a Alemanha foi um país que não teve praticamente sofrimento na crise. A despeito de ter havido aumento do desemprego, foi a saúde que puxou a economia alemã.

Observa-se algo semelhante no Brasil?

A queda do emprego na área da saúde não foi representativa quando comparada a outros setores. Estima-se que não houve perda de cem mil posições de trabalho ao longo dos últimos dois anos. É um segmento com muito potencial, mas mal aproveitado no Brasil.

Por que o sr. diz isso?

Existe uma demanda crescente de serviços no segmento por causa do envelhecimento da população. Sabemos que a partir de 2025 cerca de 20% da população terá mais de sessenta anos. Isso exigirá um perfil de sociedade diferente da que temos e também dos profissionais do setor. Os médicos precisarão entender como lidar com a questão da longevidade, da adaptabilidade, das cidades sustentáveis. Isso vai mudar por completo o setor de saúde.

A tecnologia terá que papel nesse cenário?

O incremento tecnológico colocará a necessidade de fazermos opções sobre abordagens que devemos priorizar e quais tecnologias agregam valor. Hoje o consumidor quer saber se o recurso trará valor para a vida dele. Estamos saindo de um momento no qual perguntávamos ao paciente o que ele tem para a fase na qual passaremos a precisar saber o que importa para sua saúde.

O que esta mudança implicará?

A resposta será uma medicina mais cautelosa e mensurável e com o engajamento maior da família e do paciente. Teremos um aperfeiçoamento tecnológico, mas com envolvimento humano diferente.

Onde ficará o médico nisso tudo?

 

Continue lendo

O ditado popular “costume de casa vai à praça” é uma alusão direta de que a educação é uma repetição do comportamento doméstico (ou deveria ser mantido) na rua. Isso também acontece com as informações recebidas na escola. O aprendizado fica para a vida e para o dia a dia.

Se considerarmos que as crianças passam de quatro a oito horas no ambiente escolar, 25% a 50% do tempo produtivo delas está vinculado à educação formal. É um tempo valioso que, oportunamente, o Estado brasileiro pode utilizar para melhorar a saúde da população.

Continue lendo

13 alimentos que prometem dar muita energia: Se você pensou no café, pensou errado

© DR Se você pensou no café, pensou errado

Depois de um fim de semana prolongado e repleto de doces e chocolates, encontrar energia para os dias seguintes parece ser uma tarefa quase impossível… mas não é.

Começar por dar tchau aos ovos de chocolate é uma das melhores formas de repor os níveis de energia, até porque o efeito energético do açúcar é apenas repentino, o que não acontece, por exemplo, com o chocolate negro com elevado teor de cacau. Contudo, tão ou mais importante do que isso é apostar nos alimentos com maior poder energético e, claro, não falamos do café.

O matcha latte é uma das melhores fontes de energia natural, de acordo com a Prevention, destacando ainda o gengibre, um dos alimentos que mais acelera o metabolismo. Para quem pretende aumentar os níveis de energia e evitar quebras nos níveis de açúcar, o recomendado é apostar na ingestão de uma maçã com um punhado de amêndoas, uma combinação rica em fibra e que faz disparar os níveis de energia, mantendo-os estáveis a longo prazo.

Para quem pretende obter um ‘boost’ de energia também a longo prazo, nada como beber água de coco ao longo do dia, uma vez que se trata de uma bebida rica em potássio, mineral que permite manter os níveis de saciedade regulados, não causando quebras de pressão nem fraquezas repentinas.

Depois de falar com alguns nutricionistas e especialistas em alimentação, a revista decidiu incluir ainda na sua lista de alimentos com poder energético a laranja, que tem um efeito idêntico à água com limão.

Combinar um talo de aipo com manteiga de amêndoas pode ser um lanche energético, e um estudo comprovou que a atividade cerebral relacionada ao estado de alerta fica ativada. Ainda nas combinações, uma outra opção é a ingestão de ovo cozido com mirtilos, uma dupla que pode até não soar muito bem, mas que promete energia para dar e vender

A doença representa quase um quarto dos atendimentos ambulatoriais e hospitalares em saúde mental no SUS.

Uma tristeza profunda que faz o corpo doer com os efeitos de uma doença que é invisível e dificulta ações cotidianas simples como levantar da cama, comer, trabalhar ou estudar. Essa é a depressão, que já é conhecida como o mal do século por ter estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS), de que até 2020 será a doença mais incapacitante do mundo. Por isso, a depressão foi o tema eleito pela OMS para o Dia Mundial da Saúde, comemorado neste dia 07 de abril. A proposta é chamar atenção para a doença e incitar os debates a esse respeito.

    

Segundo o recente relatório da OMS, a prevalência da depressão no Brasil já é a segunda maior carga de incapacidade, sendo o maior índice na América Latina. São mais de onze milhões de brasileiros diagnosticados com a doença, de acordo com dados da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS). A prevalência registrada é maior entre as mulheres (10,9%) do que nos homens (3,9%).

“Há três anos fui diagnosticada, depois de conviver alguns anos com sintomas como a completa falta de vontade de sair de casa, de ver os amigos, de levantar da cama e ter problemas dentro de casa com minha família pela incompreensão da minha ansiedade e falta de ânimo”, relata a barista, Aline de Sousa Bastos.A depressão representa quase um quarto (23%) dos atendimentos ambulatoriais e hospitalares em saúde mental no Sistema Único de Saúde. A principal porta de entrada são as Unidades Básicas de Saúde (UBS), que correspondem a 69% dos atendimentos e diagnósticos realizados no Brasil.

Os casos menos graves da doença recebem o acompanhamento de profissionais como psicólogos e psiquiatras, mas não requerem cuidados mais extremos. “Esse é um cenário bastante importante porque a Atenção Básica é a área ideal para acompanhar os casos leves e moderados, pois tem equipes constantemente capacitadas para desempenhar este atendimento”, explica o coordenador-geral de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas do Ministério da Saúde, Quirino Cordeiro.

As ocorrências de maior gravidade, como a falta de interesse no convívio social, ou que estão associadas a outras doenças como bipolaridade, esquizofrenia entre outras, são encaminhadas aos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS).

Continue lendo

Resultado de imagem para MEDICAMENTO

Decisão da CIT visa ampliar em R$ 100 milhões oferta nas farmácias básicas, já que 80% do valor do programa era custo administrativo. Gestor local pode avaliar a manutenção do serviço com recursos próprios ou transferidos

O Ministério da Saúde irá ampliar em R$ 100 milhões os recursos destinados para estados e municípios na compra dos medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica. Estes fármacos são destinados às doenças mais prevalentes e prioritárias da Atenção Básica do Sistema Único de Saúde (SUS) e são adquiridos com contrapartida financeira estadual e municipal. Com o incremento de recursos, o valor enviado mensalmente para a compra passará de R$ 5,10 por habitante para R$ 5,58.

O acréscimo foi possível após definição da Comissão Intergestores Tripartite (CIT), que reúne representantes de estados, municípios e governo federal, sobre o fim do financiamento do Ministério da Saúde para as 393 unidades próprias do programa Farmácia Popular a partir da competência de maio de 2017.

O custo administrativo para a manutenção das farmácias da rede própria chegava a 80% do orçamento do programa, que é de quase R$ 100 milhões por ano, e apenas cerca de R$ 18 milhões, de fato, estavam sendo utilizados na compra e distribuição de medicamentos. E este valor também será enviado para as prefeituras dos municípios nos quais as farmácias funcionavam.

Os estados e municípios possuem autonomia para dar continuidade às farmácias, provendo o financiamento completo ou com parte dos valores transferidos, caso julguem adequado. O importante é que a população não ficará desassistida, uma vez que os pacientes continuarão a receber os medicamentos necessários pela atenção básica dos municípios.

Por Gabriela Rocha, da Agência Saúde
Atendimento à imprensa – Ascom/MS
(61) 3315-2918/3580/2351

Continue lendo

Uma licitação de mais de R$ 5 milhões que ocorreria ontem (31) para aquisição de medicamentos da Prefeitura de Tabira. Há quatro meses o Movimento Viva Tabira, da sociedade civil, vinha tentando fazer com que a Prefeitura de Tabira cumprisse a obrigação legal de publicar os documentos das licitações na internet.

A ideia era que toda a população e mais competidores tenham acesso ao que será licitado, como forma aumentar a fiscalização e também a concorrência e competitividade da disputa, evitando preços superfaturados e direcionamento dos vencedores.

As compras de medicamentos são conhecidas em todo o Brasil como uma das mais fáceis de se fraudar, tanto na licitação como na execução dos contratos, em razão de se tratar de materiais caros e de rápido consumo, e Tabira não está livre de graves denúncias, em razão da facilidade com que se licitam grandes valores e pouco tempo depois se sente a falta generalizada de medicamentos.

O Movimento ingressou com Ação Popular na Vara de Tabira, para suspender a realização da sessão e pedir que a Prefeitura corrija imediatamente a ilegalidade. O Juiz André Simões Nunes, juiz de Tabira, concedeu a medida liminar e a licitação está suspensa. O processo tem o nº 0000043-18.2017.8.17.3420,

“Em razão da importância e urgência da compra de medicamentos, o Movimento Viva Tabira pediu na ação e sugere novamente que a Prefeitura corrija rapidamente a irregularidade e faça uma licitação livre de vícios, com amplo acesso à população a todos os documentos, com clareza dos produtos que serão comprados e dos preços que serão praticados, para se evitar ao máximo licitações dirigidas, fraudadas e conluios de toda natureza”, diz o movimento em nota.

” Achá corrupção”

A saúde bucal é prejudicada no verão pelos longos períodos em que não higienizamos a boca- com as nossas dicas, você curte as festas e ainda sorri mais bonito

Dentes

                                                              iStock Dentes

Muita água e kit de higiene bucal à mão

O verão termina oficialmente em 20 de março, mas para nós brasileiros as altas temperaturas típicas da estação seguem adiante – especialmente para quem vive nas regiões Norte  e Nordeste do país. Dias mais quentes e longos feriados alteram a nossa rotina alimentar e os nossos cuidados com a saúde bucal para pior – porém, com pequenas mudanças, o seu sorriso chegará intacto à próxima estação.

Higiene bucal x churrascos e dias na praia

Os adultos e, principalmente, as crianças ficam mais expostos a alimentos cariogênicos durante os mais quentes: “Acabamos ingerindo mais sorvetes e refrigerantes, as crianças comem mais doces e salgadinhos – em alguns casos, eles se tornam até refeições! Esse excesso de carboidratos é prejudicial à saúde bucal”, aponta o dentista Fernando Ferraz (CRO-SP: 85843), da Ferraz Odonto.

“Quem cuida, cuida o ano todo. As crianças ainda não têm esse senso de responsabilidade. Nessa época, elas estão mais suscetíveis a alimentos cariogênicos como refrigerantes, que são ácidos, e sorvetes”, concorda Marcelo F. Castro (CRO-SP: 76751) implantodontista  da Sorria Sempre Odontologia. Uma situação em que isso fica bem claro são os dias em que a família passa todo na praia ou em churrascos.  São horas e horas comendo, bebendo refrigerantes e cervejas, sem que haja a devida higienização.O acúmulo de restos de alimentos e a ingestão constante de bebidas ácidas e alcoólicas (refrigerantes, cerveja, caipirinha…) tornam o ambiente bucal mais sucessível ao desenvolvimento de cáries e da doença periodontal (gengivite).  Além disso, longos períodos sem higienização elevam as chances do aparecimento do mau hálito – e com ele, não tem amor de verão que suba a serra.

Uma dica fácil de implementar é beber muita água ao longo do dia, para promover uma correção do pH (índice de acidez) bucal: “Beba bastante água, que por seu pH alcalino, já ajuda [a saúde bucal].  Toda refeição torna o pH da boca ácido, ainda mais com esses alimentos de verão. A água entrando ali, torna o pH básico e diminui a ação das bactérias que causam a cárie”, explica Fernando.  Manter-se bem hidratado ainda traz o bônus de afastar a temida ressaca no dia seguinte.

Aposte em alimentos fibrosos, que têm uma ação “detergente” na boca  – eles conseguem reduzir a gordura e acúmulo de restos de outros alimentos que aderem aos dentes. E não é só isso, estão disponíveis em qualquer feira livre. Vale destacar a melancia, o melão, o pepino, a cenoura crua, o brócolis, a maçã e o morango. Mas nada de “adoçar” as frutas com açúcar para o tiro não sair pela culatra.

Marcelo recomenda ainda o hábito de carregar no carro ou na bolsa um pequeno kit de higiene bucal com escova, pasta e fio dental pequeno. “E se isso não for possível, é importante fazer um bochecho bem vigoroso para retirar o excesso de açúcar e diminuir a acidez. Assim que tiver tempo, faça uma higiene bucal mais caprichada. Não é um dia que vai dar problema e sim permitir que a falha na higiene se torne um hábito”, analisa Marcelo.  

E nada de lábios rachados: use protetor solar labial. A pele da região é muito sensível – os riscos da exposição solar aumentam de forma inversamente proporcional ao grau de pigmentação da pele, quem tem a pele mais clara, tem maior risco de desenvolver câncer labial.

Continue lendo

Dia Mundial da Água

Dia Mundial da ÁguaFoto: internet

O Dia Mundial da Água, celebrado nesta quarta-feira (22), será marcado por atividades lúdicas e de conscientização no Recife e Jaboatão dos Guararapes.

Duas Oficinas sobre Resíduos Sólidos e Saúde serão realizada pela Secretaria de Saneamento do Recife, para 60 alunos de duas turmas do 5º ano do ensino fundamental. As oficinas acontecerão nos dois turnos, nas dependências da Escola Santa Bernadete, na Campina do Barreto, Zona Norte do Recife, e contará com a bióloga Vanessa Ferreira como facilitadora do minicurso. O evento terá dois grandes temas “Saneamento e Resíduos Sólidos” e “Consumo Consciente”.

A partir das 9h, oficinas, vivências e contação de histórias serão promovidas no Jardim Botânico, no Curado. Os facilitadores serão da equipe de arte-educação da Secretaria de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Recife. Já no Econúcleo Jaqueira, que fica ao lado do posto de saúde, dentro do Parque da Jaqueira, ocorrerá oficina de EcoCordel e Histórias Cantaroladas, com contação e música.

A Escola Municipal José Rodovalho, em Jaboatão dos Guararapes, a partir das 9h desta quarta, terá um programação de palestras, oficinas artísticas e apresentações sobre o uso consciente de água para os alunos da Educação Infantil ao 9º ano do Ensino Fundamental. A escola é a primeira instituição de ensino a contar com sua própria Estação de Tratamento de Água e Esgoto (ETE) no Estado, instalada pela Concessionária Rota do Atlântico.

SERTÃO

Resultado de imagem para carne estragada

Uma operação da Agência Municipal de Vigilância Sanitária de Petrolina, Sertão de Pernambuco, apreendeu mais de 170 quilos de carnes em supermercados e frigoríficos da cidade. As vistorias, que continuam durante toda esta semana, foram realizadas em pontos de comercialização e a distribuição de carnes e pescados.

Foram recolhidos, ao todo, 47,5 kg de linguiça bovina apimentada; 44,6 kg de linguiça caseira de frango; 22,3 kg de linguiça caseira de pernil; 3,1 kg de peito de frango com embalagem aberta e 60 kg de frango temperado. Entre as irregularidades observadas na blitz estão a falta de registro do produto, a temperatura inadequada para conservação e falta de higiene sanitária.Em um estabelecimento localizado no bairro Pedro Raimundo, Zona Norte de Petrolina, os produtos eram vendidos de forma clandestina por não possuírem o registro e estarem inadequados para venda. Além da apreensão, os estabelecimentos irregulares foram autuados e multados. A Vigilância Sanitária orienta os consumidores a verificarem o selo de inspeção municipal, estadual ou federal. Irregularidades podem ser denunciadas pelo telefone (87) 3864-2738 ou à Ouvidoria, pelo telefone 156.

diariodepernambuco

 Como trabalhar na educação não conhecendo, ou mesmo, pouco conhecendo o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), aprovado em 1990 depois de uma longa e histórica luta por direitos no nosso país? Em 2017, o ECA completa 27 anos de existência e é imprescindível estudarmos e garantirmos o cumprimento desta Lei, utilizando-a como uma importante referência na luta pela garantia dos direitos de nossas crianças e adolescentes, dentro e fora da escola.

Criança, para os efeitos do ECA, é a pessoa até 12 anos de idade incompletos e adolescente é quem possui entre 12 e 18 anos. Em minha trajetória profissional, há 32 anos como professora da rede municipal de São Paulo, tenho trabalhado junto às crianças de creche, do Ensino Fundamental e, nos últimos dez anos, na Educação Infantil. Daí minha ênfase neste nível educacional.

Tanto crianças como adolescentes gozam das prioridades e das primazias dos atendimentos previstos em Lei no que se refere à proteção, ao socorro em quaisquer circunstâncias, à precedência de atendimento nos serviços públicos ou de relevância pública, à preferência na formulação e na execução das políticas sociais e públicas e, finalmente, no que se refere à destinação privilegiada de recursos públicos nas áreas relacionadas com a proteção à infância e à juventude.

Quem de nós, no entanto, já não escutou, dentro e fora da escola, que o ECA garante muito direitos e poucos deveres para crianças e adolescentes? Trata-se de uma fala equivocada e resistente à mudança de paradigma em relação ao necessário respeito àqueles que vivem seus processos iniciais de desenvolvimento humano. Até porque, quando nos referimos às crianças, sequer podemos falar em “deveres”. Deve-se falar em “responsabilidades”. Mais um bom motivo para nos dedicarmos ao estudo deste estatuto e sermos muito cuidadosos.

Se concordamos com o fato de que nos educamos em sociedade, pais, familiares, docentes, gestores, autoridades públicas, e profissionais de todas as áreas de atuação devem primar pela construção de um mundo mais justo e melhor para crianças e adolescentes. E, evidentemente, para si próprias. Por isso é que se faz importante incluir o estudo do ECA não apenas entre professores e coordenação pedagógica das escolas, mas também junto a todos os funcionários de apoio das unidades educacionais que, afinal, são igualmente educadores.

Continue lendo

O deputado federal Gonzaga Patriota (PSB-PE) acompanhou na manhã desta sexta-feira (17) a comitiva do ministro da Educação, Mendonça Filho, em Petrolina-PE. Na ocasião, foi inaugurada a primeira etapa das operações da Policlínica da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf).

Na unidade médica, anexa ao Hospital Universitário da Univasf, serão realizadas atividades de ensino e pesquisa dos diversos cursos da área de saúde. O equipamento também oferecerá atendimento ambulatorial à população, funcionando como um hospital-dia: realização de consultas, exames de diagnóstico por imagem e pequenas cirurgias.

“Lembro-me que, há alguns anos, estive junto a outros parlamentares e políticos da região, colocando emendas de verba de gabinete para que pudéssemos construir o então Hospital de Traumas e, também, esta estrutura. Eu, Osvaldo Coelho, Fernando Bezerra e, mais recentemente, Fernando Filho. É uma imensa felicidade ver, depois de tantos anos, toda essa estrutura construída e que diminuirá o sofrimento das pessoas. São obras como esta que levam o nome de Petrolina como um dos quase 6 mil municípios brasileiros que mais se desenvolveram nos últimos anos”, declarou o deputado socialista.

A obra contou com um investimento na ordem de R$ 8,4 milhões do MEC, e passou cerca de oito anos para ser concluída e entregue a população. Com o novo espaço será possível proporcionar conforto aos usuários e profissionais do ambulatório além de abrigar parte da área administrativa do hospital. O novo ambiente vai garantir que sejam realizadas consultas, exames de diagnóstico por imagem e pequenas cirurgias, além, de mais um cenário de prática para os cursos de saúde. Mendonça Filho ainda liberou R$ 1.363.460,00 para a segunda etapa das operações da Policlínica, destinados à aquisição de equipamentos para o setor de imagem e para o bloco cirúrgico da policlínica.

Em sua estrutura para ensino e pesquisa, a Policlínica conta com três laboratórios: Biologia Molecular, Histopatologia e Multi-usuários, 3 salas de aula com estrutura para videoconferências e telemedicina, além de farmácia universitária. Utilizarão da estrutura da Policlínica alunos da Univasf e de demais instituições conveniadas de graduação e pós-graduação de variados cursos, são eles: Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Educação Física, Psicologia e Medicina.

A cerimônia teve a presença, ainda, dos prefeitos de Petrolina e Juazeiro, Miguel Coelho e Paulo Bonfim, respectivamente; do reitor da Univasf, Julianeli Tolentino de Lima; do presidente da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), Kleber de Melo Morais; e do superintendente do Hospital Universitário (HU-Univasf), Ronald Mendes. Na comitiva do ministro, estava ainda o senador Fernando Bezerra Coelho.

Em sua estrutura para ensino e pesquisa, a Policlínica conta com três laboratórios: Biologia Molecular, Histopatologia e Multi-usuários, 3 salas de aula com estrutura para videoconferências e telemedicina, além de farmácia universitária. Utilizarão da estrutura da Policlínica alunos da Univasf e de demais instituições conveniadas de graduação e pós-graduação de variados cursos, são eles: Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Educação Física, Psicologia e Medicina.

A cerimônia teve a presença, ainda, dos prefeitos de Petrolina e Juazeiro, Miguel Coelho e Paulo Bonfim, respectivamente; do reitor da Univasf, Julianeli Tolentino de Lima; do presidente da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), Kleber de Melo Morais; e do superintendente do Hospital Universitário (HU-Univasf), Ronald Mendes. Na comitiva do ministro, estava ainda o senador Fernando Bezerra Coelho.

O Serviço Social da Indústria de Pernambuco (SESI/PE) realiza, nestas quinta (23) e sexta-feiras (24), a Blitz da Folia nas indústrias e entre a população de Araripina. A ideia é sensibilizar para a prevenção de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) e as arboviroses (aquelas propagadas pelo mosquito Aedes Aegypti, tais como a dengue, Zika e a febre chikungunya). Para isso, a entidade está promovendo palestras e distribuição de materiais educativos sobre o assunto, além de oficinas e apresentação de frevo. Na quinta-feira, os trabalhadores de seis indústrias do sertão do Araripe (Supergesso, AM Gesso, Companhia Têxtil Pé de Serra, Eco Gesso, Ingesel e Bringesso) receberam a visita da Blitz da Folia pela manhã durante o expediente. Em parceria com as secretarias de Saúde e de Cultura de Araripina, os colaboradores do SESI, ao som de muito frevo da Banda Álvaro Campos, distribuíram kits educativos com panfletos, camisinha e lubrificantes sobre as DSTs e arboviroses e explicaram como fazer para evitar o contágio. À tarde, foi realizada uma palestra sobre as doenças sexualmente transmissíveis para todo o público ​presente no SESI local.

Na sexta-feira, os alunos do 6º ao 3º ano do SESI Araripina são o alvo da ação. As atividades educativas sobre o carnaval e os conhecimentos sobre as DSTs e as doenças transmitidas pelo Aedes Aegypti se misturam às oficinas lúdicas e ao frevo para mostrar a importância da prevenção. “Com a Blitz, aproveitamos a ocasião para reforçar a importância de cada um se envolver na prevenção dessas doenças por meio de medidas que são simples, rápidas, mas muito eficazes para garantir o bem-estar de todos”, afirma a gerente da unidade, Alba Mendes.

cid:image002.jpg@01D28DEE.125048F0

Resultado de imagem para nasf

Os Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) foram criados pelo Ministério da Saúde em 2008 com o objetivo de apoiar a consolidação da Atenção Básica no Brasil, ampliando as ofertas de saúde na rede de serviços, assim como a resolutividade, a abrangência e o alvo das ações.

Atualmente regulamentados pela Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011, configuram-se como equipes multiprofissionais que atuam de forma integrada com as equipes de Saúde da Família (eSF), as equipes de atenção básica para populações específicas (consultórios na rua, equipes ribeirinhas e fluviais) e com o Programa Academia da Saúde.

Esta atuação integrada permite realizar discussões de casos clínicos, possibilita o atendimento compartilhado entre profissionais tanto na Unidade de Saúde como nas visitas domiciliares, permite a construção conjunta de projetos terapêuticos de forma que amplia e qualifica as intervenções no território e na saúde de grupos populacionais. Essas ações de saúde também podem ser intersetoriais, com foco prioritário nas ações de prevenção e promoção da saúde.

Com a publicação da Portaria 3.124, de 28 de dezembro de 2012, o Ministério da Saúde criou uma terceira modalidade de conformação de equipe: o NASF 3, abrindo a possibilidade de qualquer município do Brasil faça implantação de equipes NASF, desde que tenha ao menos uma equipe de Saúde da Família.

As modalidades de NASF hoje estão assim definidas:

Modalidades Nº de equipes vinculadas Somatória das Cargas Horárias Profissionais*
NASF 1 5 a 9 eSF e/ou eAB para populações específicas (eCR, eSFR e eSFF) Mínimo 200 horas semanais; Cada ocupação deve ter no mínimo 20h e no máximo 80h de carga horária semanal;
NASF 2 3 a 4 eSF e/ou eAB para populações específicas (eCR, eSFR e eSFF) Mínimo 120 horas semanais; Cada ocupação deve ter no mínimo 20h e no máximo 40h de carga horária semanal;
NASF 3 1 a 2 eSF e/ou eAB para populações específicas (eCR, eSFR e eSFF) Mínimo 80 horas semanais; Cada ocupação deve ter no mínimo 20h e no máximo 40h de carga horária semanal;

*Nenhum profissional poderá ter carga horária semanal menor que 20 horas. eCR – Equipe Consultório na Rua; eSFR – Equipe Saúde da Família Ribeirinha; eSFF – Equipe Saúde da Família Fluvial

Poderão compor os NASF as seguintes ocupações do Código Brasileiro de Ocupações (CBO):

Médico acupunturista; assistente social; profissional/professor de educação física; farmacêutico; fisioterapeuta; fonoaudiólogo; médico ginecologista/obstetra; médico homeopata; nutricionista; médico pediatra; psicólogo; médico psiquiatra; terapeuta ocupacional; médico geriatra; médico internista (clínica médica), médico do trabalho, médico veterinário, profissional com formação em arte e educação (arte educador) e profissional de saúde sanitarista, ou seja, profissional graduado na área de saúde com pós-graduação em saúde pública ou coletiva ou graduado diretamente em uma dessas áreas.

A composição de cada um dos NASF será definida pelos gestores municipais, seguindo os critérios de prioridade identificados a partir dos dados epidemiológicos e das necessidades locais e das equipes de saúde que serão apoiadas.

Clique aqui para saber como implantar equipes NASF em seu município.

Avisos

Atenção gestores:

Foram publicadas as seguintes Portarias:
1 – Portaria 548 de 04 de abril de 2013 que define o valor de financiamento PAB Variável para cada modalidade de NASF;
2 – Portaria 562 de 04 de abril de 2013 que define o valor do PMAQ, incluindo o PAB Qualidade para o NASF;

Além disto, também foi publicada a Nota Técnica que define os fluxos para adequação às modalidades de NASF conforme a Portaria 3.124 de 28 de dezembro de 2012 e a Portaria 548 de 04 de abril de 2013.

Atenção profissionais do NASF:
– É importante lembrar que a adesão do NASF no PMAQ pelos GESTORES MUNICIPAIS já foi realizada! Mas ainda não acabou!
A próxima etapa será a CONTRATUALIZAÇÃO pelas EQUIPES NASF que iniciará nos próximos dias.
Acompanhe o página do PMAQ para não perderem o prazo:
http://dab2.saude.gov.br/sistemas/sgdab/login.php

Brasília – Estados e municípios interessados em participar do Programa Criança Feliz já podem assinar o termo de aceite das ações de desenvolvimento infantil do governo federal. O prazo de adesão dos estados vai até sexta-feira (2). Já a data limite para os municípios é 10 de fevereiro de 2017.

Alagoas, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e Tocantins foram os primeiros estados a aderir ao programa, que é coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário (MDSA). Lançado em outubro, o Criança Feliz irá fortalecer as políticas públicas para a primeira infância a fim de promover o desenvolvimento infantil integral.“Temos os governos estaduais como parceiros do governo federal no sentido de mobilizar os municípios a aderirem ao Criança Feliz. O programa vai garantir recursos e apoio técnico para os visitadores domiciliares, que serão responsáveis para apoiar as famílias do Bolsa Família que tem crianças de 0 a 3 anos. Essa visita servirá para apoiar, interagir, capacitar e informar as mães, os pais e os cuidadores para promover o desenvolvimento infantil“, ressaltou o consultor do Programa Criança Feliz, Cláudio Duarte.Para aderir à iniciativa, o gestor da Assistência Social deve acessar o sistema utilizando seu CPF e senha, conforme política de senhas dos sistemas da Rede SUAS (apenas o administrador titular e o administrador adjunto, definido na Subsecretaria de Assuntos Administrativos do MDSA, poderão acessar o sistema e realizar o aceite).

A aprovação no Conselho Estadual de Assistência Social deve ocorrer e ser informada ao MDSA até o dia 20 de janeiro de 2017. No Conselho Municipal de Assistência Social, o prazo final é 24 de fevereiro de 2017. Continue lendo

1 9 10 11
Faça Sua Pesquisa no Google Aqui!
 
bove=""

 

Visitas
contador de visitas
Redes Sociais
Click e acesse
  CLIQUE AQUI e fale com os novos ministros, fiquem de OLHO bem aberto alguma informação entre em contato com os ministros. Imagem relacionada
Vejam as verbas de suas cidades ,naveguem e fiquem bem informados CLIQUE AQUI E ACESSE!

CLIQUE AQUI e veja receita e despesa do seu municípios.

Aqui você encontra informações sobre a aplicação do dinheiro público nos municípios e no estado de Pernambuco.

Zé Freitas no Facebook

Zé Freitas no Twitter
Parceiros