Ateliê Geilson
Natura
Natália Calçados

CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

  • 28
  • 22
  • 24
  • 20
  • 11
  • 09
  • 11
  • 01
  • 29
  • 03
  • 04
  • 05
  • 07
  • 02

Supermercado
Portal Correio-PB

 
CLIQUE E ACESSE!
 

 Para visualizar este conteúdo corretamente, é necessário ter oFlash Player instalado. 

REFLEXÕES DO PASSADO E PRESENTE: PERSPECTIVA DE MELHORA PARA O FUTURO


 

Minas Gerais lidera casos de conflito por água e trabalho escravo no país; mineradoras são protagonistas da tragédia

Cerca de 960 mil pessoas estiveram envolvidas em conflitos no campo no ano de 2018, segundo o novo relatório da Comissão Pastoral da Terra (CPT), divulgado na sexta-feira 12. Os dados apontam que o ano passado bateu recorde em relação aos conflitos por água no país desde 2002, estatística que apontou mineradoras como Samarco e Hydro Alunorte entre as principais motivadoras das denúncias. Além da água, a disputa por terra e o aumento de casos por trabalho escravo também compõem o cenário.O aumento da violência não foi homogêneo no país – a região Norte dobrou os embates em relação a 2017. Para os conflitos por terra, os anos da “ruptura política”, que vão de 2015 a 2018, sustentam em um nível alto estatísticas observadas – com uma média anual de 127 mil famílias envolvidas.  Os indicadores desse período só são menores do que os do começo dos anos 2000, tempo no qual o país possuía mais de 200 mil famílias atreladas a confrontos agrários.

As mineradoras e a água

Em relação à água, o crescimento de 40% dos conflitos, segundo o relatório, têm três pontos emblemáticos em sua discussão. Entre eles, quase 60 ações envolvendo a tragédia de Mariana, em Minas Gerais, e outras 55 relacionadas à luta das comunidades do Baixo São Francisco sergipano contra interesses imobiliários especulativos. No Pará, a cidade de Barcarena foi cenário de 30 ações contra a Hydro Alunorte, mineradora acusada de despejar irregularmente rejeitos químicos nos rios e afluentes da região.

Trabalho escravo

Em 2018, 86 casos de trabalho escravo foram denunciados, o que envolve 1465 pessoas. Cerca de 940 foram libertadas, resposta mais efetiva do que em 2017, apesar de ainda insuficiente em relação à região que sustenta a maior fatia do total, o Sudeste. Das quase 800 pessoas relatadas com mão de obra explorada, mais de 600 estavam localizados em Minas Gerais – e apenas 40% foram efetivamente resgatados, o que coloca o estado, novamente, em um destaque negativo em relação às políticas no campo.

cartacapita

Faça Sua Pesquisa no Google Aqui!
 
bove=""

 

Visitas
contador de visitas
Redes Sociais
Click e acesse
  CLIQUE AQUI e fale com os novos ministros, fiquem de OLHO bem aberto alguma informação entre em contato com os ministros. Imagem relacionada
Vejam as verbas de suas cidades ,naveguem e fiquem bem informados CLIQUE AQUI E ACESSE!

CLIQUE AQUI e veja receita e despesa do seu municípios.

Aqui você encontra informações sobre a aplicação do dinheiro público nos municípios e no estado de Pernambuco.

Zé Freitas no Facebook

Zé Freitas no Twitter
Parceiros