Supermercado Compre Bem
Judivan Contábil
 
Groenlândia
Em 2019, a Groenlândia derramou cerca de 532 bilhões de toneladas de gelo no mar.
Foto: Ulrik Pedersen/NurPhoto/Getty Images

A Groenlândia está experimentando seu evento de degelo mais significativo do ano, devido ao aumento das temperaturas no Ártico. A quantidade de gelo que derreteu só na última terça-feira (27) seria suficiente para cobrir todo o estado da Flórida em cinco centímetros de água. É o terceiro caso de derretimento extremo no continente na última década, período durante o qual o derretimento se estendeu mais para o interior do que toda a era dos satélites, que começou na década de 1970. A Groenlândia perdeu mais de 8,5 bilhões de toneladas de massa superficial na terça-feira e 18,4 bilhões de toneladas desde domingo, de acordo com o Instituto Meteorológico da Dinamarca.

                                                 

Embora a perda total de gelo desta semana não seja tão extrema quanto um evento semelhante em 2019 – um ano recorde de derretimento – a área do manto de gelo que está derretendo é maior. “É um derretimento significativo”, disse Ted Scambos, pesquisador sênior do National Snow and Ice Data Center da Universidade do Colorado, à CNN. “Em 27 de julho, a maior parte da metade oriental da Groenlândia, desde a ponta norte até a ponta sul, derreteu, o que é incomum.” À medida que as mudanças climáticas causadas pelo homem aquecem o planeta, a perda de gelo aumentou rapidamente. De acordo com um estudo recente publicado na revista Cryosphere, a Terra perdeu impressionantes 28 trilhões de toneladas de gelo desde meados da década de 1990, uma grande parte das quais veio do Ártico, incluindo a camada de gelo da Groenlândia. “Na última década, já vimos que o derretimento da superfície na Groenlândia se tornou mais severo e errático”, disse Thomas Slater, glaciologista da Universidade de Leeds e co-autor do relatório. “À medida que a atmosfera continua a esquentar na Groenlândia, eventos como o derretimento extremo de ontem se tornarão mais frequentes.”

Manto de gelo na Antártica
Manto de gelo na Antártica
Foto: Alessandro Dahan/Getty Images

Embora o atual derretimento do gelo na Groenlândia não seja recorde, a magnitude com que esses eventos ocorrem é um sinal claro de como a mudança climática está criando mais períodos de derretimento.”No geral, estamos vendo que a Groenlândia derrete com mais frequência”, disse Scambos, que também é o autor das atualizações do National Snow and Ice Data Center da Groenlândia. “Em décadas ou séculos anteriores, é extremamente raro ficar acima de temperaturas de congelamento no cume da Groenlândia. “Em 2019, a Groenlândia derramou cerca de 532 bilhões de toneladas de gelo no mar. Durante aquele ano, uma primavera quente inesperada e uma onda de calor em julho fizeram com que quase toda a superfície do manto de gelo começasse a derreter. O nível global do mar aumentou permanentemente em 1,5 milímetros como resultado. À medida que a superfície da Groenlândia continua a derreter, Slater disse que as cidades costeiras ao redor do mundo são vulneráveis a enchentes, especialmente quando o clima extremo coincide com as marés altas. O derretimento da Groenlândia deve elevar o nível do mar global entre 2 e 10 centímetros até o final do século, acrescentou. Enormes mantos de gelo podem derreter rapidamente quando a temperatura do ar é quente. Mas a água mais quente do oceano também está erodindo a camada de gelo em torno das bordas. À medida que os humanos liberam gases de efeito estufa que prendem o calor, a atmosfera em aquecimento descongela o gelo branco e fresco – que reflete a energia do sol de volta ao espaço – na superfície. Isso expõe o gelo mais escuro abaixo, que absorve a energia solar e causa mais derretimento. Além disso, a água costeira mais quente derrete a camada de gelo em torno das bordas, quebrando icebergs massivos que contribuem para a elevação do nível do mar. Os cientistas dizem que as tendências nas quais as mudanças climáticas estão se acelerando são bastante claras e que, a menos que as emissões sejam reduzidas, esses eventos extremos continuarão a ocorrer com mais frequência. “Embora tais eventos sejam preocupantes, a ciência é clara”, disse Slater. “Metas e ações climáticas significativas ainda podem limitar o quanto o nível do mar global aumentará neste século, reduzindo os danos causados por inundações severas às pessoas e à infraestrutura em todo o mundo.”

cnnbrasil