Recicla Net

Óticas Olhar Brasil
Supermercado
Seg Vida
 

INTRODUÇÃO:

Prezado(a) professor(a), com a graça de Deus concluímos mais um trimestre de estudos bíblicos. Estudamos a Carta aos Efésios e temos a certeza de que você e seus alunos foram ricamente abençoados com todo o conteúdo estudado. O tema geral da Carta aos Efésios é Cristo e sua Igreja, e Paulo reserva o último capítulo para tratar a respeito da guerra espiritual que todos os crentes em Jesus Cristo enfrentam (6.10-20).

Quanto ao assunto batalha espiritual, infelizmente, alguns subestimam por completo os ataques do Inimigo e suas ciladas. Já outros enaltecem o poder do Inimigo e se esquecem de que Cristo já o derrotou na cruz do Calvário e que nos deu poder contra as serpentes e escorpiões (Lc 10.19). Assim como os anjos estão a serviço de Deus e do seu povo, os demônios servem a Satanás, o seu chefe, cuja missão neste mundo é matar, roubar e destruir (Jo 10.10). Mas nunca podemos nos esquecer de que maior é o que está conosco, Jesus Cristo. Então vamos Demonstrar qual deve ser o preparo espiritual do crente para a batalha; Apresentar o campo da batalha espiritual; E Saber quais são as armas espirituais indispensáveis ao crente.

 I. O PREPARO ESPIRITUAL DO CRENTE PARA A BATALHA:

 1. Fortalecidos no poder do Senhor. A expressão na forma passiva “fortalecei-vos no Senhor” (6.10a) indica que não temos poder em nós mesmos. Esse excelso poder nos é conferido pela comunhão com Deus, em Cristo, por meio do Espírito Santo (Jo 15.7; 1Jo 1.3). Por isso precisamos estar fortalecidos por meio da “renovação da mente” (4.23), da “vida em santidade” (4.24) e “ser cheio do Espírito” (5.18). A vitória não pode ser alcançada por outro meio. Conhecer as Escrituras sem a devida obediência e frequentar os cultos sem a genuína conversão não são suficientes. Não obstante, o poder de Deus está disponível aos fiéis para “pisar serpentes, e escorpiões, e toda a força do Inimigo” (Lc 10.19).

2. Vigilantes em toda a oração e súplica. Paulo enfatiza a necessidade de uma vida cristã permeada pela prática da oração. Não é possível entrar em combate sem a cobertura de tão preciosa arma espiritual (Lc 21.36). A expressão “orando em todo tempo com toda oração e súplica no Espírito” (6.18) significa clamar pelo favor divino em qualquer circunstância e oportunidades. Esse clamor deve estar acompanhado de vigilância (Is 59.1,2), pois esta preserva o crente das astutas ciladas do Inimigo (Sl 124.7). Vigiemos em oração e súplica!

“A exortação apostólica: ‘fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder’ (Ef 6.10) diz que os crentes devem buscar essa força não neles mesmos, mas no Senhor Jesus; por essa razão, o apóstolo Paulo emprega o verbo grego na voz passiva, endynamosthe , ‘sede dotados de força em, sede fortalecidos’, do verbo endynamoo , ‘fortalecer em’. Esse poder não vem de nós mesmos, mas de uma força externa, do próprio Deus, Jesus disse: ‘sem mim nada podereis fazer’ (Jo 15.5). A combinação pleonástica, ‘força do seu poder’, dá mais relevo ao pensamento, uma expressão que Paulo já havia usado na epístola (1.19). Ele está falando sobre força e poder no campo espiritual, não sobre força física (2Co 10.4). O Senhor Jesus capacitou os cristãos, pelo Espírito Santo, para vencer todo o mal e toda a tentação interna, os desejos da carne, e toda a tentação externa, tudo aquilo que vem diretamente do poder das trevas. Essa capacitação envolve o discernimento para compreender as astúcias malignas (2Co 2.11) e também o poder sobre os demônios (Lc 10.17,19)” (SOARES, Esequias; SOARES, Daniele. Batalha Espiritual: O Povo de Deus e a Guerra Contra as Potestades do Mal. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2018, p.29).

II – CONHECENDO O CAMPO DA BATALHA ESPIRITUAL:

-Se a luta é espiritual, faz-se mister que nos utilizemos de armas espirituais, pois o material, o terreno é inferior ao celestial, ao espiritual. Aliás, na lição anterior, vimos como o apóstolo Paulo, na segunda carta aos coríntios, fez menção que, em seu ministério, sempre fez uso de “armas poderosas em Deus”, “não carnais”, pois só elas são capazes de “destruir as fortalezas”. – Esta realidade espiritual nunca pode ser menosprezada pelos servos de Jesus, máxime em dias como os nossos em que há uma secularização acentuada, ou seja, em que a mentalidade humana é levada a crer apenas naquilo que pode tocar, naquilo que pode ver, em que há uma crença na razão e na técnica, com a total desconsideração do que é sobrenatural. Não são poucos, aliás, que veem no “sobrenatural” apenas “superstições”, “atrasos”.

1. As astutas ciladas do Diabo

1.1. ‘ciladas do diabo’ (Ef 6.11) = armadilhas articuladas pelo reino das trevas

a. O líder desse reino é o diabo (caluniador e acusador) (Mt 4.1; Jo 8.44; 1Pe 5.8)

1.2. Algumas das astúcias do diabo

a. Confundir a mentira com a verdade (Gn 3.4,5)

b. Deturpar as Escrituras (Mt 4.6)

c. Dissimular e induzir a dissimulação (2Co 11.13,14)

d. Fazer falsos sinais (2Ts 2.9)

e. Fazer acusações (Ap 12.10)

f. Semear a incredulidade (2Co 4.4)

g. Promover ideologias anticristãs (2Ts 2.3,4)

1.3. Para vencer o diabo, revista-se de toda armadura de Deus (Ef 6.13)

III- ARMAS ESPIRITUAIS INDISPENSÁVEIS AO CRENTE:

-A primeira providência que o apóstolo diz que o salvo deve ter na batalha espiritual é a firmeza. Diz ele: “Estai, pois, firmes” (Ef.6:14). 

A armadura de Deus não dá firmeza, mas tão somente a mantém. Quem está devidamente armado na guerra contra o mal “fica firme”, ou seja, “continua firme”, mas a firmeza não é dada pela armadura, é apenas mantida por ela. – A palavra grega empregada é “histemi” (ίστημι), cujo significado é de “permanecer, ficar parado, reter”. “Estar firmes”, portanto, é permanecer na posição de salvo, é continuar servindo a Cristo, continuar a segui- l’O, seguir a jornada pelo “caminho apertado”, após ter passado pela “porta estreita” (Mt.7:13,14). Para “permanecer”, mister que se permaneça na Palavra, pois só assim seremos realmente discípulos de Cristo (Jo.8:31,32). – Estar firme, assim, é observar a doutrina, obedecer e praticar tudo quanto for ensinado e que se encontra nas Escrituras, pois, se assim não fizermos, condição alguma teremos de empreender qualquer guerra contra as potestades do mal. Por isso é dito que precisamos “estar firmes e reter as tradições que foram ensinadas, seja por palavra, seja por epístola” (II Ts.2:15).

OBS: Devemos observar que o que o apóstolo fala aqui de “tradições” são os ensinos dados oralmente pelo apóstolo, “a doutrina” mencionada em At.2:42, já que, àquela altura, ainda não havia o Novo Testamento (as duas cartas aos tessalonicenses são os livros mais antigos do Novo Testamento). Não se trata, portanto, de considerar que a firmeza espiritual dependa de “tradições”, que são existentes em todos grupos sociais, inclusive as igrejas locais, mas que jamais podem invalidar a Palavra de Deus, como Jesus deixa bem claro em Mt.15:3,6.

– Estar firme é não mover a esperança do evangelho que se recebeu (Cl.1:23), mantendo a crença na Palavra recebida e que nos trouxe a fé salvadora. Esta fé deve desenvolver em nós uma fé, uma confiança em Deus, de tal modo que não nos deixamos persuadir por quaisquer discursos que tentem desmentir ou de alguma forma distorcer tudo quanto foi falado pelo Senhor Jesus e que nos é lembrado e ensinado pelo Espírito Santo (Jo.14:26; 16:14,15). Por isso, é dito que precisamos estar “firmes na fé” (I Co.16:13; I Pe.5:9), “na confissão da nossa esperança” (Hb.10:23).

– Estar firme é ter a consciência de que nada merecemos e que a nossa salvação é pela graça, motivo pelo qual devemos sempre estar debaixo dela, pedindo, inclusive, maior graça nos instantes em que somos atingidos pelas circunstâncias adversas da vida (Tg.4:5,6), mantendo a mansidão e humildade de coração que aprendemos com o Senhor Jesus (Mt.11:29). Por isso, é dito que precisamos “estar firmes na graça” (Rm.5:2; I Pe.5:12).

– Estar firme é ter a Cristo Jesus como centro de nossas vidas, como nosso alvo, como nosso Senhor, seguindo a Sua direção e orientação e procurando imitá-l’O cada vez mais, por ser Ele o nosso exemplo (I Co.11:1; I Pe.2:21. Hb.12:1,2). Por isso, é dito que devemos estar firmes no Senhor (I Ts.3:8; Fp.4:1) como também na Sua vontade (Cl.4:12).

– Estar firme é nos manter em santidade, não voltando a uma vida de pecado, para garantirmos a liberdade que obtivemos com a nossa salvação. Por isso, é dito que precisamos “estar firmes na liberdade com que Cristo nos libertou e não tornei a meter-vos debaixo do jugo da servidão” (Gl.5:1).

– Assim, se o salvo estiver devidamente vestido de salvação e de justiça, não sendo achado nu e, mais do que isto, estiver firme, tem condições de revestido da armadura de Deus, cujos componentes são, então, descritos pelo apóstolo Paulo.

– O primeiro componente é o cinto ou cinturão da verdade (Ef.6:13). O apóstolo diz que o salvo precisa cingir os seus lombos com a verdade. “…Na armadura do soldado romano, é o cinto que dá sustentação a todos os componentes da armadura….” (SANTOS, Flávio. Acerca da batalha espiritual: a armadura de Deus. 

– Por isso, começa o apóstolo falando do cinturão que, aos olhos menos avisados, não seria um componente prioritário ou tão importante assim. Na ilustração acima, vemos que é o cinto que mantém unidas as peças da armadura e, nesta junção, permite que o soldado tenha a necessária liberdade para se movimentar em meio `^a batalha, o que é essencial numa luta corporal como era a guerra daqueles dias.

– A verdade, sabemos todos, é a Palavra de Deus (Jo.17:17) e já vimos há pouco que um dos requisitos para se ter firmeza espiritual, que é pressuposto para se ser armado para a batalha espiritual, é a permanência na Palavra, que é a verdade.

– É a Palavra de Deus que nos permite movimentação exitosa diante das astutas ciladas do diabo, que nos permite desviar do mal e não cair nas trevas. O Senhor Jesus mesmo disse que vem para a luz tão somente aqueles que praticam a verdade, pois suas obras são manifestas em Deus (Jo.3:21).

– Quando o cristão pratica a verdade, vive uma vida em verdade, naturalmente afugenta o diabo, que é o pai da mentira (Jo.8:44). Ademais, a verdade é a Palavra de Deus(Jo.17:17) e, portanto, quando adotamos a verdade como critério de nossas vidas, estaremos nos utilizando das Escrituras e, por conseguinte, afugentando o adversário.

– A verdade traz liberdade (Jo.8:32) e o cinturão da verdade permite que livremente atuemos em meio às investidas do nosso adversário, sem qualquer condição de por ele sermos aprisionados ou detidos.

– Se, no entanto, descuidarmos da verdade, toda nossa armadura se desconjuntará e não teremos condição alguma de prosseguirmos na peleja. Uma das grandes armas do inimigo tem sido levar o cristão a ter uma vida de hipocrisia, a deixar uma vida espiritual e trocá-la por uma mera religiosidade, passando, assim, a ser um cego espiritual, um simples homem natural, como eram os fariseus nos dias de Jesus (Jo.9:41), filhos do inferno que geram outros filhos do inferno (Mt.23:15). Que Deus nos guarde!

– O segundo componente da armadura de Deus é a couraça da justiça(Ef.6:14). “…Na armadura do soldado, havia uma couraça grossa que o protegia no combate corpo-a-corpo. …(SANTOS, Flávio. end.cit.) . Já vimos que, ao ser salvo, o homem é vestido de vestes de justiça. O cristão é justificado pela fé e passa a ter paz com Deus. O pecado é iniquidade (I Jo.3:4) e uma vida de justiça é uma vida de equidade (Fp.4:5), fruto de uma vida de comunhão com Deus. Por isso, o salvo é cheio de fruto de justiça, que é por Jesus Cristo, para glória e louvor de Deus (Fp.1:1).

– O Senhor conhece o caminho dos justos (Sl.1:6) e a prática da justiça, que é o contrário da prática da iniquidade, faz-nos livres do poder do mal e nos permitirá entrar no reino de Deus (Mt.5:20). A iniquidade, isto é, a injustiça é algo próprio e peculiar ao diabo (Ez.28:15,18).

– A justificação é a imputação da justiça de Cristo a nós e, portanto, somos vistos por Deus através de Cristo, de modo que temos “ficha limpa” diante do Senhor. Nossos pecados, cometidos antes de nossa salvação, nunca mais são lembrados pelo Senhor (Jr.31:34; Mq.7:19; Hb.8:12; 10:17). De igual maneira, os pecados cometidos após a nossa salvação, se confessados e deixados, são igualmente esquecidos, porquanto o sangue de Jesus deles nos purifica (I Jo..1:7-2:2).

– “…A couraça serve para proteger o coração. Em Jesus fomos justificados; agora estamos do lado da justiça. Um coração protegido pela couraça da justiça também não se deixará corromper pelo pecado (Tg.1:27). Para vestir a couraça da justiça é preciso lembrar que Jesus nos justificou. Devemos tentar sempre fazer o que é justo e certo, rejeitando a corrupção e o egoísmo e, quando pecamos, devemos pedir perdão….” (RESPOSTAS bíblicas. Disponível em: https://www.respostas.com.br/o-que-e-a- armadura-de-deus/ Acesso em 16 nov. 2019).

– O coração é o homem interior, a nossa alma e o nosso espírito. O coração deve ser guardado. Como diz Salomão: “…Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as saídas da vida” (Pv.4:23). Deus não despreza um coração quebrantado, um coração contrito (Sl.51:17), de modo que se impõe que sempre estejamos prontos a pedir perdão pelos pecados cometidos, confessando-os e os deixando.

– Estamos, assim, protegidos contra o embate direto que o inimigo de nossas almas fará contra nós, pois, em sendo acusados por ele, o sangue de Cristo está pronto para nos purificar e, assim, ficamos mais alvos do que a neve. Tal se dará até entrarmos na cidade celeste, pois ali entrarão todos os que tiverem suas vestiduras lavadas no sangue do Cordeiro (Ap.22:14).

– Por isso, não tem fundamento algum a doutrina criada pela “teologia da batalha espiritual”, de que, quando pecamos, damos “legalidade” ao diabo, que, assim, pode nos dominar. Isto simplesmente não é verdade, já que, como salvos, estamos, sim, sujeitos a pecar, não a viver pecando. O pecado na vida do salvo é um acidente e, quando pecamos, não estando envolvidos com o pecado, de imediato, sentimos o deslize e confessamos o nosso pecado, deixando-o, alcançando, assim, misericórdia (Pv.28:13).

– Esta falsa “doutrina da legalidade” é cabalmente desmentida no episódio narrado pelo profeta Zacarias que teve a visão da acusação satânica contra o sumo sacerdote Josué, um dos baluartes usados por Deus na reconstrução do templo de Jerusalém. Acusado por Satanás de estar com as suas vestes manchadas, o que fez o Senhor? Deu “legalidade” a Satanás? Deixou Satanás atuar contra o sumo sacerdote? Não, não e não! Mandou que as vestes de Josué fossem trocadas, ou seja, como o pontífice se arrependeu de seus pecados, alcançou misericórdia, sem que o diabo nada tenha podido fazer senão acusar (Zc.3). E isto no tempo da lei, que dirá agora, que vivemos a época da graça?

– Em Ap.12:10,11, temos outra evidência do valor que tem a couraça da justiça. Ali é dito que, no dia do arrebatamento da Igreja, quando formos glorificados, haverá alegria por parte dos salvos, porque terá se consumado a sua salvação e o diabo, que os acusava dia e noite diante de Deus, será derribado na Terra. Mas o que nos chama a atenção aqui é que o texto diz que o diabo acusava “os nossos irmãos”, ou seja, a acusação satânica nunca teve o condão de impedir que os salvos continuassem sendo “irmãos de Jesus”, continuassem a ter o Senhor Jesus como seu primogênito (Rm.8:29; Hb.2:11).

– O sangue de Jesus purifica-nos de todo pecado, põe-nos em comunhão com o Senhor, porque a remissão vem do derramamento deste sangue inocente (Hb.9:22) e, portanto, por ele, ficamos mais alvos do que a neve (Is.1:18), sem condições de sermos atingidos pelas acusações do adversário.

– Entretanto, devemos tomar muito cuidado para que os “dardos inflamados do inimigo” não nos venham atingir e seja “perfurada” a nossa couraça. Tais dardos, como veremos infra, são dúvidas quanto à veracidade da Palavra, quanto à fidelidade divina e, se formos lançados no campo da dúvida, podemos dar início a uma vida pecaminosa que nos levará a um progressivo e perigoso afastamento da presença de Deus, a ponto de nos tornar novamente presas do pecado, de voltarmos a ser dominados por ele.

– Se nos esvaziarmos de Deus, se permitirmos que uma prática pecaminosa venha novamente a nos dominar, ficaremos na situação daquele que tinha a casa varrida e adornada, mas que, por estar vazia, passa a ser ocupada por espíritos malignos piores do que os que eram anteriormente ocupantes dela (Lc.11:24-26), pois sabidamente voltar a se envolver com o pecado deixa a pessoa numa situação espiritual pior de que quando era incrédula (II Pe.2:20-22).

– Vivemos dias de apostasia espiritual e precisamos tomar muito cuidado, pois quem se alonga de Deus perecerá, será destruído pela sua insensatez (Sl.73:27). Tomemos cuidado!

– O terceiro componente da armadura de Deus é a preparação do evangelho da paz, no qual devem estar calçados os nossos pés (Ef.6:15). “…Na armadura romana, os pés dos soldados deveriam estar firmes, e o calçado usado por eles era para dar sustentação nos combates, não poderiam escorregar de modo nenhum….” (SANTOS, Flávio. end. cit.).

– O cristão anda de acordo com as Escrituras, de acordo com a proposta das boas novas trazidas ao mundo por Cristo Jesus. Ele está preparado para pôr em prática aquilo que foi anunciado pelo Senhor e está em perfeita paz com o seu Senhor, justificado que foi pela fé.

– O crente é receptor da paz de Cristo (Jo.14:27) e a transmite aos outros, pois é um pacificador (Mt.5:9). Anuncia a salvação em Jesus (Mc.16:15,20) e, assim fazendo, afugenta o diabo, porquanto é um divulgador da verdade do evangelho, que é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê (Rm.1:16,17). Com estes calçados, o cristão entra pela porta estreita, que o conduz à vida eterna (Mt.7:13,14).

– O inimigo tem um caráter violento, pois seu interior é cheio de violência (Ez.28:16) e a paz de Cristo que está em nós destrói toda a violência e peleja trazida por Satanás e suas hostes, pois a paz de Cristo não é uma ausência de conflito, mas uma integração ao Senhor, algo que o mundo jamais pode tirar do salvo. Levamos as pessoas à presença de Deus, por Cristo Jesus, integrando-as ao reino de Deus, desfazendo a inimizade que o diabo gerou quando conseguiu que o primeiro casal pecasse.

– Não podemos, porém, permitir que nossos pés saiam da preparação do Evangelho da paz e, assim, desprotegidos, possam ser facilmente envolvidos nas guerras e pelejas carnais, fazendo-nos andar por terrenos escorregadios, que nos façam ou parar de correr a carreira que nos está proposta, ou mesmo cair.

– Foi o que começou a acontecer com os gálatas que, seduzidos pelos judaizantes, descalçaram seus pés do evangelho e passaram a querer seguir a lei, o que, segundo o apóstolo, os impediu de continuar a correr bem a carreira rumo aos céus (Gl.5:7) e, quando isto acontece, deixamos de obedecer à verdade.

– Descalço, o soldado não tem condições de caminhar como se deve, perde movimentação e o torna alvo fácil do inimigo. Se deixarmos de lado “a preparação evangelho da paz”, se não estamos prontos a anunciar e a pregar o Evangelho, se passamos a trocar o Evangelho por outros “evangelhos”, tornamo-nos “anátemas”, ou seja, “amaldiçoados”, pessoas “interditadas”, “privadas da graça de Deus”.

– Ao descalçarmos nossos pés, corremos o risco de parar de correr e de cair, como já dissemos, e, por causa disso, muitos passam a ter “joelhos desconjuntados”, passam a “manquejar” na jornada, o que gerará um desvio espiritual. São os que estão a acolher falsos evangelhos. Devemos ir ao encontro destes, antes que se percam inteiramente, ajudando-os a se sararem enquanto é tempo (Hb.12:12,13).

– Satanás tem se levantado com muitos falsos profetas, o que, aliás, é um dos sinais da proximidade do arrebatamento da Igreja e, por isso, devemos tomar muito cuidado para não descalçarmos os nossos pés e comprometermos nossa peregrinação terrena.

O quarto componente da armadura de Deus é o escudo da fé.”… Oescudo do soldado romano era feito de duas camadas de madeira, revestidas com linho e couro, e envolvidas com ferro, dessa forma o protegia no combate protegendo dos dardos e das espadas….” (SANTOS, Flávio. end.cit.).

– O escudo, como se verifica, tinha uma boa estrutura interna: duas camadas de madeira, revestidas com linho e couro, e, depois, envolvidas com ferro. A fé do salvo precisa ser firme, robusta, consistente. Tendo recebido a fé salvadora pela Palavra de Deus (Rm.10:17), o cristão deve desenvolver a sua fé, que existe em seu espírito, agora ligado com Deus, de forma a que tenha um crescimento intenso, como o grão de mostarda, que, sendo a menor das sementes, dá origem à maior das hortaliças (Mt.17:20: Lc.17:6).

– Se confiarmos em Deus, se a Ele entregarmos a nossa vida (Sl.37:3,5), certamente não daremos lugar ao diabo para operar em nossa vida. Quando temos fé em Deus, confiamos na Sua Palavra, a dúvida não encontrará espaço em nossas vidas e, portanto, saberemos afugentar os dardos inflamados do inimigo.

– É por isso que a Bíblia nos diz que a justiça de Deus se descobre de fé em fé e que o justo viverá da fé(Rm.1:17). A fé é o combustível do veículo do crente na estrada que nos conduz ao céu.

– Os dardos inflamados do inimigo são as dúvidas que Satanás e suas hostes lançam em nossa mente para que não mais creiamos na Palavra de Deus e, assim, titubeemos em obedecer-Lhe. Satanás lançou Eva no campo da dúvida quanto à ordem de não comer do fruto da árvore da ciência do bem e do mal e, a partir daí, levou-a ao pecado. O lançamento na dúvida é, aliás, o segundo momento do processo da tentação.

– Estes dardos ou setas são inflamados, ou seja, estão ardendo, são brilhantes e a palavra empregada permite até a conotação de ser “inflamado com ira”. Os ataques do maligno são impiedosos, fortes e que sempre chamam a atenção, mas não podemos nos impressionar por esta “pirotecnia”, pois sabemos que a Palavra de Deus é a Verdade, que Deus é a verdade (Jr.10:10) e, portanto, nada pode abalar a nossa confiança.

– Nos dias hodiernos, não são poucos os ataques que o adversário tem feito contra as Escrituras Sagradas, contra as promessas de Deus, querendo, com isto, demover a fé dos que creem em Cristo Jesus. No entanto, não podemos titubear, devemos usar o escudo da fé e crer ainda que nossa mente ache que seja absurdo. Deus é fiel, não pode negar-Se a Si mesmo (II Tm.2:13).

– O quinto componente da armadura de Deus é o capacete da salvação (Ef.6:17), que o profeta Isaías chama de “elmo da salvação” (Is.59:17). “…O capacete era “a parte mais ornamental da armadura primitiva”. O capacete protegia a cabeça do soldado. …” (SANTOS, Flávio. end. cit.).

– A nossa mente deve estar envolvida com a ideia da salvação. Devemos tudo fazer levando em conta qual o benefício disto para que alcancemos a redenção, a glorificação do nosso corpo. Em nossa mente, nunca devemos perder de vista que temos um objetivo, um alvo (Fp.3:11-14), que é o de perseverar até o fim para que completemos o processo de salvação de nossas almas (Mt.24:13). Sobre a mente, falamos longamente em lição anterior.

– O sexto componente da armadura de Deus é a espada do Espírito, que o próprio texto diz ser a Palavra de Deus (Ef.6:17). “…À época dos soldados romanos, havia diversos tipos de espadas, com tamanhos e pesos diferentes. Provavelmente a espada que Paulo tem em mente é a espada curta e reta que os soldados. romanos usavam, pois, esta, era de fácil manuseio. Tanto defensiva como ofensiva. …” (SANTOS, Flávio. end. cit.).

– Trata-se da única arma de ataque que compõe esta armadura de Deus. Nossa atitude, na batalha espiritual, é nitidamente defensiva, porquanto somos inferiores a Satanás e seus anjos e, mais do que isto, tal batalha se instaurou por causa do desejo homicida do diabo, que quer matar, roubar e destruir o salvo. Sendo assim, não há interesse algum por parte dos salvos de obter alguma vantagem ou conquista em relação ao diabo, porque já fomos convencidos pelo Espírito Santo do juízo, ou seja, de que o príncipe deste mundo já está julgado (Jo.16:8,11).

– No entanto, para que não fiquemos acuados, o Senhor providenciou uma arma de ataque, que é a espada do Espírito. Assim como Nosso Senhor e Salvador, “podemos pôr o inimigo para correr”, quando manejamos bem a Palavra da verdade (II Tm.2:15). A Palavra de Deus é a arma ofensiva nos embates contra o diabo e seus anjos. Foi com a Palavra que Jesus afugentou o adversário.

– Quando cumprimos e anunciamos a Palavra de Deus, o diabo e seus anjos são atingidos e se põem em retirada, ainda que por algum tempo. Foi deste modo que Jesus venceu o inimigo e será assim que nós também o venceremos.

– Esta armadura de Deus, entretanto, para que possa funcionar deverá ser acompanhada de vigilância e oração (Ef.6:18). Assim como o soldado tem de estar em boa forma física para que possa, com sucesso, desempenhar suas funções, principalmente os armamentos que estão à sua disposição, o cristão, para vencer a tentação contra o diabo e seus anjos, há de estar em boa forma espiritual e a boa forma espiritual vem pela oração contínua e incessante, como também pela vigilância, mas isto será tema de outras lições.

– Assim como os soldados romanos, devidamente armados, eram imbatíveis diante de seus inimigos, os salvos na pessoa de Nosso Senhor e Salvador também serão vitoriosos, se tomarem a armadura de Deus, nos embates que sempre terão contra as hostes espirituais da maldade.

– Entretanto, faz-se mister destacar que os exércitos romanos não venciam apenas porque tinham uma armadura mais poderosa do que a de seus adversários, mas, também, porque havia disciplina e hierarquia nas tropas, todos obedecendo ao comandante e atendendo aos seus comandos.

– O adversário, já o vimos, tem um exercício organizado à sua disposição, visto que as forças espirituais da maldade são organizadas hierarquicamente. De igual modo, os salvos precisam estar ordenados, segundo a direção e orientação do seu Senhor, para que também venham a ser vitoriosos. A cabeça da Igreja é Cristo (Ef.1:22; 5:23) e Suas ordens e comandos são-nos transmitidos pelo Espírito Santo (Jo.14:16; 16:13,14).

CONCLUSÃO:

– Na batalha espiritual, temos de ser guiados e dirigidos pelo Espírito Santo, sob pena de, se atendermos a mandamentos e preceitos de homens (Is.29:13; Mc.7:7; Tt.1:13,14), sermos derrotados, apesar de estarmos armados, porquanto não teremos a devida organização para obtermos a vitória.

– Logicamente que não estamos a defender qualquer desrespeito a uma organização hierárquica existente na igreja local, que deve, sim, ser observada, até porque os ministros são escolhidos pelo próprio Cristo (Ef.4:11). Todavia, é indispensável que o Espírito Santo esteja a todos dirigir.

– Com a armadura de Deus, vindo o dia mau, o dia da adversidade, que é inevitável neste mundo (Ef.6:13; Sl.27:5; Ec.7:14), continuaremos firmes na presença do Senhor, devidamente fortalecidos para prosseguirmos nossa jornada rumo ao céu.

– Nesses dias de isolamento social, grande tem sido as investidas de satanás na mente das pessoas. O campo de batalha é a mente. Por isso mais que nunca, devemos nos revestir das armaduras de Deus para resistir no dia mau, e ficar firmes.

Faça Sua Pesquisa no Google Aqui!
 
bove=""

 

Visitas
contador de visitas
Redes Sociais
Click e acesse
Zé Freitas no Facebook

Clínica Climed / Plano Assistencial

Clínica Climed.

Av: Vereador Horácio José de s/n de frente o Banco do Brasil.

Contato (87) 9.9161-1779

Santa Terezinha PE

Lições Bíblicas
Portal Correio-PB

 
CLIQUE E ACESSE!
Parceiros