Ateliê Geilson

Natura

Natália Calçados

CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

  • 28
  • 22
  • 24
  • 20
  • 11
  • 09
  • 11
  • 01
  • 29
  • 03
  • 04
  • 05
  • 07
  • 02

Supermercado

Portal Correio-PB

 
CLIQUE E ACESSE!
 

 Para visualizar este conteúdo corretamente, é necessário ter oFlash Player instalado. 

REFLEXÕES DO PASSADO E PRESENTE: PERSPECTIVA DE MELHORA PARA O FUTURO


 

O presidente eleito Jair Bolsonaro descartou a possibilidade de que pessoas com problemas com a Justiça integrem seu governo. Ao apresentar o futuro chanceler, o embaixador Ernesto Araújo, o futuro mandatário negou que esteja negociando indicações para embaixadas ou ministérios com qualquer integrante do atual governo.“Quem estiver devendo para a Justiça não terá a mínima chance de continuar num governo meu. Quem não estiver devendo, podemos até conversar”, declarou Bolsonaro. Ele disse que pretende concluir a definição dos nomes para ocupar o primeiro escalão até 30 de novembroSobre o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, Bolsonaro declarou que ele está isento de acusações e tem qualidades para ocupar o cargo. O presidente eleito disse que as indicações não estão levando em conta critérios políticos.

“O Onyx é a pessoa mais adequada para responder a essa pergunta para vocês. Pelo que eu saiba, ele não é réu em nada. Não tem critério político [nas indicações]”, acrescentou Bolsonaro.

O ministro extraordinário da transição, Onyx Lorenzoni, negou hoje (14) que tenha sido beneficiado com um segundo repasse da JBS, em 2012. Ele reconheceu que houve, sim, um repasse em 2014, e disse ter admitido o erro publicamente. De acordo com o ministro, a informação veiculada na imprensa nesta quarta-feira (14) tem a intenção de desestabilizar o governo eleito Jair Bolsonaro.

O presidente eleito Jair Bolsonaro concede entrevista à imprensa no CCBB.
O presidente eleito Jair Bolsonaro diz que não escolherá para seu governo quem tiver problemas com a Justiça – Valter Campanato/Agência Brasil

Perguntado se confiava plenamente na isenção de Lorenzoni, o futuro presidente respondeu: “Cem por cento da minha confiança, ninguém tem. Só meu pai e minha mãe”. Neste momento, Bolsonaro foi aplaudido por populares que acompanhavam a entrevista na porta do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), em Brasília, local onde está a equipe de transição. Depois de sair do CCBB, Bolsonaro dirigiu-se ao Aeroporto de Brasília, de onde voltou para o Rio de Janeiro.

agenciabrasil

Leonardo Prado / Agência Câmara
Onyx Lorenzoni (DEM-RS) já admitiu ter recebido caixa 2 da JBS em 2014
Leonardo Prado / Agência Câmara

Planilha entregue por delatores da JBS à Procuradoria-Geral da República (PGR) indica que o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), futuro ministro-chefe da Casa Civil no governo de Jair Bolsonaro, teria recebido um repasse de R$ 100 mil da empresa via caixa 2 em 2012. No ano passado, o próprio deputado admitiu ter obtido a mesma quantia da empresa para a campanha de 2014, mas até o momento não havia indícios desse segundo repasse. As informações são do jornal Folha de S.Paulo. Segundo a publicação, o pagamento a “Onyx-DEM” foi feito em 30 de agosto de 2012, em meio às eleições municipais. Na época, o deputado não concorreu a cargos eletivos, mas era presidente do DEM no RS e apoiou vários candidatos. Segundo os delatores, o dinheiro foi repassado em espécie. Nos registros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), não consta doação oficial da JBS ou da J&F —holding que controla a empresa — para a sigla naquelas eleições. Essa é a segunda vez que Onyx é mencionado recebendo repasses da JBS. No ano passado, o parlamentar admitiu ter obtido R$ 100 mil para a campanha de 2014 e afirmou que sua atitude “foi um erro”.

Os repasses estão sendo investigados pela Procuradoria desde agosto, por ordem do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin. A pedido da PGR, ele determinou a instauração de uma petição autônoma — espécie de apuração preliminar— sobre as suspeitas de contribuições ilegais a Onyx e mais 35 políticos.

Explicação

À Folha, a assessoria de Lorenzoni afirmou, em nota, que ele não recebeu caixa 2 delatado pela JBS na campanha de 2012, mas da Abiec (Associação das Indústrias Exportadoras de Carne), em 2014. “Os recursos foram usados na campanha de 2014 e o ministro só soube da origem quando os diretores da JBS falaram a respeito, pois ele havia recebido do presidente da Abiec, Camardelli, amigo de 30 anos.” Também afirmou que “Onyx Lorenzoni está fazendo uma devolução do dinheiro [de 2014] por meio de doações para entidades filantrópicas de assistência, educação e saúde, entre elas a Santa Casa de Porto Alegre. No total, já foram doados aproximadamente R$ 50 mil. Ao final, o ministro fará uma prestação de contas ” 

gauchazh

brasil247

São quase o dobro dos 4.700 brasileiros que buscaram vagas para trabalhar, pela simples razão de que não aparecem médicos brasileiros em quantidade para suprir as vagas, nas quais têm prioridade.São os cubanos que estão nos lugares mais remotos, mais pobres, muitas vezes pequenas aldeias.

Em cinco anos, fizeram 113 milhões de atendimentos gratuitos, pelo SUS.

A tão alegada “incapacidade profissional”, em tantos procedimentos, jamais levou a um caso escandaloso de mau atendimento, e olhe que eles trabalham sob lupa: qualquer imperícia grave que cometam iria parar nas páginas de jornal.Como foram os casos de médicos que “desertaram” do programa e que, em seguida, mostraram que queriam mesmo era uma oportunidade de ir para os Estados Unidos, patrocinados por organizações que estimulam a fuga de profissionais de Cuba.Os cubanos têm contrato com seu governo e este, por sua vez, com a Organização Panamericana de Saúde, que “pilota” o contrato com o Brasil. Recebem uma parte lá, outra aqui.O governo cubano, é evidente, “vende” serviços de saúde como fonte de receitas para o país. Exatamente como fazem os planos de saúde privados como empresas: pagam aos médicos muito menos do que recebem do cliente pelo atendimento.Este é um problema deles com seus médicos e, sob a lei brasileira, o Supremo Tribunal Federal decidiu em 2017, já no Governo Temer, pela legalidade dos contratos .O nosso problema é não ter, salvo pelos os cubanos, um número significativo de médicos dispostos a atender em locais pobres e remotos

Continue lendo

 

*Programação para o dia de amanhã (velório do Pe. Genildo) é a seguinte:*

✔ Às *9h Santa Missa em Solidão.*

✔ Em seguida, *translado do corpo para Santa Terezinha…*

Por volta das *11h já estará na Matriz de Santa Teresinha*. 

✔ E às *16h Santa Missa de corpo presente, presidida pelo bispo diocesano, Dom Egídio Bisol com a presença de todo o clero.* 

*Deus conforte os nossos corações e acolha o Pe. Genildo entre os eleitos. Obrigado!* 

Pe. Elton Wilson
Santa Terezinha – PE
blogdozefreitas.com.br
Irmãos de São Paulo são aguardados em Santa Terezinha no fim da noite. Missas de corpo presente acontecem em Solidão e Santa Terezinha.

O corpo do Padre Genildo Herculano já está sendo velado na Matriz de Nossa Senhora de Lourdes, em Solidão. Um grande número de fiéis acompanha a despedida, muitos emocionados estão na missa de corpo presente.

Após a passagem por Solidão, o corpo será levado para Santa Terezinha. Às 16h, haverá uma segunda missa de corpo presente.  Aí, encerra-se a programação oficial diocesana e o velório seguirá com previsão de sepultamento para esta quinta-feira (15) às 8 da manhã. Isso porque os irmãos do sacerdote que moram em São Paulo chegarão às 17h em Recife, de onde seguirão para Santa Terezinha. Os médicos diagnosticaram uma infecção bacteriana agressiva, que atingiu os pulmões do sacerdote, causando sua morte.

Fonte: blogdopereira.

Onyx comanda equipe de transição de Bolsonaro

Onyx comanda equipe de transição de Bolsonaro

Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) afirmou nesta quarta-feira (14), em entrevista exclusiva à RecordTV, que o futuro ministro da Casa Civil, o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS), “está ciente” de que ninguém que se tornar réu em processo criminal continuará no governo.

Bolsonaro comentou a suspeita da Procuradoria-Geral da República de que Lorenzoni tenha recebido mais dinheiro via caixa 2 da JBS em campanhas do que inicialmente havia admitido.Segundo o futuro presidente, os problemas considerados menores, serão “absorvidos”.”Uma vez uma denúncia tornando-se robusta, transformando aquela pessoa em réu, nós vamos tomar alguma providência. […] O Onyx está ciente disso, entre outros que nós temos conversado também. Mas é muito difícil hoje em dia você pegar alguém que não tenha alguns problemas, por menores que sejam.”Sobre as inconsistências na prestação de contas de campanha encontradas por técnicos do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Bolsonaro disse que tudo “está na mão” do ex-presidente do PSL, Gustavo Bebianno.”Ele [Bebianno] me relatou que alguns documentos estão faltando sim e que será cumprido o prazo de entrega.”

“Gente será que no Brasil? É isto aí corruptos tem de ir para as cadeia e devolverem o que roubaram da pobreza, parabéns”

Redação Púlpito Cristão

O projeto do pastor evangélico Renato Barbosa tem despertado curiosidade nos internautas. Com a ajuda de outros irmãos de sua congregação, o pastor está construindo barracas de madeira e plástico, que tem sido doadas aos moradores de rua. Barbosa é engajado em missões urbanas, e sua pequena igreja está envolvida em diversos trabalhos sociais na sua cidade e também no exterior.
A redação do Púlpito Cristão entrou em contato com ele, que gentilmente concedeu a entrevista que reproduzimos a seguir.
1 – Pastor Renato Barbosa, como surgiu o projeto?

Ele está inserido no “Projeto Jesus Vem Semeando a Palavra”, que trabalha com missões urbanas e apoia projetos missionários no Haiti e India. Esta ação surgiu quando eu e minha esposa passávamos por uma avenida de São Paulo onde o frio estava em torno de 6°, aí nós pensamos como aliviar aquela situação, uma vez que as pessoas estavam dormindo ao relento. Pensamos inicialmente em doar plásticos para eles colocarem por cima dos cobertores, mas quando cheguei em casa aprimorei a idéia, e com um irmão marceneiro da igreja desenvolvemos a barraca solidária.

Trabalhamos a mais de 10 anos, pregando o evangelho e fazendo obras sociais. Neste projeto específico o objetivo é fornecer a barraca para o morador em situação de rua, a fim de abrigá-lo do frio e da chuva. Tornou-se também uma importante ferramenta de aproximação com eles, e uma oportunidade de apresentar o evangelho.

2 – Qual a maior dificuldade dos moradores de rua?

As dificuldades são imensas. Eles estão vulneráveis. Sem trabalho, principalmente agora com a crise que atravessamos. Quando encontrarm uma oportunidade, tem que driblar a dificuldade de não terem endereço fixo. Sem condições de higiene, sem lugar para lavar roupas, manter uma condição digna, estão expostos a todo tipo de doença. Enfim, enfrentam preconceito de diversas formas. As políticas públicas, não atendem as necessidades destes cidadãos. Hoje, temos ainda o grave problema de famílias inteiras estarem em situação de rua. Perda de emprego tem sido a queixa mais frequente.

3 – Quanto custa cada barraca para vocês?

Compramos plástico, plástico bolha, ripas de madeira e pregos. O preço estimado para construirmos cada uma é de R$ 40,00

4 – Como as pessoas podem ajudar? (contribuição)

Quem quiser contribuir pode entrar em contato pelo Whatsapp (11) 9 7653 6581

Em tempos em que muitas igrejas acabam aparecendo na mídia por conta das manipulações religiosas e descaso pelo próximo, iniciativas como esta merecem ser destacadas, pois nos fazem refletir na importancia que a igreja tem, e mostram que nem tudo está perdido. É certo que existem muitos manipuladores e estelionatários da fé, mas também há muita gente idônea trabalhando em prol do Reino de Deus.

servosdedeus.com

Após semanas e meses de discussões, na sexta-feira passada (31) parece que finalmente ficou definida a questão da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva[1] – ainda cabe um apelo ao Supremo Tribunal Federal (STF). Para uns uma injustiça, uma tragédia, para outros um alívio, uma esperança. Gostaria de avaliar contigo um aspecto deste drama que nos afeta diretamente como cristãos, assim como nos afeta outros movimentos de candidatos de direita ou esquerda… a questão da palavra empenhada.

Uma devida análise jurídica está além da minha capacidade, mas apenas com o intuito de relembrar os leigos, a Lei Complementar nº 135 de 2010, mais conhecida como Lei da Ficha Limpa, foi resultado de uma longa campanha que colheu mais de um milhão e meio de assinaturas. Esta lei foi aprovada no Congresso no primeiro semestre de 2010 e sancionada pelo então presidente Lula em 4 de junho de 2010. Diante de contestações, em fevereiro de 2012 o STF decidiu que a mesma era compatível com a constituição.

Este resumo é amplamente documentado. O que gerou tumulto nas últimas semanas foi a aplicação desta lei sobre aquele que é, talvez, o mais conhecido personagem político nestas eleições. Uma vez condenado em segunda instância e por órgão colegiado, Lula tornou-se inelegível por oito anos, segundo a lei que ele mesmo sancionou. Peço que, por um momento, você suspenda sua avaliação pessoal da condenação do ex-presidente. O debate tem sido sobre a possibilidade deste candidato concorrer sub judice, o que significa concorrer sob a condição de que sua condenação possa vir a ser revertida no STF. A decisão do Tribunal Superior Eleitoral desta sexta-feira encerrou este estágio da discussão.

É curioso, embora não surpreendente, que os mesmos agentes que tenham lutado pela aprovação dessa lei venham agora buscar subterfúgios ou brechas que permitam a um indivíduo esquivar-se da mesma. E, deixe-me acrescentar rapidamente, manobras assim são comuns a políticos tanto da esquerda como da direita. Quantas vezes um candidato promete em campanha que, se for eleito, cumprirá seu mandato até o final somente para no meio do mesmo romper abertamente seu compromisso anterior com o argumento passageiro de que isso faz parte do “jogo político”? Seja com respeito à impugnação de uma candidatura, seja com respeito a quebrar promessas de campanha, seja com respeito a mudar compromissos assumidos, como sociedade estamos sofrendo de uma profunda crise de integridade.

É curioso, embora não surpreendente, que os mesmos agentes que tenham lutado pela aprovação dessa lei venham agora buscar subterfúgios ou brechas que permitam a um indivíduo esquivar-se da mesma.

A própria palavra “integridade” parece fora de lugar em uma era de verdade fluída ou “pós-verdade”. Integridade se refere a estar “por inteiro” em algum lugar ou em alguma posição. Íntegro, então, contrapõe-se a alguém dividido. Muito embora o processo de decisão passe por um período em que opções devem ser avaliadas, o que é condenado aqui é a incoerência entre palavras e ações. No âmbito de nossa política, o que temos com muita frequência é a mesma prática de falar uma coisa e fazer outra; em alguns casos com uma transparência que beira à esquizofrenia.

O que a Bíblia tem a nos ensinar sobre este tema? O que significa ser íntegro em tempos assim? Qual a relação entre fé e integridade? Davi foi um homem que lidou com política, poder, liderança, bajuladores e corrupção; no entanto, era um homem segundo o coração de Deus (Atos 13.22). É dele o Salmo 15:

1 Senhor, quem habitará no teu santuário? Quem poderá morar no teu santo monte? 2Aquele que é íntegro em sua conduta e pratica o que é justo; que de coração fala a verdade 3e não usa a língua para difamar; que nenhum mal faz ao seu semelhante e não lança calúnia contra o seu próximo; 4que rejeita quem merece desprezo, mas honra os que temem o Senhor; que mantém a sua palavra, mesmo quando sai prejudicado; 5que não empresta o seu dinheiro visando a algum lucro nem aceita suborno contra o inocente. Quem assim procede nunca será abalado!

Após perguntar quem pode estar na presença de Deus, ele reponde “aquele que é íntegro”. Ao descrever o íntegro, uma das primeiras características é “falar de coração a verdade”. Esta expressão em si representa muito bem o que é integridade. Se falo a verdade a partir do meu coração, então não há falsidade ou dualidade em mim. É importante ressaltar que para o judeu o coração não era só o centro das emoções, como para nós no Ocidente. Coração seria o equivalente à alma. Assim, falar a verdade de coração significa que a pessoa não só fala a verdade, mas que o que disse vem do mais profundo de seu ser; é o que ele ou ela crê, sente, percebe e com o que está comprometido.

O íntegro mantém sua palavra, mesmo quando sai prejudicado.

No verso 4 Davi afirma que o íntegro “mantém sua palavra, mesmo quando sai prejudicado”. Esta afirmação confronta o que temos visto em nossos políticos e em nossa sociedade em geral.

Continue lendo

Michael Melo/Metrópoles

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), intimou nesta terça-feira (13/11) o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), a prestar esclarecimentos sobre os gastos de sua campanha eleitoral. O magistrado estabeleceu prazo de três dias para que o futuro chefe do Executivo se manifeste à respeito de 23 “inconstâncias” na prestação de contas. A informação é da GloboNews.

Nessa segunda (12), a área técnica do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) concluiu a análise preliminar da prestação de contas da campanha de Bolsonaro e apontou 17 indícios de irregularidade na documentação entregue pela equipe do presidente eleito. Entre os problemas listados pela equipe de análise de prestação de contas, estão o descumprimento de prazos para informe à Justiça Eleitoral de receitas e gastos, inconsistências entre dados informados pela campanha e aqueles registrados em órgãos oficiais, além do recebimento de doações de fontes vedadas. Barroso é relator das contas de campanha no TSE e terá que submeter o procedimento a julgamento no plenário da Corte Eleitoral. Ainda não há data marcada para o tribunal analisar o caso.

metropole

Deborah Secco e Hugo Moura
Deborah Secco e Hugo Moura 

A atriz Deborah Secco e o marido Hugo Moura já estão curtindo as férias! Nesta terça-feira (13), os dois postaram imagens, em suas respectivas redes sociais, onde aparecem no avião, sem a filha Maria Flor.A famosa já havia contado que planejava uma lua-de-mel com Hugo. A viagem acabou não ocorrendo, após o casamento deles, quando negou que moraria um tempo fora do Brasil.“Férias!”, chegou a escrever a artista, na legenda da publicação.Após o fim da novela de João Emanuel Carneiro, Deborah Secco publicou um texto em seu Instagram, citando antigos personagens e se despedindo de Karola, por quem cortou as madeixas, estilo Joãozinho, em cena: “Não queria que vocês ficassem com ciúme, viu, Iris, Darlene, Nataly, Bruna, Judite… Todas que já vivi, eu amo vocês, eu acreditei em vocês exatamente como acreditei em Karola. Quando olho meus últimos anos, o Hugo, a pausa nas novelas, a chegada da Maria Flor, teatro… percebo que de alguma forma, a Karola era a pecinha que faltava no quebra-cabeça da minha vida”, disse.“Obrigada, minha guruzinha. Hoje a jornada se encerra, mas tenho certeza que todos aqueles que te enxergaram, como eu, terão você na memória e no coração. Você vai, meu amor, mas você fica. O seu DNA está em mim. Vai ser a base para novas histórias que eu possa vir a contar”, declarou ela.

observatoriodosfamosos

O Senado cancelou a sessão deliberativa que poderia levar à aprovação o projeto de lei que altera pontos da Lei da Ficha Limpa. A proposição era o segundo item da pauta desta terça-feira (13), mas os trabalhos foram adiados “por falta de quórum”. Durante boa parte do dia, as atenções do Congresso estiveram voltadas para a sessão conjunta (deputados e senadores) destinada à apreciação de vetos presidenciais, e também para comissões como a que discute o projeto escola sem partido.

Presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE) explicou há pouco que a iniciativa de pautar o projeto é de responsabilidade dos líderes de bancada que compõem a Mesa Diretora. A proposição, que ganhou urgência de votação sem que tal pedido fosse aprovado em plenário, saiu da Mesa direto para a pauta de votações da Casa. Eunício explicou que, a exemplo do que aconteceu com a súbita inclusão, na ordem do dia, do projeto de reajuste para ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e chefes da Procuradoria-Geral da República (PGR), agora o projeto que altera a Ficha Limpa foi novamente bancado pelos líderes.”Essa matéria está pauta com as assinaturas do líder Paulo Bauer [PSDB-SC], do líder Lindbergh [Farias, PT-RJ] e de vários outros líderes. Tem a assinatura de mais de 50 parlamentares, e [para pautar] eu só preciso de um quarto [do total], 25. Eu sou obrigado a colocar a matéria em pauta. E ela está em pauta”, disse o senador.”Hoje, nós [Mesa Diretora] fizemos uma discussão em torno dessa questão de prescrição [de punições da Ficha Limpa], ou não, na reunião de líderes. Um senador líder reclamava que não tinha tomado conhecimento [da inclusão em pauta] dessa matéria. E eu disse: ‘Se alguém está discordando, é simples: faz um requerimento com a assinatura de um quarto dos senadores pedindo a retirada da urgência, que eu o submeterei ao plenário a retirada da urgência’. Cabe a mim fazer pauta de ofício, e o que eu faço eu assumo. Agora, não sendo pauta de ofício, cabe aos líderes quando pedem ao regime de urgência”, acrescentou o emedebista.

O projeto

O Projeto de Lei do Senado (PLS) 396/2017 é de autoria do senador Dalirio Beber (PSDB-SC), que “inclui dispositivo na Lei Complementar nº 64, de 18 de maio de 1990, para disciplinar o alcance de hipóteses e prazos de inelegibilidade a fatos que já tenham sido objeto de sentenças judiciais transitadas em julgado”, como diz a ementa. Em resumo, o objetivo do projeto é acabar com a inelegibilidade de oito anos imposta aos condenados pela Lei da Ficha Limpa antes de 2010. Ou seja, apenas sentenciados a partir disso seriam enquadrados na legislação. Na verdade, seria uma anistia para quem praticou e foi condenado, por exemplo, por crimes investigados na Operação Lava Jato, cujo esquema de corrupção se “institucionalizou” a partir do início do ano 2000, com a articulação que reuniu partidos como PP, PT e PMDB.

Continue lendo

Escola sem Partido é adiado de novo na Câmara após 6 meses de embate

Após mais de três horas de embates, a comissão especial da Câmara dos Deputados que discute o projeto Escola sem Partido adiou nesta terça-feira (13), novamente, a votação do seu relatório. A próxima sessão deve ocorrer na semana que vem. Já são seis meses de tentativa de análise da proposta, uma das mais polêmicas em tramitação no Congresso. Defendido pelas alas mais conservadoras do parlamento, o projeto sofre grande oposição dos partidos de esquerda, que nesta terça conseguiram mais uma vez impedir a votação. Os parlamentares desses partidos fizeram durante a sessão várias “questões de ordem”, que são formulações baseadas no regimento da Câmara usadas, na maior parte dos casos, para atrasar ao máximo ou inviabilizar as votações.Após duas suspensões para a realização de votações no plenário da Câmara, a presidência da comissão decidiu encerrá-la no início da noite desta terça.Como em todas as tentativas anteriores, apoiadores e contrários à medida acompanharam a sessão e bateram boca em vários momentos. Um dos cartazes dos apoiadores do Escola sem Partido trazia os dizeres: “Exame toxicológico para professores da rede pública.” Outro, contrário, a inscrição “Lei da mordaça, não!”

Deputados de esquerda também discutiram com manifestantes e com colegas. Em um dos mais tensos, o relator, deputado Flavinho (PSC-SP), chamou aos gritos a petista Erika Kokay (DF) de “mentirosa” e “dissimulada”, dizendo que seu texto não propõe criminalização de professores. A deputada é uma das principais críticas da medida.

Bandeira de parlamentares à direita e da bancada religiosa, o projeto busca impedir o que seus defensores classificam como uma ideologização de esquerda feita por professores nas salas de aula.

O projeto estabelece, entre outros pontos, a afixação de cartazes nas escolas com os “deveres dos professores”, como o de “respeitar o direito dos pais dos alunos a que seus filhos recebam a educação religiosa e moral que esteja de acordo com as suas próprias convicções.”O projeto diz ainda que a educação “não desenvolverá políticas de ensino, nem adotará currículo escolar, disciplinas obrigatórias, nem mesmo de forma complementar ou facultativa, que tendam a aplicar a ideologia de gênero, o termo ‘gênero’ ou ‘orientação sexual’.”

Continue lendo

Bolsonaro fala em cortar ao menos 30% dos cargos políticos em bancos estatais

O presidente eleito Jair Bolsonaro, em Brasília, em 7 de novembro de 2018 – AFP

   O presidente eleito, Jair Bolsonaro, disse na tarde desta terça-feira, 13, que pretende cortar “no mínimo” 30% dos cargos políticos nos bancos federais. Em conversa com jornalistas no Superior Tribunal Militar (STM), ele confirmou reportagem publicada hoje pelo jornal O Estado de S. Paulo que sua equipe prepara um “pente-fino” para mapear indicações partidárias no Banco do Brasil (BB), no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no Banco do Nordeste (BNB) e no Banco da Amazônia (BASA). “Pretendemos diminuir (o número de cargos) e colocar gente comprometida com outros valores lá dentro”, afirmou. A uma pergunta sobre o “cabide” de empregos nos bancos federais e autarquias, Bolsonaro afirmou que a equipe do economista Paulo Guedes, escalado para o ministério da Economia, irá “rever” as estruturas das instituições. “Vamos diminuir isso aí”, ressaltou. O presidente eleito disse “concordar” que há um “exagero” no número de comissionados e citou ainda o quadro de funcionários dos ministérios. Na entrevista, ele voltou a destacar que pretende dar transparência às operações do BNDES, uma bandeira de campanha. “No BNDES, o sigilo vai ser zero”, disse. Bolsonaro destacou que as mudanças nos bancos estatais e as nomeações de presidentes, incluindo a do Banco Central, estão sendo analisadas por Paulo Guedes. Até agora, o futuro ministro da Economia informou que Joaquim Levy, ministro da Fazenda no governo Dilma Rousseff, comandará o BNDES. “É da minha índole confiar nas pessoas”, disse Bolsonaro, referindo-se a Guedes. “Essa é a política econômica do Paulo Guedes. Ele tem ascendência”, completou. “O Brasil está numa situação crítica e está nas mãos dele tirar (o País) dessa situação.”

istoe

O Plenário aprovou há pouco o Projeto de Lei 7683/14, do Superior Tribunal Militar (STM), que promove reformas no sistema de Justiça Militar da União.Uma das mudanças determina que passará a ser competência do juiz federal da Justiça Militar julgar habeas corpus, habeas data e mandado de segurança referentes à matéria criminal impetrados contra ato de autoridade militar. Excetuam-se dessa regra apenas os atos praticados pelos oficiais-generais, que continuam na alçada do Superior Tribunal Militar.O texto aprovado, do relator na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), segue para análise do Senado.

Militares realizam demonstração na EsplanadaMilitares realizam demonstração na Esplanada – Foto: José Cruz / Agência Brasil

A votação do projeto só foi possível após o deputado Carlos Manato (PSL-ES), que preside os trabalhos, cancelar a votação do Projeto de Lei Complementar (PLP) 420/14, que modifica regras do Simples Nacional (Supersimples), que estava em andamento.Manato atendeu a apelos de diversos deputados que se manifestaram favoravelmente ao Projeto de Lei 7683/14.Os deputados decidem neste momento se retomam ou não a votação da proposta que altera regras do Simples. A dúvida é se há votos suficientes para sua aprovação (257 votos favoráveis).

congressoemfoco

Continue lendo

João Zoli e Felipe Sertanejo
João Zoli e Felipe Sertanejo (Foto: Reprodução/RecordTV)

João Zoli e Felipe Sertanejo aproveitaram o dia de sol para curtir o ofurô, na tarde desta segunda-feira (12)

“Muito patrão”, diz João Zoli ao ver Sertanejo no ofurô. “Vou perder umas calorias”, diz João e entra no ofurô junto com Sertanejo. Enquanto os peões curtem o ofurô, Rafael Ilha fica observando-os e Cátia curtia a piscina sozinha.

“A maldade está nos olhos de quem vê”, diz Rafael sobre Nadja

Rafael Ilha voltou a falar sobre a expulsão de Nadja Pessoa, na madrugada desta segunda-feira (12), em A Fazenda 10O ex-polegar defendeu Nadja mais um vez dizendo que não foi assedio o que a peoa fez com o Sertanejo. “Foi muita sacanagem o que ela [Luane] fez. Eu volto a repetir, a maldade está nos olhos de quem vê. Porque se for assim, ela assediou você [João], assediou o Evandro, assediou a Cátia e assediou todo mundo”. “Todo mundo que viu a maldade era quem detestava a Nadja. Mas também, se ela tivesse dado em cima, porque que ninguém falou antes? Esperou, e foi oportunismo sujo e covarde fazer aquilo naquele momento”, desabafou Rafael. “Eu não comentei porque não tinha nada a ver com nenhum dos dois”, João tira o dele da reta.

observatoriodatelevisao

Luciana Gimenez
Luciana Gimenez

A apresentadora Luciana Gimenez não perde tempo mesmo! No último domingo (11), ela postou uma foto no Instagram, que causou um grande burburinho nas redes. Na ocasião, ela posou ao lado do piloto escocês David Coulthard, que já se relacionou com a socialite Simone Abdelnur. Atualmente, Simone está com Marcelo de Carvalho, ex-marido de Luciana. “Revendo amigos”, escreveu na legenda. “Dá-lhe Gimenez!”, vibrou uma seguidora. “Se não for pra ser afrontosa, a Gimenez é nem sai de casa”, disse uma outra. Recentemente, a famosa apresentou o Teleton, que aconteceu neste último final de semana, e chamou atenção pelo look brilhante e transparente.

Análise preliminar constatou 17 indícios de irregularidade na documentação entregue pela equipe do presidente eleito

Técnicos do TSE apontam 'inconsistências' nas contas de Bolsonaro

Aárea técnica do Tribunal Superior Eleitoral concluiu na noite desta segunda-feira (12) a análise preliminar da prestação de contas da campanha de Jair Bolsonaro (PSL) e apontou 17 indícios de irregularidade na documentação entregue pela equipe do presidente eleito.Com isso, os técnicos pedem que o ministro-relator, Luís Roberto Barroso, dê prazo de três dias para que a equipe de Bolsonaro encaminhe documentos e esclarecimentos sobre os 17 itens levantados, além de outros seis temas em que apontam inconsistências. Entre os problemas listados pela equipe de análise de prestação de contas está o descumprimento de prazos para informe à Justiça Eleitoral de receitas e gastos, inconsistências entre dados informados pela campanha e aqueles registrados em órgãos oficiais e recebimento de doações de fontes vedadas.Há ainda a afirmação de que a AM4, maior fornecedora da campanha de Bolsonaro, não tem autorização da Justiça Eleitoral para fazer arrecadação de doações pela internet, maior fonte de recursos da campanha do capitão reformado.Os técnicos também querem que a campanha informe os advogados que atuaram para Bolsonaro. A campanha registrou ter gasto R$ 50 mil com serviços advocatícios da Kufa Sociedade de Advogados, mas não prestou informações sobre os outros que atuaram na campanha.

Além disso, não há na prestação informações sobre a prestação de serviços contábeis.

Reportagens da Folha de S. Paulo mostraram a campanha de Bolsonaro omitiu dados da prestação de contas do primeiro turno. Algumas das informações também não foram apresentadas na prestação final das contas da campanha, entre elas o trabalho de um dos principais advogados da campanha, Tiago Ayres.

Continue lendo

Famosas manifestam apoio a Claudia Leitte após assédio de Silvio Santos

As atrizes Deborah Secco e Taís Araujo, cantora Daniela Mercury e a apresentadora Astrid Fontenelle são algumas das celebridades que deixaram mensagens de apoio à cantora Claudia Leitte. Em texto publicado nesta segunda (11) em seu Instagram, Claudia fala do constrangimento que sentiu com os comentários de Silvio Santos durante o Teleton. “Quantas vezes nos sentimentos assim!!! Constrangidas, chocadas, acuadas, sem nem saber direito como reagir, porque como disse a Fernanda Lima, somos quase sempre tratadas como loucas. Importantíssimo falar, Claudia”, afirmou a atriz Mariana Xavier, lembrando, ainda, do episódio em que Fernanda Lima foi atacada após publicar um vídeo com um trecho do programa Amor & Sexo sobre feminismo em suas redes sociais.  Durante o Teleton, exibido no sábado (11), Silvio Santos disse que não abraçaria a cantora, que usava um vestido rosa. “Esse negócio de ficar dando abraço me excita e eu não gosto de ficar excitado”, disse o apresentador.

A dupla sertaneja Simone & Simaria usou o seu perfil para comentar com aplausos o texto divulgado pela cantora. “Parabéns pela coragem. Assédio não é diversão. Estamos juntas!”, completou a atriz Taís Araujo. “Se eu era fã, agora então, ARRASOU, mana! E o seu constrangimento não foi só seu, foi de todxs!”, comentou a atriz Maira Charken Usando a hashtag #juntassomosmais fortes, Astrid Fontenelle falou sobre a importância desse tipo de manifestação. “Agora você entendeu quando fala e repete sobre a importância de ser feminista! Você estava linda, sei o quanto se preocupou para se apresentar bem. E a música nova é massa!”, disse a apresentadora.

Continue lendo

Faça Sua Pesquisa no Google Aqui!

 
bove=""

 

Visitas

contador de visitas

Redes Sociais

Click e acesse
CLIQUE AQUI e fale com os ministros, fiquem de OLHO bem aberto alguma informação entre em contato com os ministros.

CLIQUE AQUI e veja receita e despesa do seu municípios.

Aqui você encontra informações sobre a aplicação do dinheiro público nos municípios e no estado de Pernambuco.

Zé Freitas no Facebook

Zé Freitas no Twitter

Parceiros