Lojas Surya

Lojas Surya Acessórios

Natália Calçados

CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

  • 28
  • 22
  • 24
  • 20
  • 11
  • 09
  • 11
  • 01
  • 29
  • 03
  • 04
  • 05
  • 07
  • 02

Supermercado

Portal Correio-PB

 
CLIQUE E ACESSE!
 


REFLEXÕES DO PASSADO E PRESENTE: PERSPECTIVA DE MELHORA PARA O FUTURO


 

São Paulo – Os brasileiros estão menos felizes em 2019 do que em 2018, aponta o Estudo Global da Felicidade, conduzido pelo Instituto Ipsos e divulgado nesta quarta-feira, (11). A lenta recuperação da economia brasileira e as altas taxas de desemprego estão entre os principais motivos que levaram à queda no país. Sandra Pessini, diretora da comunicação da Ipsos, explica que em 2018 foi um ano de eleições presidenciais no Brasil e quase sempre que isso acontece, há uma sensação de renovação na esperança das pessoas. No Brasil, em 2018, 73% das pessoas tinham se declarado felizes. Em 2019, houve uma queda de 12 pontos percentuais para 61%. “Para os brasileiros, 2019 começou com um alto nível de expectativa. Analisamos que a demora na retomada da economia impacta diretamente na percepção de felicidade da população”, afirma Pessini à EXAME.Além da questão econômica, acontecimentos como Brumadinho e o incêndio no Centro de Treinamento do Flamengo afetaram diretamente o humor dos brasileiros. “Notamos que o clima de polarização política nas redes sociais e em grupos de Whatsapp também impactou essa percepção”, diz.  Na América Latina, houve uma queda generalizada na percepção de felicidade das pessoas de um ano para o outro, com exceção do Peru: “54% dos peruanos de declararam felizes ou muito felizes em fevereiro de 2018 e 58% em junho de 2019, ou seja, um aumento de 4 pontos percentuais”. O estudo da Ipsos mede o nível de felicidade dos países desde 2011 e é conduzida totalmente online. “A pesquisa é representativa da população conectada [com acesso à internet]. No Brasil, esse número representa 70% da população”, explica a diretora do instituto. A pesquisa entrevistou 20,3 mil pessoas espalhadas em 28 países, entre 24 de maio e 7 de junho deste ano. No Brasil, 1.000 pessoas foram entrevistadas, com margem de erro de 3,5 pontos para mais ou para menos.

O que faz os brasileiros felizes

Pessini explica que a realidade de cada país influencia diretamente nas respostas da pesquisa. No Brasil, a saúde e o bem-estar físico são considerados os mais importantes, entre 29 fontes de felicidade que são citadas. Em segundo lugar, ter um emprego que faça sentido (62%) e, depois, ter uma vida que faça sentido (59%). Outras fontes, como segurança pessoal, minha condição de vida, ter mais dinheiro e bem-estar religioso ou espiritual apareceram empatados em quarto lugar. No mundo, o ranking de importância é diferente, com filhos (48%) e a relação com o parceiro (48%) aparecendo como as principais fontes de felicidade. 

Como está a percepção de felicidade no mundo

Continue lendo

Uma petição com quase 570 mil assinaturas foi entregue nesta quarta-feira (11) na Câmara dos Deputados, pedindo a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 504/2010, que transforma o Cerrado e a Caatinga em Patrimônio Nacional. A matéria está pronta para ir à Plenário.

Para Fátima Barros, liderança quilombola do Quilombo Ilha de São Vicente (TO), esses biomas precisam virar patrimônio nacional para alcançarem maior proteção. “O Cerrado e a Caatinga se tornarem patrimônio nacional é fundamental para defesa desses biomas. O Cerrado apesar de ser o segundo maior bioma que cobre o nosso Brasil e ter mais de 40 mil anos, ele é um bioma extremamente frágil, que depois de impactado você não consegue reproduzi-lo novamente”, avalia Fátima. A Campanha Nacional em Defesa do Cerrado recolhe assinaturas desde 2016 para pressionar a Câmara dos Deputados a votar pela aprovação desta PEC. “Existe uma proposta de Emenda Constitucional tramitando desde 2010, a PEC 504/2010.  Ela eleva o Cerrado e a Caatinga a categoria de patrimônios nacionais, igualando à Mata Atlântica, Amazônia e outros biomas brasileiros”, diz o coordenador do Instituto Sociedade População e Natureza (ISPN), Guilherme Eidt. “Mais de 80% dos reservatórios de água que geram eletricidade, que movem a economia no Centro-Sul do Brasil, provem de águas das três bacias hidrográficas que nascem no Cerrado”, completa o representante do ISPN. O diretor executivo da Change.org Brasil, plataforma de petições que recolheu as assinaturas, Rafael Sampaio, revelou ao Congresso em Foco, que apenas 1% dos abaixo assinados publicados no site conseguem tantas assinaturas, a maioria fica entre mil e duas mil adesões. “Eu diria que está entre 1% dos abaixo assinados que é criado Change.org. Essa mobilização não é só nacional, ela é internacional. Temos pessoas assinando também na Espanha, Estados Unidos e França”, revelou. A primeira deputada federal indígena do Brasil, Joenia Wapichana (REDE-RR), recebeu as assinaturas e entregou para o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). “Entreguei o pedido de mais de meio milhão de assinaturas de apoio para que seja pautada e aprovada a PEC 504/2010, que coloca na Constituição Federal os biomas Cerrado e Caatinga como patrimônios nacionais”, declarou a deputada.

congressoemfoco

A direção da empresa se nega a negociar, quer acabar com o Acordo Coletivo de Trabalho, rebaixar direitos e salários e favorecer a privatização pretendida pelo governo. Os trabalhadores dos Correios estão numa encruzilhada histórica: ou lutam ou perdem o que conquistaram em anos de luta!

A intenção do governo e da direção da ECT está clara. É acabar com os benefícios da categoria. Por isso se negam a negociar o Acordo Coletivo. Nem com a prorrogação do Acordo e com o chamado do Tribunal Superior do Trabalho à negociação a direção da empresa aceitou o diálogo. O próprio TST afirma isso (ouça entrevista com o Juiz Rogério Meira, auxiliar da Vice-Presidência do TST, que estava mediando as negociações entre ECT e as Federações).

Eles querem impor uma derrota histórica à categoria! Reduzir radicalmente os salários e os benefícios. Deixar a mão de obra ecetista próxima da escravidão! Tudo isso para privatizar os Correios. Entregar o setor postal a empresários loucos por lucro. Jogar no lixo o atendimento a todos os cidadãos, a segurança nacional envolvida nas operações, a integração nacional promovida pelos Correios!

Se apenas 324 municípios dão lucro, como ficará a população dos outros 5.356? Sem serviço postal? As empresas privadas NUNCA farão a compensação financeira que a estatal faz?

Os trabalhadores dos Correios estão num momento histórico grave. O governo quer vender todas as estatais e acabar com os serviços públicos para entregar tudo às empresas privadas. Quer acabar com os direitos e a justiça trabalhista para presentear os empresários com trabalhadores mais baratos. É um tsunami que deixará as relações de trabalho arrasadas no Brasil, e os trabalhadores na miséria.

O que fazer? Ficar parados? Ou reagir? Deixar levarem tudo? Ou defender nossos direitos sociais, nossa dignidade, nossas conquistas, o sustento das nossas famílias?

Continue lendo

O ministro Paulo Guedes diz que quer fazer uma grande queima de estatais no estilo "fast track" - Créditos: Fernando Frazão | Agência Brasil
                              O ministro Paulo Guedes diz que quer fazer uma grande queima de estatais no estilo
“fast track” / Fernando Frazão | Agência Brasil

Em entrevista ao jornal Valor Econômico publicada nesta segunda-feira (9) o ministro da Economia, Paulo Guedes, detalhou seus planos para o desmonte do Estado brasileiro e das estruturas de proteção e justiça social criadas nos últimos 30 anos no país. Sem meias palavras, Guedes afirmou que pretende privatizar todas as estatais de uma vez só; acabar com os investimentos obrigatórios em áreas como saúde e educação; extinguir as deduções no imposto de renda; demitir servidores públicos e reduzir salários; acabar com os fundos setoriais; recriar a CPMF e até mudar o significado da letra “S” na sigla BNDES – que passaria a significar Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Saneamento, e não mais “Social”. Na entrevista, ele afirma que, depois da Reforma da Previdência, o eixo central de sua próxima investida será “desindexar, desvincular e desobrigar” todas as despesas públicas em todos os níveis de governo – federal, estadual e municipal. Tal medida significa por fim, por exemplo, à regra constitucional que obriga os governos a investirem uma porcentagem orçamentária em saúde e educação. Na saúde, essa obrigatoriedade é de 13,2% do orçamento federal, 12% do estadual e 15% do municipal. Na educação, é de 18%, 25% e 25%, respectivamente.

Para Guedes, o que fazer com tais recursos deve ser decidido pelos governos de plantão, em todos os níveis, e não a partir de uma política de Estado. “Os orçamentos públicos”, diz ele na entrevista, devem “pertencer à classe política”. Sobre privatizações, o ministro afirmou que o governo quer pegar todas as empresas estatais, avaliar, colocar num pacote e solicitar autorização expressa do Congresso para vender tudo de uma só vez, no estilo “fast track”.

Ele disse ainda que pretende criar o “PAP” – Programa de Aceleração das Privatizações.

Além de vender “tudo”, Guedes quer demitir servidores públicos, acabar com carreiras e reduzir salários. Consequentemente, conclui ele, muitas das atuais atribuições do governo federal seriam extintas. Em tese, tais funções seriam assumidas por Estados e Municípios – que, no mundo ideal de Paulo Guedes, agiriam sem qualquer necessidade de se subordinarem a um projeto maior de país. Na Reforma Tributária, já em discussão no Congresso, o plano do ministro passa longe da ideia de criar alíquotas progressivas, de maneira que o peso maior recaia sobre os mais ricos.

Ao contrário, para os que ganham mais ele propõe redução de alíquota (de 27% para 25%), enquanto acaba com todas as possibilidades de dedução com despesas – como saúde, educação e outros – e estabelece contribuição obrigatória para quem ganha a partir de um salário mínimo. Hoje, são isentos todos os que ganham até dois salários mínimos.

Continue lendo

Evento ocorreu no teatro da PUC, em São Paulo - Créditos: Mídia Ninja
Evento ocorreu no teatro da PUC, em São Paulo / Mídia Ninja

Representantes de movimentos populares e organizações da sociedade civil se reuniram nesta quarta-feira (11) no teatro da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) para o ato “Resistir é Preciso”, em defesa de direitos sociais e ambientais. Com o auditório lotado, os participantes dirigiram críticas ao governo de Jair Bolsonaro (PSL) e compartilharam estratégias de resistência. O evento foi marcado pela presença de representantes de diferentes religiões, que se uniram na crítica às violações de direitos encabeçadas pelo Poder Executivo. “Ele é machista, racista e homofóbico”, definiu o padre Júlio Lancelotti sobre o capitão reformado. “Precisamos nos rebelar estando do lado dos que sofrem. Nas suas lutas, não esqueçam dos homens e mulheres que vivem pelas ruas”, completou o religioso, integrante da Pastoral do Povo de Rua.

“Qualquer ato que se faça em defesa da democracia precisa contar com a participação de nós, os povos originários, os povos negros”, disse o Babalorixá Pai Rodney de Oxóssi. “Quando estávamos em ‘franca’ democracia, meu povo nunca deixou de ser morto, preso, perseguido”, lembrou a Ialorixá Mãe Adriana de Naña. “Nós sempre resistimos, e continuaremos a resistir”. O objetivo do evento, segundo os organizadores, era fazer um pacto de mútua colaboração pró-democracia e fortalecimento da resistência.

Leana Naiman Bergel, do Observatorio Judaico de Direitos Humanos, deixou claro que o uso de símbolos judeus durante a campanha de Bolsonaro não significa apoio irrestrito ao presidente: “Contem conosco para a defesa da democracia”.

“Estamos num real golpe de Estado. Nós, evangélicos, nos organizamos para denunciar a suposta bancada evangélica, porque eles não nos representam. Eles não falam por nós. Não os reconhecemos como cristãos de fato e evangélicos de fato”, afirmou o pastor Ariovaldo Ramos. “Não aceitamos, sob hipótese alguma, a quebra do Estado laico”, completou.

Continue lendo

É sintomático que a Globo ignore a Vaza Jato, ela seria parte acusada num processo judicial caso houvesse imparcialidade da justiça e não cumplicidade. Quanto mais avançam os vazamentos publicados pelo The Intercept, mais nos damos conta da conspiração combinada.

STF legitima padrão escravocrata de exploração
                     STF legitima padrão escravocrata de exploração (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)

É sintomático que a Globo ignore a Vaza Jato, ela seria parte acusada num processo judicial caso houvesse imparcialidade da justiça e não cumplicidade. Quanto mais avançam os vazamentos publicados pelo The Intercept, mais nos damos conta da conspiração combinada. O judiciário abre mão da justiça, o MP e PF idem, a Globo e a grande mídia abrem mão do jornalismo. Portanto, não há o que se espantar com a cara de paisagem do grupo Globo frente aos fatos da Vaza Jato que desmontam o golpe e a farsa da Lava Jato.  

Formado o conluio, fizeram o que se viu: prisões ilegais, delações combinadas sob coação, golpes, coerções, sequestros, balburdia institucional, manipulação de processos, abolição da constituição, eleição desse ogro à presidência da oitava economia mundial, desmoralização internacional com atritos sem sentido, aprofundamento da crise, entrega do petróleo e outras riquezas, liquidação do patrimônio público, invasão e incineração de áreas florestais, alta do Dólar, desemprego e precarização do trabalho em níveis alarmantes, crescimento da pobreza, volta ao mapa da fome, violência policial matando nos campos e cidades. 

Palmas aos jornalistas da Globo News. Eu realmente gostaria de saber o que essa gente pensa quando põe a cabeça no travesseiro. Eu sou uma pessoa digna não deve ser um dos pensamentos. 

Depois de venderem tudo, ou entregarem a preço de banana os campos de petróleo com um trilhão de isenções fiscais, atacaram as aposentadorias dos pensionistas de baixa renda; e lá vai a grande máquina de papagaios de aluguel apresentando a conta do caos que criaram aos pobres desse país – reforma da previdência, previdência, previdência, previdência, previdência, previdência no café da manhã, na TV da padaria, no almoço, no transito da tarde, no rádio na hora do rush, na janta, no JN, no Jornal da Recorde, Band, SBT, Cultura, durante a madrugada dos bufões gosmentos da Jovem Pan. 

Pelo visto há muito mais no material recolhido pelo The Intercept, mas não há mais o que possa livrar a Lava Jato dos crimes que cometeu. Dos 22 diálogos grampeados ilegalmente, Moro selecionou um para construir uma narrativa fraca que não evidenciava nada que apontasse obstrução da justiça, impedindo Lula de ocupar a Casa Civil, e ocultou 21 diálogos em que essa pratica era negada nas conversas de Lula. Dallagnol, essa aberração missionária e moralista, metida em todo tipo de crime administrativo, ilegalidade, lavagem de dinheiro, chegou a afirmar, quando alertado da ilegalidade dos grampos, que o processo era político e não jurídico. 

Qual voto de qual eleitor o senhor Dallgnol obteve para fazer política com o sistema de justiça e criar esse estrago que vemos no país? 

Continue lendo

Centro de Tratamento de Encomendas dos Correios em Benfica
Centro de Tratamento de Encomendas dos Correios em Benfica (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

Há uma ofensiva sem precedentes no Brasil no sentido de eliminar o patrimônio público repassando-o para mãos privadas e estrangeiras. Parte da entrega prometida dos que apostaram no atual governo, mesmo que isso signifique a destruição de empresas estratégicas, desenvolve-se uma ação de desgaste na imagem desta instituição, que pelo seu trabalho de três séculos faz parte da vida e da história do nosso povo. É nítida a intenção do governo em relação à Empresa Brasileiras de Correios e Telégrafos, a terceira instituição mais confiável segundo pesquisas – fica atrás apenas da “família” e dos “bombeiros” – e que comprovadamente tem 99% de “entregabilidade” em seus serviços e 98% de excelência na qualidade operacional. As grosserias dos atuais comandantes da política econômica com os mais de 100 mil trabalhadores dos Correios, chamados de ”gafanhotos” por Paulo Guedes, e que produzem a indignação dessa categoria, são pouca coisa quando se entende os reais objetivos. Ele diz com todas as letras e desfaçatez que “…há uns oito caras aí querendo comprar (os Correios)…”. Esses caras, segundo a imprensa, são a Amazon, a mesma que derrubou as ações de três das maiores empresas brasileiras esta semana com o anúncio de vendas on line com entregas grátis. Caberia a essas empresas denunciar um evidente dumping. No mesmo dia, a pesquisa Datafolha era divulgada demonstrando que 67% dos brasileiros são contra a privatização.

Segundo Guedes, “brasileiro tem mania de se sentar em cima de suas estatais”. Por que será? Seria porque sabemos que as empresas estatais são nosso patrimônio, construído com o nosso dinheiro, fazem parte da nossa soberania, e por que mostraram ao longo dos tempos serem eficientes?

Entre as alegações do governo entreguista, destaca-se a tendência mundial à privatização dos serviços postais. Mentira. Apenas oito países adotaram o modelo inteiramente privado. Nos países em que se privatizou, os preços subiram e os serviços perderam a qualidade, pois agências não lucrativas são fechadas e comunidades deixadas sem comunicação. Enquanto nos Estados Unidos, maior exemplo de país capitalista, o United Postal Service pertence ao governo, responde  47% de todo o volume postal do mundo, mesmo que às vezes deficitário. Sua receita operacional em 2017 foi de 71,4 bilhões de dólares, prejuízo líquido de 2,7 bilhões, e não foi privatizado. Serviços postais são considerados estratégicos em todo o mundo, responsáveis por dar um “endereço postal”(CEP) a cada cidadão ou cidadã, e deter informações que só o estado deve ter.

Continue lendo

Depois de liderar os golpes de 1964, que lançaram o Brasil numa ditadura de 21 anos, e de 2016, que permitiram a ascensão do neofascismo no país, a Globo publica editorial nesta quinta em que pede defesa da democracia, diante das ameaças bolsonaristas. Um dos argumentos da Globo em seu editorial é o fim da exigência para publicar balanços em jornais impressos – o que faz sentido econômico, diante das mudanças tecnológicas

                                                                                                         (Foto: LULA MARQUES)

247 – Grupo de comunicação com DNA eminentemente golpista, por ter lutado contra a democracia brasileira em 1964 e em 2016, a Globo agora pede que as instituições defendam o Brasil do autoritarismo de Jair Bolsonaro, que ela própria ajudou a eleger. “Estes quase nove meses de governo Bolsonaro aconselham a necessidade de uma especial atenção de instituições e organismos da sociedade a desvios de poder que precisam ser coibidos e corrigidos”, diz o editorial, que aponta autoritarismo no fim da exigência de publicação de balanços em jornais impressos – o que talvez seja um dos únicos acertos de Bolsonaro.”O uso de um recurso à disposição do governo federal, a medida provisória, para retaliar a imprensa profissional, de que o presidente não gosta, é gritante manipulação ilegal de instrumentos de Estado contra quem faz críticas ao governo. E o faz por dever de ofício, respaldada pela Constituição. O presidente sancionou em abril lei sobre a publicação de balanços, mas voltou atrás para editar MP a fim de prejudicar jornais. A medida provisória acabou com qualquer obrigatoriedade de empresas de capital aberto divulgarem balanços e relatórios em veículos de grande circulação. A intenção foi explicitada pelo próprio Bolsonaro. Há pouco, também por meio de MP, os atingidos foram jornais menores, do interior, nos quais estados e prefeituras não precisarão mais divulgar convocações de concorrência etc. Um ato autoritário típico. O perigo é que todo o discurso de intolerância que este grupo joga nas redes sociais começa a se materializar em decisões de governo com o mesmo viés. Os recursos de poder do Estado brasileiro não podem estar a serviço de qualquer projeto que contrarie a Constituição”, aponta ainda o texto.

brasil247

“Para o desespero dos neocons estadunidenses, toda a fúria e som combinada do 11/09 e a Guerra Global ao Terror/Operação de Contingenciamento Ultramar, em menos de 2 décadas, acaba em metástases representadas não somente por um rival mas também na parceria estratégica Rússia-China. Esse é o ‘inimigo’ real – não a Al-Qaeda, uma mera invenção do imaginário da CIA, reabilitada e higienizada na forma de ‘rebeldes moderados’ na Síria”, escreve o correspondente Pepe Escobar, ao analisar os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001

Tradução de Regina Aquino

Após anos de reportagens sobre a Grande guerra ao terror, muitas questões permanecem pendentes.

O Afeganistão foi bombardeado e invadido por causa do 11/09. Eu estava lá desde o começo, bem antes do 11/09. Em 20 de Agosto de 2001, eu entrevistei o comandante Ahmad Shah Massoud, o “Leão do Panjshir *“, que me contou sobre a aliança profana entre o Talibã, a al-Qaeda e o ISI (Inter-Services Intelligence, o serviço de Inteligência paquistanesa). De volta a Peshawar, eu fiquei sabendo que algo realmente grande estava para acontecer: meu artigo foi publicado pelo Asia Times em 30 de Agosto. O comandante Massoud foi morto em 9 de Setembro: eu recebi um e-mail sucinto de uma fonte em Panjshir, afirmando somente, “atiraram no comandante”. Dois dias depois, o 11/09 aconteceu. E ainda, no dia anterior, ninguém mais que Osama bin Laden, em pessoa, esteve num hospital Paquistanês, em Rawalpindi, recebendo tratamento, como foi relatado pela CBS. Bin Laden foi proclamado o autor do atentado já as 11h da manhã no dia 11/09 – com absolutamente nenhuma investigação. Não deveria ser exatamente difícil localizá-lo no Paquistão e “trazê-lo para a Justiça”. Em dezembro de 2001, eu estava em Tora Bora rastreando bin Laden – debaixo de bombas B-52 e lado a lado com combatentes Pashtun (**). Mais tarde, em 2011, eu revisitaria o dia em que bin Laden desapareceria para sempre. Um ano após o 11/09 , eu estava de volta ao Afeganistão para uma investigação mais profunda sobre o assassinato de Massoud. Até aquele momento era possível estabelecer uma conexão Saudita: a carta de apresentação dos assassinos de Massoud, que se colocaram como jornalistas, foi fornecida pelo comandante Sayyaf, um ativo saudita.  Por 3 anos minha vida girou em torno da Guerra Global ao Terror; a maior parte do tempo eu vivia literalmente na estrada, no Afeganistão, Paquistão,Irã, Iraque, o Golfo Pérsico e Bruxelas. No começo do “Choque e Pavor” no Iraque, em Março de 2003, o Asia Times publicou minhas abrangentes investigações na qual os neo-cons arranjaram a guerra no Iraque.

Continue lendo

Resultado de imagem para "Novas regras para tirar CNH entram em vigor na próxima semana Foto: Divulgação
Começam a valer a partir da próxima segunda-feira (16) as novas regras para tirar a carteira nacional de habilitação (CNH). As mudanças foram publicadas na resolução n° 778/2019 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) e preveem, entre outras alterações, a não obrigatoriedade do uso de simulador nas autoescolas e a redução na carga horária de aulas práticas noturnas. A expectativa é de que as novas normas provoquem uma redução no valor cobrado pelos centros de formação de condutores (CFCs). Quando foram publicadas, em junho, a estimativa do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, era de que o custo fosse reduzido em até 15% apenas considerando o uso facultativo dos simuladores.

Relembre o que muda:

Simulador não obrigatório
A resolução faz com que o uso do simulador para obtenção da CNH na categoria B seja facultativo. Com isso, o candidato poderá optar por fazer as aulas no aparelho antes de sair para as ruas – desde que ele esteja disponível no CFC. A resolução determina ainda que o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) ficará responsável por acompanhar o uso do simulador em todo o Brasil e avaliar a sua eficácia no processo de formação de condutores.

VEJA TAMBÉM:

Projeto propõe fim da obrigatoriedade de fazer autoescola para tirar a CNH
Carga horária menor
Com o uso facultativo do simulador, a carga horária necessária de aulas práticas volta a ser de 20 horas/aula – era de 25 horas com o equipamento de direção veicular.Caso o aspirante à CNH opte por usar o aparelho, ele poderá cumprir 5 horas/aula no simulador e as outras 15 horas/aula em vias públicas. Senão, as 20 horas/aula são nas ruas. Já para a inclusão da categoria B à CNH, a carga horária do curso prático volta a ser de, no mínimo, 15 horas/ aula.

Aula prática noturna reduzida
Quem quer tirar carteira de habilitação nas categorias A (moto), B (automóveis) e ACC (ciclomotores) não precisa mais cumprir 5 horas de aulas à noite: a partir de agora a exigência é para apenas 1 hora/aula.

A exigência de aulas noturnas caiu de 5 horas para apenas 1 hora/ prática para os aspirantes às categorias A (moto), B (automóveis) e ACC (Autorização para Conduzir Ciclomotores).

VEJA TAMBÉM:

Agora é lei! Fim da exigência de CNH categoria D para instrutor
Permissão para ciclomotores facilitada
A carga horária para obter a permissão de conduzir ciclomotores (ACC) – veículos de duas rodas de 50 cm³ -, também foi reduzida, de 20 para 5 horas/ aula.

Continue lendo

Fernanda Lima fala sobre sua paixão por cosméticos naturais
Fernanda Lima fala sobre sua paixão por cosméticos naturais Foto:Divulgação
Os cosméticos cada vez mais naturais estão tomando conta das prateleiras e da nossa nécessaire. Fernanda Lima é uma das famosas apaixonadas pelo movimento, que tem produtos orgânicos, veganos, recicláveis ou livres de substâncias nocivas. “Tudo o que é natural é melhor e faz com que a gente seja mais sustentável e use coisas mais saudáveis. A pele é o maior órgão do nosso corpo, por isso, eu tenho sempre muito cuidado ao escolher produtos cosméticos. Valorizo ativos naturais, provenientes da diversidade no nosso ecossistema. Por que não aproveitar, de forma saudável, tudo o que a natureza nos oferece e devolver, de forma mais natural possível, a ela também?”, diz ela, que é embaixadora da The Body Shop no Brasil. 

E, com o aumento da procura, várias marcas estão investindo na fabricação dessa categoria, que já conta com os mais diversos tipos, como removedores de esmaltes, refeilções, itens de limpeza… Além disso, esse tipo produto ainda ajuda o meio ambiente, pois procura meios de produção menos ou nada agressivos para a natureza. “Sinto que, cada vez mais, as pessoas estão se preocupando mais com os ingredientes, não só dos alimentos, mas dos produtos que colocam em contato com a sua pele. Dessa forma, os cosméticos naturais, veganos e orgânicos têm ascendido mais no mercado. A conscientização é crescente, mas ainda muito lenta. É um processo que irá crescer com as marcas independentes cada vez que o consumidor ganhar mais critério de escolha e se preocupar com o consumo consciente”, diz Patricia Lima, fundadora da Simple Organic. Fernanda diz que não acredita na beleza a qualquer preço e que gosta de ajudar o mundo, mesmo que seja em pequenas atitudes. “Eu gosto da beleza sem crueldade, do respeito aos direitos humanos, de movimentos que cuidam do planeta e das pessoas. O consumo consciente precisa estar cada vez mais no nosso dia-a-dia e nas nossas escolhas”, afirma a apresentadora do Amor & Sexo (TV Globo). 

Na edição 2206, com capa do ator Caio Castro, CONTIGO! fez uma Vitrine especial com produtos do bem! Confira!

Resultado de imagem para anatel
Parte importante das regras deste novo segmento será definida na consulta pública da Anatel
(foto: Sinclair Maia/Anatel)

À medida que crescem a adoção e a importância da chamada Internet das Coisas, o tema também desperta interesse e chama a atenção de autoridades públicas, de governos a agências reguladoras, passando pelo Parlamento. Após o anúncio do Plano Nacional de Internet das Coisas pelo governo federal, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) está com consulta pública aberta para ouvir a sociedade sobre quais regras devem incidir sobre esse sistema de tecnologias. O termo Internet das Coisas (IdC, ou IoT na sigla em inglês) vem sendo adotado nos últimos anos para designar um ecossistema em que não apenas pessoas estão conectadas por meios de seus computadores e smartphones, mas também dispositivos estão interligados entre si, com usuários e com sistemas complexos de coleta, processamento de dados e aplicações de diversos tipos. Saiba mais. Segundo o gerente de programas para software e soluções na nuvem para América Latina da consultoria global IDC, Pietro Dalai, o Brasil ainda está bem atrás de outras nações, embora numa posição boa na região, consolidando-se como o mercado mais expressivo. A IDC estima que o volume de recursos movimentado pelo ecossistema, considerando todas as fases da cadeia de valor, deve chegar neste ano a R$ 38 bilhões. “O plano nacional de Internet das Coisas da China foi publicado 7 ou 8 anos atrás. O nosso estamos publicando agora. Mas em termos de implementação na América Latina a gente está bem. Temos uma infraestrutura de Tecnologia da Informação no país que já tem condições de suportar projetos de Internet das Coisas”, avalia o gerente da consultoria IDC.

Regulação

Continue lendo

Resultado de imagem para Itamaraty trata como ''sigilosos'' documentos sobre ideologia de gênero
Informações oficiais sobre esse tema da ideologia de gênero devem ficar ocultas do conhecimento público por cinco anos(foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)

Alegando questões de segurança nacional, o Ministério das Relações Exteriores (Itamaraty) classificou como sigilosos documentos que tratam da posição no Brasil sobre “igualdade de gênero” no âmbito da Organização das Nações Unidas (ONU). De acordo com a decisão da pasta, informações oficiais sobre esse tema devem ficar ocultas do conhecimento público por cinco anos. A mesma regra foi aplicada em assuntos que tratam da “educação sexual”. O país passou a rejeitar esses dois termos nas atividades internacionais, mas por conta da restrição de acesso aos dados, não é possível saber o que motivou o ato do Executivo.
A negativa do governo em repassar as alegações utilizadas para rejeitar esses termos no âmbito das Nações Unidas ocorreu após organizações não governamentais (ONGs) solicitarem detalhes sobre esses temas por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI). De acordo com  legislação, o Estado é obrigado a repassar informações detalhadas quando solicitado por pessoas físicas, jurídicas e de terceiro setor. No entanto, caso essas informações sejam classificadas como sigilosas, podem não ser repassadas durante um período de tempo definido pelas autoridades.
Atualmente, o Brasil concorre a um lugar no Conselho de Direitos Humanos da ONU. Para tentar uma vaga no grupo, o país apresentou um relatório sobre sua política de proteção a direitos básicos e fundamentais e sobre sua visão com relação a temas sensíveis e humanitários. No documento, o governo federal retirou referências relacionadas a proteção de grupos da comunidade LGBTS e políticas de gênero. A política adotada, em alguns pontos, é semelhante à visão apresentada pelo governo da Arábia Saudita e outras nações conservadoras. Uma das entidades que ingressou com pedido de acesso à informação foi a Associação Brasileira LGBTI (a ABGLT). Procurado pela reportagem, o Itamaraty informou que “todas as comunicações que instruam sobre negociações internacionais em curso recebem grau reservado de sigilo, o qual tem duração de cinco anos”. O ministério cita o artigo 25 do Decreto 7724/2012, que aponta que  “são passíveis de classificação as informações consideradas imprescindíveis à segurança da sociedade ou do Estado, cuja divulgação ou acesso irrestrito possam”, entre outros fatores “prejudicar ou pôr em risco a condução de negociações ou as relações internacionais do País.

correiobraziliense

Moro quer escritório de inteligência para combater tráfico na fronteiraO projeto do ministro Moro é inspirado no modelo dos Estados Unidos.

 

 

 

 

 

 

 

 

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, pretende inaugurar o primeiro escritório de inteligência integrado na fronteira de Foz do Iguaçu ainda em 2019. O escritório, um Centro Integrado de Operações em Fronteiras, vai se chamar Fusion Center, assim como nos Estados Unidos, e o projeto piloto vai funcionar em uma área de 600 metros quadrados no Parque Tecnológico de Itaipu, informa o jornal Gazeta do Povo. Além de apoio operacional para as ações das polícias na fronteira, o escritório também vai auxiliar investigações do Brasil inteiro, através do levantamento de informações, processamento e difusão. O escritório em Foz do Iguaçu terá um núcleo do Centro Integrado de Inteligência, inaugurado recentemente em Curitiba, que tem o objetivo de auxiliar investigações e produzir conhecimento. O Fusion Center, que tem a função de coordenar operações na região de fronteira, também vai auxiliar na criação de protocolos de troca de informações entre instituições.

renovamidia

Resultado de imagem para Contrariando Carlos, Mourão diz que democracia é um pilar da sociedade
Hamilton Mourão, vice-presidente da República(foto: Florence Lo/AFP)

Durante uma coletiva na tarde desta terça-feira (10/9), o presidente interino, Hamilton Mourão, defendeu que a democracia é um pilar da sociedade. “A democracia é fundamental, são pilares da civilização ocidental. Vou repetir para você: pacto de gerações, democracia, capitalismo e sociedade civil forte. Sem isso, a civilização ocidental não existe”. O comentário ocorreu um dia após o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), escrever no Twitter, que por meio da democracia não há desenvolvimento.

“Por vias democráticas a transformação que o Brasil quer não acontecerá na velocidade que almejamos… e se isso acontecer. Só vejo todo dia a roda girando em torno do próprio eixo e os que sempre nos dominaram continuam nos dominando de jeitos diferentes!”, postou o filho número 2 do presidente Jair Bolsonaro, já conhecido por comentários polêmicos. O governo Bolsonaro vem desfazendo absurdos que nos meteram no limbo e tenta nos recolocar nos eixos. O enredo contado por grupelhos e os motivos cada vez mais claro lamentavelmente são rapidamente absorvidos por inocentes. Os avanços ignorados e os malfeitores esquecidos.Por vias democráticas a transformação que o Brasil quer não acontecerá na velocidade que almejamos… e se isso acontecer. Só vejo todo dia a roda girando em torno do próprio eixo e os que sempre nos dominaram continuam nos dominando de jeitos diferentes!Mourão, no entanto, rebateu a colocação de Carlos e afirmou ser necessário que o governo negocie com o Congresso Nacional ‘com clareza, determinação e muita paciência as medidas que interessam ao governo e defendeu que as mudanças buscadas para o país podem ser feitas no sistema democrático: “Se não a gente não tinha sido eleito”. “A democracia é fundamental, são pilares da civilização ocidental. Vou repetir para você: pacto de gerações, democracia, capitalismo e sociedade civil forte. Sem isso, a civilização ocidental não existe”, apontou.Mourão se reuniu nesta manhã com os ministros da Justiça, Sérgio Moro e da Secretaria do Governo, Luiz Eduardo Ramos. O assunto do encontro foi a MP 885-2019 que facilita a venda e o confisco de bens de traficantes apreendidos decorrentes de operações contra o tráfico de droga e reverte os recursos para o Fundo Nacional Antidrogas.
A medida aguarda passar pelo Congresso Nacional para votação.
correiobraziliense

Intensa campanha contra empresas públicas não conseguiu convencer população de que vendê-las é bom negócio para o país

Projeto privatizante de Guedes e Bolsonaro é rechaçado por ampla maioria da população - Créditos: Antonio Cruz | Agência Brasil
Projeto privatizante de Guedes e Bolsonaro é rechaçado por ampla maioria
da população / Antonio Cruz | Agência Brasil

Pesquisa Datafolha divulgada nesta terça-feira (10) pelo jornal Folha de S.Paulo mostra que continua alta entre os brasileiros a rejeição ao projeto de privatização de empresas públicas e desmonte do Estado defendido pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) e seu ministro da Economia Paulo Guedes.Mesmo com apoio unânime dos meios de comunicação de massa à campanha contra as empresas públicas, o governo não conseguiu convencer a população de que se desfazer delas seja o melhor negócio. Segundo a pesquisa, 67% dos brasileiros são contra as privatizações, enquanto apenas 25% se dizem a favor. Os demais se disseram indiferentes ou não souberam responder.O resultado mostra pouca alteração em relação ao último levantamento sobre o tema, divulgado em novembro de 2017, quando os números eram 70% contra 20% a favor. Na pesquisa atual, os maiores índices de aprovação estão entre os eleitores de Bolsonaro (39%) e entre os mais ricos, com ganhos superiores a 10 salários mínimos (50%).

brasildefato

Segundo Major Olimpio (PSL-SP), governo e Congresso haviam acordado
que o Senado teria o protagonismo na tramitação da reforma tributária Sérgio

O líder do PSL no Senado, Major Olímpio (PSL-SP), disse nesta 3ª feira (10.set.2019) que é preciso parar com “idiotices” sobre o protagonismo das Casas do Legislativo. Também criticou a quebra de 1 suposto acordo para que a proposta de reforma tributária que tramita no Senado fosse a principal. O acordo teria sido fechado entre o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e o ministro Paulo Guedes (Economia). Todos prometeram o protagonismo aos senadores sobre o tema, segundo ele.

“Agora, estranhamente, eu vejo muitas vezes o acordo ser rompido”, enfatizou.

Mais cedo, ao participar do mesmo evento, o relator da PEC (Proposta da Emenda à Constituição) de reforma tributária no Senado, Roberto Rocha (PSDB-MA), também cobrou 1 maior protagonismo do SenadoOlímpio foi duro em relação à demora na definição sobre qual das propostas –do Senado, da Câmara ou do governo– deverá seguir em frente.

“O Senado da República não resolveu, de repente: ‘Olha, nós vamos ser protagonistas em relação à reforma tributária’. Longe disso… É bom pararmos com essas idiotices em relação a protagonismo e vamos fazer o que é necessário que seja feito”, completou.

Cada saque e cada depósito em dinheiro seria taxado com uma alíquota inicial de 0,40%Cláudia Ferreira/Prefeitura de Boa Vista


O secretário especial adjunto da Receita Federal, Marcelo de Sousa Silva, disse que o governo planeja uma taxa de 0,4% para quem efetuar saques e depósitos em dinheiro e uma de 0,2% para pagamentos no débito e em crédito financeiro. A ideia é substituir gradativamente o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), a contribuição patronal sobre a folha de pagamento e a contribuição social sobre lucro líquido pelas novas taxas. O secretário falou sobre as ideias que o governo têm para a reforma tributária nesta 3ª feira (10.set.2019) no Fórum Nacional Tributário, organizado pelo Sindifisco (Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal). A proposta defendida por ele traz a desoneração da folha de pagamento, transforma o Pis/Cofins, Cide e IPI em 1 único imposto chamado CBS (Contribuição Social sobre Bens e Serviços). Também está nos planos do governo uma reformulação do Imposto de Renda, que traria mais competitividade, segundo ele. Para empresas, a contribuição cairia de 34% para a faixa de 20% a 25%. No caso das alíquotas cobradas na folha de pagamento, o governo quer trocar a contribuição patronal sobre folha, extinguir o IOF arrecadativo e da contribuição sobre lucro líquido por uma “contribuição sobre pagamentos”. Esta, por sua vez, é uma taxa de 0,2% no débito e em empréstimos financeiros e outra de 0,4% em saques e depósitos em dinheiro. “É importante a gente pegar uma lupa e poder enxergar o que se está substituindo. Nós estamos substituindo o pior imposto do nosso ordenamento jurídico, que onera a produção, que onera a exportação, por 1 outro de menor cumulatividade e que desonera o setor formal”, argumentou o secretário. Para ele, o atual modelo desestimula a contratação de mão de obra, já que a tributação sobre a folha de pagamentos, unindo patrão e empregado, é de 43,5%. Com as novas taxas, o governo pretende alcançar pessoas que hoje não são alcançados pela tributação, como trabalhadores informais.

Continue lendo

“Eu acho normal, porque a palavra dele (Neymar) vale mais que a minha. É o caso de um jogador e eu sou só uma pessoa de família humilde. É muito mais fácil arquivar o caso do que ir atrás da verdade”, disse Najila.

O auge das polêmicas de Neymar, porém, foi a acusação de um suposto estupro feita pela modela Najila Fernandes. O caso ganhou repercussão mundial e o brasileiro voltou a ser o centro (negativo) das atenções. O atacante causou polêmica por divulgar imagens não autorizadas da modelo e da conversa que teve com Najila para se defender. O caso foi arquivado pela Justiça.
O auge das polêmicas de Neymar, porém, foi a acusação de um suposto estupro feita pela modela Najila Fernandes. O caso ganhou repercussão mundial e o brasileiro voltou a ser o centro (negativo) das atenções. O atacante causou polêmica por divulgar imagens não autorizadas da modelo e da conversa que teve com Najila para se defender. O caso foi arquivado pela Justiça.

Foto: Divulgação/Instagram / LANCE!

As afirmações foram feitas na noite desta terça-feira, após o depoimento concedido no 11º Distrito Policial de São Paulo para prestar esclarecimento sobre o suposto arrombamento do seu apartamento em São Paulo. Na versão da modelo, estava em seu apartamento um tablet que conteria um vídeo com o segundo encontro com Neymar em Paris. Ela teria gravado imagens na tentativa de conseguir provas do estupro e da agressão que, ainda segundo ela, aconteceram no primeiro encontro dos dois, em 15 de maio. Foram divulgados apenas 66 segundos do encontro – o vídeo total nunca foi exibido. Na parte divulgada, Najila agride Neymar.”Foi uma explosão ali, porque no fundo eu sabia que não haveria justiça para ele, uma questão de honra também. Falei, cara, não vai ter justiça, mas vou fazer a minha”, afirmou a modelo. Embora o Ministério Público de São Paulo (MP-SP) tenha pedido o arquivamento, o caso pode ser reaberto desde que surjam novas provas. Após o posicionamento do MP-SP e o fim das investigações da Polícia Civil, a Justiça vai se pronunciar sobre o inquérito. Existem três caminhos possíveis: Neymar pode ser indiciado, o juiz pode pedir mais investigações ou o caso pode ser encerrado.

terra

Selena Gomez retorna as redes sociais e dá indícios de novo álbum
Selena Gomez retorna as redes sociais e dá indícios de novo
álbumFoto/Destaque Instagram

Depois de hiatus, Selena Gomez é flagrada em gravação

misteriosa e rumores sobre documentário começam a circular

Na última segunda-feira, 09, os alunos de uma escola em Grand Prairie, no Texas, foram surpreendidos com uma visita pra lá de especial. Selena Gomez apareceu no colégio com sua uma equipe de gravação completa, acompanhando a euforia de sua chegada, a estrela chegou abraçando e conversando com alguns fãs que estavam presentes na hora. A cantora não estava produzida, usava um visual bem simples completo por moletom. De acordo com as contas de alguns fãs, tudo indica que esse é um documentário que ela tem filmado. Após a comemoração e o levantamento dos rumores, alguns seguidores da cantora lembraram que algo parecido foi feito antes no ano passado, na Alemanha. Após um hiatus e um tempo longe dos holofotes, os fãs esperam um álbum de músicas inéditas, o último foi o Revival, lançado em 2016. Segundo a empresária da cantora e um insider, o álbum está mais próximo do que nunca e com ele, um documentário, mas essa é uma questão hipotética, nada confirmado até o momento. 

“Ela acabou de comemorar seu aniversário na Itália e está realmente curtindo esse tempo de folga antes que as coisas aumentem novamente. Selena tem trabalhado em novas músicas e planeja lançá-las este ano. Vai mostrar um lado diferente da Selena e muito pessoal”, afirmou a fonte. “Selena passou por muitas coisas ao longo dos anos e está pronta para compartilhar com o mundo”, declarou.

Faça Sua Pesquisa no Google Aqui!

 
bove=""

 

Visitas

contador de visitas

Redes Sociais

Click e acesse
  CLIQUE AQUI e fale com os novos ministros, fiquem de OLHO bem aberto alguma informação entre em contato com os ministros. Imagem relacionada
Vejam as verbas de suas cidades ,naveguem e fiquem bem informados CLIQUE AQUI E ACESSE!

CLIQUE AQUI e veja receita e despesa do seu municípios.

Aqui você encontra informações sobre a aplicação do dinheiro público nos municípios e no estado de Pernambuco.

Zé Freitas no Facebook

Parceiros