Lojas Surya
Supermercado
Lojas Surya Acessórios
Portal Correio-PB

 
CLIQUE E ACESSE!
 
Edifício-sede da Petrobras Foto: Carlos Ivan - Agência O Globo
Edifício-sede da Petrobras Foto: Carlos Ivan – Agência O Globo
RIO – A  Petrobras não vai reajustar os preços dos combustíveis neste momento. Segundo uma fonte, a estatal vai aguardar a evolução do preço do petróleo no mercado internacional para tomar qualquer tipo de decisão.
O presidente Jair Bolsonaro telefonou para o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, para tratar do assunto e foi informado por Castello Branco de que não haverá repasse imediato no preço dos combustíveis. O presidente deve abordar o assunto em entrevista  à TV Record que será exibida às 21h45. – A companhia vai aguardar a volatilidade dos preços e tomar uma decisão. A estatal tem mecanismos de proteção, com a sua política de hedge. Além disso, o preço do barril fechou a US$ 68. Por isso, não há nada que justique ainda um aumento – disse essa mesma fonte do setor. Mais cedo, em nota, o Ministério da Economia  disse que o governo observa com atenção os ataques com drones a instalações de petróleo da Arábia Saudita. Uma possível alta no preço do óleo preocupa por conta da reação imprevisível dos caminhoneiros.  O governo não sabe como a categoria receberia um aumento repentino no valor do combustível e teme a “fúria” dos motoristas. “O Ministério da Economia informa que sua equipe técnica está acompanhando os desdobramentos do ataque à refinaria de petróleo na Arábia Saudita e analisando seus impactos no mercado internacional e na economia doméstica”, afirma a nota. Em maio, o anúncio de que a Petrobras iria reajustar o preço do óleo diesel irritou os caminhoneiros, que ameaçaram fazer uma nova paralisação nacional. Naquela ocasião, um acordo costurado pelo Ministério da Infraestrutura estabeleceu que o custo do diesel seria repassado para a tabela do frete sempre que o combustível subir mais que 10%.

Agora, o governo conta com esse gatilho para segurar uma eventual insatisfação da categoria.

Ruptura

No sábado, dez ataques com drones a instalações de petróleo da Arábia Saudita interromperam a produção em 5,7 milhões de barris por dia, o equivalente à metade da capacidade saudita e mais de 5% do suprimento mundial.

Análise:   alta do petróleo não poderia chegar num pior momento para a economia global

Essa ruptura na produção foi a maior desde o impacto sofrido na invasão do Kuwait pelo Iraque, em 1990, quando os dois países reduziram drasticamente sua produção e o impacto estimado foi de 4,3 milhões de barris de petróleo em corte de oferta.

As maiores rupturas na produção de petróleo
Volume de produção afetado
Crises
(Em milhões de barris por dia)
5,7
Ataque de drones a instalações
na Arábia Saudita (2019)
5,6
Revolução Islâmica no Irã (1978-1979)
4,3
Guerra do Yom Kippur (1973-1974)
4,3
Guerra do Golfo (1990-1991)
Guerra do Irã-Iraque (1980-1981)
4,1
Greve de petroleiros na
Venezuela (2002-2003
2,6
2,3
Guerra do Iraque (2003)
Sanções a exportações de
petróleo iraquiano (2001)
2,1
2
Crise do Canal de Suez (1956-1957)
2
Guerra dos seis dias (1967)
Fonte: Bloomberg e Agência Internacional de Energia

O ataque evidenciou a vulnerabilidade das instalações de petróleo da Arábia Saudita, o maior exportador do produto no mundo. O uso de novas tecnologias, como os drones, mostrou riscos na segurança que não estavam no radar dos analistas.

Nesta segunda-feira, os mercados reagiram aos ataques com uma disparada nos preços internacionais do petróleo. Depois de ter subido 19,5% durante o dia, chegando a tocar US$ 71,95, o preço do barril do Brent fechou com alta de 14,61%, negociado  a US$ 69,02. Este foi o maior ganho percentual em um único dia desde 1988.

Faça Sua Pesquisa no Google Aqui!
 
bove=""

 

Visitas
contador de visitas
Redes Sociais
Click e acesse
Zé Freitas no Facebook

Parceiros